Índice

  1. ABORDAGEM DE ENSINO PARA A GERAÇÃO NET
  2. “A PRODUÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES SOBRE EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL – O PERÍODO 1985-1994”
  3. “TERRITORIALIDADE NA DINÂMICA CULTURAL DE UM REMANESCENTE QUILOMBOLA EM ITAPOCU, SANTA CATARINA”
  4. A cobrança pelo uso da água como instrumento de controle ambiental na bacia hidrográfica do rio Cubatão – Joinville/SC
  5. A comunicação social no Programa Para Saber Viver da Univali – Contribuições e Desafios
  6. A DISCIPLINA “PRODUÇÃO DE TEXTO” A DISTÂNCIA: DESAFIANDO ESPAÇOS E TEMPOS NA FURB
  7. A EFETIVAÇÃO DAS DECISÕES EMANADAS PELA CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS NO ESTADO BRASILEIRO.
  8. A FINA IRONIA NOS QUADRINHOS DA MAFALDA
  9. A HISTÓRIA DO ENSINO PÚBLICO DE JOINVILLE ATRAVÉS DA MEMÓRIA DOS ATORES ESCOLARES NAS ESCOLAS ISOLADAS
  10. A IMPORTÂNCIA DO MICROCRÉDITO PARA O CRESCIMENTO ECONÔMICO DE ANGOLA – UMA VISÃO DO PERÍODO PÓS-GUERRA CIVIL
  11. A IMPORTÂNCIA DO VÍNCULO AFETIVO MÃE-BEBÊ, PARA A CONSTITUIÇÃO DO SUJEITO SAUDÁVEL
  12. A literatura de corpo presente no "Vôo da Madrugada"
  13. A METODOLOGIA DA PROBLEMATIZAÇÃO E A INDISSOCIABILIDADE ENTRE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO
  14. A NOTÍCIA VAI À ESCOLA E A ESCOLA VIRA NOTÍCIA
  15. A PERCEPÇÃO DOS DOCENTES INTEGRALIZADORES EM UM CURRÍCULO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM
  16. A POLÍTICA DOS 9 (NOVE) ANOS DE ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO CURRÍCULO NA REDE MUNICIPAL DE JARAGUÁ DO SUL – SC.
  17. A sintonia da mediação familiar como ensino aprendizagem
  18. A TRIBUTAÇÃO AMBIENTAL E A PROTEÇÃO DO MEIO AMBEINTE.
  19. A UNIVERSIDADE CUMPRINDO SEU PAPEL DE ASSESSORIA ÀS COMUNIDADES ORGANIZADAS/ BLUMENAU
  20. A VISÃO DOS ESTAGIÁRIOS NO NÚCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE PALESTRAS NAS COMUNIDADES DA COMARCA DE CANOINHAS
  21. ABORDAGEM PRÁTICA DA WEB 2.0 COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL
  22. ACOLHIDA AOS DISCENTES INGRESSANTES
  23. AÇÃO EDUCATIVA DO PROJETO “BICHO QUE EDUCA” DA UNIDADE DE ZOOLOGIA - MUESC
  24. AÇÕES DE EXTENSÃO VOLTADAS PARA A SAÚDE DE ADULTOS, IDOSOS E SEUS FAMILIARES
  25. AÇÕES EDUCATIVAS PARA A DETECÇÃO PRECOCE DO CÂNCER NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA
  26. AÇÕES INTEGRADAS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO EM PSICOLOGIA DO ESPORTE
  27. AFETIVIDADE: ELEMENTO FUNDAMENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL
  28. AGÊNCIA EXPERIMENTAL: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA
  29. AMA - ARQUEOLOGIA NA MATA ATLÂNTICA, OS SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS DO RIO FACÃO – RIO FORTUNA – SC.
  30. AMBIENTE URBANO – UM ESTUDO SOBRE O USO DAS CALÇADAS COMO ESPAÇOS PÚBLICOS NA CIDADE DE CRICIÚMA – SC
  31. Ampliação dos significados da monitoria universitária
  32. ANÁLISE AMBIENTAL DA ÁREA LOCALIZADA ENTRE A UNERJ E A BR – 280.
  33. ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS PORTOS DE SÃO FRANCISCO DO SUL E ITAJAÍ PARA EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO ATRAVÉS DE CONTÊINERES
  34. ANÁLISE DA ATIVIDADE ANTIBACTERIANA DE EXTRATOS ISOLADOS DE PLANTAS NATIVAS DA MATA ATLÂNTICA FRENTE A CEPAS DE MOLICUTES
  35. ANÁLISE DA MÃO-DE-OBRA QUALIFICADA NA REGIÃO DE RIO DO SUL E CIDADES DO ALTO VALE DO ITAJAÍ
  36. ANÁLISE DE GRUPOS DE CONTEMPORÂNEOS PARA ESTRUTURAÇÃO DE MODELO ANIMAL DAS CARACTERÍSTICAS PESO DE PEITO E RENDIMENTO DE CARCAÇA EM FRANGOS DE LINHAGEM MACHO
  37. ANÁLISE DE NÍVEL DE PRESSÃO SONORA ATRAVÉS DO PROGRAMA OCTAVE COM A FINALIDADE DE REALIZAR TRATAMENTOS ACÚSTICOS EM AMBIENTES INDUSTRIAIS.
  38. Análise do Desenvolvimento do programa de Educação Ambiental do Projeto Piava no Município de Itajaí/SC
  39. Análise dos parâmetros biológicos de Centropomus undecimalis e Centropomus parallelus no litoral norte de Santa Catarina e sul do Paraná (Brasil)
  40. Análise qualitativa de cardápios da merenda de escolas estaduais do Oeste de Santa Catarina
  41. APLICAÇÃO DO SOFTWARE AUXILIAR NA REABILITAÇÃO DE DISTÚRBIOS AUDITIVOS (SARDA) EM CRIANÇAS COM DISTÚRBIO DO PROCESSAMENTO AUDITIVO: caracterização do processamento temporal auditivo
  42. APRENDIZAGEM E COMPORTAMENTO DA CRIANÇA SURDA AO INTERAGIR COM UMA INTERFACE EDUCACIONAL
  43. ARGUMENTAÇÃO E REDAÇÃO II: Uma proposta pedagógica participativa
  44. ARTE NOS BANCOS DA UNERJ
  45. AS ESCOLAS ÉTNICAS NA REGIÃO SUL CATARINENSE E OS REFLEXOS DA POLÍTICA DE NACIONALIZAÇÃO DO ENSINO
  46. AS SEQÜÊNCIAS DEPOSICIONAIS DA FORMAÇÃO CAMPO MOURÃO E FORMAÇÃO TACIBA, GRUPO ITARARÉ, NA REGIÃO DE RIO NEGRO/PR E MAFRA/SC- UM EXEMPLO DE GRANDES MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO PERMO-CARBONÍFERO DA BACIA SEDIMENTAR DO PARANÁ
  47. Aspectos controvertidos acerca do homicídio qualificado
  48. Aspectos positivos e negativos no processo de terceirização do Programa Nacional de Alimentação Escolar em Chapecó - SC
  49. ASSESSORIA AO GT REDE DE PROTEÇÃO ÀS PESSOAS EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR DE BLUMENAU
  50. ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE MATERNO-INFANTIL: UMA TRADIÇÃO EM EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA - DOZE ANOS DE ATUAÇÃO
  51. ATENDIMENTO DE APOIO ÀS CRIANÇAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS
  52. ATIVIDADE INTEGRADA: UMA EXPERIÊNCIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNESC
  53. Atividade interdisciplinar
  54. ATIVIDADES FÍSICAS, ESPORTIVAS E DE LAZER: UM RELATO DA EXPERIÊNCIA DO PROGRAMA SAÚDE 10
  55. ATLAS HISTÓRICO DA REGIÃO DA BAIA DA BABITONGA
  56. AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIEDEMATOGÊNICA E EFEITO HIPOTENSOR DE EXTRATOS DE Tropaeolum pentaphyllum E DE Baccharis uncinella
  57. AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCOS PARA POSSÍVEIS PORTADORES DA SÍNDROME DA APNÉIA E HIPOPNÉIA OBSTRUTIVA DO SONO, ENTRE MOTORISTAS DE CAMINHÃO PROFISSIONAIS , E CORRELAÇÃO COM ACIDENTES NA ESTRADA.
  58. AVALIAÇÃO DAS PERDAS DO LEITE MATERNO DOADO NO BANCO DE LEITE HUMANO DE BLUMENAU PARA COLABORAÇÃO COM O CONTROLE DE QUALIDADE
  59. AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TECNOLÓGICO E AMBIENTAL DE BANCOS DE JARDIM E DE REVESTIMENTOS DE PISOS CONSTRUÍDOS COM PLACAS FABRICADAS A PARTIR DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA INDÚSTRIA DE PAPEL RECICLADO.
  60. AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE ENSINO VOLTADOS A MELHORIA DO APRENDIZADO DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA
  61. AVALIAÇÃO E CONTROLE DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO RUÍDO EM UMA FUNDIÇÃO DE JOINVILLE
  62. AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: UM CAMINHO PRA A REESTRUTURAÇÃO
  63. BALNEÁRIO CAMBORIÚ QUEM GOSTA CUIDA – DOUTORES DA BELEZA
  64. BAÚ CULTURAL: A CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E OUTRAS ATIVIDADES PARA INSERÇÃO DA TEMÁTICA INDÍGENA E AFRICANA/AFRO-BRASILEIRA NA SALA DE AULA
  65. BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS POR INCAPACIDADE E O “SISTEMA DATA CERTA”.
  66. BLOGS E O LETRAMENTO DE ADOLESCENTES COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS.
  67. CAPACITAÇAO DO PROFESSOR ON-LINE NA UNISUL VIRTUAL
  68. Capacitação de comunidades rurais quanto a Influência das condições ambientais e de trabalho sobre a saúde de trabalhador: Contribuições para o estudo epidemiológico dos agravos relacionados à saúde dos trabalhadores rurais do município de Joinville, SC
  69. CARACTERIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DE NOVO ADSORVENTE PARA ADSORÇÃO DE CORANTES DE EFLUENTES TÊXTEIS.
  70. CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-MECÂNICA DE UM NITOSSOLO SOB DIFERENTES SISTEMAS DE USO
  71. CENÁRIOS DE FORMAÇÃO DOCENTE E IDEÁRIOS PEDAGÓGICOS
  72. Cidadania e Escolaridade, uma visão do novo tempo
  73. CIDADANIA EM AÇÃO.
  74. COLCHA DE RETALHOS ENTREMEANDO HISTÓRIAS
  75. COMUNICAÇÃO E PODER NO OESTE CATARINENSE: O CASO ATTÍLIO FONTANA
  76. COMUNICAÇÃO E SAÚDE - MEDICINA E JORNALISMO EM INTERAÇÃO
  77. CONGELAMENTO DE SÊMEN OVINO
  78. CONHECENDO O CONSUMIDOR DE UMA FEIRA AGROECOLÓGICA: SEUS SABERES SOBRE OS ALIMENTOS
  79. CONHEÇA A UNIDAVI POR DENTRO
  80. CONSTRUÇÃO DE OBJETOS PEDAGÓGICOS PARA A MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM
  81. CONSTRUÇÃO DE UMA POLÍTICA SUSTENTÁVEL DE PROTEÇÃO DA ÁGUA NA BACIA HIDROGRÁFICA DO ITAJAÍ (CAMPANHA DE CIDADANIA PELA ÁGUA NO VALE DO ITAJAÍ)
  82. CONSTRUINDO UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: A EXPERIÊNCIA DO CEART-UDESC
  83. DANÇA E INTELIGÊNCIAS MULTIPLAS NA ESCOLA
  84. DEGRA – UMA INVESTIGAÇÃO ACERCA DA GRAVURA COMO RECURSO DE LINGUAGEM VISUAL E SUA CONTRIBUIÇÃO AO ENSINO NO CURSO DE DESIGN
  85. DEMANDA TURÍSTICA DA CIDADE DE JOINVILLE
  86. DEMOGRAFIA E BIOLOGIA REPRODUTIVA DE Butia eriosphata (Martius) Beccari EM FRAGMENTOS DE FLORESTA OMBRÓFILA MISTA E EM ÁREA URBANA
  87. DESAFIO EMPRESARIAL ASILO FELIZ
  88. DESCOBRINDO O CORPO: Conscientizando Adolescentes e Formando Multiplicadores Sobre os Perigos de Artificializar seus Corpos
  89. DESENVOLVENDO HABILIDADES MENTAIS EM CRIANÇAS DE 8 A 10 ANOS: implementação de oficinas com jogos cognitivos
  90. DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTA MOLECULAR BASEADA NA TÉCNICA PCR PARA A INVESTIGAÇÃO DAS PRINCIPAIS ESPÉCIES MICROBIANAS ASSOCIADAS À SEPSE EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA DE JOINVILLE
  91. DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ MÓVEL MICROCONTROLADO.
  92. DESENVOLVIMENTO E ALEGRIA NO LAR
  93. DESENVOLVIMENTO LOCAL E PROCESSO EDUCATIVO: A EXPERIÊNCIA DAS MULHERES DA AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MAFRA/SC
  94. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA PRODUÇÃO LEITEIRA DOS AGRICULTORES DA COOPERATIVA DOS PRODUTORES DE LEITE DE QUILOMBO - COOPLEQUIL
  95. DESTINAÇÃO DE PARTE DO IMPOSTO DE RENDA DEVIDO PARA FUNDO DA INFÂNCIA E ADOLESCENCIA – FIA: ESTUDO E SEUS BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE LOCAL
  96. DETERMINAÇÃO SÉRICA DE LIPÍDEOS: VARIAÇÕES INTERLABORATORIAIS
  97. DIAGNÓSTICO OCUPACIONAL DE UMA ÁREA DE RECARGA DO AQUÍFERO GUARANI EM PERÍMETRO URBANO
  98. DIREITOS DEVERES E CIDADANIA: O ECA NA COMUNIDADE ESCOLAR
  99. ECONOMIA DOMÉSTICA – ADMINISTRANDO AS CONTAS DA CASA IV
  100. EFEITO DA ADMINISTRAÇÃO AGUDA DE CETAMINA E IMIPRAMINA SOBRE A ATIVIDADE DA CREATINA QUINASE EM CÉREBRO DE RATOS
  101. EFEITOS TERAPÊUTICOS DO EXERCÍCIO FÍSICO AQUÁTICO EM MODELO ANIMAL DE ARTRITE
  102. ELABORAÇÃO DE BANCADA DIDÁTICA PARA REDES INDUSTRIAIS, APLICADA AOS PROTOCOLOS CANOPEN E MODBUS RTU.
  103. ELUCIDAÇÕES SOBRE A INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PROCESSO DE REABILITAÇÃO CARDIOVASCULAR NAS FASES III E IV EM MULHERES DE 40 A 70 ANOS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE HIPERTENSOS
  104. Ensino de língua portuguesa - concepções e práticas de ensino
  105. ENTENDENDO A SEXUALIDADE INFANTIL: UM PROBLEMA TRABALHADO COM EDUCADORES DO CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL
  106. ENTEROPARASITOS EM CÃES DOS MUNICÍPIOS DE CANOINHAS E TRÊS BARRAS, SC
  107. ENTREVISTA COM EMPRESARIO EMPREENDEDOR
  108. ESCANER E GRAVAÇÃO EM ÁUDIO DE TEXTOS PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL DA EDUCAÇÃO BÁSICA E SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE RIO DO SUL
  109. ESCARCÉU: QUADRINHOS JOINVILLENSES NOS ANOS 80
  110. ESPORTES ADAPTADOS PARA A TERCEIRA IDADE
  111. Estrutura populacional dos camarões–de-profundidade (Decapoda: Aristeidae) no Sudeste e Sul do Brasil
  112. Estudo anatomopatológico em tecidos condenados pelo Serviço de Inspeção Federal (SIF) por suspeita de tuberculose
  113. ESTUDO DA PREVALÊNCIA DE TRAUMA DENTOALVEOLAR NA DENTIÇÃO PERMANENTE EM CRIANÇAS NO MUNICÍPIO DE LAGES - SC
  114. ESTUDO DE CASO: O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E A IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS
  115. ESTUDO DE METODOLOGIA PARA IDENTIFICAÇÃO DE ACERVO ARQUITETÔNICO.
  116. ESTUDO DE POPULAÇÕES DE Butia eriosphata (MARTIUS) BECCHARI NO PLANALTO SERRANO E MEIO OESTE CATARINENSE
  117. ESTUDO E CONSTRUÇÃO DE DISPOSITIVO PARA DETECÇÃO DE FALHAS EM MATERIAIS FERROMAGNÉTICOS POR FLUXO MAGNÉTICO
  118. ESTUDO E DESENVOLVIMENTO DE UMA NOVA FERRAMENTA, RELÉS MICROPROCESSADOS, PARA PROTEÇÃO DE MOTORES
  119. ESTUDO SOBRE A USINABILIDADE DE FERRO FUNDIDO EM CAMISAS DE CILÍNDRO DE MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA
  120. ESTUDO SOBRE O USO DE SOFTWARE LIVRE NO GTEC/UNIDAVI
  121. EXIGÊNCIAS LEGAIS E RECURSOS PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS QUE PROMOVAM A ACESSIBILIDADE DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NAS IES
  122. Expedição empreendedora: rota germânica e o desenvolvimento local
  123. Experiências de extensão com o Caderno de Cidadania
  124. FARMÁCIA SOLIDÁRIA: DOAR É O MELHOR REMÉDIO
  125. FEIRA LIVRE PARA ESTUDANTES DE MODA DA REGIÃO.
  126. Fisioterapia preventiva no estudo e investigação do envelhecimento
  127. FITOTERAPIA RACIONAL: ASPECTOS ETNOBOTÂNICOS, TAXONÔMICOS, AGROECOLÓGICOS E TERAPÊUTICOS
  128. FORMAÇÃO DE ADOLESCENTES NUMA PERSPECTIVA SOLIDÁRIA
  129. Formação de Agentes Multiplicadores Comunitários para Geração de Associativismo e Cooperativismo: uma estratégia à inserção social e o desenvolvimento comunitário
  130. FORMAÇÃO DISCENTE
  131. FORMAÇÃO EM ARTES MARCIAIS PARA ACADÊMICOS DO CEFID-UDESC E COMUNIDADE EM GERAL
  132. FORMAÇÃO INICIAL
  133. Gerenciamento Costeiro Integrado: Procedimentos e Formas de Aplicação no Município de Garopaba, SC.
  134. GERENCIANDO PROJETOS: UMA EXPERIÊNCIA DE APRENDER FAZENDO
  135. GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS: O COMITÊ CUBATÃO JOINVILLE
  136. GESTÃO DO CONHECIMENTO APLICADA ÀS EXPORTAÇÕES DAS INDÚSTRIAS METALMECÂNICO DO MUNICÍPIO DE JARAGUÁ DO SUL: ESTUDOS DE CASO FOCANDO UMA EMPRESA DE PEQUENO PORTE, UMA DE MÉDIO E UMA DE GRANDE PORTE.
  137. GESTÃO PEDAGÓGICA NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO : a experiência da Unisul com a implantação da Assistência Pedagógica
  138. GÊNERO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE PROTEÇÃO ÀS MULHERES: DIÁLOGOS ENTRE A UNIVILLE E A CIDADE DE JOINVILLE
  139. GÊNEROS DO DISCURSO: PROPOSIÇÕES DE ELABORAÇÃO DIDÁTICA
  140. Glossário de Turismo e Hotelaria
  141. GRUPO DE APOIO PARA FAMILIARES E CUIDADORES DE PORTADORES DA DOENÇA DE ALZHEIMER
  142. Guias Mirins de Turismo
  143. GULUX II - GRUPO DE USUÁRIOS LINUX: INCENTIVO AO USO DO SOFTWARE LIVRE
  144. HOMO SACRATU NA BUSCA DO EQUILÍBRIO ENTRE CORPO, MENTE E ESPÍRITO: GRUPO DE AUTO-ESTIMA E ESTUDO EM SAÚDE MENTAL
  145. HORA DO COLÓQUIO
  146. Identificação do cenário competitivo na região da Amurel com vistas à proposta de uma política vocacionada ao desenvolvimento sustentado
  147. IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE ELEMENTOS QUÍMICOS TÓXICOS NAS ÁGUAS QUE ABASTECEM SÃO MIGUEL DO OESTE
  148. IMPLANTAÇÃO DE COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA EM SEIS BAIRROS DA CIDADE DE CRICÍUMA SC
  149. IMPLEMENTAÇÃO DA LEI MARIA DA PENHA NA ÓTICA DOS ÓRGÃOS RESPONSÁVEIS EM BLUMENAU/SC.
  150. Inclusão digital por meio de cursos de informática para a população carente do Bairro Nossa Senhora das Graças
  151. INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE RESULTANTES DA ASSISTENCIA SOCIAL PRESTADA ÀS FAMÍLIAS DO ENTORNO DA UHE BARRA GRANDE
  152. INDIZÍVEL FRONTEIRA: A LITERATURA DE AUTORIA FEMININA NA PRISÃO
  153. INFLUÊNCIA DO pH E DA CONCENTRAÇÃO DE NUTRIENTES NA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁCIDO ROSMARÍNICO EM PLANTAS DE MELISSA CULTIVADA IN VITRO
  154. INSETOS XILÓFAGOS NA DEGRADAÇÃO DE ESSÊNCIAS FLORESTAIS DISPOSTAS PERPENDICULARMENTE AO SOLO
  155. INTERCÂMBIO CIENTÍFICO NO CAMPO DO GERENCIAMENTO COSTEIRO: ALFA-ELANCAM
  156. Interdisciplinaridade da Pesquisa para o ensino e a Extensão: a experiência do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa em Administração, Relações Internacionais e Turismo – NIPART/UNISUL/Norte da Ilha.
  157. INTERESSES DE HUMANOS E DE NÃO HUMANOS. UMA ANÁLISE DA PROPOSTA DE “ABATE HUMANITÁRIO” E SUAS IMPLICAÇÕES NO MEIO VALE DO ITAJAÍ.
  158. INVESTIGANDO CONCEPÇÕES DE LITERATURA POR MEIO DAS PERCEPÇÕES E REPERTÓRIO DOS LEITORES MIRINS UTILIZANDO AMBIENTES COLABORATIVOS
  159. INVESTINDO NA FORMAÇÃO ESTÉTICA DOS/AS ACADÊMICAS/OS.
  160. JOGOS E MATERIAIS INSTRUCIONAIS NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL
  161. JORNALISMO CIENTÍFICO: A CONTRIBUIÇÃO DE POPPER E FRAASSEN ACERCA DA DEMARCAÇÃO DO ÂMBITO DA CIÊNCIA E SUA NECESSIDADE PARA OS TRABALHOS JORNALÍSTICOS DO ALTO VALE DO ITAJAÍ
  162. LAZER E CIDADANIA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO E EXTENSÃO
  163. LAZER, PARTICIPAÇÃO E CIDADANIA
  164. LIDERANÇA É NATA OU É DESENVOLVIDA: UM ENFOQUE A PARTIR DA PERCEPÇÃO DOS GESTORES DE RH DE JARAGUÁ DO SUL
  165. LIGA DE SAÚDE COLETIVA
  166. Literaturas do presente
  167. LUGARES DE MEMÓRIA, MEMÓRIAS DE LUGARES... DIFERENTES OLHARES PARA O PATRIMÔNIO CULTURAL DE JOINVILLE.
  168. MAIS VIDA – PROGRAMA PERMANENTE DE PREVENÇÃO AO USO E ABUSO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS
  169. MARATONA DE ANATOMIA
  170. MARCOS SISCAR E A POESIA DO PRESENTE
  171. MATURIDADE CONSCIENTE
  172. MÃOS, MULHERES E ARTE
  173. METODOLOGIA DE APOIO À COMERCIALIZAÇÃO DAS FEIRAS DE AGRICULTORES FAMILIARES DE CHAPECÓ/SC
  174. MIRMECOFAUNA URBANA NO ENTORNO DE TRÊS HOSPITAIS DO MUNICÍPIO DE LAGES
  175. MONTAGEM E ORGANIZAÇÃO DA CARPOTECA, SEMENTOTECA, LAMINOTECA E HERBÁRIO DE ESPÉCIES FORRAGEIRAS, INVASORAS E TÓXICAS
  176. MOTIVAÇÃO DE PRODUTORES RURAIS NO MUNICÍPIO DE URUBICI PARA RESTAURAÇÃO DE MATAS CILIARES DO RIO CANOAS
  177. MOTIVOS DE ABERTURA E FORMAS DE GESTÃO DAS MPEs NA CIDADE DE CAÇADOR
  178. MUSEU DA INFÂNCIA
  179. NAS ONDAS DA RÁDIO UDESC: Uma perspectiva intencional de Educação Sexual num espaço educativo não formal.
  180. NATAÇÃO NA ESCOLA ARTICULANDO ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO
  181. NO FIO DA MEMÓRIA: HISTÓRIA E PATRIMÔNIO CULTURAL NA CONTEMPORANEIDADE
  182. Novas Estratégias de Ensino de Semiologia Médica
  183. NÚCLEO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL – NEA: FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS
  184. Núcleo de Estudos Contábeis
  185. NÚCLEO DE ESTUDOS LINGÜÍSTICOS – REPENSANDO O DIÁLOGO COM A COMUNIDADE
  186. NÚCLEO DE EVENTOS DA UNIPLAC
  187. NÚCLEO DE ORIENTAÇÃO A PESSOA COM NECESSIDADES ESPECIAIS
  188. NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO
  189. O 11 de setembro e suas implicações na Segurança Internacional: uma análise das exportações catarinenses a partir das normas do ISPC Code
  190. O ATUAL ESTÁGIO DE DESENVOLVIMENTO DO GOVERNO ELETRÔNICO NOS MUNICÍPIOS DO ALTO VALE DO ITAJAÍ - SANTA CATARINA – PROJETO TRANSREG
  191. O caso Brechó Fashion
  192. O COM PLEXO ERVATEIRO NA FORMAÇAO ECONOMICA DO PLANALTO NORTE E NORTE CATARINENSE
  193. O desenvolvimento da percepção musical na educação especial
  194. O DIREITO PENAL COMO INSTRUMENTO DE PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE: A (IN)APLICABILIDADE DO PRINCÍPIO DA INSIGNIFICANCIA NOS CRIMES AMBIENTAIS.
  195. O ENSINO, A PESQUISA E A DISCIPLINA DE COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL
  196. O ESTUDO DO PERFIL E DA PERCEPÇÃO DOS JOVENS DAS MICROBACIAS CÓRREGO DO SOUZA E SALTO D’ÁGUA VERDE – CANOINHAS - SC
  197. O HISTÓRICO DA CANELA SASSAFRÀS - Ocotea odorífera REMANESCENTES NOS MUNICÍPIOS DE LAURENTINO E RIO DO SUL, REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ
  198. O impacto do terrorismo no direito internacional: uma análise dos efeitos jurídico-econômicos nos portos catarinenses a partir do ISPS Code
  199. O uso de Modelos de Processos de Negócio como estrutura de integração para os cursos de engenharia e informática da Unisul
  200. OCORRÊNCIA, CARACTERIZAÇÃO BIOQUÍMICA E PERFIL DE RESISTÊNCIA A ANTIMICROBIANOS DE SOROTIPOS DE Salmonella ISOLADOS DE ABATEDOUROS DE SUÍNOS E AVES EM VIDEIRA-SC
  201. OFICINA DE TEXTOS LER E ESCREVER PARA APRENDER
  202. OFICINA PARA OS COMPONENTES CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL
  203. ORGANIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MUNICÍPIO: UM DESAFIO DA EDUCAÇÃO PERMANENTE
  204. OS CAMINHOS DA “CURA”: Uma Etnografia dos Itinerários Terapêuticos e dos Sentidos Atribuídos a Saúde na Cidade de Rio do Sul/SC
  205. Os projetos integradores como desafio à interdisciplinaridade em cursos de graduação da Unisul
  206. OS SUJEITOS E AS VIOLÊNCIAS
  207. OTIMIZAÇÃO DOS PARÂMETROS DE CARBONITRETAÇÃO GASOSA DE FERRO FUNDIDO CINZENTO COQUILHADO
  208. OTIMIZAÇÃO TOPOLÓGICA DE ESTRUTURAS TRIDIMENSIONAIS DE BARRAS E PÓRTICOS
  209. PANORAMA DOS FATORES QUE INFLUENCIAM A AUTOMEDICAÇÃO EM COMUNIDADES DOS BAIRROS DO MUNICÍPIO DE LAGES
  210. PERFIL DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM UMA COMUNIDADE TERAPÊUTICA: SUBSÍDIO PARA A INTERVENÇÃO NUTRICIONAL CONTEXTUALIZADA
  211. PERMANÊNCIA E SUCESSO NO ENSINO SUPERIOR DA UNIDAVI
  212. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SITUACIONAL NO INTERNATO EM ATENÇÃO BÁSICA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM
  213. Planejamento, desenvolvimento e avaliação de uma disciplina do núcleo
  214. PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO
  215. POLÍTICAS ACADEMICAS DA PRÓ-REITORIA DE ENSINO DA UDESC
  216. POSSIBILIDADE TERAPÊUTICA NO DESENVOLVIMENTO DE SEPSE COM ANTAGONISTA ESPECÍFICO DO PEPTÍDEO LIBERADOR DE GASTRINA
  217. Prática docente: uma experiência inovadora
  218. PRÁTICAS DE GESTÃO DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO NA INDÚSTRIA
  219. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM CONTROLE DE QUALIDADE DE ÁGUAS E EFLUENTES
  220. PREVALÊNCIA DE TRAUMA DENTO-ALVEOLAR NA DENTIÇÃO DECÍDUA EM POPULAÇÃO DE 0 A 5 ANOS DE IDADE ATENDIDA EM CRECHES MUNICIPAIS DE LAGES, SC
  221. PRODUÇÃO DE ALIMENTOS SEGUROS NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SANTA CATARINA
  222. Produção de biodiesel para embarcações de pescadores artesanais da Praia da Pinheira – SC através do reaproveitamento do óleo de cozinha utilizado nos estabelecimentos cmerciais da região
  223. PRODUÇÃO E CONSUMO SOLIDÁRIOS: UMA EXPERIÊNCIA DO GRUPO DE PRODUTORES E CONSUMIDORES NA FEIRA AGROECOLÓGICA DA UNIPLAC
  224. PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO DOCENTE EM FORMAÇÃO
  225. PROFISSÃO É HORA DE ESCOLHER, E AGORA?
  226. PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO REGIONAL: DINÂMICAS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NO CONTEXTO DA NOVA PROPOSTA DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA NA UNOESC, CAMPUS DE XANXERÊ
  227. PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO REGIONAL
  228. Programa de aperfeiçoamento do acadêmico ingressante
  229. PROGRAMA DE ATENÇÃO À SEXUALIDADE NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA: CONSTRUINDO CIDADANIA NA ESCOLA
  230. Programa de Combate ao Trabalho Infantil no Muncípio de Palhoça
  231. Programa de Extensão Clubes de Teatro
  232. Programa Esperança
  233. PROGRAMA INSTITUCIONAL RECICLAR
  234. PROGRAMA INSTITUCIONAL “SORRIA VILA DA GLÓRIA: PESQUISANDO, ENSINANDO E REALIZANDO EXTENSÃO”
  235. Programa Unisul Paradesportiva
  236. PROJETO ARTE NA ESCOLA: PENSANDO A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTE NA PERSPECTIVA DA PRODUÇÃO DE ARTE
  237. Projeto Bio Ativa – Núcleo de Estudos em Biologia Celular e Molecular
  238. PROJETO DE ARBORIZAÇÃO DAS RUAS DE RIO DO SUL
  239. Projeto de extensão em Educação Ambiental: Viva, Meio Ambiente!
  240. PROJETO DE FILANTROPIA E ASSISTENCIA SOCIAL UNOESC COMUNIDADE – UNITI - VIDEIRA – SC
  241. PROJETO DE ORIENTAÇÃO E INFORMAÇÃO PROFISSIONAL PARA JOVENS DO ENSINO MÉDIO – OI-PROFISSIONAL
  242. PROJETO DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL: SENSIBILIZANDO E POTENCIALIZANDO ADOLESCENTES PARA A ESCOLHA PROFISSIONAL
  243. PROJETO MUSCULAÇÃO PARA A TERCEIRA IDADE
  244. Projeto quem não lê, não escreve: parceria interinstitucional de responsabilidade social
  245. Projeto Sexualidade Saudável
  246. PROJETO SUPERAÇÃO
  247. PROPOSTA DE UM MODELO DE MONITORAMENTO DO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM
  248. QUALIDADE AMBIENTAL NA UNIVILLE
  249. QUANTIFICAÇÃO DO USO DE ÁGUA E CARACTERIZAÇÃO DE EFLUENTE PRODUZIDO EM UMA VINÍCOLA NO PERÍODO DA SAFRA
  250. Realização de diagnósticos em saúde mental da infância no município de Chapecó/SC
  251. Reciclagem de Microcomputadores
  252. REDE GUARANI/SERRA GERAL
  253. REDE GUARANI/SERRA GERAL – METAS UNOESC
  254. Relação entre a uniformidade no crescimento e desenvolvimento e a tolerância ao incremento na população de plantas de cultivares de milho – 2006/7
  255. RESOLUÇÃO TEMPORAL DE CRIANÇAS ESCOLARES
  256. RISCO SOCIAL II - ANÁLISE DE SITUAÇÕES DE RISCO SOCIAL DE JARAGUÁ DO SUL.
  257. RISCOS DA AUTOMEDICAÇÃO: TRATANDO O PROBLEMA COM CONHECIMENTO
  258. SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA: DIÁLOGO E VÍNCULO
  259. Seleção entre e dentro dos acessos de feijão do banco de germoplasma do CAV/UDESC
  260. SEMIC I: EXPERIÊNCIAS COM PROJETOS EDUCATIVOS
  261. Sensibilização de crianças, adolescentes e família para a importância da escola na erradicação do trabalho infantil
  262. SENSIBILIZAÇÃO PARA A CONSERVAÇÃO E USO RACIONAL DOS RECURSOS HÍDRICOS
  263. Sensores de pH e umidade baseados em poli-{estireno co-ácido acrílico} sulfonado. Síntese e caracterização.
  264. SENTIDOS PARA ATIVIDADES DE LEITURA E ESCRITA NA ESCOLA
  265. SETOR ARTE E CULTURA - UNESC
  266. SIGNIFICADO DA ESCOLA PARA PAIS, MÃES, ALUNOS/AS, FUNCIONÁRIOS, DIRIGENTES E PROFESSORES/AS
  267. SIMULAÇÃO NUMÉRICA DE PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA: ASPECTOS DE ACOPLAMENTO TERMOMECÂNICO E MECÂNICA DO DANO CONTÍNUO – PRIMEIRA PARTE
  268. SISTEMA DE RASTREAMENTO E MONITORAMENTO VEICULAR EM TEMPO REAL.
  269. SISTEMA INTEGRADO DE ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO
  270. SISTEMAS DE AQUISIÇÃO DE DADOS EM TEMPO REAL
  271. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO.
  272. Síntese de Biodiesel através da transesterificação enzimática utilizando a gordura dos abatedouros de suínos
  273. Teatro de grupo: aformação do ator
  274. Tecnologias para o Planejamento Participativo em Saúde
  275. TERAPEUTAS DA ALEGRIA- O LÚDICO NA PROMOÇÃO DE UM VIVER HUMANO SAUDÁVEL
  276. Tessituras: TEATRO DE ANIMAÇÃO E CONTAção DE HISTÓRIAS
  277. TIC NAS COMUNIDADES.
  278. Turismo na Comunidade
  279. Unisul Virtual: práticas metodológicas para o ensino a distância
  280. UNIVERSIDADE E COMUNIDADE: UMA PRÁXIS POSSÍVEL
  281. USO DA BIOIMPEDÂNCIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER EM TECIDOS
  282. UTILIZANDO A FIGURA DO PALHAÇO PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NA COMUNIDADE INDÍGENA
  283. VALIDAÇÃO DOS PROCESSOS DE REFINO DE ÓLEO DE SOJA
  284. VENDO, FAZENDO E APRENDENDO
  285. VERTER: COMUNICAÇÃO NA COMUNIDADE
  286. Viva Economia
  287. Vivencias das familias diante da revelação do diagnóstico HIV-Aids.
  288. “Políticas Públicas: Ambiente, Patrimônio, Educação e Gestão Ambiental Comunitária – Uma proposta de elementos para a construção de um Plano Diretor de Recursos Hídricos (Rio do Braço – Joinville/SC)”

Resumos

ABORDAGEM DE ENSINO PARA A GERAÇÃO NET

  • Marly Kruger de Pesce, MSc, marly.kruger@univille.net

Universidade da Região de Joinville, UNIVILLE, Joinville

Palavras-chave: estratégias de ensino, jovem acadêmico, tecnologias de informação e comunicação

O jovem ingressante no ensino de graduação tem apresentado características cada vez mais próximas das estabelecidas por teóricos para a denominada geração net. Nascido após 1985 cresceu com o controle remoto, o computador pessoal e a internet. Aprendeu a usar esses recursos eletrônicos por tentativa e erro, sem ler os manuais. Para Tappscott (1997) esse jovem aceita naturalmente a diversidade, é movido pela curiosidade, o seu pensamento crítico é muito ativo, preocupação precoce com a afirmação da sua maturidade, exige variadas opções, avalia os resultados a partir da prática que estão pautados no imediatismo já que a sua escala é medida em tempo real. Por outro lado, pude perceber, durante as aulas nas séries iniciais, que apesar de acesso a informações variadas, o acadêmico tem dificuldade em estabelecer relações com o que está sendo estudado. A leitura detalhada para posterior análise parece exigir um esforço acentuado, fazendo com que desista da tarefa, superficializando as questões a serem aprofundadas. O perfil desse acadêmico exige novas abordagens de ensino, pois aprendem de forma diferente das gerações passadas. Entre as já tradicionais estratégias, reeditadas por Anastasiou (2003), o uso das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) podem auxiliar a aprendizagem. Por exemplo, se o objetivo é que o acadêmico seja capaz de relacionar uma teoria com o mundo real, uma boa estratégia pode ser a resolução de problemas. Todavia se o objetivo é analisar criticamente um assunto, a estratégia é pedir que ele pesquise dois ou três autores, posicionando-se com relação às idéias dos autores pesquisados, postando no fórum criado pelo professor. As diferentes estratégias e as ferramentas existentes no ambiente virtual de aprendizagem devem ser selecionadas, seguindo o objetivo proposto, considerando o perfil da geração net. Considerando esses pressupostos no planejamento de uma disciplina do primeiro ano de um curso de formação de professores, foram contempladas estratégias que pudessem servir de subsídios para analisar sua efetividade. Foram selecionados dois conteúdos/ assuntos a serem desenvolvidos num mesmo momento, sendo um on-line (fórum e enquete) e outro em aula presencial (leitura e seminário). Após o desenvolvimento, os acadêmicos fizeram uma avaliação das estratégias utilizadas que foram registradas por mim. A análise dos dados aponta que a maioria considerou interessante estudar dois assuntos diferentes ao mesmo tempo, por entenderem que foram desenvolvidos em espaços diferentes com estratégias diferentes, apenas três acadêmicos apontou dificuldade em estudar dois assuntos diferentes ao mesmo tempo e de trabalhar com o computador. Ao se relacionar as respostas com o perfil dos estudantes, ficou evidente que os últimos têm acima de trinta e cinco anos, enquanto que, os primeiros menos de vinte e cinco. Os resultados demonstram que a forma de aprender das novas gerações é diferente, portanto comprovam o que os teóricos têm apontado sobre o perfil da geração net. É necessário que essa variante seja considerada na prática docente para que ela contribua significativamente para a formação dos acadêmicos.

“A PRODUÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES SOBRE EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL – O PERÍODO 1985-1994”

  • Tamajara Janaina Luiz da Silva, Graduando, tamalogia@gmail.com
  • Stela M. Meneghel, Dr(a), smeneghe@lterra.com.br

Universidade Regional de Blumenau, FURB, Blumenau, Brasil

Palavras-chave: Educação superior., Produção científica em educação., Mercantilização da educação superior.

Esta pesquisa, vinculada ao Projeto Universitas/Br, analisa a produção científica sobre educação superior no período 1985-1994, mais especificamente, no que tange à produção de dissertações e teses, analisando as temáticas mais abordadas por investigadores da área quando da sua formação em nível pós-graduado (mestrado e doutorado), relacionando-as com o contexto sócio-político da Educação Superior (ES) brasileira das décadas de 1980 e 1990 – período de grandes transformações sociais, políticas, econômicas e educacionais, que deram base para a posterior mercantilização dos espaços institucionais acadêmicos. Buscou-se perceber, em especial, se a formação de pesquisadores e a produção de conhecimento (expresso nas teses e dissertações) no período 1985-1994 estavam atentas às significativas mudanças na estrutura e no modo de organização da ES do país. O estudo da referida produção, constituída de um universo de 510 trabalhos, deu-se pela leitura dos seus resumos, os quais foram distribuídos em categorias temáticas utilizadas pelo Banco de Dados do Projeto Universitas/BR. A compreensão do contexto de produção das dissertações e teses baseou-se em MOROSINI (1999), que caracteriza a política de ES do país nas décadas de 1980 e 1990 por: expansão, interiorização e privatização da ES, além de mercantilização dos espaços institucionais. O estudo da produção acadêmica mostrou que, entre 1985-1994, esta se concentrava na região Sudeste ( 70.4%), sendo também expressivo o número de trabalhos nas Regiões Sul e Nordeste, somando 25% do total. Quanto à natureza jurídica das instituições onde foram produzidas, prevalecem as públicas - 73,9%. As temáticas mais recorrentes foram: Ensino de graduação; Avaliação da ES; História da ES; Relação Universidade-Sociedade e Organização Acadêmica e Gestão. Os trabalhos deixam explícita a preocupação com a qualidade da instituição, mas, predominantemente, no que refere às atividades de ensino. A política de expansão e privatização da ES, ocorrida no período, raramente foi citada e, nestas vezes, tomada apenas como pano de fundo. Também expressivas, embora em menor número, foram as temáticas: Pesquisa; Corpo Docente; Políticas Públicas; e Corpo Discente. Cabe observar que, apesar do modelo mercantilista de ES haver se consolidado e provocado transformações no nível das instituições justamente no período analisado, poucos trabalhos refletiram sobre esta questão, relacionando políticas governamentais e institucionais – talvez porque as repercussões legais desta política só ocorreram a partir de 1995. A preocupação com a mercantilização dos espaços institucionais torna-se mais evidente na produção da década de 1990, com reflexões mais globais e amplas quanto aos sentidos da instituição acadêmica na sociedade.

“TERRITORIALIDADE NA DINÂMICA CULTURAL DE UM REMANESCENTE QUILOMBOLA EM ITAPOCU, SANTA CATARINA”

  • Tamajara Janaina Luiz da Silva, Graduando, tamalogia@gmail.com
  • Alejandro Labale, Dr(a), aglabale@furb.br

Universidade Regional de Blumenau, FURB, Blumenau, Brasil

Palavras-chave: Afro-descendentes., Etnicidade., Visibilidade.

Este projeto insere-se num espaço de reflexão que poderíamos denominar ‘territorialização dos grupos Quilombolas da região sul do Brasil’ que se inicia com o mapeamento feito em 1996/7 pelo Nuer (Núcleo de Estudos sobre Identidade e Relações Interétnicas/PPGAS), sediado na Universidade Federal de Santa Catarina, mas que vêem desenvolvendo seus instrumentos teóricos metodológicos desde 1986. Assim, alicerçando suas ferramentas na produção acadêmica regional, o objeto desta pesquisa será a comunidade de afro-descendentes de Itapocu no Município de Araquari-SC. O Porto do Sertão (Itapocu) constituía-se na época de 1854 num reduto e local de encontro de negros escravos e libertos oriundos das regiões vizinhas e outras regiões do país. A comunidade negra do Cacumbi de Itapocu pode também ser pensada como um espaço no sentido simbólico; já que, apesar da contínua mobilidade espacial de seus membros, constitui-se em referência identitária para o grupo; representa uma continuidade ‘territorial’ baseada nos vínculos de solidariedade grupal. Por isso mesmo após ter sofrido diversas intervenções a comunidade conseguiu sobreviver ao longo desses 150 anos (Alves, 1996: 35) se constituindo numa unidade de organização social para o grupo negro, apesar de sua desagregação espacial, assim como para sociedade regional que o reconhece como tal. Por tanto, se analisarão as estratégias construídas pelo grupo Cacumbi de Itapocu, não somente enquanto preservação de um espaço de resistência, já que se propõe relevar práticas relacionadas com a participação em rede social e solidariedade grupal que tem garantindo a continuidade do grupo. A territorialidade pode inserir-se desta maneira no plano político, onde se renegocia (no sentido de luta pela visibilidade) a identidade grupal no contexto regional. Perante uma sociedade que tenta justamente o movimento contrário ao de diversidade étnica, como nos revela Leite (1996) sobre as políticas imigratórias e de ideologia racista da Região Sul desde o século XIX. A análise se dará a partir do mapeamento bibliográfico disponível sobre remanescentes de quilombos, acompanhando com isto sua aplicação jurídica, através das matérias disponibilizadas pelos meios de comunicação, contemplando assim, um estudo qualitativo. Esta pesquisa irá contribuir para o marco teórico-metodológico que permita capturar o aspecto dinâmico emergente do estudo da ‘cultura de contato’ e suas implicações a respeito da identidade e etnicidade negra. Dando continuidade à discussão sobre a invisibilidade dos afro-descendentes no Sul do Brasil e em outras regiões do país. A viabilização deste trabalho está sendo possível devido ao Programa de Incentivo a Pesquisa (PIPE), desenvolvido pela Universidade Regional de Blumenau (FURB). Este segmento de pesquisa que tem como perspectiva dar continuidade ao debate sobre ‘identidade negra’ através da observação participante do mesmo referencial, ou seja, relacionando o material bibliográfico coletado com o teste das técnicas.

A cobrança pelo uso da água como instrumento de controle ambiental na bacia hidrográfica do rio Cubatão – Joinville/SC

  • Jaidette Farias Klug, MSc, jklug@fatma.sc.gov.br
  • Mônica Lopes Gonçalves, Dr(a), mplopes@univille.br
  • Tamires, Graduando, valdyneia.tereza@univille.br
  • Mayara, Graduando, lribas@univille.br

Universidade da Região de Joinville, UNIVILLE, Joinville

Palavras-chave: cobrança da água, “princípio poluidor-pagador”, gestão dos recursos hídricos

As profundas alterações efetuadas no processo de desenvolvimento das cidades tem comprometido a qualidade dos recursos hídricos e provocado alterações significativas na legislação brasileira. A lei 9.433/97 constitui-se hoje em um poderoso instrumento para que se possa aplicar a gestão de recursos hídricos com critérios legais e técnicos. Quando a sociedade se depara com o problema da escassez da água, os mecanismos de natureza econômica passam a ser considerados importantes no processo de gestão. Um desses mecanismos é a cobrança pelo uso da água que, associado a outros instrumentos de regulação, pode constituir-se em um meio de gerenciar o uso e melhorar a alocação dos recursos hídricos entre os diversos usuários. As políticas de gestão têm seguido uma linha baseada na aplicação de instrumentos econômicos. Tais instrumentos são utilizados para, mediante a aplicação de um estímulo econômico, quais sejam: cobrança de taxas, subsídios ou licenças comercializáveis, se atingir determinadas metas de qualidade ambiental. Esses instrumentos econômicos visam a otimização da capacidade de suporte do meio ambiente pela poluição impetrada. Com relação aos recursos hídricos, mais especificamente, o que se busca é justamente a otimização da capacidade de diluição dos corpos receptores. Um dos aspectos que permeia este instrumental é exatamente a outorga e cobrança da água, baseada no princípio “poluidor-pagador” na tentativa de neutralizar o custo social provocado pela degradação. O objeto do presente artigo é analisar a inserção da outorga e da cobrança pelo uso da água na Bacia Hidrográfica do Rio Cubatão – BHC, na tentativa de contribuir com informações que possam subsidiar ações no gerenciamento dos recursos hídricos da bacia em questão. A metodologia adotada está baseada no método dedutivo uma vez que se partiu do estado da arte sobre o assunto vindo a discutir especificamente as possíveis aplicações na BHC. Esse estudo buscou analisar a inserção de instrumentos econômicos e jurídicos de cobrança pelo uso da água na BHC, através do levantamento das metodologias de cálculo existentes para mensuração do valor econômico da água. Uma das contribuições deste trabalho, é verificar, na prática, como a ciência econômica interage com outras ciências. Os alunos poderão discutir as varias teorias econômicas – clássicas e neoclássicas, como a questão do valor de um bem, as externalidades do processo produtivo, o conceito de escassez, o gerenciamento de recursos escassos com fins alternativos, além do conhecimento de diversas metodologias de cálculo. As análises ora efetuadas poderão contribuir como ferramenta na discussão do processo de implantação da outorga e cobrança da água na BHC.

A comunicação social no Programa Para Saber Viver da Univali – Contribuições e Desafios

  • Cristiane Maria Riffel , MSc, crisriffel@univali.br
  • Carlos Golembiewski, Dr(a), carlosgolembiewiski@univali.br
  • Cristiane do Carmo Badin, E, crisbadin@univali.br
  • Daiana Gonçalves, Graduando, daianagoncalves@univali.br
  • Janete Jane Cardozo da Silveira, Graduando, jane@univali.br

Universidade do Vale do Itajaí, UNIVALI, Itajaí, Brasil

Palavras-chave: comunicação, equipe multiprofissional, Univali

O Programa de Extensão Para Saber Viver da Univali constitui-se numa proposta de trabalho multiprofissional envolvendo professores e alunos da área da saúde, educação e comunicação. O “Para Saber Viver” conjuga as competências do Jornalismo, das Relações Públicas e da Publicidade e Propaganda num eixo que faz interface com outros três: Educação e Cidadania para a Saúde da Mulher, Educação e Cidadania na promoção à Saúde no Envelhecimento, Educação e Cidadania para a Saúde da Criança e do Adolescente. Sob a bandeira da “Comunicação e Formação para Educação e Cidadania”, acadêmicos e professores dos cursos de comunicação atuam numa rede multidisciplinar que integra ciências da saúde, humanas e sociais aplicadas. O desenvolvimento das atividades deste eixo tem como premissa assumir um caráter educativo, socializando informações, gerando referências para a ação e para as mudanças de atitude da população alvo. Trabalha-se assim com a perspectiva de que há uma grande necessidade de se desenvolver o planejamento da ação comunicativa nos ação extensionista da Universidade e de seus projetos no sentido de reunir, motivar e integrar grupos sociais envolvidos. Para tanto, uma equipe de professores e bolsistas dos cursos de comunicação social é responsável por planejar e executar a comunicação do Programa. As ações têm proporcionado a integração das equipes que atuam nos projetos, bem como socializando os propósitos do Programa junto às comunidades envolvidas. Constata-se ainda que o trabalho oportuniza a reflexão sobre o papel que a comunicação e suas habilitações desempenham na extensão universitária. A experiência tem contribuído para que os profissionais envolvidos compreendam que a comunicação social constitui-se em atividade meio que promove estratégias de divulgação, relacionamento e integração com os diversos públicos envolvidos com o Programa, essenciais para as ações educativas integradas envolvendo a temática educação, saúde e cidadania. No entanto, o grande desafio na caminhada é estabelecer um processo de comunicação na perspectiva dialógica defendida por Freire (1992). As ações desenvolvidas pelo eixo da comunicação ainda têm um perspectiva fortemente unidirecional – da Universidade para a comunidade. Neste sentido, tem-se como princípio que o processo de comunicação a ser estabelecido com as comunidades e equipes do Programa deve ser dialógico, no sentido de democratizar as informações úteis ao público-alvo, mas também de diálogo, pois somente dessa forma será possível tornar os sujeitos comprometidos com a busca de soluções para os problemas que atingem as comunidades alvo.

A DISCIPLINA “PRODUÇÃO DE TEXTO” A DISTÂNCIA: DESAFIANDO ESPAÇOS E TEMPOS NA FURB

  • Víctor César da Silva Nunes, MSc, vicnunes@furb.br

Universidade Regional de Blumenau, FURB, Blumenau, Brasil

Palavras-chave: Ensino de produção de textos., Educação a distância., Tecnologias de informação e comunicação.

Este trabalho trata da aplicação do projeto interinstitucional, proposto e organizado pela ACAFEVirtual em 2007, cuja finalidade era a cooperação e a colaboração na autoria e produção do material para a Disciplina LPT (Leitura e Produção de Textos) na modalidade a distância. Fez parte da equipe de autores na confecção desta disciplina um professor de cada IES – Instituição de Ensino Superior – a seguir: FURB, UNIFEBE, UNESC, UNIVILLE e UNOCHAPECÓ. Na FURB, essa disciplina passou a se chamar PT I – Produção de Texto I e foi ofertada, primeiramente, como turma-piloto, a acadêmicos voluntários, regularmente matriculados nos cursos de licenciatura desta Universidade no primeiro semestre de 2008. Mesmo sendo oferecida para cursos presenciais, isso é possível já que, por meio da portaria 2.494, de 10 de fevereiro de 1998 do Ministério da Educação e Cultura, a legislação passou a permitir que atividades a distância se tornassem parte integrante do ensino presencial que define que uma porcentagem das disciplinas dos cursos de graduação possa ser dada a distância, ou seja, em até 20% de sua carga horária total. Essa escolha aconteceu porque a disciplina já era, e continua sendo, oferecida presencial e regularmente ao Eixo Articulador das Licenciaturas da FURB, fazendo parte da matriz curricular desses respectivos cursos, a saber: Letras, Pedagogia, História, Artes, Ciências Biológicas, Ciências da Religião, Ciências Sociais, Licenciatura em Computação, Matemática, Química e Educação Física. O planejamento e estruturação, bem como a produção desse material, são baseados nos gêneros do discurso, por opção do grupo de autores envolvidos. Foi elaborado um CD, que continha os módulos desenvolvidos e confeccionados pela equipe de professores-autores, o qual foi disponibilizado a todas as IES do Sistema ACAFE. Na FURB, porém, por possuir uma ementa um pouco diferente das outras IES, disponibilizou somente parte desses conteúdos, conforme ementa vigente, em ambiente virtual e totalmente on-line sem material impresso. A disciplina “Produção de Texto I” tem como objetivo aprimorar a leitura e produção escrita de textos da esfera acadêmica, capacitando o acadêmico a reconhecer características essenciais do resumo e da resenha, bem como produzir esses gêneros do discurso. Essa disciplina utilizou o AVA – Ambiente Virtual de Aprendizagem da FURB, cuja plataforma é o Modlle. É importante saber que o Moodle é o software livre, de fonte aberta, mais utilizado no mundo. Como base teórica, este trabalho se fundamenta nos gêneros discursivos e no uso das TICs – Tecnologias da Informação e da Comunicação voltadas à modalidade de Educação a Distância. A avaliação no primeiro semestre de 2008 foi muito positiva, o que possibilitou a continuidade do projeto e o oferecimento da segunda disciplina: Produção de Texto II, já no segundo semestre, mas desta vez aberta a todos os acadêmicos desta IES. Deste modo, este projeto aponta para um novo olhar acerca da postura didático-metodológica em ensino de Produção de Texto, que deve, necessariamente, perpassar por essas questões tão importantes quanto pertinentes.

A EFETIVAÇÃO DAS DECISÕES EMANADAS PELA CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS NO ESTADO BRASILEIRO.

  • Regiane Echer, G, regiane_smo@yahoo.com.br
  • Cláudia Cinara Locateli, MSc, claudia@com.br

Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC, Joaçaba, Brasil

Palavras-chave: Sistema interamericano de proteção aos direitos humanos, Corte interamericana de Direitos humanos, Princípio da dignidade humana

A pessoa humana sempre foi protagonista da violência, tortura, discriminação, sendo capaz de cometer as maiores barbáries. Contudo, a sociedade começou a entender que tais práticas seriam lesivas, não somente à vítima como, também à coletividade como um todo. Com os eventos ocorridos na Segunda Guerra Mundial ficou evidente que o ser humano deveria configurar como o principal sujeito de direitos no ordenamento jurídico internacional, buscando, assim, cessar as sucessivas violações dos direitos humanos os quais perduraram ao longo da história e que, infelizmente, continuam a ocorrer, confirmando que tal busca é cada vez mais necessária. A construção dos direitos humanos visou transformá-los em direitos universais que atingissem a ordem pública internacional, se violados. Desta forma, a sociedade internacional uniu forças a procura de meios legítimos e eficazes para impedir e punir os crimes praticados contra a humanidade. Essa preocupação instigou a construção dessa pesquisa monográfica que teve como objetivo analisar a efetividade das decisões proferidas pela Corte Interamericana de Direitos Humanos no direito brasileiro, tendo em vista que o artigo 5º, §1º da Constituição Federal estabelece que as normas que versarem sobre direitos e garantias fundamentais terão aplicabilidade imediata, ou seja, os tratados de direitos humanos assim que ratificados, devem irradiar efeitos na ordem jurídica internacional e interna. Para tanto, inicialmente analisou-se o aspecto histórico dos direitos humanos fundamentais, discorrendo sobre a evolução histórica da proteção aos direitos humanos desde a Antigüidade até os dias atuais. Essa abordagem demonstrou o processo de reconhecimento e transformação dos direitos humanos fundamentais, verificando que eles se encontram em plena expansão e por isso não se constituem em algo estagnado, inclusive tornando-se matéria de interesse internacional. Num segundo momento, o estudo direcionou-se a compreender os mecanismos do sistema interamericano de proteção dos direitos humanos, que buscam promover, no plano regional, a internacionalização e a sua proteção. Outrossim, abordou-se a formação do sistema interamericano, sua importância, seus órgãos e seu funcionamento, buscando obter à compreensão do seu principal instrumento, a Convenção Americana de Direitos Humanos de 1969, também conhecida como Pacto de San José da Costa Rica, que estabeleceu a Comissão Interamericana de Direitos Humanos e a Corte Interamericana de Direitos Humanos como as duas grandes entidades que interagem na proteção e garantia dos direitos humanos dos cidadãos americanos. Ao final, procurou-se identificar, individualizar e verificar se as decisões emanadas pela Corte Interamericana de Direitos Humanos em face do Estado brasileiro têm sido cumpridas de maneira imediata e efetiva. O entendimento doutrinário, também compartilhado pela autora ao final do presente trabalho, foi no sentido de que apesar dos avanços, o Brasil não cumpre com efetividade as decisões da Corte Interamericana de Direitos Humanos, carecendo de legislação específica que assegure o cumprimento do compromisso assumido a partir do reconhecimento da competência jurisdicional da Corte Interamericana de Direitos Humanos.

Apoio / Parcerias: Unoesc - SMO

A FINA IRONIA NOS QUADRINHOS DA MAFALDA

  • Nielson Ribeiro Modro, MSc, nielson@modro.com.br
  • Amanda de Oliveira Spitzner, Graduando, amanda.spitzner@univille.net

Universidade da Região de Joinville, UNIVILLE, Joinville

Palavras-chave: quadrinhos, ensino, Mafalda

O projeto de pesquisa “A Linguagem dos Quadrinhos: Literatura, Arte e Conhecimento” tem como objetivo básico a busca por elementos que constatem a possibilidade do uso das histórias em quadrinhos como possibilidade de leitura auxiliar no processo ensino-aprendizagem. Os quadrinhos possuem como característica a junção de elementos verbo-visuais que exigem uma capacidade lógico-interpretativa mais acurada por parte do receptor. Durante o desenvolvimento da pesquisa tem-se a busca por autores que tenham uma obra que possa ter caráter artístico/didático, dentre os quais foi escolhida a personagem Mafalda, do cartunista Quino, que é uma criança com cerca de sete anos que possui idéias muito pertinentes à sua idade, brinca como qualquer criança, mas está sempre questionando o mundo à sua volta. Sua excessiva preocupação política e social com o mundo lhe dá ares de madura e contrasta com a frugalidade de outros personagens, como sua mãe (perfeito exemplo de dona-de-casa), e Susanita (sua amiga, cuja pretensão na vida é casar e ter filhos com um bom marido rico). Suas tiras são uma deliciosa viagem por questões filosóficas que perpassam o cotidiano despercebidamente e comprovam que quadrinhos são mais que mero entretenimento. Dentre os diversos recortes possíveis para o estudo dos quadrinhos da Mafalda foi feita uma divisão sobre diferentes temas: ironia, política, sociedade, comportamento. Foi realizada, num primeiro momento, uma pesquisa biográfica sobre o autor e, já num momento posterior, quanto ao primeiro tema (ironia) foi realizada uma pesquisa acerca de toda a obra publicada sendo selecionados os quadrinhos mais significativos em que Mafalda encara a realidade de forma irônica. Pesquisar acerca da linguagem nos quadrinhos é antes de tudo estar em sintonia com uma tendência exaustivamente discutida na atualidade. Demonstrar, e desmistificar, que as histórias em quadrinhos podem, e devem, ser utilizadas no dia-a-dia com finalidade não apenas de entretenimento é oportunizar novas formas de aprendizagem que extrapolem a racionalidade da linguagem verbal e incorporem a versatilidade da linguagem artística. Trata-se de uma pesquisa prazerosa que descortina a possibilidade de um mundo literário ainda pouco explorado. O fato do MEC recentemente ter não apenas sugerido como adotado as histórias em quadrinhos como material educativo obrigatório é uma demonstração de que há ainda muito campo a ser explorado nesta área. Assim, o estudo acerca das histórias em quadrinhos e suas possibilidades de abordagem, mesmo não sendo um assunto necessariamente novo, é uma discussão ainda bastante incipiente e que proporciona um caminho que ainda possui muito a ser explorado.

A HISTÓRIA DO ENSINO PÚBLICO DE JOINVILLE ATRAVÉS DA MEMÓRIA DOS ATORES ESCOLARES NAS ESCOLAS ISOLADAS

  • Iara Andrade Costa, MSc, iara.andrade@univille.net
  • Dúnia Anjos de Freitas, MSc, danjos@univille.br
  • Cláudia Valéria Lopes Gabardo, E, claudia.valeria@univille.net
  • Pedro Romão Mickucz , Graduando, pedro.romao@univille.net
  • Jamile Nair de Azevedo , Graduando, jamile.nair@univille.net
  • Éliton Felipe de Souza , Graduando, eliton.felipe@univille.net
  • Alison Mario Costa , Graduando, alison.mario@univille.net

Universidade da Região de Joinville, UNIVILLE, Joinville

Palavras-chave: história da educação, ensino público, políticas políticas

A história da educação no Brasil configurou-se habitualmente como campo de atuação de pesquisadores da área da educação. Há muito pouco tempo tem ganhado relevância no campo epistemológico, principalmente na área de História, por permitir uma análise social mais ampla integrada à realidade e muito rica em fontes, normalmente inusitadas, existentes nas escolas, na Secretaria de Educação, Arquivo Histórico, nos jornais e mesmo as pertencentes aos entrevistados. O sistema educativo nos explicita as teias de controle, de representações e de desenvolvimento de uma comunidade e de uma região. O objetivo desta pesquisa foi o de compreender a história do ensino público e a influência deste nas comunidades onde as escolas estavam inseridas, em particular das escolas isoladas ou rurais por caracterizarem comunidades mais fechadas e que mantiveram por mais tempo características de uma cidade colonial. Estas escolas, na sua maioria, preservaram sua documentação e tiveram a comunidade muito presente e interferindo na contratação dos docentes, no que poderia ser ministrado e nas normas disciplinares, mas aos poucos foram se afastando e deixando para os poderes públicos a tarefa de monitorar a educação de seus filhos. Também foram utilizadas entrevistas orais semi-estruturadas de alunos, professores e gestores educacionais da rede pública de ensino da cidade de Joinville, na região norte catarinense. Estas fontes nos permitiram compreender as formas hierárquicas disciplinares de controle de todos os setores da vida escolar, dentro e fora da mesma. A metodologia dialética utilizada contribuiu para analisarmos a documentação citada e em que medida as instituições de ensino se inseriram na estrutura social de uma comunidade imprimindo comportamentos e formando identidades sociais especificas. Várias reformas educacionais foram estabelecidas ao longo do século XX e a qualificação e reconhecimento da profissão do professor sofreu muitos revezes, mas na maioria das vezes, este primou pelo seu autodidatismo e sorte. Os alunos ganharam novo espaço em detrimento da autoridade do professor e os gestores respondem a questões muito mais políticas do que as pertinentes ao cotidiano da Escola. A discussão sobre educação tornou-se um dos maiores desafios da nossa contemporaneidade, recebendo cada vez mais atenção das autoridades constituídas e principalmente dos professores como peça chave para o desenvolvimento econômico e social, político e cultural, a revelar que mudanças muito importantes estão a acontecer nas áreas do conhecimento aqui envolvidas que facilitarão a compreensão dos problemas educacionais vivenciados historicamente pelos vários grupos sociais. Esta pesquisa configurou-se de demanda externa com verbas do FAP/UNIVILLE, pagamento das despesas com os professores por dois anos com quatro horas semanais e da SE (Secretária de Educação do Município de Joinville), pagamento das demais despesas do projeto, inclusive estagiários.

A IMPORTÂNCIA DO MICROCRÉDITO PARA O CRESCIMENTO ECONÔMICO DE ANGOLA – UMA VISÃO DO PERÍODO PÓS-GUERRA CIVIL

  • Avelino Euclides da Silva Chimbulo, Graduando, mykechimbas@hotmail.com
  • Fernanda Cristina Barbosa Pereira Queiroz, Dr(a), fbp@unesc.net
  • Emanuel Ribeiro Benedito Garcia, Graduando, al49265@unesc.net

Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, Criciúma, Brasil

Palavras-chave: Microcrédito, Desenvolvimento econômico, Angola

Angola, um dos maiores e mais importantes países africanos, assistiu em 2002 o fim da guerra civil. Como resultado de mais de 25 anos de guerra, o país necessita de novas perspectivas, sobretudo a população jovem. A situação de adolescentes não escolarizados, sem habilidades profissionais, vivendo em condições precárias e sem perspectivas de rendimento, constitui uma potencial fonte de insegurança e instabilidade social e uma perda de capital humano para sustentar o desenvolvimento econômico e social de Angola. Atualmente, o microcrédito é visto como uma parte da incipiente indústria microfinanceira, que se define por um conjunto de serviços financeiros postos a disposição da população de baixa renda, caracterizado por um sistema de garantia que se baseia na confiança, reciprocidade e participação. Justifica-se este trabalho, pelo interesse em analisar a situação socioeconômica de Angola, e ainda como o microcrédito pode contribuir para diminuir a precariedade da situação dos jovens no país. Neste sentido, este trabalho é relevante ao contribuir com a identificação das fontes de crédito disponíveis no país, sobretudo para a criação de pequenos empreendimentos. Este trabalho tem como objetivos apresentar as principais fontes de crédito disponíveis em Angola para fomento e investimento no país, com destaque para o microcrédito; identificar o público alvo do programa e os recursos disponibilizados. A fim de atingir estes objetivos foram analisadas referências históricas, documentos e relatórios que destacam a importância do microcrédito. Foram analisados in loco documentos de instituições financeiras angolanas. A fonte de custeio que possibilitou a realização da pesquisa é a Universidade do Extremo Sul Catarinense, através do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC). Os resultados evidenciam que o Banco de Poupança e Crédito(BPC) e o Banco Sol são os principais responsáveis do programa de concessão de Microcrédito em Angola. O valor global do programa gerenciado pelos dois bancos está orçado em 10 milhões de dólares americanos e abrange sete das dezoito províncias de Angola. O BPC e o Banco Sol gerenciam os seus programas de forma individual, mas seguindo todas as normas e regras impostas pelas autoridades governamentais na fase de concepção do projeto. Verificou-se também na pesquisa que o objetivo do programa de microcrédito de Angola é promover a reinserção social dos jovens, incrementar o grau de formação e instrução através de um órgão de um instituto especializado (INAPEM), bem como a valorização social da atividade e fomento do auto-emprego para os jovens em condição informal do mercado. A exemplo do programa de microcrédito desenvolvido pelo Banco Grameen, o microcrédito em Angola já conta com mais de 17 mil beneficiados, entre eles camponeses, agricultores, microempresários, professores, médicos e a camada juvenil em condições informais de mercado, que constituem basicamente a população mais pobre do país.

A IMPORTÂNCIA DO VÍNCULO AFETIVO MÃE-BEBÊ, PARA A CONSTITUIÇÃO DO SUJEITO SAUDÁVEL

  • Genéia Lucas dos Santos, Graduando, glusa@ibest.com.br
  • Madaline F. Roveda, E, extensao@cdr.unc.br

Universidade do Contestado, UNC, Caçador, Brasil

Palavras-chave: desenvolvimento infantil, vínculo afetivo, equilíbrio emocional

O presente estudo teve com tema a orientação ao grupo de gestantes do PSF’s do bairro Martello e Morada do Sol do município de Caçador. Justifica-se pela falta de vínculo na relação da mãe-bebê poderá gerar várias patologias, advindas do desequilíbrio familiar e social. Aprende-se à opressão e a violência no lar, na infância, de nossos pais e irmãos. Atuar com as futuras mães, onde sejam estimuladas a potencializarem o vínculo afetivo com seus filhos, ajudará a suprir as necessidades que cada fase do desenvolvimento infantil requer. A ausência da segurança materna terá efeitos sobre o desenvolvimento emocional e acarretará danos à personalidade e ao caráter. Levar conhecimentos sobre o período gestacional, do ponto de vista psicológico, e biológico as gestantes. Logo no início da gestação ou logo após o nascimento, poderá prevenir ou amenizar futuros transtornos psicológicos, ou problemas de relacionamento que o afetarão mais tarde. Os objetivos do projeto junto as gestantes do PSF do bairro Martello de Caçador, proporcionar o conhecimento da importância do vinculo afetivo Mãe-Bebê, para a constituição do sujeito saudável, além de acompanhar e conhecer as fases gestacionais; identificar as fases do desenvolvimento infantil; relacionar a importância do equilíbrio familiar com a constituição de um sujeito saudável; saciar as necessidades afetivas do bebê durante o seu desenvolvimento. Levar as futuras mães o conhecimento da importância do vínculo afetivo na relação mãe-bebê e os danos que a falta deste pode causar no desenvolvimento do seu filho ou mais tarde no futuro adulto, foi o temo central do trabalho. Procurou-se sensibilizar a gestante do seu papel de mãe, cuidadora, educadora visando o equilíbrio emocional da criança e a potencialização do vínculo afetivo nesta relação. Estimulou-se o lado afetivo da mãe, a relação com a barriga, o carinho, o apego, para que a mãe seja objeto de amor e não de ódio, ao falar do bebê e suas emoções, dizendo que o primeiro objeto de amor e ódio do bebê é sua mãe. Das 64 gestantes cadastradas no Programa Saúde da Família, participaram, em torno de 20%, porém nem sempre eram as mesmas. A maioria das gestantes não havia planejado a gravidez, de classe média baixa, em faixa etária variada, poucas contam com o apoio do pai da criança, grande parte desempregadas, a maioria não é o primeiro filho e os temas abordados eram pouco conhecidos. A soma destes fatores elevem as chances do desencadeamento de patologias na primeira infância, ou seja, neste grupo há indicadores de risco, onde o trabalho de prevenção, planejamento da gravidez e da construção do vinculo deveria ser intensificado para o desenvolvimento saudável do sujeito. Algumas referências indicam que o instinto materno não existe, o que existe é um processo de construção do vínculo que se inicia no planejamento da gravidez, antes mesmo do nascimento.

A literatura de corpo presente no "Vôo da Madrugada"

  • André Luiz Rovea Timm , Graduando, timmandre@gmail.com
  • Nara Boneti Foresti, MSc, naraboneti@unochapeco.edu.br

Universidade Comunitária Regional de Chapecó, UNOCHAPECÓ, Chapecó, Brasil

Palavras-chave: escrita, Sérgio Sant’Anna, Experiência

A LITERATURA DE CORPO PRESENTE NO “VÔO DA MADRUGADA”
André Luiz Rovea Timm1 ; Nara Boneti2

Em todos os debates recentes sobre literatura muito tem se discutido a respeito do seu lugar e sua função em relação à formação humana em detrimento de outras formas de produção de imagens. Dessa forma, estudar as experiências que o literário proporciona, a partir da leitura de textos literários, parece ser um dos questionamentos mais importantes a ser feito. A partir do momento que esse trabalho busca por configurações da literatura em textos do presente, considerou-se essencial que essa análise perpassase a obra do autor Sérgio Sant’Anna. Dessa forma, se elegeu como recorte desta pesquisa a obra “O Vôo da Madrugada”. Nela, tornou-se explícita uma recorrência que acabou por definir a forma como os textos foram analisados. Ao longo de todo o livro foi possível identificar diversas cenas onde o corpo humano se mostrava, muitas vezes, como o próprio suporte para escrita, ou, em outras, como um corpo desconexo, onde membros e órgãos não ocupavam seu lugar tradicional. Assim, de acordo com seus conteúdos, foram definidas categorias: corpos-conto, corpos-desejo, corpos-metalingüísticos, corpos-memória, corpos-suporte e corpos-estranhos. A partir daí, tal hipótese foi validada, principalmente, pela teoria de Deleuze a respeito do Corpo Sem Órgãos. Estabeleceu-se uma relação entre as desterritorializações propostas pelo autor e as próprias desterritorializações identificadas nos corpos-conto, muitas vezes através dos personagens do “Vôo da Madrugada”. Obra esta composta por uma série de contos que parecem estar fora de lugar, como se fossem pequenos livros dentro de um outro livro maior, um corpus. Partindo da experiência de leitura do “Vôo da Madrugada” foi possível constatar que é da desterritorialização, a mesma que identifica o Corpo Sem Órgãos de Deleuze, que resulta o processo inverso, onde a reterritorialização se dá na busca pelo prazer. Tal processo acontece justamente na experiência que resulta a partir da leitura. E mais: se a leitura reterritorializa, a escrita também tem a função de redimir, apaziguar, caracterizando a escrita como um processo de redenção de tudo aquilo que é feio, mal, fora de lugar. A pesquisa tem financiamento da UNOCHAPECÓ/PIBIC.
Palavras-chave: escrita; Sérgio Sant’Anna; Experiência.


1 Bolsista/Acadêmico, Letras Português, Grupo de pesquisa Literaturas do Presente - UNOCHAPECÓ/PIBIC;
timm@unochapeco.edu.br
2 Orientadora/Mestre, Letras, UNOCHAPECÓ

A METODOLOGIA DA PROBLEMATIZAÇÃO E A INDISSOCIABILIDADE ENTRE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

  • Márcia R. Selpa de Andrade, MSc, selpa@furb.br

Universidade Regional de Blumenau, FURB, Blumenau, Brasil

Palavras-chave: Ensino., Pesquisa., Extensão.

O presente trabalho relata a experiência dos projetos realizados no componente curricular Políticas Educacionais e de Saúde, no Curso de Medicina Veterinária da Universidade Regional de Blumenau - FURB. O referido Curso tem ênfase na saúde humana e saúde animal. Neste curso, procura-se desenvolver uma proposta pedagógica utilizando a Metodologia da Problematização, visando dinamizar o processo ensino aprendizagem. Estudos e pesquisas na área da educação têm revelado a importância de uma Educação Problematizadora, inspirados na concepção histórico - crítica da Educação. O objetivo deste trabalho foi articular ensino, pesquisa e extensão, a partir de projetos focados na Educação em Saúde realizados em Escolas da Rede Municipal e Unidades de Saúde de Blumenau. Esta proposta teve a participação contínua dos acadêmicos das segundas fases do curso de Medicina Veterinária nos anos de 2007 à 2008. Foram envolvidos até o momento três turmas, com projetos diferenciados. O primeiro passo desta experiência foi aprofundar o conceito, compreender a dinâmica da utilização da Metodologia da Problematização e as possibilidades de atuação. Num segundo momento foi necessário definir quais seriam os espaços sociais, utilizando critérios construídos em conjunto com os acadêmicos. Após a escolha, foram realizadas as visitas com objetivos de apresentar a proposta de trabalho, conhecer a realidade e levantar as situações-problema relacionadas à saúde humana e animal. Em seguida, foram selecionadas as temáticas relevantes que contribuiriam para este contexto e para a formação dos acadêmicos. A metodologia dos projetos foi baseada no Arco de Maguerez, apresentado por Bordenave e Pereira, tendo como percurso as cinco etapas: a) observação da realidade e definição de um problema; b) identificação dos pontos-chave; c) teorização; d) hipóteses de solução; e e) aplicação à realidade. O Arco de Maguerez tem como ponto de partida e de chegada a realidade social. Este método é apropriado para concretizar projetos que visam articular ensino, pesquisa e extensão. Os projetos realizados pelos acadêmicos nesta proposta tiveram como fundamentos dois eixos: O primeiro está relacionado aos fundamentos e princípios de Educação em Saúde e, o segundo eixo está vinculado a temática especifica de cada grupo de acadêmicos na qual desenvolveram o projeto. Assim, destacamos que esta experiência consistiu em projetos com diferentes temáticas, previstos a partir do diagnóstico e das questões levantadas no contexto social, destacando-se: os maus tratos; cisticercose; raiva; escorpião amarelo; castração; febre maculosa; morcegos; zoonoses e posse responsável de animais. Na fase de aplicação à realidade, os acadêmicos utilizaram estratégias ativas com o objetivo de interagir com todos os sujeitos envolvidos neste processo. Os resultados foram significativos, pois a relação intrínseca entre ensino, pesquisa e extensão, associado a metodologia da problematização, possibilitaram aprendizagens diversas e intervenções imediatas e de longo prazo, no contexto social de Blumenau. O olhar analítico e crítico sobre a realidade na qual o projeto foi vivido por estes acadêmicos resultou em novos desafios a serem ainda enfrentados neste percurso de sua formação.

A NOTÍCIA VAI À ESCOLA E A ESCOLA VIRA NOTÍCIA

  • Emanuela Carla Siqueira, Graduando, emanuelac@unochapeco.edu.br
  • Marizete Bortolanza Spessato, MSc, mbs@unochapeco.edu.br

Universidade Comunitária Regional de Chapecó, UNOCHAPECÓ, Chapecó, Brasil

Palavras-chave: leitura crítica, jornal, escola

Coordenadora: Marizete Bortolanza Spessatto, Curso de Letras, mbs@unochapeco.edu.br

Acadêmica: Emanuela Siqueira

Diferentes pesquisas têm apontado para as dificuldades dos brasileiros em fazer uma leitura crítica da mídia. Antes da apresentação deste projeto para edital de extensão do FAPEX/UNOCHAPECÓ, pelo qual é financiado, foi aplicado um questionário a 20 estudantes de séries finais do ensino fundamental de uma escola de Chapecó. O questionário apontou que muitos deles (seis dos que responderam ao questionário) não lêem jornais "nunca"e os demais (14 adolescentes) os lêem apenas "de vez em quando". A qualidade da leitura, quando feita, também deve ser questionada, de acordo com o que indicam as respostas do questionário. Ao identificarem a editoria preferida (perguntou-se "qual a parte do jornal que mais lêem") esses adolescentes apontaram, preferencialmente, os "signos" e as "histórias em quadrinhos", provavelmente referindo-se às tiras e charges. Ao apresentar aquela que é uma das mais conhecidas propostas de trabalho com o jornal na sala de aula, Maria Alice Faria (2000, p. 12) diz que o papel dessas atividades é o de proporcionar a associação entre leitura e escrita em uma relação dialética. Diante dessa perspectiva, o presente projeto, iniciado em março de 2008, passará, até o mês de dezembro, por seis escolas da Rede Pública Estadual de Ensino, atendendo a um público de aproximadamente 200 estudantes de oitavas séries, com idade entre 13 e 16 anos. O projeto tem como objetivo geral contribuir com a entrada crítica do texto jornalístico nas aulas de língua portuguesa, levando à reflexão e à produção desse gênero textual de forma autônoma. Desta forma, levando-os a: identificar os diferentes gêneros que compõem os jornais; fazer a leitura crítica dos textos de circulação social; analisar as diferenças ideológicas presentes na abordagem dos mesmos eventos, por jornais diferentes; produzir textos informativos que permitam a criação de um jornal escolar. Com as ações, a serem socializadas no Curso de Letras, buscamos aproximar os acadêmicos deste curso da realidade escolar e apresentar novas propostas metodológicas para o trabalho com a língua portuguesa em sala de aula. Quanto à metodologia do projeto, as atividades são realizadas nos horários de aula da disciplina de Língua Portuguesa. Em cada escola, as ações são desenvolvias por quatro semanas, seguindo um cronograma que prevê a discussão sobre a estrutura do jornal impresso, comparativos de temas abordados (para leitura crítica), visita a jornais locais e produção de um jornal pelos alunos de cada uma das escolas. Considera-se, também, a possibilidade de, a partir desse projeto, efetivar a articulação entre ensino, pesquisa e extensão, um dos eixos da proposta de atuação da Unochapecó, como universidade comunitária. Parte-se, dessa forma, de angústias provenientes da pesquisa para o desenvolvimento de um projeto de extensão que pode, ainda, qualificar o trabalho na sala de aula universitária. Pretendemos continuar o projeto, a partir do próximo ano, envolvendo outras escolas, especialmente aquelas mais distantes do centro e nas quais, em função de fatores geográficos e socioeconômicos, a presença dos jornais na sala de aula é ainda menor.

A PERCEPÇÃO DOS DOCENTES INTEGRALIZADORES EM UM CURRÍCULO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

  • Kellin Danielski, G, kellin.danielski@terra.com.br
  • Stela Maria Meneghel, Dr(a), stmeneg@terra.com.br

Universidade Regional de Blumenau, FURB, Blumenau, Brasil

Palavras-chave: Currículo integrado., Integralização., Enfermagem.

O trabalho está na linha de pesquisa EDUPESQUISA do Mestrado em Educação/PPGE da Universidade Regional de Blumenau/FURB. Historicamente, o ensino da Enfermagem esteve diretamente relacionado às práticas de saúde que eram realizadas por pessoas leigas e cuidavam das pessoas doentes. Com a diferenciação entre cuidado e cura resultaram as profissões na área da saúde e na Enfermagem. Esta esteve por muito tempo vinculada às práticas médicas num modelo assistencial centrado na doença e na fragmentação do ser humano. Com o advento da reforma sanitária na década de 1970, surgiu a possibilidade de um modelo assistencial preventivo que veio se consolidar com a criação do SUS em 1990 e com as Diretrizes Curriculares Nacionais – DCN, da Saúde e da Enfermagem em 2001. Essas tinham como proposta a integralidade das áreas de conhecimento numa formação básica interdisciplinar e sugeriam um currículo integrado que na visão pós-crítica de autores como Pereima, Coelho, Da Rós (2005), se constitui numa proposta de organização curricular que supera a lógica das disciplinas centradas nos conteúdos. Perceber como os docentes Integralizadores reconhecem suas funções torna-se importante para o seu melhor desempenho e aperfeiçoamento da proposta de integração do currículo, e consequentemente contribui para a compreensão discente das práticas preventivas de assistência à saúde. Este trabalho objetiva analisar como docentes percebem suas funções e como elementos do currículo integrado - CI (interdisciplinaridade, relação teórica prática e totalidade) estão presentes na figura do Integralizador. A base empírica foi composta por documentos, em que percebemos a preocupação em formar profissionais capazes de transformar a realidade onde atuam, associar a teoria com a prática por meio de metodologias ativas de aprendizagem como a problematização (FREIRE, 2000; BERBEL, 1999); importância do docente integralizador no acompanhamento da aprendizagem dos alunos e estrutura curricular flexível e voltada à demanda estudantil. Nas entrevistas e questionários com docentes integralizadores suas percepções em relação à função foram diversas: coordenar o semestre, as relações e os conteúdos, atingir os objetivos da fase, articular o relacionamento entre o professor e aluno, integrar o aluno e desenvolver suas deficiências e ser equalizador das estratégias dos docentes do módulo. Dessa maneira, analisamos o docente com uma concepção de formação em saúde focada na transmissão de conteúdos; com o predomínio de visão biologicista e assistencial de atendimento em saúde. Ao final, consideramos que as percepções dos docentes demonstram sua deficiência pedagógica e necessidade de conhecer as concepções e práticas integrativas de formação para melhorar a efetividade do CI.

A POLÍTICA DOS 9 (NOVE) ANOS DE ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO CURRÍCULO NA REDE MUNICIPAL DE JARAGUÁ DO SUL – SC.

  • Kelli Aparecida Pereira, Graduando, proinpes@unerj.br
  • Rafaela Angelo Gonçalves, Graduando, rafaela_angelo@unerj.br
  • Diva Spezia Ranghetti, Dr(a), divar@unerj.br

Centro Universitário Católica de Santa Catarina, PUC, Jaraguá do Sul, Brasil

Palavras-chave: Política de nove anos, Currículo, Ensino Fundamental

Esta pesquisa de Iniciação Científica teve como objetivo investigar as mudanças curriculares que a rede municipal de educação de Jaraguá do Sul fez decorrentes da política governamental que alterou a organização do Ensino Fundamental de 8 (oito) para 9 (nove) anos. Além disso, a pesquisa também teve como objetivo mapear as etapas vivenciadas e os critérios utilizados para efetuar a reorganização curricular. O universo da pesquisa compreendeu documentos oficiais emanados da Secretaria Municipal de Educação de Jaraguá do Sul, tais como: proposta curricular, relatórios de registros das etapas vividas no processo de mudança, literatura e legislação específica da área. A abordagem metodológica utilizada foi o estudo de caso. Para tanto, utilizou-se da análise de conteúdo dos documentos emitidos pela Secretaria Municipal de Educação e do Conselho Municipal de Educação, de entrevistas realizadas com três diretores de ensino e o secretário municipal de educação. Também fez-se a aplicação de questionários com a equipe pedagógica-administrativa de uma escola da rede muinicipal e com os coordenadores pedagógicos da secretaria de educação. Como resultado parcial destaca-se: a implantação da duração de 9 anos no Ensino Fundamental em Jaraguá do Sul aconteceu no ano de 2004 para atender metas constantes do Plano Decenal de Educação, portanto foi anterior a legislação que obriga a matrícula das crianças de 6 anos no Ensino Fundamental; a implantação da política não foi progressiva; a proposta inicial consta da organziação curicular em, contudo, teve descocntinuidade dessa proposta no ano de 2005; houve formação específica de professores para atuarem na alfabetização; reorganização da estrutura física, os ambientes, os matriais para a inclusão das crianças de 6 anos. Destaca-se que uma das preocupaçãões presente na proposta inicial da mudança da política de duração do Ensino Fundamental consistia em assegurar que a transição da Educação Infantil para o Ensino Fundamental ocorresse de forma mais natural possível, não provocando nas crianças rupturas e impactos negativos no seu processo de escolarização. No decorrer da pesquisa concluímos que a implantação da política é complexa e demanda uma reorganização do currículo do ensino fundamental, o qual requer uma reconstrução do projeto político pedagógico da rede municipal de ensino e de uma ação didático-pedagógico diferenciada dos professores, visto que não se trata apenas de antecipar uma série em termos cronológicos, mas sim de atender ao desenvolvimento dos aspectos afetivo, cognitivo e motor das crianças, portanto um cuidado especial em relação a aprendizagem em detrimento ao conteúdo a se ensinado.

A sintonia da mediação familiar como ensino aprendizagem

  • Deisemara Turatti Langoski , MSc, deisetl@unochapeco.edu.br
  • Carmen Carvalho de Souza , E, carmen_lcs@hotmail.com
  • Claudete M. Fries Bressan, E, cbressan@unochapeco.edu.br
  • Daiane Ganzer, Graduando, daianeg@unochapeco.edu.br
  • Sabrina Lazarin, Graduando, sabri@unochapeco.edu.br
  • Thamara Sotilli, Graduando, thamara@unochapeco.edu.br
  • kely Campagnolo, Graduando, kelic@unochapeco.edu.br
  • Simone Milani , Graduando, simonemi@unochapeco.edu.br
  • Walter Dahmer, Graduando, wgd@unochapeco.edu.br
  • Matheus R. da Cruz , Graduando, matheus20@unochapeco.edu.br
  • Anderson Luis Schuck, Graduando, andersons@unochapeco.edu.br
  • Daniela Schott, Graduando, danischott@unochapeco.edu.br
  • Cristiany Mess, Graduando, cristiany@unochapeco.edu.br
  • Vanessa da Silva , Graduando, vanessaw@unochapeco.edu.br

Universidade Comunitária Regional de Chapecó, UNOCHAPECÓ, Chapecó, Brasil

Palavras-chave: ensino aprendizagem, concepção de família, mediação familiar

A SINTONIA DA MEDIAÇÃO FAMILIAR COM O ENSINO APRENDIZAGEM

Coordenadoras: Carmen Carvalho de Souza, Psicologia, carmen_lcs@hotmail.com; Claudete M. Fries Bressan, Serviço Social, cbressan@unochapeco.edu.br; Deisemara Turatti Langoski, Direito, deisetl@unochapeco.edu.br.
Demais integrantes: Bolsistas Serviço Social: Daiane Ganzer, daianeg@unochapeco.edu.br; Sabrina Lazarin, sabri@unochapeco.edu.br; Thamara Sotilli, thamara@unochapeco.edu.br; Kely Campagnolo, kelic@unochapeco.edu.br; Simone Milani, simonemi@unochapeco.edu.br; Direito: Walter Dahmer, wgd@unochapeco.edu.br; Matheus R. Da Cruz, matheus20@unochapeco.edu.br;
Psicologia: Beatriz Lazzaretti, Anderson L. Schuck, anderson@unochapeco.edu.br; Daiane Fransescon, Daniela Schott, danischott@unochapeco.edu.br; Cristiany Mess, cristiany@Unochapeco.edu.br; Vanessa da Silva, Vanessaw@unochapeco.edu.br.

O projeto de extensão Mediação Familiar originou-se da iniciativa do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, em 2004, para o acesso alternativo ao Direito de Família. O intento vem sendo viabilizado mediante a realização de estágio curricular e voluntário dos acadêmicos de Direito, Psicologia e Serviço Social da UNOCHAPECÓ. O adensamento das reflexões sobre esta forma alternativa de acesso ao sistema judiciário, vem promovendo novas concepções aos estudos voltados à família para os acadêmicos pela prática da Mediação, fundamentado na convicção da capacidade dos sujeitos transformar os conflitos vivenciados pelo grupo familiar, por meio da participação e co-responsabilidade. Nesta perspectiva, o projeto visa para os acadêmicos e mediadores a interação dos conhecimentos apreendidos sobre família e às famílias proporciona o diálogo e a vivência de valores cooperativos e solidários com vistas a encontrar respostas qualitativas, justas e humanas. O protagonismo dos sujeitos na transformação dos impasses familiares é estimulado pelos mediadores na facilitação da comunicação e na formulação de acordos, visto que, estes se tornam mais representativos e compatíveis com os interesses dos mediandos. Os procedimentos metodológicos se pautam no atendimento interdisciplinar, entendido como um conhecimento novo, oriundo das especificidades e diálogo entre as disciplinas. Os atendimentos ocorrem com a exposição da dinâmica da Mediação Familiar pelos mediadores, destacando seu compromisso ético e postura de equilíbrio das forças em disputa. A percepção do objeto do conflito, bem como, a identificação de alternativas de interesse comum são facilitadas pelos mediadores por meio do diálogo. A formulação do acordo com a homologação judicial representa a etapa final da mediação e deve expressar a vontade dos mediandos. A relevância social do projeto está em constituir-se em instrumento do exercício da cidadania. A gratuidade jurídica torna-a uma opção alternativa de acesso ao sistema judiciário, privilegiando, a agilidade e a desburocratização. Além do que, a participação e co responsabilização dos mediandos em toda a dinâmica, transforma a mediação num espaço educativo de exercício de democracia. Para os acadêmicos a troca de experiências e conhecimentos ilustra o ensino aprendizagem, apontando perspectivas para as abordagens da concepção de família, propiciando futuras pesquisas científicas e contribui na formação profissional e cidadã. As fontes de recursos para manutenção provém da UNOCHAPECÓ, através dos Centros envolvidos no projeto e do convênio com o Tribunal de Justiça de Santa Catarina. A Mediação Familiar pretende expandir-se para outras áreas do conhecimento, vinculando-se a programas/projetos da comunidade acadêmica. Externamente, dará ênfase à socialização e clarificação da experiência alternativa de transformação dos conflitos no âmbito das relações familiares.

A TRIBUTAÇÃO AMBIENTAL E A PROTEÇÃO DO MEIO AMBEINTE.

  • Mayara Karine Peritto, Graduando, mayara@unerj.br
  • Lílian Karina dos Santos, Graduando, liliank@unerj.br
  • Maikon Cristiano Glasenapp, MSc, glasenapp@terra.com.br

Centro Universitário Católica de Santa Catarina, PUC, Jaraguá do Sul, Brasil

Palavras-chave: Meio Ambiente, Tributação Ambiental, Incentivos Fiscais

Com o presente estudo se pretendeu pesquisar e demonstrar a existência de uma intersecção do regime tributário com a proteção do meio ambiente, diante da tal tarefa de analisar se é possível através da tributação, haver um controle do equilíbrio ambiental, através da chamada tributação ativa e passiva. A problemática da pesquisa se volta ao descobrimento de uma política pública ambiental, através de tributos ambientais possíveis de proteger e preservar o meio ambiente. A pesquisa tem como escopo principal mostrar que acreditamos em uma política tributária ambiental bem estruturada, que seja capaz de evitar o dano ambiental ao invés de repará-lo. Pretende-se também analisar a legislação vigente, com base nos princípios gerais de direito ambiental quais são os tributos ambientais que são capazes de obter o resultado da tributação ambiental coma finalidade de preservação e proteção do meio ambiente que vivemos, para nós e para as futuras gerações. A Lei 6.938/81 – Lei da Política Nacional do Meio Ambiente, bem como a Constituição Federal trazem em sua redação quais são estes princípios que são capazes de proteger o meio ambiente, como podemos citar alguns deles, o princípio da prevenção, do desenvolvimento sustentável, da precaução, e principalmente o princípio do poluidor-pagador, que é o mais importante de todos. No tocante aos princípios de Direito Ambiental, MORATO LEITE3, ensina serem estes “princípios estruturantes”. Assim, aqueles têm a função de dar uma melhor compreensão constitucional, bem como uma função declarativa, de superconceitos, pois acabam por englobar outros princípios jurídicos. Por conseguinte, os princípios de direito ambiental são carregados finalisticamente de diretrizes que sintonizadas com a realidade social e cultural de cada país, objetivam o surgimento de diretrizes que possibilitem o equilíbrio do meio ambiente.

A UNIVERSIDADE CUMPRINDO SEU PAPEL DE ASSESSORIA ÀS COMUNIDADES ORGANIZADAS/ BLUMENAU

  • Candice Munhoz Cazorla, Graduando, candicinha@yahoo.com.br
  • Jacqueline Samagaia , MSc, jacque@furb.br
  • Rubia dos Santos, MSc, rubiasantos@furb.br
  • Reidy Rolim de Moura, MSc, reidymoura@hotmail.com
  • Anamaria Teles, MSc, anamariateles@furb.br
  • Rita de Marchi, Dr(a), rt.mc@bol.com.br
  • Elsa Cristine Bevian, MSc, elsa@furb.br
  • Susana Soares, Graduando, susanabnu@hotmail.com
  • Ricardo Wolfram Coman, Graduando, ricardo.sso26@gmail.com
  • Carla Morsch Porto Gomes, Graduando, cmorsch@ig.com.br
  • Giulia Lucca Aita, Graduando, giulucca@yahoo.com.br

Universidade Regional de Blumenau, FURB, Blumenau, Brasil

Palavras-chave: Assessoria comunitária., Capacitação., Questões urbanas.

A proposta de assessoria e capacitação às comunidades organizadas de Blumenau iniciou na Furb (Universidade Regional de Blumenau) no ano de 1998, partindo de um grupo de professores da área de Humanas (serviço social e ciências sociais). Desde o início, as atividades foram organizadas através de um projeto de extensão e buscavam, sobretudo, assessorar e capacitar as comunidades organizadas nas periferias da cidade de Blumenau, no enfrentamento de suas problemáticas. Partiu-se do pressuposto de que a organização comunitária é um espaço privilegiado de reivindicação e luta por direitos sociais que muitas vezes a própria sociedade desconhece. É neste contexto que a universidade, como fomentadora de conhecimento, deve inserir-se buscando junto as comunidades locais a troca de conhecimento, bem como, proporcionando a todos os interessados uma assessoria técnica qualificada. Esta proposta foi sendo refeita ao longo dos anos de trabalho, através do aprendizado que foi se construindo e da troca de saberes entre universidade e comunidade. Atualmente configura-se como um Programa de Extensão intitulado: Programa Assessoria e Capacitação Comunitária, visando suprir as demandas e necessidades que foram sendo levantadas e conhecidas a partir da relação estabelecida com as comunidades. O objetivo do Programa é assessorar e capacitar organizações comunitárias de Blumenau no enfrentamento às problemáticas vivenciadas, contribuindo com o reconhecimento das diferenças e com a construção de novos conhecimentos acerca da realidade local. O Programa se desdobra em vários projetos: Verter, Inclusão Social pela Fotografia; Direito nas Associações; Capacitação e Assessoria Comunitária. O fato de envolver professores e alunos de diferentes áreas (serviço social, sociologia, comunicação social, psicologia, direito) denota a relevância acadêmica deste tipo de proposta, ao possibilitar tratar a realidade sob diferentes enfoques. Outra característica do Programa é a articulação que se realizou, a partir de 2007, com outro Programa de extensão NEUR (Núcleo de Estudos Urbanos) da área de arquitetura. Esta articulação propiciou ações organizadas em torno de um mesmo objeto, qual seja, a regularização fundiária de assentamentos humanos precários. Esta articulação também propiciou buscar recursos junto ao Ministério das Cidades para fins de regularização, recursos estes que chegaram na universidade recentemente. Outros recursos externos provêm do FIA (Fundo Municipal da Infância) que financia pela segunda vez a proposta do Projeto Verter (contemplado em dois editais). Embora a maior parte do financiamento do Programa seja feita pela universidade, a possibilidade de financiamento externo para as ações é uma conquista, possibilitando sobretudo, a articulação dos trabalhos com outros órgãos e instituições. Outro desdobramento que se deu a partir desta articulação foi uma proposta de pesquisa (Iniciação Científica), elaborada em conjunto com o NEUR, cujo título é: Análise da exclusão sócio-espacial do Morro do Artur – Blumenau/SC, que está sendo executada por uma das bolsistas do Programa. As perspectivas para continuidade do Programa se dão na direção de: fortalecer as parcerias com outros programas, instituições e organizações sociais; buscar recursos que possibilitem ampliar as ações; articular novas pesquisas com o ações de extensão; e produzir artigos científicos.

A VISÃO DOS ESTAGIÁRIOS NO NÚCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE PALESTRAS NAS COMUNIDADES DA COMARCA DE CANOINHAS

  • Celia Ribeiro de Farias Mazzucco, Graduando, celiamazzucco@uol.com.br
  • Daniela Meister, G, lela@newage.com.br

Universidade do Contestado, UNC, Caçador, Brasil

Palavras-chave: estagiário , palestra, comunidade

O presente trabalho desenvolvido no Núcleo de Práticas Jurídicas (NPJ), da Universidade do Contestado UnC/ Campus Canoinhas, tem característica qualitativa que objetivou mostrar a importância para o estagiário ministrar palestras nas comunidades. A Assistência jurídica é definida como a prestação de serviços jurídicos, tanto processuais como consultivos às pessoas menos favorecidas. Por justiça gratuita, deve ser entendida o total gratuidade processual, isto faz parte dos parâmetros do NPJ e do cunho social da instituição, que o acadêmico do curso de Direito presta à clientela esclarecendo dúvidas sobre seus direitos e deveres como cidadãos. Faz-se necessário para a excelência da instituição, que ocorra uma ênfase nos relacionamentos entre acadêmicos e comunidades, ocasionando uma reciprocidade de trocas de informações. O objetivo desta pesquisa foi de conhecer o ponto de vista dos estagiários de do curso de Direito, perante as atividades no desempenho de ministrar palestras nas comunidades. A relevância desta atividade ficou bem clara com as respostas dos questionamentos que obteve resultados positivos. Justifica-se o estudo pelo fato de que o acadêmico leva a informação, ou seja, esclarecimentos as pessoas durante a apresentação da palestra. O ser humano tem seus direitos fundamentais de cidadania, muitas vezes obscuro, portanto com atividade que o estagiário desenvolve, consegue abrir um leque de informações para que o homem venha a pensar e buscar mais esclarecimentos. Os passos metodológicos da pesquisa, assim como a explicação do instrumento técnico utilizado e o método de estudo e de análise que fundamentaram a construção do trabalho, ocorreu de forma indutiva. Assim, visando garantir a defesa dos direitos do cidadão, faz-se mister que a tutela pretendida não se perca ao passar do tempo, nem se interrompa com o desencantar do acadêmico pela atividade no seu estágio. Tem-se aqui a conclusão mais importante que se pode vislumbrar ao término deste estudo: o efetivo acesso à justiça só existe, no plano processual e material quando a tutela jurisdicional é adequada – sem isso há não justiça, pois dela depende a efetivação de todos os demais direitos, quando desrespeitados. Junto das escolas prestigiadas pelas palestras os estagiários do NPJ da UnC, explanaram temas e informações para que os jovens venha entender e se adequar na sociedade de forma que não deslize na delinqüência e façam uso de seus direitos como cidadão. Para que não fique apenas o legislador preocupado com a questão do acesso à justiça pela comunidade menos favorecida, a Universidade preocupada com a formação técnica dos acadêmicos, ordenam-se em concentrar esforços para a criação ou desenvolvimento de novas alternativas legais e extra-legais que auxiliem os meios de acesso e busca de seu habitat como ser humano. O importante é que os próprios operadores do direito conscientizem-se que somente com a união de diversas categorias e da própria população, impondo seus valores, consagrados pela Constituição Brasileira é que o movimento ao acesso à justiça influenciará a liberdade dos cidadãos dando novo entendimento à lei, ao direito a verdadeira justiça, fator fundamental da existência do Poder Judiciário, bem como da concretização da consciência de cidadania.

ABORDAGEM PRÁTICA DA WEB 2.0 COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL

  • Leonardo Vitazik Neto, Graduando, leovitazik@unerj.br
  • Rodrigo Deretti, Graduando, digo@unerj.br
  • Sigmundo Preissler Junior, MSc, sigmundo@unerj.br

Centro Universitário Católica de Santa Catarina, PUC, Jaraguá do Sul, Brasil

Palavras-chave: Sistemas, Educação, Web

A Web 2.0 é a segunda geração de serviços on-line e caracteriza-se por potencializar as formas de publicação, compartilhamento e organização de informações, além de ampliar os espaços para a interação entre os participantes do processo. A história da comunicação humana passa por uma significativa mudança. Com o auxílio da internet, que materializa toda a informação disponível na rede em forma digital está servindo de base para a convergência de muitos outros meios de comunicação e poderá, talvez, ser o meio predominante de expressões culturais da sociedade global. Atualmente, o que se percebe é uma navegação muito mais interativa, onde o usuário desfruta de inúmeras ferramentas e opções que lhe permitem trabalhar na internet com muito mais ação do que a tempos atrás. Um bom exemplo disto são os blog’s, comunidades de relacionamento, chat’s, web mails, wiki, entre outros. O advindo dessas novas tecnologias trouxe com ela uma nova nomenclatura para nossa web, vindo a ser chamada então “Web 2.0”, fazendo referência a versão “2” da web (páginas da internet). Baseado na colaboração e experiência iterativa com o usuário a Web 2.0 vem se tornando principal ferramenta na gestão do conhecimento. O termo web 2.0 descreve atividades, sites ou aplicações online que possibilitam a interação dos usuários: comunidades, troca direta de informações e compartilhamento de conteúdo próprio. Portanto, os profissionais responsáveis pela modelagem da informação que vai à rede estão diante de um desafio: criar soluções que proporcionem flexibilidade, fluidez e constantes atualizações que facilitem o acesso e a recuperação do conteúdo desejado. Com base neste contexto, desenvolveu-se este projeto de pesquisa com o objetivo principal de levantar e sintetizar o conhecimento necessário sobre soluções que se utilizam dos princípios da Web 2.0 e demonstrar de forma prática de que maneira isso pode beneficiar os que se utilizam desses recursos no ensino superior, além de traçar um comparativo entre o antigo conceito de Web e esta nova forma de pensar. Para tanto, a metodologia de pesquisa utilizada foi composta por disponibilização de uma ferramenta Web colaborativa (similar às wikis) que, elaborada sob os moldes da Web 2.0, pretende auxiliar os acadêmicos dos cursos de graduação de nossa instituição de ensino durante seu processo de aprendizagem. Com a participação efetiva dos acadêmicos, é possível mensurar o quão válida é a utilização de um sistema de colaboração on-line para aqueles que o fazem, além de modelar a ferramenta de acordo com as necessidades dos usuários.

ACOLHIDA AOS DISCENTES INGRESSANTES

  • Ariani Raquel Neckel Prux Stacke, E, arianiprux@unidavi.edu.br
  • Givanildo Silva, Graduando, givanildo@unidavi.com.br

Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, UNIDAVI, Rio do Sul, Brasil

Palavras-chave: Acolhimento, Ingressante, Informações

A Pró-Reitoria de Ensino da Unidavi, Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, percebeu que os discentes possuíam muitas dúvidas no momento do ingresso na jornada universitária e tomou a iniciativa de desenvolver um “Projeto de Acolhimento”. O objetivo é informar o novo acadêmico no tocante aos aspectos gerais da vida na universidade, tais como: curso, estrutura, apoio e demais recursos. A estratégia utilizada como proposta metodológica do desenvolvimento do projeto foi a apresentação, aos coordenadores, de um esboço, para que pudessem organizar o “acolhimento”, observando as características e peculiaridades específicas do curso sob sua responsabilidade. A relevância é observada através dos professores das fases iniciais que relatam a sensível melhora na motivação dos acadêmicos ingressantes, devido à diminuição da ansiedade proporcionada pela carga de informação inicial disponibilizada. Dentre os destaques, podemos relacionar algumas ações e seus propósitos: Palestra motivacional demonstrando a importância do curso para sua formação profissional e o respectivo retorno para a sociedade, sua credibilidade e a valorização do profissional da área; o curso e sua matriz curricular, disciplinas, pré-requisitos necessários entre as fases, atividades complementares obrigatórias, fundo de auxílio a viagens técnicas e de estudos, trabalhos de conclusão de curso, projetos de pesquisa e extensão conforme as linhas de atuação do curso; informações a respeito das notas de avaliações, trabalhos e freqüência mínima necessária para aprovação; importância do ambiente universitário, leituras e estudos, participação nos eventos, colóquio, participação nos grupos de pesquisa, desafios profissionais e incentivo a idiomas para preparação profissional; diretório central dos estudantes, cópias e carteira de estudante universitário - vantagens tais como: meia-entrada em cinema, show e eventos; site da universidade e espaço virtual do acadêmico; departamento de procedimentos acadêmicos, atendimentos, justificativas de faltas e segunda chamada de avaliações; serviço de apoio ao estudante com bolsas de estudos, valor das mensalidades e projetos de pesquisa; visita à biblioteca, acervo e seus diversos serviços, como reserva e renovação de livros; escolha do líder de turma e suas atribuições perante os discentes, docentes e servidores da universidade; interdisciplinaridade com integração de conhecimentos e cumulatividade dos ensinamentos adquiridos; parque universitário Norberto Frahm com o Núcleo de Desenvolvimento e Práticas de Gestão e seus modernos laboratórios de informática equipados com softwares para a preparação do acadêmico na sua vida profissional; e GTEC Unidavi - Núcleo Gerador de Empresas de Desenvolvimento Integrado de Incubação. Novamente a Proen antecipou-se com desenvolvimento de banco de dados com os projetos de cada curso, o que garante a continuidade da idéia nos futuros semestres letivos de ingressantes.

AÇÃO EDUCATIVA DO PROJETO “BICHO QUE EDUCA” DA UNIDADE DE ZOOLOGIA - MUESC

  • Morgana Cirimbelli Gaidzinski, MSc, mga@unesc.net
  • Kelly Cristina Minotto Bom, E, kcb@unesc.net
  • Rodrigo Ribeiro de Freitas, E, rrf@unesc.net
  • Silvia Damiani Simões, Graduando, silviadamianisimoes@gmail.com

Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, Criciúma, Brasil

Palavras-chave: Zoologia, Educação, Museu

A Unidade de Zoologia do Museu Universitário do Extremo Sul Catarinense - Muesc foi fundada em setembro de 2002 em parceria com o 10º Pelotão da Guarnição Especial de Policia Militar Ambiental. A Unidade de Zoologia mantém um acervo de espécies animais taxidermizadas em dioramas os quais reproduzem as características de seus habitats e fornece ao observador informações sobre a história natural dos mesmos. O acervo integra a fauna de ecossistemas variados, como mamíferos da Mata Atlântica, aves de restinga, mamíferos marinhos, entre outros. Por meio deste acervo a Unidade de Zoologia tem desenvolvido um programa educativo, dinâmico e interativo denominado “Bicho que Educa, envolvendo estudantes da educação infantil, ensino fundamental e médio das escolas públicas e particulares do Sul de Santa Catarina. O Projeto objetiva sensibilizar o público infanto-juvenil para a importância do respeito à vida em suas múltiplas formas, ampliando a noção de cidadania e estimulando sua atuação na sociedade em defesa da vida.A visitação pública é aberta, permitindo desta forma a socialização do conhecimento e o desenvolvimento de habilidades e atitudes científicas em seu público visitante. A visita das escolas é agendada e monitorada. Durante a visita os estudantes visualizam e escutam sons característicos das espécies em exposição. O monitor apresenta a história natural de cada espécie e informa o papel da fauna nos ecossistemas e a necessidade de sua preservação. Ao concluir a visita, de acordo com o nível de escolaridade, os estudantes participam de atividades lúdicas sobre a visita e as espécies apresentadas por meio de desenhos, pinturas e jogos. Concluída a atividade lúdica, os estudantes assistem palestra sobre Legislação Ambiental ou Biodiversidade Regional. Ao final da visita, os alunos recebem cartilhas produzidas pela Polícia Militar Ambiental e pela Unidade de Zoologia. Ainda como forma de ampliar a noção de cidadania, a Unidade de Zoologia, junto com a iniciativa privada, desde fevereiro de 2007, publica semanalmente, no Jornal da Manhã, de circulação no Sul Catarinense, informativos sobre a fauna regional visando a difusão e a popularização do conhecimento. Em parceria com o Ministério Público a Unidade de Zoologia realiza um trabalho intensivo no ajustamento de conduta dos infratores das leis de crimes ambientais por meio de palestras. Desde setembro de 2002, o Projeto atendeu a 39.968 estudantes, 2.090 professores de 374 Instituições de Ensino das redes pública e privada, de 37 municípios do Sul de Santa Catarina. De acordo com o nível de escolaridade 61,8% dos alunos visitantes pertencem ao ensino fundamental; 2,6% graduação; 14,4% ensino médio e 15,4% são alunos de pré-escolar. Com relação à rede de ensino, 42,7% dos alunos visitantes pertencem a rede municipal; 32,1% pertencem a rede estadual e 18,9% dos alunos a rede particular de ensino. Mediante as importantes ações e práticas educativas realizadas, o Projeto “Bicho que Educa” foi agraciado pelo DEMU/IPHAN, com o Premio Darcy Ribeiro 2008. Por todas as suas atividades a Unidade de Zoologia é um importante instrumento integrador entre a Universidade e a Comunidade, contribuindo para uma nova percepção sócio-ambiental das futuras gerações.

Apoio / Parcerias: Iniciativa privada; Governo do Estado de Santa Catarina; 10º Pelotão da Guarnição Especial de Polícia Militar Ambiental; Fundação Cultural de Criciúma.

AÇÕES DE EXTENSÃO VOLTADAS PARA A SAÚDE DE ADULTOS, IDOSOS E SEUS FAMILIARES

  • Juliana Vieira de Araujo Sandri , Dr(a), jusandri@univali.br
  • Katia Simone Ploner, MSc, ploner@univali.br

Universidade do Vale do Itajaí, UNIVALI, Itajaí, Brasil

Palavras-chave: Idoso, Promocão da Saúde, Doenças Crônica Degenerativas

As atividades de extensão do Centro de Ciências da Saúde voltado para adulto e idoso estão articuladas com equipes interdisciplinares atuando em diferentes práticas gerontológicas, no Programa para Saber Viver e no Curso Superior de Extensão Universidade da Vida (UNIVIDA). No Programa para Saber Viver são três ações: 1) Atendimento ambulatorial ao idoso em risco de demência e ao idoso já demenciado juntamente com o seu familiar e/ou cuidador. Este serviço é oferecido na Unidade de Saúde Familiar Comunitária, na Univali, em conjunto com a clínica de doenças neurodegenerativas. 2) Grupo de Estudo e Apoio aos Familiares e Cuidadores dos Portadores da Doença de Alzheimer e Doenças Similares – GEAz, que esclarece e instrumentaliza o familiar/ cuidador sobre a doença de Alzheimer e outras doenças similares, no sentido de oferecer suporte aos mesmos quanto aos cuidados específicos aos portadores, com o intuito de melhorar a qualidade de vida do doente e do cuidador/ familiar. Os encontros acontecem na Univali. 3) Grupo de promoção a saúde, visa através de atividades educativas e interventivas sensibilizar o doente crônico sobre a importância da sua participação quanto a redução de danos ocasionados pela cronicidade, bem como a compreensão do seu processo de saúde e doença. As atividades acontecem em parceria com o Programa Saúde da Família do Imaruí, na municipalidade de Itajaí (SC). O UNIVIDA é um curso de dois anos voltado para o envelhecimento saudável, qualidade de vida e atuação voluntária com disciplinas nas áreas das ciências da saúde, ciências sociais e humanas. Atende pessoas com mais de 40 anos, que além de educação em saúde e gerontologia desenvolvem projetos de atuação voluntária na comunidade regional. Os Cursos envolvidos são: Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Medicina, Fonoaudiologia, Nutrição e Psicologia, Odontologia, Direito, Turismo e hotelaria, Economia, Ciências Políticas e, Gestão de Lazer e Eventos. A equipe é formada por vinte docentes, cinco discentes bolsistas e sete voluntárias. Estas ações extensionistas têm repercussão regional, haja vista que atende a comunidade da abrangência dos 11 municípios da Foz do rio Itajaí-açu, e é referencia em termos de ações interdisciplinares voltadas para a educação em saúde ao envelhecimento saudável e no atendimento aos idosos e seus familiares com doenças crônicas degenerativas.

AÇÕES EDUCATIVAS PARA A DETECÇÃO PRECOCE DO CÂNCER NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

  • Silvia Benincá, Graduando, sylbem@yahoo.com.br
  • Maria Cristina Meyer Martins, E, mcmartinsbr@yahoo.com.br
  • Neila Santini de Souza, MSc, neila@uniplac.net
  • Maíra Basquerote, Graduando, mairabasquerote@hotmail.com
  • Nayara Alano Moraes, Graduando, namalaninha@hotmail.com
  • Priscila Mendes, Graduando, tinajunkie@yahoo.com.br

Universidade do Planalto Catarinense, UNIPLAC, Lages, Brasil

Palavras-chave: Educação em saúde, oncologia pediátrica, prevenção

Este projeto surgiu diante de nossa preocupação e compromisso social diante das estimativas epidemiológicas do crescente número de casos de doenças oncológicas infanto-juvenis no Brasil, conforme os dados de 2008 do Instituto Nacional de Combate ao Câncer (INCA). Além disso, existe em nossa região o desconhecimento por parte de muitos profissionais de saúde do serviço de Hemato-Oncologia Pediátrica em Lages/SC, realizado no Hospital Infantil Seara do Bem (HISB), onde o número de atendimentos é menor do que a estatística mostra, sendo apontadas duas hipóteses para o mesmo: a não detecção do câncer ou o encaminhamento dos casos para outros serviços de referência para o tratamento é o que revela um levantamento de dados realizado junto a Casa de Apoio do Hospital Infantil Joana de Gusmão (HIJG), em Florianópolis, que abriga mensalmente um total de 300 pessoas, entre crianças e adolescentes que estão em tratamento ambulatorial, bem como seus familiares. Deste modo, temos como objetivo através deste projeto denominado “Educação em Saúde - um desafio social/comunitário para detecção precoce do câncer na infância e adolescência”, implantar ações de educação em saúde nesta área, voltadas para o cuidado ambulatorial, prevenção e detecção precoce do câncer infantil na região centro-oeste. Isto pode ser alcançado através do levantamento do perfil e número de crianças/adolescentes que necessitam de acompanhamento ambulatorial de oncologia em nossa região; planejamento das ações de educação em saúde, visando a prevenção e detecção precoce do câncer em crianças e adolescentes. Dessa forma, implementamos um programa de educação em saúde, a ser desenvolvido pelos integrantes do projeto junto ás famílias e profissionais desta área, além de campanhas comunitárias e divulgações na mídia. As atividades educativas junto ás famílias são baseadas na utilização da problematização, dinâmica de criatividade e sensibilidade tendo como referencial Cabral (2007). A avaliação se dará ao longo do processo, sendo a participação e a mobilização social um dos critérios, além da divulgação das ações e dos resultados alcançados. Para isto, contamos como fonte de financiamento para este trabalho o Fundo de assistência social da UNIPLAC, e com o apoio da mídia local, por parte da RBS TV centro-oeste para as campanhas educativas junto à comunidade. Sabe-se que, para a região centro oeste catarinense são esperados cerca de 93 novos casos a cada ano, conforme estimativas do INCA(2008). O câncer infanto-juvenil representa a terceira causa de morte entre 1 e 14 anos de idade em nosso país, justificado pela falta de conhecimento, tratamento e diagnóstico precoce. Pensando em estatísticas desse gênero é que este tipo de projeto se mostra relevante para nossa sociedade de forma geral, visando firmar ações com aderência e participação da comunidade, já que não existe um trabalho educativo de esclarecimento local sobre os serviços aqui existentes, os quais são referência para o tratamento ambulatorial do câncer infantil na região.

AÇÕES INTEGRADAS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO EM PSICOLOGIA DO ESPORTE

  • Carlos Roberto de Oliveira Nunes, Dr(a), cnunes@furb.br
  • Ariane Regis, Graduando, arianepsicologia@gmail.com
  • Ana Paula Garcia, Graduando, apgarcia@al.furb.br
  • Gabriela Frischknecht, Graduando, gaby.fri@terra.com.br
  • Max Jaques, Graduando, maxjaques@yahoo.com.br

Universidade Regional de Blumenau, FURB, Blumenau, Brasil

Palavras-chave: Ensino., Pesquisa., Extensão.

Histórico: Dentro de uma estratégia educacional, econômica e de difusão de imagem, a FURB tem apoiado o desenvolvimento de ações esportivas de alto rendimento nas modalidades de Natação, Handebol e Voleibol. Paralelamente a estas ações administrativas, adicionalmente apoiando a prática de Badminton, há o Programa de Apoio ao Esporte de Alto Rendimento, que se constitui numa interface de ensino, pesquisa e extensão universitária, e conta com a participação de docentes e discentes dos cursos de Psicologia, Nutrição e Educação Física. Objetivos: Descrever ações integradas de ensino, pesquisa e extensão em Psicologia do Esporte. Metodologia: O programa conta com a participação continuada de um docente extensionista e de alunos de graduação em Psicologia, que desenvolvem intervenções em estágios curriculares não obrigatórios e supervisionados na área de Psicologia do Esporte. Em associação a estas atividades de extensão, são desenvolvidas pesquisas na área, pela própria equipe de trabalho, de acordo com metodologias próprias de investigação qualitativa e quantitativa. A finalização do planejamento dos delineamentos tem sido realizada durante as aulas da disciplina “Psicologia Experimental” do Curso de Psicologia da FURB. As coletas dos dados têm sido feitas por membros da equipe de alunos extensionistas, ou por alunos da disciplina, após treinamento específico para a execução dos procedimentos. Os resultados são estatisticamente tratados na própria disciplina do Curso de Psicologia, e são acompanhados pelos alunos. Como tarefa de avaliação, estes produzem artigos, de acordo com a metodologia para elaboração de relatórios de pesquisa. Relevância acadêmico-científica-social. O projeto de Psicologia do Esporte da FURB: (a) integra ações de extensão, ensino e pesquisa; (b) aprimora os desempenhos esportivos e não esportivos dos atletas; (c) consolidou um grupo de trabalho, composto pelos discentes e pelo docente, com vistas à ascensão acadêmica dos primeiros; e (d) possibilita aos demais discentes do Curso de Psicologia da FURB participar da elaboração de atividades reais de pesquisa. Fontes de custeio financeiro: As atividades têm sido fomentadas pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão e pela Pró-Reitoria de Ensino de Graduação da FURB. Perspectivas para continuidade da ação: O grupo: (a) tem desenvolvido e submetido projetos de extensão e de pesquisa a editais internos da FURB e de instituições governamentais, tendo inclusive, recentemente aprovado um projeto junto à FAPESC; (b) tem enviado trabalhos a congressos nacionais; (c) começa, agora, a submeter artigos em periódicos nacionais indexados no sistema Qualis; (d) começa a buscar parcerias em outras IESs, com equipes que possuem vínculos com Programas de Pós-Graduação e que trabalham com Psicologia e Esporte.

AFETIVIDADE: ELEMENTO FUNDAMENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL

  • Aline Conceição Schmitt, Graduando, schmitt.aline@hotmail.com
  • Maria da Glória Fernandes Torquato, Graduando, goiatorquato@hotmail.com
  • Silvanira Lisboa Scheffler , MSc, silvanira.lisboa@ig.com.br

Centro Universitário Municipal Pública e Gratuita de São José, USJ, São José, Brasil

Palavras-chave: Afetividade, Escola, Família

AFETIVIDADE: ELEMENTO FUNDAMENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Aline Conceição Schmitt*

Maria da Glória Fernandes Torquato*

Silvanira Lisboa Scheffler **

A criança é um ser em crescimento e desenvolvimento físico, social e mental. A afetividade é um dos principais fatores para a integração e para a socialização da criança no ambiente escolar. A criança ao chegar na instituição escolar geralmente fica retraída, pois não reconhece o ambiente como seu. Neste momento a atenção, o carinho e o afeto precisam ser demonstrados e trabalhados com naturalidade, para que possamos cativar e transmitir segurança para esta criança. Neste contexto se destaca a análise de um planejamento e de um ambiente com recursos didáticos e pedagógicos, que possibilitem a aprendizagem no cotidiano escolar, utilizando o lúdico como ferramenta metodológica para auxiliar a criança na participação das atividades propostas.A proposta é que também nas atitudes pedagógicas haja a integração do afeto e do lúdico na arte de educar, enquanto processo de integração e emancipação do ser biológico e social. A educadora é a mediadora entre a criança e o mundo sócio-cultural, precisando organizar sua ação, visando o processo de desenvolvimento enquanto infantil, no qual o carinho e a ludicidade, além de prazeroso, possa ser significativo. A Educação Infantil é direito adquirido de todos, entretanto, a necessidade dos pais trabalharem leva desde muito cedo nossas crianças a freqüentar a educação formal. Esta realidade é importante no processo de desenvolvimento infantil, trazendo reflexões sobre o ambiente institucional em relação ao carinho e ao afeto. Nosso objetivo geral foi analisar se a afetividade através do lúdico, favorece o processo de desenvolvimento infantil. Os objetivos específicos foram apontar fatores que contribuem para o desenvolvimento da afetividade na educação infantil; estimulando a criatividade e a interação no grupo, verbalizando os sentimentos e aprendendo a compartilhar e a socializar momentos e fatos; construir um clima afetivo e seguro; expressar verbal ou artisticamente sentimentos e emoções; valorizando e respeitando o “ser criança”. Nosso estudo foi baseado em Vygotsky (1993), Wallon (1979), Chalita (2004) e Saltini (1997). Entendemos a necessidade de ser vivenciada a afetividade, e o quanto o ser humano precisa estar bem emocionalmente para poder lidar com a realidade durante toda sua vida. Por sua vez, a educadora deve estar emocionalmente equilibrada. Toda ação pedagógica diz respeito a uma concepção de cidadania, que pressupõe a responsabilidade e ética profissional, pessoal e social de todos os cidadãos, seja este adulto ou criança.

*Acadêmicas da 6ª. Fase do Curso de Pedagogia do Centro Universitário Municipal de São José USJ- SC.

**Professora orientadora e da disciplina de Prática de Ensino. Assistente Social e Pedagoga. Mestre em Educação.

AGÊNCIA EXPERIMENTAL: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

  • Jacira Souza Medronha, MSc, medronha@unochapeco.edu.br

Universidade Comunitária Regional de Chapecó, UNOCHAPECÓ, Chapecó, Brasil

Palavras-chave: Ensino, Formação profissional, Agência experimental

AGÊNCIA EXPERIMENTAL: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

Profª. Jacira Souza Medronha
Curso de Publicidade e Propaganda, medronha@unochapeco.edu.br

O fazer propaganda iniciou da prática de artesãos, depois houses de multinacionais e disciplinas isoladas no curso de jornalismo. A transformação ocorre a partir do olhar para questões técnicas e a regulamentação da habilitação publicitária (Resolução N.11/69). Além disto, a contribuição significativa partiu do currículo-mínimo através da exigência de espaços laboratoriais, dentre eles a agência experimental. O diferencial deste espaço está justamente na articulação: teoria, técnica e prática por meio de experimentação de idéias e a inserção profissional do acadêmico no mercado de trabalho. Assim, o foco deste estudo volta-se para o Curso de Publicidade da Unochapecó, e sua Agência de Comunicação Integrada – ACIN. Este é um espaço laboratorial, comumente chamado de agência experimental. Pode ser caracterizado como um ambiente para colocar em prática os ensinamentos apreendidos no decorrer do Curso e, ao mesmo tempo, possibilitar ao aluno um contato mais próximo com a realidade do mercado. Tudo isso para canalizar a um profissional que possa transpor diferentes obstáculos, mostrando aos demais sua capacidade pró-ativa para identificar problemas, apontar soluções e estimular a demonstração sempre viva de sua criatividade. O futuro profissional de publicidade precisa ser constantemente desafiado a buscar algo novo, e uma agência tida como laboratório passa a ser o espaço ideal para experienciar novos fazeres em comunicação. E para executar bem as tarefas, a base é a mesma de uma agência comercial. Tudo começa com o atendimento ao cliente, elaboração de briefing, brainstorm, definição estratégica da job e sua aplicação nas peças publicitárias, pra só então retornar ao cliente, fazer os ajustes necessários e encaminhar para produção. O ganho para o acadêmico em uma agência-laboratório está em vivência, agilidade e dinâmicida, quesitos muito valorizados para quem buscam entrar com ‘pé direito’ no mercado da propaganda. Nos quatro anos de existência da ACIN, acadêmicos voluntários e estagiários remunerados tiveram a oportunidade de acrescentar know-how em seus currículos. Dentre as atividades realizadas, pode-se citar: programação visual para eventos, produção gráfica, design editorial, marcas e identidade visual, elaboração de campanhas publicitárias promocionais, institucionais e comunitárias, produção audiovisual, desenvolvimento de peças dirigidas ao meio on line e projetos para o terceiro setor. O que vai determinar é o cliente e sua necessidade. Atualmente, cem campanhas publicitárias, aproximadamente, são criadas e produzidas, no período de fevereiro a dezembro. O fluxo de trabalho é bastante intenso, propicia a agilidade em solucionar jobs de forma criativa e rápida, o que acrescenta na contribuição de sua existência. Para isso, torna-se importante aprofundar o conhecimento e discutir a importância de uma agência experimental na formação do profissional de publicidade e, a ACIN – Agência de Comunicação Integrada da Unochapecó, como um espaço diferencial na formação profissional, justamente por indicar ao aluno um olhar para experimentar soluções criativas.

Palavras-chave: Ensino; Formação profissional; Agência experimental.

AMA - ARQUEOLOGIA NA MATA ATLÂNTICA, OS SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS DO RIO FACÃO – RIO FORTUNA – SC.

  • Deisi Scunderlick Eloy de Farias, Graduando, deisi.farias@unisul.br
  • Gercino Prevê , G, gercino.preve@unisul.br
  • Márcia Fernandes da Rosa Neu , G, marcia.neu@unisul.br

Universidade do Sul de Santa Catarina, UNISUL, Tubarão, Brasil

Palavras-chave: Caçadores-coletores, Arqueologia, Rio Fortuna

Os grupos que habitaram o sul do Brasil, desde o período pré-colonial, distribuíram-se num amplo espaço geográfico. Dele, retiravam a subsistência e processavam a organização social. Podemos relacionar os grupos caçadores-coletores, representados pelas tradições arqueológicas Humaitá e Umbu e os povos ceramistas horticultores das tradições lingüísticas Macro-Jê e Tupi-Guarani, como os que habitaram inicialmente o interior, até expandirem-se para o litoral. Para compreendermos a ação desses grupos na Mata Atlântica Catarinense, estamos realizando um levantamento dos estudos arqueológicos produzidos nessa região, enfocando os grupos pré-ceramistas e os ceramistas, ocupantes do território catarinense no período pré-colonial. Assim, estamos mapeando novos sítios, investigando os relatórios técnicos científicos e realizando o estudo comparativo de coleções líticas existentes em instituições de pesquisas no sul e sudeste do Brasil. O objetivo desse estudo será a verificação da variabilidade apresentada pelas indústrias líticas produzidas por grupos pré-coloniais desde o sudeste até o sul do Brasil onde utilizamos critérios quantitativos e qualitativos gerais, identificando as semelhanças tipológicas desse material e a matéria-prima utilizada pelos grupos. Além disso, realizarmos a identificação do padrão de assentamento e da mobilidade desses grupos nas áreas do litoral e encosta. Em pesquisas anteriores na encosta, detectamos sítios líticos com artefatos característicos da Tradição Umbu, casas subterrâneas e sítios lito-cerâmicos. Através de pesquisas etnohistóricas, constatamos a presença dos Xokleng e dos Guarani. Esses últimos, de um período mais recente. A partir do levantamento bibliográfico, da análise de coleções líticas e do mapeamento de outros sítios estamos produzimos um mapa indicativo dos sítios arqueológicos na encosta, elaborado por Farias (2005).

Apoio / Parcerias: Unisul CNPq FAPESC

AMBIENTE URBANO – UM ESTUDO SOBRE O USO DAS CALÇADAS COMO ESPAÇOS PÚBLICOS NA CIDADE DE CRICIÚMA – SC

  • Diego Destro, Graduando, diegodestro_@hotmail.com
  • Teresinha Maria Gonçalves, Dr(a), tmg@unesc.net
  • Maick Souza da Rocha, Graduando, maickrocha@hotmail.com

Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, Criciúma, Brasil

Palavras-chave: Calçadas, Espaços públicos, Apropriação do espaço

Os espaços públicos na cidade de Criciúma são muito restritos, e estes ainda se encontram em situação de abandono. Em pesquisa recente de Gonçalves et al (2006) sobre o uso das praças, em Criciúma, mostrou que as pessoas não freqüentam as praças porque estas não oferecem atrativos. Da mesma forma, as calçadas que, segundo Jane Jacobs (2003) devem cumprir uma função social importante, não possuem as qualificações adequadas a fim de possibilitar espaços de convivência, de trocas e de encontro. Mesmo inconscientemente os transeuntes percebem as inadequações de tais espaços públicos quando decidem caminhar nesta ou naquela rua, em cima das calçadas ou junto ao meio fio. Quando as calçadas são inexistentes ou mesmo quando estas não se mostram convidativas, com amplitude suficiente para pessoas caminharem lado a lado em segurança de dia ou de noite, transformam as ruas em lugares sombrios, os quais as pessoas não desejam passar ou permanecerem. Tendo isso em vista elaborou-se um estudo comobjetivo dediscutir a cidade numa dimensão socioambiental, buscando uma nova compreensão do papel da arquitetura na produção das cidades. Tal projeto de pesquisa foi submetido ao edital 030/2007 do Programa Institucional de Bolsas de Pesquisa - PIBIC- UNESC / CNPq, sendo aprovado e tendo seus custos financiados pela UNESC. A metodologia adotada para a realização dessa pesquisa foi de uma abordagem qualitativa e o método utilizado foi o estudo de caso. A unidade de pesquisa foram os bairros Pio Correia e Renascer da cidade de Criciúma. As entrevistas e levantamentos fotograficos já realizadas nos remetem a uma situação de abandono e desrespeito pelos espaços públicos, com enfoque na situação encontrada nas calçadas da cidade de Criciúma. Estas não oferecem segurança aos pedestres, muito menos a portadores de necessidades especiais, além de serem encontrados, ao longo do percurso, buracos, desníveis, placas, vegetações inadequadas, sem ligações com os espaços das ruas. As pessoas não andam por elas, mas sim, pelo meio das ruas. Por outro lado, os moradores se apropriam indevidamente das calçadas, utilizando-as como espaço privado em extensão dos próprios jardins, calando o sentimento de urbanidade inerente a concepção das calçadas como espaços públicos. Com tal estudo, espera-se obter um conhecimento que possa ser utilizado pelos gestores sociais para redirecionar o uso das ruas e das calçadas da cidade, melhorando, assim, a qualidade do ambiente de vida das pessoas.

Ampliação dos significados da monitoria universitária

  • Tânia Mara Cruz, Dr(a), tania.cruz@unisul.br
  • Flávia Wagner , G, flavia.wagner@unisul.br

Universidade do Sul de Santa Catarina, UNISUL, Tubarão, Brasil

Palavras-chave: monitoria universitária, docência, ensino e aprendizagem

A monitoria é uma atividade de ensino e aprendizagem que contribui para a formação integrada do acadêmico nas atividades de ensino, pesquisa e extensão dos cursos de graduação. Tem como finalidade contribuir para aplicar e aprofundar conhecimentos adquiridos na formação acadêmica do aluno. Na Universidade do Sul de Santa Catarina no período de 2004-2008 a prática relativa às monitorias passou por várias mudanças que culminaram em uma nova política de regulamentação de monitorias para o ano de 2008. De ações quase sempre vinculadas ao apoio às dificuldades de aprendizagem apresentadas pelos seus pares o papel do monitor em programas de monitoria passa a ser visto como um incentivo à inserção do discente, na profissão docente. O monitor é orientado a desenvolver estratégias pedagógicas de ensino, baseadas na construção do conhecimento, ao invés de reproduzir práticas pedagógicas tradicionais fundamentadas na transmissão e assimilação de conteúdos. O professor-orientador, dentro deste contexto, tem por base um tripé: melhoria didática do professor-orientador; formação acadêmica e didática do monitor; e, por fim, maior qualidade no atendimento aos alunos. Para alcançar esse equilíbrio, a equipe de Gerência de Ensino, Pesquisa e Extensão da UNISUL orienta e avalia as propostas anuais de trabalho de monitoria elaborada pelos professores, as quais devem conter ações de aprofundamento teórico (acadêmico e didático) e de pesquisa complementar na área escolhida; ações de suporte didático ao professor e aos alunos atendidos e ações de divulgação e problematização dos trabalhos realizados em eventos da universidade preparados para tal fim ou em outras instituições. Evidentemente, este trabalho tem requerido um processo extensivo de mudanças culturais que envolvem as concepções de ensino-aprendizagem do professor orientador e uma disponibilidade dos alunos monitores para uma nova forma de trabalho, relacionadas ao ensino, pesquisa e extensão, particularmente no que se refere à sua formação acadêmica, ainda que o ensino e o suporte didático à ação docente continuem sendo os focos principais de sua atuação junto aos estudantes. Apesar do novo regulamento da UNISUL permitir a solicitação de monitoria por disciplina ou por grupo de disciplinas, limitações ainda persistem no tocante a um trabalho interdisciplinar ou transdisciplinar. Esse ainda é um desafio a ser enfrentado. De qualquer forma, o conjunto de transformações ora apresentado, significa um avanço no processo de ensino-aprendizagem, que se caracteriza pela contínua re-elaboração nesta universidade.

Apoio / Parcerias: Universidade do Sul de Santa Catarina - Campus Norte

ANÁLISE AMBIENTAL DA ÁREA LOCALIZADA ENTRE A UNERJ E A BR – 280.

  • Danielle Caroline da Silva, Graduando, daniellesilva@unerj.br
  • Daisy Irmgard Kelbert, Graduando, dkelbert@unerj.br
  • Cristiane Lucht Gascho, MSc, crisgascho@unerj.br

Centro Universitário Católica de Santa Catarina, PUC, Jaraguá do Sul, Brasil

Palavras-chave: Análise ambiental, Planejamento territorial, Ecossistemas

Este projeto de pesquisa foi desenvolvido com o objetivo de realizar uma análise ambiental da área localizada entre a UNERJ e a rodovia BR-280. Esta análise foi desenvolvida a partir da investigação dos aspectos do meio físico e dos recursos naturais da área de estudo. Através deste Projeto é possível propor usos ambientalmente corretos à área, minimizando os impactos causados pela ação antrópica e instituindo a valorização da área e de seu entorno no contexto urbano e social. Na primeira etapa da pesquisa, que representou a etapa de coleta de dados, foram realizados levantamento teórico relacionado à questão ambiental, visitas à área de estudos, levantamento fotográfico, elaboração de maquete volumétrica e topográfica, análise de imagens de satélite e análise de fotografias aéreas. A segunda etapa compreendeu a sistematização dos dados obtidos na etapa anterior, tais como elaboração de mapas técnicos e temáticos, tabelas e gráficos. Para a elaboração dos mapas foram utilizados os softwares de geoprocessamento e de desenho técnico, ArcGis e AutoCAD respectivamente. A última etapa da pesquisa consistiu na elaboração do diagnóstico da área com a utilização da metodologia de CDP’s (condicionantes, deficiências e potencialidades) fornecendo um panorama geral da área que possibilitará uma futura proposta de uso ambientalmente correta para o local. O levantamento teórico enfatizou os problemas causados aos ecossistemas, tais como desmatamentos, erosão, alterações na topografia e no microclima e desrespeito às características morfológicas do sítio, fatores estes que geram impactos negativos na qualidade de vida da população. Através das visitas à área de estudos identificaram-se duas áreas distintas: uma área predominantemente coberta por vegetação e outra área urbanizada. Na área coberta por vegetação identificaram-se espécies da fauna, como a Tiriva (Pyrrhura frontalis), o Bem-te-vi (Pitangus sulphuratus) e espécies da flora, como o palmiteiro (Euterpe edulis). Observou-se também a presença de vegetação trepadeira que encobre grande parte da área arborizada, a qual inibe o crescimento e desenvolvimento de espécies vegetais de menor porte (herbáceas e forrações). Na área urbanizada observou-se uma ocupação acentuada, isenta de parte da infra-estrutura básica como pavimentação e drenagem, além de possuir pontos de erosão que representa uma situação de risco para os moradores do local. Este trabalho possibilitou o exercício de planejamento territorial, um instrumento multidisciplinar fundamental e necessário para a gestão do uso sustentável do solo, reforçando a relevância da questão ambiental como fator determinante para o equilíbrio dos ecossistemas e a manutenção da qualidade de vida da sociedade.

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS PORTOS DE SÃO FRANCISCO DO SUL E ITAJAÍ PARA EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO ATRAVÉS DE CONTÊINERES

  • Patrícia Daniele Drews, Graduando, proinpes@unerj.br
  • Cynthia Milena dos Santos, Graduando, cynthia_milena@unerj.br
  • Greiciele Tereza Schiochet, Graduando, greicieles@yahoo.com.br
  • Juliana Batista, Graduando, julizynha@unerj.br
  • Júlio César da Silva, MSc, jcsilva@unerj.br

Centro Universitário Católica de Santa Catarina, PUC, Jaraguá do Sul, Brasil

Palavras-chave: Importação, Exportação, Portos

11 metros. Já o porto de Itajaí teve suas primeiras obras em 1914, mas o porto, propriamente dito foi iniciado em 1938, com a construção do primeiro cais, com 223 metros de comprimento, e o primeiro Armazém. Na década de 1950 foi construído mais um trecho de 270 metros e em 1956 mais 200 metros. O porto de Itajaí é um porto de carga geral, e vem apresentando grande crescimento nos últimos anos, este se caracteriza um porto exportador, já que 78% da sua movimentação correspondem à exportação. O porto de Itajaí é o terceiro na movimentação de contêiner no Brasil, de todas as cargas movimentadas 94% são de contêiner. Temos, assim, como problema de pesquisa, conseqüência desse aumento nas exportações e importações, a burocracia, que está presente tanto nas transações financeiras como documental. Em tempos que se exige um comprometimento maior com os prazos de entrega dos produtos exportados e importados, é visível que as condições estruturais dos portos, de modo geral, precisam de melhorias na sua infra-estrutura, pois já estão operando além da sua capacidade. Esse trabalho consiste em uma análise comparativa entre os portos de São Francisco do Sul e Itajaí para exportação e importação através de contêineres, onde foi realizado um estudo dos pontos fortes e fracos que influenciam na escolha por um determinado porto. Buscou-se identificar pontos de vista tanto do exportador e/ou importador jaraguaense em relação à forma de como os portos realizam suas operações, bem como descrever a visão dos portos para com as empresas.

ANÁLISE DA ATIVIDADE ANTIBACTERIANA DE EXTRATOS ISOLADOS DE PLANTAS NATIVAS DA MATA ATLÂNTICA FRENTE A CEPAS DE MOLICUTES

  • Samuel Mendes de Cordova, Graduando, samuel-cordova@hotmail.com
  • Caio M. M. de Cordova, Dr(a), cmcordova@furb.br

Universidade Regional de Blumenau, FURB, Blumenau, Brasil

Palavras-chave: Plantas., Antimicrobianos., Micoplasmas.

O interesse nas espécies de molicutes vem aumentando constantemente, principalmente pelo fato de serem responsáveis pelo desenvolvimento de várias doenças, como no caso de Mycoplasma hominis e Ureaplasma urealyticum que possuem envolvimento na patogênese infecções do trato urogenital, podendo levar a infertilidade. Outro exemplo, Mycoplasma arginini, tem sido isolado de ovelhas, causando uma doença respiratória chamada de “síndrome da tosse”, podendo causar inclusive prolapso retal. Devido a essa patogenia importante, observa-se a necessidade da busca por novos tipos de antibióticos, sendo que já existem muitas cepas resistentes aos antibióticos conhecidos. As plantas da família Piperaceae têm apresentado grande atividade antifúngica e antibacteriana em alguns estudos. Outras plantas como Hedyosmum brasiliense, Serjania erecta e Rubus rosifolius também possuem essas características, sendo que algumas delas já são usadas há muito tempo pela medicina popular. Neste trabalho, foram obtidos os extratos brutos das plantas Hedyosmum brasiliense, Píper caldense, Piper ladanjii, Piper cemum, Piper mollicomum, Serjania erecta e Rubus rosifolius, e esses extratos foram testados pelo método de microdiluição frente a diferentes cepas de molicutes incluindo Mycoplasma hominis, Ureaplasma urealyticum, e M. arginini. Os extratos das plantas foram solubilizados em DMSO (dimetil sulfóxido), que normalmente é inerte para bactérias, quando utilizados nos testes como a microdiluição em caldo. Porém, no caso dos micoplasmas, o DMSO por si só apresentou inibição ao crescimento, e fez-se necessário realizar uma solução a 10%. O extrato foi filtrado com filtros Millex (Millipore) de 0,22 um para que não houvesse nenhum tipo de microorganismo, tendo em vista a grande facilidade de contaminação do meio devido à sua riqueza em nutrientes. Os testes de microdiluição realizados frente à cepa de M. arginini, todas as plantas apresentaram atividade antimicrobiana ao menos até a concentração de 2,5 mg/mL. As plantas Hedyosmum brasiliense, e Rubus rosifolius inibiram o crescimento até a concentração de 1,25 mg/mL. A planta que mais se apresentou antimicrobiana para M. arginini foi a Serjania erecta (Paraná), que inibiu o crescimento até a concentração de 0,625 mg/mL. Nos testes de microdiluição realizados frente à cepa de Ureaplasma urealyticum todas as plantas apresentaram atividade antimicrobiana ao menos até a concentração de 5 mg/dL, sendo que as plantas Piper mollicomum, Hedyosmum brasiliense, e Rubus rosifolius inibiram o crescimento até concentração de 1,25 mg/dL. A planta que apresentou maior atividade antimicrobiana para U. urealyticum também foi a Serjania erecta (Paraná), que inibiu o crescimento até a concentração de 0,625 mg/mL. Frente a M. hominis, a atividade antimicrobiana dos extratos foi um pouco menor, inibindo o crescimento bacteriano até 1,25 mg/dL com Serjania erecta (Paraná), até 2,5 mg/dL com Piper mollicomum, Hedyosmum brasiliense, Serjania erecta (Cerrado) e Rubus rosifolius. Deve-se ressaltar que os testes foram realizados com os extratos brutos das plantas, sendo que seus compostos isolados devem apresentar uma atividade antimicrobiana ainda maior devido à sua maior concentração. O presente trabalho teve auxílio do PIBIC/CNPq.

ANÁLISE DA MÃO-DE-OBRA QUALIFICADA NA REGIÃO DE RIO DO SUL E CIDADES DO ALTO VALE DO ITAJAÍ

  • Ingelore Rode Wipprich, Graduando, ingewip@hotmail.com
  • Udo Oscar Siebert, MSc, udo@unidavi.edu.br
  • Maurício Campos, MSc, mauricioc@unidavi.edu.br
  • Cimara Benta da Silva, Graduando, cimara_sc@hotmail.com
  • Eliane Aparecida H. Althoff, Graduando, elianealthoff@hotmail.com
  • Juliana Regis da Silva, Graduando, jujubaregis@hotmail.com
  • Rômulo Ferreira, Graduando, rromulo@hotmail.com
  • Sirlei de Jesus, Graduando, sirlei@jmainhardt.com.br
  • Tânia L. Kniess, Graduando, tania.psi@hotmail.com

Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, UNIDAVI, Rio do Sul, Brasil

Palavras-chave: Qualificação, Mão-de-obra, Alto Vale do Itajaí

O estudo verificou a situação de carência de mão-de-obra qualificada nas empresas da região do Alto Vale do Itajaí, foi desenvolvido em 2007, envolvendo os municípios de Rio do Sul, Salete, Ituporanga e Pouso Redondo. A contratação e adequação da mão-de-obra às funções resolvem dois problemas ao mesmo tempo: o primeiro de satisfação, que interfere no moral do colaborador e o segundo produtividade, que agrega ao desempenho da empresa. Tratou-se de um estudo quantitativo na modalidade descritiva estatística, cuja amostra foi formada por 110 unidades amostrais das empresas industriais, comerciais e de prestação de serviços do município de Rio do Sul e cidades vizinhas. Os dados coletados foram analisados e interpretados a partir dos métodos convencionais da estatística descritiva. Nas empresas pesquisadas, verificou-se a predominância numérica de empresas comerciais com 56; do total das empresas encontrou-se que 68% delas tem menos de 10 anos de existência e 80% tem menos de 20 empregados. Observou-se o predomínio da mão-de-obra masculina. A maior parte dos trabalhadores, 79,8% trabalham na produção. As maiores dificuldades de contratação são: mão-de-obra qualificada com 61% das respostas; seguidos pelo ramo de atividade com 13,7%, 12% turno de trabalho e 10% remuneração. Nos cargos “chefia intermediária” e “responsável gera”, não houve identificação de “boa qualificação” ou ‘qualificação plena’. As áreas de maior necessidade de qualificação são comuns e semelhantes nos diversos setores pesquisados,tais como: áreas operacionais, chefias intermediárias e vendas.

ANÁLISE DE GRUPOS DE CONTEMPORÂNEOS PARA ESTRUTURAÇÃO DE MODELO ANIMAL DAS CARACTERÍSTICAS PESO DE PEITO E RENDIMENTO DE CARCAÇA EM FRANGOS DE LINHAGEM MACHO

  • Simone Fernanda Nede Pértile, Graduando, she.sisi@gmail.com
  • Leila de Genova Gaya, Dr(a), lggaya@yahoo.com.br
  • Leandro Homrich Lorentz, MSc, leandrolorentz@yahoo.com.br

Universidade do Estado de Santa Catarina, UDESC, Florianópolis, Brasil

Palavras-chave: Frangos, Melhoramento animal , Modelo animal

Este trabalho teve como objetivo a montagem dos grupos de contemporâneos para as características peso de peito (PEI), rendimento de peito em relação ao peso ao abate (RPA) e rendimento de peito em relação ao peso eviscerado (RPE), com a finalidade da estruturação do modelo animal para estas variáveis, em uma linhagem macho de frangos. Para tanto, utilizou-se o método dos modelos lineares generalizados, tendo sido identificados os principais efeitos a serem considerados na formação do grupos de contemporâneos para as características estudadas. Para PEI, o modelo proposto foi composto pelas fontes de variação classe de idade da mãe ao nascimento, grupo de acasalamento dos pais, estação do ano ao abate e sexo, o mesmo modelo proposto para RPE. Já o modelo proposto para RPA foi composto por idade da mãe ao nascimento, grupo de acasalamento dos pais, estação do ano ao abate e sexo. Para os três modelos, a co-variável idade ao abate teve efeito significativo. O nível de significância estatística dos efeitos testados variou conforme o conjunto de fontes de variação inseridas nos modelos, e o coeficiente de determinação dos modelos variou com a substituição de idade da mãe ao nascimento por classe de idade da mãe ao nascimento, o que é indicativo de que estas duas fontes de variação correspondem a efeitos distintos. As fontes de variação identificadas neste trabalho podem servir de base para a montagem dos grupos de contemporâneos a serem incluídos nas análises genéticas nos programas de melhoramento de aves.

Apoio / Parcerias: Grupo de Melhoramento Animal e Biotecnologia da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da USP

ANÁLISE DE NÍVEL DE PRESSÃO SONORA ATRAVÉS DO PROGRAMA OCTAVE COM A FINALIDADE DE REALIZAR TRATAMENTOS ACÚSTICOS EM AMBIENTES INDUSTRIAIS.

  • Vinícius Sell Gonçalves, Graduando, proinpes@unerj.br
  • Ricardo Junges, Graduando, rjunges@weg.com.br
  • Marco Antônio Silva Picanço, Dr(a), mpicanco@unerj.br

Centro Universitário Católica de Santa Catarina, PUC, Jaraguá do Sul, Brasil

Palavras-chave: Análise, Tratamentos acústicos, Pressão sonora

Com o avanço da globalização, existe a necessidade inevitável de seguir tendências, no setor industrial, ela se apresenta com a modernização das plantas fabris e a constante atualização dos conhecimentos e processos, também, inevitavelmente, nos adaptamos a realidade dos perigos que nos cercam. Numa planta de grande porte, temos centenas de máquinas, desde os mais simples acionamentos até os mais complexos centros de trabalhos automatizados, todo esse universo produz as mais variadas situações de perigo, um deles, o ruído, será nosso objeto de estudo. A partir de um determinado nível de intensidade esse ruído pode causar desconfortos, efeitos psicológicos e surdez, para regulamentar os níveis aceitáveis em cada ambiente, se convencionou confeccionar normas e através dessas monitorar os NPS (Níveis de Pressão Sonora), ou o ruído. Quando os NPS extrapolam um limite, é necessário realizar tratamentos acústicos, seja na fonte, no meio ou no receptor, esses tratamentos dependem de medições confiáveis, pois os NPS podem ser estar sendo gerado em diferentes regiões do espectro audível, influenciando diretamente na definição dos critérios de projeto. Atualmente, para essas medições, utilizam-se instrumentos conhecidos como “Decibelímetros”, que precisam ser acoplados a um Filtro de Bandas, que são extremamente caros e por muitas vezes inviável para diversas aplicações. Devido a esse inconveniente, sugeriu-se a substituição do conjunto “Decibelímetro” e Filtro de Bandas por um conjunto microfone, microcomputador e um software conhecido como Octave, esse último possuindo licença livre sem qualquer gasto para o usuário. Dessa forma, é possível realizar análises, inspeções e estabelecer critérios de projetos para tratamentos acústicos à custos reduzidos resultando em economia para o usuário. Com base neste contexto, desenvolveu-se este trabalho de pesquisa de Iniciação Científica, com o objetivo principal de comprovar a possibilidade de realização de medição de nível de pressão sonora (NPS) utilizando um sistema simples composto por microfone, placa de som, pelo software (Octave), por um computador e um monitor, de maneira a diminuir custos e utilizá-lo no auxílio do dimensionamento de enclausuramentos e cabines acústicas. Na metodologia da pesquisa utilizou-se de pesquisa teórica sobre o assunto, construção do sistema, realização de testes e comparativos. Apesar de estarem ligados ao ruído, os resultados apresentados são muito semelhantes aos apresentados em análise de vibração, com cada espectro no domínio da freqüência, tornado-o potencialmente favorável para aplicações preditivas com o grande diferencial do custo, pois é de conhecimento que aparelhos como termovisores ou coletores de dados ultrapassam a casa dos milhares de dólares, tornando na maioria dos casos inviável a utilização.

Análise do Desenvolvimento do programa de Educação Ambiental do Projeto Piava no Município de Itajaí/SC

  • Tiago Mendonça dos Santos, Graduando, tiagomendonca@univali.br

Universidade do Vale do Itajaí, UNIVALI, Itajaí, Brasil

Palavras-chave: Educação Ambiental, Ambientalismo, Sociedade

A problemática ambiental que afeta o mundo atual merece uma atenção maior do que simplesmente a solução para problemas localizados e pontuais. É necessário que se façam estudos que possam iluminar novas alternativas para a busca de soluções que certamente envolverão atitudes coletivas. Como objetivo geral deste projeto pretende-se analisar o desenvolvimento das práticas de Educação Ambiental realizadas pela equipe do Projeto Piava no município de Itajaí/SC, traçando um perfil dos atores envolvidos e do programa que está sendo executado. O Projeto Piava agrega pessoas e instituições que desenvolvem atividades em EA, ou interessadas, no Vale do Itajaí. Prima pelo desenvolvimento de ações conjuntas, concretas, capazes de fortalecer a EA nos cinqüenta Municípios envolvidos no Vale do Itajaí. O presente projeto refere-se a uma pesquisa empírica, por meio da observação participante, restrita ao município de Itajaí, cujas fontes de informação serão, especialmente os atores envolvidos na execução do Projeto Piava. O levantamento das informações necessárias será realizado por meio da realização de questionários, entrevistas, pesquisa bibliográfica e documental. A sistematização das informações recolhidas e produzidas durante o desenvolvimento do projeto, será socializada através da produção de artigo e relatório. Também é intenção contribuir, com os dados obtidos e as análises realizadas, para avanços teóricos e práticos na área ambiental, bem como, com o planejamento e avaliação de políticas públicas voltadas para a área socioambiental.

Análise dos parâmetros biológicos de Centropomus undecimalis e Centropomus parallelus no litoral norte de Santa Catarina e sul do Paraná (Brasil)

  • Pedro Carlos Pinheiro, Dr(a), pinheiro.pc@terra.com.br
  • Iuri Salim Abou Anni, Graduando, iuri.salim@gmail.com

Universidade da Região de Joinville, UNIVILLE, Joinville

Palavras-chave: xxx, xx, xx

Os principais objetivos deste estudo visam analisar o nicho alimentar para as espécies de robalo Centropomus parallelus e Centropomus undecimalis, duas espécies ainda pouco conhecidas quanto à sua biologia e ecologia. Estas espécies são consideradas como importante recurso pesqueiro da costa do Brasil, sendo a principal fonte de renda de diversas colônias de pescadores artesanais da região Sul e de enorme interesse para a pesca esportiva, atraindo pescadores de diversas localidades da região. Os resultados obtidos servirão como uma importante ferramenta para subsidiar planos de manejo e contribuirão substancialmente à formulação de recomendações que visem a exploração sustentável deste recurso pesqueiro, já que têm se percebido uma significativa queda nos estoque das duas espécies. Os robalos analisados neste estudo foram amostrados do desembarque, comercialização da pesca de pequena escala e da pesca esportiva na Baía da Babitonga, Barra do Sul, plataforma costeira de Santa Catarina e Pontal do Sul no Paraná. As amostragens foram obtidas no período entre junho de 2006 a janeiro de 2008. Cada peixe examinado teve os registros de peso e comprimento padrão anotados na ficha de dados de cada uma das espécies. Os dados de maturação também foram anotados e as gônadas foram retiradas e pesadas para posterior análise do índice gonadossomático (IGS). As vísceras foram retiradas e acondicionadas em sacos plásticos devidamente lacrados e identificados. Os tratos digestivos eviscerados foram seccionados com tesoura cirúrgica, separando-se os estômagos dos intestinos. Todo o conteúdo estomacal foi retirado e filtrado com uma bomba à vácuo para que seja retirado a maior quantidade possível de água e logo após o total filtrado foi pesado e armazenado em pequenos recipientes, devidamente identificados e conservados em álcool 70 %. A fase final do estudo irá tratar da análise dos conteúdos. Cada categoria alimentar está sendo identificada ao menor nível taxonômico possível (família, gênero ou espécie). Os itens foram contados e pesados para obtenção do peso seco das categorias identificadas. As freqüências numérica, de ocorrência e gravimétricas estão sendo calculadas para cada item alimentar para expressar a importância quantitativa das diferentes presas nas dietas dos peixes. O índice de importância relativa (IIR) será calculado para todos os itens analisados. Os resultados ainda são preliminares, já foram processados estômagos de 183 robalos, sendo 74 de C. parallelus e 109 de C. undecimalis, destes, foram registrados valores de comprimento padrão médio para sexos agrupados de 23,83 e 23,0 (cm) respectivamente. O peso médio dos indivíduos foi de 333,16g para C. parallelus e 250,21g para C. undecimalis e um total de 578 itens alimentares encontrados estão sendo analisados. As fontes de custeio financeiro são PIBIC-FAP/UNIVILLE; IBAMA/CEPSUL.

Análise qualitativa de cardápios da merenda de escolas estaduais do Oeste de Santa Catarina

  • Roberta Lamonatto Taglietti, Graduando, rotagli@unochapeco.edu.br
  • Carla Rosane Paz Arruda Teo, Dr(a), carlateo@unochapeco.edu.br

Universidade Comunitária Regional de Chapecó, UNOCHAPECÓ, Chapecó, Brasil

Palavras-chave: estilo de vida, OMS, AQPC

A escola é espaço privilegiado para a construção de um estilo de vida saudável, já que é, por excelência, ambiente de aprendizagem. Neste cenário, o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) é recurso pedagógico potencialmente relevante que deve suprir 15,0% das necessidades energéticas e 9,0 g de proteína diariamente aos escolares, visando à formação de hábitos alimentares saudáveis. Para a consecução deste objetivo, o cardápio é um dos principais instrumentos. Nesta perspectiva, o objetivo desta pesquisa foi identificar o nível de adequação dos cardápios de escolas públicas às recomendações da Estratégia Global da Organização Mundial de Saúde para Alimentação Saudável, Atividade Física e Saúde, a qual propõe incentivo ao consumo de alimentos fonte de micronutrientes e fibras, associado à redução do consumo de alimentos de alta densidade energética. A pesquisa foi realizada, com apoio da FAPESC, em 36 escolas estaduais do Oeste de Santa Catarina, nas quais foram coletados os cardápios de um dia típico para análise segundo a metodologia da Avaliação Qualitativa das Preparações do Cardápio, em termos da freqüência com que os alimentos de diferentes grupos estiveram presentes nos cardápios. Observou-se que alimentos energéticos foram registrados em 88,9% dos cardápios (n=32), representados por massas, pães e biscoitos; as carnes compuseram 50,0% dos cardápios (n=18), sendo que 13,9% destes (n=5) foi oferecida como prato principal e nos 36,1% restantes (n=13) constava como ingrediente menor de preparações, o que pode comprometer a oferta de proteína pelo PNAE. A carne de frango compôs 27,8% dos cardápios (n=10), a bovina esteve em 16,7% deles (n=6) e suína e peixe foram os tipos presentes nos demais cardápios (n=2/5,5%). Laticínios foram observados em 27,8% dos cardápios (n=10) e legumes/verduras em 22,2% (n=8), sendo 16,7% deste total registrado como saladas e 11,1 % como ingrediente de outras preparações. Feijão esteve presente em 19,4% dos cardápios (n=7), assim como doces, enquanto frutas estiveram em 13,9% deles (n=5). A presença de óleos e gorduras limitou-se ao emprego como ingrediente de preparações, não sendo observadas frituras, ou uso de margarina, manteiga e outras gorduras. Em relação às diretrizes do PNAE quanto à oferta energética, os cardápios observados estão adequados, sendo esta energia fornecida principalmente por produtos de panificação, registrados com maior freqüência nos cardápios. Entretanto, quando se avalia a oferta de proteínas, micronutrientes (vitaminas e minerais) e fibras, conclui-se que maior atenção deve ser dada ao processo de elaboração de cardápios, a fim de garantir o atendimento às recomendações da OMS e, desta forma, efetivamente constituir os cardápios como recursos pedagógicos na construção de estilos de vida e de alimentação saudáveis. Tendo em vista esta articulação, entre a Estratégia Global da OMS Para Alimentação Saudável, Atividade Física e Saúde e a potencialidade do PNAE enquanto espaço de construção de conhecimento e hábitos saudáveis, entende-se que a capacitação dos profissionais docentes e não docentes no cenário escolar, em uma perspectiva de formação continuada, permitirá a qualificação deste espaço enquanto possibilidade concreta de promoção da saúde dos escolares, com irradiação sobre suas famílias e comunidade em geral.

APLICAÇÃO DO SOFTWARE AUXILIAR NA REABILITAÇÃO DE DISTÚRBIOS AUDITIVOS (SARDA) EM CRIANÇAS COM DISTÚRBIO DO PROCESSAMENTO AUDITIVO: caracterização do processamento temporal auditivo

  • Ademir Antonio Comerlatto Junior, Graduando, junior102pm@yahoo.com.br
  • MARIANE PERIN DA SILVA, Graduando, marianeperin@yahoo.com.br
  • Sheila Andreoli Balen, Dr(a), sheila@sheilabalen.com.br

Universidade do Vale do Itajaí, UNIVALI, Itajaí, Brasil

Palavras-chave: Reabilitação, Distúrbio auditivo, Software

Introdução: Tendo em vista que crianças com distúrbio do processamento auditivo central necessitam de estratégias motivadoras para o treinamento das habilidades auditivas, bem como apresentam fascínio por tecnologias como o computador, é de suma importância que na área fonoaudiológica haja instrumentos que auxiliem o fonoaudiólogo no tratamento destas crianças de modo criativo e motivador. Objetivo: Estudar o desenvolvimento do processamento temporal auditivo com a aplicação do módulo Decifrando a Audição do Software Auxiliar de Reabilitação de Distúrbios Auditivos (SARDA) em crianças de seis a 14 anos de idade com distúrbio do processamento auditivo central. Metodologia: A amostra foi composta por 18 crianças com a faixa etária entre seis anos e 11 meses a 13 anos e dois meses, que participaram da estimulação com o SARDA – Módulo Decifrando a Audição – seguindo um protocolo de aplicação de 50 minutos diários, três vezes por semana, durante uma média de quatro semanas. Para a verificação do desenvolvimento das habilidades do processamento temporal auditivo foram utilizados o teste padrões de freqüência (TPF), o teste padrões de duração (TPD) e o teste de detecção de intervalos no silêncio (RGDT) Para a análise dos dados utilizou-se o Teste t de Student para dados pareados, tendo 95% de confiabilidade. Além disso, foram analisados os resultados a partir de valores estipulados como ponto de corte para cada teste. Resultados: A partir da análise efetuada notou-se que os resultados dos testes padrões de freqüência e de duração não foram estatisticamente significantes. No entanto se observou que no TPF 66,67% das crianças apresentaram algum tipo de melhora em ambas às orelhas, e no TPD 66,67% na orelha direita e 53,33% na orelha esquerda apresentaram algum tipo de melhora. No RGDT encontrou-se diferença estatisticamente significante após a estimulação, sendo encontrada uma média de 23,96 ms de diferença (melhora) entre teste e re-teste. Conclusão: Com base nestes resultados o SARDA foi eficaz para o desenvolvimento da habilidade de resolução temporal e evidenciou evolução na habilidade de ordem e seqüência temporal. O SARDA é uma ferramenta que desperta atenção e interesse da criança, podendo ser um auxílio interessante para os fonoaudiólogos e professores.

Apoio / Parcerias: FINEP/CNPq

APRENDIZAGEM E COMPORTAMENTO DA CRIANÇA SURDA AO INTERAGIR COM UMA INTERFACE EDUCACIONAL

  • Carol Mautauro, Graduando, extensao@cni.unc.br
  • Cristian Valeske Alencar, E, extensao@cni.unc.br

Universidade do Contestado, UNC, Caçador, Brasil

Palavras-chave: deficientes auditivos, dinâmicas de grupo, software

O presente projeto de extensão prioriza buscar o envolvimento de todos os segmentos escolares tanto quanto todos os segmentos de ordem psicológica por meio de um trabalho multidisciplinar em prol do crescimento e desenvolvimento psicológico, pedagógico e social dos deficientes auditivos e da fala da Instituição de Ensino APADAF. Procura estimular o relacionamento humano, o convívio social, o auto conhecimento, a memória, a intelectualidade, além de estabelecer uma relação com a tecnologia inserindo o indivíduo no meio competitivo e desenvolvido do mundo atual. Tem por objetivo principal identificar as diferenças comportamentais quanto à intensidade individual de estimulação perceptível pelo portador de deficiência auditiva e da fala; possibilitar um processo de aquisição e a retenção do conhecimento por meio da memória pela qual o deficiente auditivo e da fala é capaz de reter; promover o aumento da auto-estima e o bom relacionamento dentre todos os membros da instituição, elevando os vínculos afetivos e contribuindo para a instalação de um ambiente saudável e acolhedor; interar o deficiente auditivo e da fala como meio; identificar as fases de aquisição da linguagem em crianças e adolescentes possibilitando uma melhor percepção dos professores e da própria pessoa sobre sua forma de linguagem além de proporcionar uma interação com o meio. A metodologia consiste em dinâmicas grupais, conversações, auxílio nas atividades e dúvidas escolares, trabalho com o software educacional. As atividades são realizadas de acordo com a disponibilidade de tempo e horários estabelecidos pela instituição, cumprindo 10 horas semanais incluindo orientação e preparação de atividades. Os custeio oferecido pelo Fundo de Apoio a Extensão e Cultura da UnC à extensionista é de R$ 219,00. O projeto é absolutamente estimulante e envolvente uma vez que trabalha com os aspectos intrínsecos da vida e do processo de aprendizagem de seres humanos que necessitam e merecem uma atenção especial, pois todos são especiais. O crescimento e o desenvolvimento intelectual e emocional de cada um proporciona enorme vigor no processo de trabalho decorrente do projeto. O acolhimento, a afetividade, a confiabilidade e a fidedignidade recíproca entre a extensionista e os envolvidos trás méritos indeléveis e incontáveis que estimulam a continuidade do projeto.

ARGUMENTAÇÃO E REDAÇÃO II: Uma proposta pedagógica participativa

  • Regina Back Cavasin, Graduando, regina.back@univille.net
  • Marta Regina Heinzelmann, MSc, marta.heinzelmann@univille.net
  • Daniela Vater, Graduando, daniela.vater@univille.net
  • Débora Zimmermann, Graduando, debora.zimmermann@univille.net
  • Simone Prado de Carvalho, E, extensaouniversitaria@univille.net

Universidade da Região de Joinville, UNIVILLE, Joinville

Palavras-chave: expressão verbal, argumentação, cidadania

Com uma proposta interdisciplinar entre História e Letras, este projeto conta com a efetiva participação da professora de Língua Portuguesa da Escola de Ensino Médio Nagib Zattar que ministra semanalmente duas aulas de língua e redação, com foco nos objetivos específicos: perceber que a leitura e a escrita permitem uma participação social para atuar com mais responsabilidade em suas decisões; perceber-se como indivíduo sócio-historicamente constituído por meio da análise de seu contexto social e em relação a outros discutidos; refletir sobre sua própria produção lingüística, para adequá-la aos diversos contextos; aumentar a auto-estima, provocando reflexões sobre as próprias potencialidades que demandam um esforço intelectual para a superação do estágio inicial de passividade. A participação das duas alunas extensionistas tem sido importante quer na pesquisa e preparação do material didático para o desenvolvimento dos planos de aula, quer na convivência com os alunos na escola. Em 2007, a partir da leitura do livro O cidadão de papel, de Gilberto Dimenstein, os alunos discutiram questões como: educação, saúde, trabalho, responsabilidade. As aulas de leitura e redação resultaram na produção do Jornal da Turma e as produções textuais foram compiladas, resultando numa brochura. Os alunos enviaram cartas a Dimenstein comentando o desenvolvimento deste projeto e manifestando suas percepções sobre os problemas da escola e da comunidade. Na Univille, experienciaram atividades desenvolvidas pelos departamentos de Letras, História, Artes Visuais e Educação Física e, a partir do tema cidadania, elaboraram e apresentaram uma paródia, uma contação de história, duas dramatizações e quatro cartazes. Assim, conhecerem a universidade, o que estimulou o seu desempenho escolar e a vontade de cursar o ensino superior. Neste ano, a base argumentativa está sendo construída a partir da consciência histórica, abordada a partir de textos literários em diferentes linguagens: filmes, música, escrita, buscando os seus reflexos na realidade que os envolve. Os alunos demonstram-se motivados à participação social; um exemplo disso foi a apresentação que fizeram do texto Todo Mundo e Ninguém de Gil Vicente na feira do livro 11.04.2008 – Joinville, depois de terem estudado a situação de produção do texto. Em junho, os estudantes visitaram a Universidade Federal de Santa Catarina para conhecer o espaço geográfico além da cidade onde moram. Visitaram o Museu da UFSC, conheceram o curso de Jornalismo e Engenharia Mecânica. Com as atividades desenvolvidas, espera-se a melhora na escrita e na auto-estima, em busca dos objetivos pessoais e coletivos como a efetivação da condição do Colégio como de ensino profissionalizante. Há o esforço para implantar o ensino profissionalizante na escola, discutindo com a administração da escola, reunindo-se com a direção do Cedup, e com a coordenação pedagógica do Senai e, ainda, fazendo contatos por e-mail, buscando parcerias com empresas. Essas discussões sempre ficam embaraçadas nas questões político-econômicas mas, em sala de aula, resultaram em ampla discussão sobre o papel da escola e a função de seu Projeto Político Pedagógico. Este projeto é um estímulo para o uso consciente da linguagem como instrumento de poder, permitindo relacionar a teoria aprendida na universidade com a prática docente.

ARTE NOS BANCOS DA UNERJ

  • Silvia Lovemberger, Graduando, sylvya@unerj.br
  • Marisa Tensini Kaufmann, E, cultura@unerj.br
  • Daniela Pareja Garcia, E, daniblu@unerj.br
  • Karina Fiamoncini, Graduando, karinafiamoca_17@hotmail.com

Centro Universitário Católica de Santa Catarina, PUC, Jaraguá do Sul, Brasil

Palavras-chave: Arte, Criatividade, Releitura artística

O Centro Universitário de Jaraguá do Sul – UNERJ há 10 anos tem um coral formado por acadêmicos que recebem bolsa do Centro Universitário como auxílio nas mensalidades. Esse coral, com o passar do tempo, evoluiu e se prepara para apresentar shows de música para a comunidade. As apresentações desses shows aumentaram em muito as despesas com o coral, e a universidade não pode, nem deve, cortar a iniciativa e a criatividade de seus acadêmicos. Diante do problema, foi buscada uma solução para manter o coral em atividade. A proposta foi pintar artisticamente os bancos localizados no espaço externo da UNERJ e vender esses espaços para empresas. Realizou-se um projeto com os acadêmicos dos cursos de Moda, Design e Arquitetura e Urbanismo da UNERJ, os quais foram convidados a estudar e a pesquisar as obras de artistas que vivenciaram o século XX. Tendo como temática “Um século de artes plásticas no Brasil”, usando os bancos de suporte, os acadêmicos realizaram releituras dessas obras e criaram uma galeria a céu aberto para ser apresentada às empresas da região. Assim, dividiu-se cada banco em dois espaços: o maior ficaria como suporte da obra de arte e o outro, menor, seria pintado de branco e disponibilizado para as empresas colocarem suas logomarcas em troca de uma quantia em espécie. Esses valores seriam depositados em um fundo, a ser criado, especialmente para manter o Coral da Instituição. Depois de formada, a galeria passou a contar com um original acervo de 83 obras de arte. Participando do projeto, os acadêmicos se interessaram pelas áreas de arte, desenvolvendo suas habilidades de motricidade fina, a prática de trabalho em equipe e estimularam a criatividade. As pessoas que colaboraram com o projeto se entusiasmaram com a possibilidade de deixar registrada sua idéia no centro universitário. O projeto sensibilizou suas coordenadoras pela seriedade com que os acadêmicos concluíram os seus trabalhos. Além da apreciação diária pelos usuários da UNERJ, a galeria possibilita visitas monitoradas para a comunidade em geral, principalmente para as escolas da região. Tem sido também um atrativo turístico e um diferencial para o campus do centro universitário. Atualmente, os bancos estão sendo preparados para serem oferecidos às empresas interessadas em colocar suas logomarcas. Após a comercialização, criar-se-á o fundo que será gerido pelo administrativo da Instituição e revertido em benefício do Coral da UNERJ. O projeto ainda deverá sofrer uma considerável divulgação, pois não está totalmente concluído.

AS ESCOLAS ÉTNICAS NA REGIÃO SUL CATARINENSE E OS REFLEXOS DA POLÍTICA DE NACIONALIZAÇÃO DO ENSINO

  • Maria Eduarda de Oliveira Souza, Graduando, dudadopp@hotmail.com

Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, Criciúma, Brasil

Palavras-chave: História da educação, Escola étnica, Nacionalização do ensino

O projeto de pesquisa “As escolas étnicas na região sul catarinense e os reflexos da política de nacionalização do ensino” tem como objetivo central perceber quais os significados da política de nacionalização do ensino nas escolas étnicas do sul catarinense para os sujeitos que delas fizeram parte. Os objetivos específicos principais são: perceber o lugar e o papel da escola para os núcleos de imigrantes;; identificar quem foram os/as primeiros/as alunos/as dessas escolas (etnia, classe, gênero); analisar as transformações ocorridas na arquitetura dos estabelecimentos escolares; mapear os materiais didáticos que eram utilizados nas escolas étnicas; reconhecer os tipos de documentos das escolas étnicas que sobreviveram ao tempo. Como é de conhecimento, Criciúma se apresenta como cidade referência no cenário sul catarinense. Isto se dá em virtude das relações econômicas e sociais que vêm se desenvolvendo ao longo da história deste município. A cidade foi colonizada por imigrantes italianos, poloneses e alemães, a partir de 1880. No entanto, com a inserção das empresas mineradoras, a partir de 1917, o pequeno distrito do município de Araranguá, que subsistia por meio do trabalho dos “colonos” agricultores, dos pequenos comerciantes, e de algumas iniciativas como fábricas de banha, passou por uma grande e rápida transformação. As experiências educacionais iniciaram-se logo após a chegada dos primeiros imigrantes europeus, em 1880. Os imigrantes pagavam professores para ensinar seus filhos a ler e escrever. Estas escolas serão denominadas, por alguns autores, de escolas étnicas. Escolas com estas mesmas características não foram organizadas somente em nossa região, mas também em várias regiões do Brasil. Mas, posteriormente, estas escolas terão seu cotidiano e seus objetivos atravessados pela política do nacionalismo, com a Era Vargas. Vargas ao governar o Brasil de 1930 até 1945 propõe muitas mudanças na educação, uma delas atingirá as escolas criadas pelos imigrantes de origem européia. Ao defender a unidade e o fortalecimento da identidade nacional, principalmente no Estado Novo, entre 37 a 45, elegerá a escola como principal aliada. A região sul do país, por ser habitada por imigrantes europeus provindos da Itália, Alemanha e Polônia, se tornará um dos alvos dessa política, em especial as escolas étnicas. Nesta época Criciúma está se constituindo município. Esta pesquisa vem acontecendo no âmbito do Grupo de Pesquisa em História e Memória da Educação: O processo de Educação em Santa Catarina - GRUPEHME, vinculado à Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da UNESC (cadastrado ao CNPq). Para realizar um trabalho de pesquisa é essencial delimitar o espaço e o tempo a fim de dar conta da temática abordada. As escolas mais antigas vinculadas à Secretaria Municipal de Educação de Criciúma farão parte do escopo desta pesquisa e o período a ser estudado inclui os anos de 1910 a 1930. Utilizaremos de várias fontes existentes no Banco de Dados do GRUPEHME/SC, no entanto, teremos que levantar as fontes nas escola/as que ainda não tiveram seus documentos textuais e iconográficos catalogados ou digitalizados. A História Oral também se apresentará como uma proposta metodológica.

Apoio / Parcerias: UNESC/FAPESC

AS SEQÜÊNCIAS DEPOSICIONAIS DA FORMAÇÃO CAMPO MOURÃO E FORMAÇÃO TACIBA, GRUPO ITARARÉ, NA REGIÃO DE RIO NEGRO/PR E MAFRA/SC- UM EXEMPLO DE GRANDES MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO PERMO-CARBONÍFERO DA BACIA SEDIMENTAR DO PARANÁ

  • Luiz Carlos Weinschütz, Dr(a), luizcw@mfa.unc.br

Universidade do Contestado, UNC, Caçador, Brasil

Palavras-chave: mdunças climáticas, Grupo Itararé , glaciação

Na região de Mafra ocorrem belíssimas exposições de sedimentos glaciais de idade Neocarbonífero-Eopermiano pertencentes ao Grupo Itararé, Bacia Sedimentar do Paraná. Embora este Grupo seja amplamente conhecido por suas feições de origem glacial, podemos comprovar que existem informações que demonstram grandes variações climáticas dentro deste período. Pelo menos quatro grandes eventos glaciais intercalados a períodos não glaciais são reconhecidos para o Grupo Itararé. Trabalhos de superfície e subsuperfície serviram de base para estabelecer duas seqüências deposicionais para a Formação Campo Mourão (CM-I e CM-II) e duas sequências para a Formação Taciba (TB-I e TB-II). A seqüência CM-I tem inicio com o entalhamento do Arenito Lapa, correspondendo a um sistema subglacial (tunnel valley) de um trato de sistemas de nível de base baixo, que representa a atuação de geleiras. Sucedem-no o sistema varvito-diamictito (trato transgressivo sobre o sistema arenoso anterior) e depois o sistema de deglaciação; ao final ocorre a primeira ingressão marinha na bacia, representada pelo “Siltito Mafra” (Weinschütz & Castro, 2004). Esta subida do nível do mar está diretamente relacionada ao derretimento do gelo da região, conseqüência do aumento da temperatura. A seqüência CM-II consiste de depósitos arenosos (trato de nível de base baixo, congelamento de águas), sucedidos por sistemas de deglaciação (trato de sistemas transgressivo), e pelo “Folhelho Lontras”, este indicando uma ampla plataforma marinha que se desenvolve sob condições de nível de base alto. Caracterizado em parte por uma importante ocorrência de folhelho preto fossilífero, que representa uma superfície de inundação máxima marcando o trato transgressivo de deglaciação, decorrente de um aumento expressivo de temperatura. A seqüência TC-I começa com o espesso diamictito (65 m) resultante de chuva ou fluxo de detritos a partir de geleiras e capas de gelo, ao qual se sucede um sistema de deglaciação seguido de possível ciclo deltaico de folhelho a arenito, relacionado a soerguimento isostático; para o topo ocorrem depósitos marinhos decorrentes do derretimento do gelo. A seqüência TC-II apresenta arenitos basais do seu trato de nível de base baixo, provavelmente canalizados, com fácies e espessuras variando entre 4 m e 55 m. Esses arenitos (turbiditicos) passam acima a diamictito e a arenito/siltito fossilífero, sugerindo uma sucessão transgressiva de deglaciação, seguida do folhelho plataformal Rio do Sul/”Passinho”, que corresponde a um trato de nível de base alto. Portanto verificamos que para o Grupo Itararé, reconhecidamente formado sobre influência glacial, quatro grandes variações climáticas (ciclos de 2ª ordem) são reconhecidas em suas formações Campo Mourão e Taciba. Situação decorrente principalmente pelo congelamento de água e conseqüente rebaixamento do nível do mar, quando em períodos verdadeiramente glaciais, e pelo derretimento do gelo, aumento do nível dos oceanos e sua ingressão sobre parte do continente quando do aumento significante de temperatura, ou seja, em períodos interglaciais.

Aspectos controvertidos acerca do homicídio qualificado

  • Renan Bernardes, Graduando, pqnorey@univali.br

Universidade do Vale do Itajaí, UNIVALI, Itajaí, Brasil

Palavras-chave: Direito Penal, Crimes Contra a Vida, Homicídio

O tipo previsto no artigo 121 do Código Penal Brasileiro é denominado como homicídio, no qual atenta contra a vida humana, sendo esta o objeto jurídico do dispositivo legal. O homicídio contém diversas peculiaridades, além do chamado homicídio simples. Analisando a possibilidade da figura do homicídio qualificado-privilegiado, esta pesquisa tem como objetivo investigar em nosso ordenamento jurídico a admissão de tal figura, já que há grande contrariedade nas opiniões doutrinárias. Assim o Código Penal prevê no § 1º do artigo mencionado três causas de caráter subjetivo, sendo estas os motivos que levam o agente a praticar o delito, podendo ocorrer de três maneiras previstas nos incisos I, II e III do parágrafo. Incorrendo em tais hipóteses, ocorre a redução da pena de um sexto a um terço. O mesmo artigo prevê no § 2º as circunstâncias qualificadoras, das quais existem de cunho subjetivo e objetivo, e que se reconhecidas aumentam a pena, que no homicídio simples é de 6 a 20 anos, para de 12 a 30 anos de reclusão. Estas circunstâncias foram inclusas na atual lei de crimes hediondos. As circunstâncias de caráter subjetivo estão inclusos nos incisos I, II e V, já que como as privilegiadoras do § 1º, sendo que estas se referem aos motivos que levam o agente a praticar o homicídio, as restantes integram os incisos III e IV que são de caráter objetivo, pois se referem à forma utilizada para a pratica do crime, ou seja, o meio utilizado. É necessário diferenciar as circunstâncias de caráter objetivo e subjetivo, pois, uma das duas principais correntes que opinam sobre o tema, aceita a figura do homicídio qualificado-privilegiado, se ocorrer entre circunstâncias do § 1º com as de caráter objetivo do § 2º, sendo possível assim, a figura em um crime praticado por motivo de relevante valor moral e onde o agente emprega fogo ou veneno, é impossível a combinação de circunstâncias, como relevante valor social e ao mesmo tempo por motivo fútil. A outra corrente é contrária a figuração do homicídio qualificado-privilegiado, pelo fato de que a posição hierárquica dos parágrafos no Código Penal Brasileiro, na qual cada parágrafo refere-se ao caput, não tendo assim nenhuma ligação entre eles. Cabe ressaltar, que o homicídio é um crime contra a vida, e se cometido de forma dolosa será julgado por Júri Popular, tendo fundamental importância à decisão do Tribunal do Júri, já que se este reconhecer a presença de circunstâncias que privilegiam o crime, o juiz mesmo identificando circunstâncias qualificadoras, de natureza objetiva, não poderá se escusar de tal consideração, sendo cabível a figura do homicídio qualificado-privilegiado, afastado assim, a classificação do crime como hediondo. O método utilizado é o indutivo através de pesquisa bibliográfica.

Aspectos positivos e negativos no processo de terceirização do Programa Nacional de Alimentação Escolar em Chapecó - SC

  • Débora Melyna Marchi, Graduando, debo_@unochapeco.edu.br
  • Luciara S. Gallina, MSc, luciara@unochapeco.edu.br

Universidade Comunitária Regional de Chapecó, UNOCHAPECÓ, Chapecó, Brasil

Palavras-chave: MERENDA ESCOLAR, GESTÃO, DESCENTRALIZAÇÃO

ASPECTOS POSITIVOS E NEGATIVOS NO PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO DO PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR EM CHAPECÓ - SC

RESUMO: O Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) mais conhecido como merenda escolar, foi implantado em 1955, quando, efetivamente tornou-se política pública, sendo um dos maiores programas de alimentação e nutrição do mundo e o único com atendimento universalizado. Em 1994, ocorreu a descentralização dos recursos. Desde março de 2007, o Poder Público Municipal de Chapecó, optou pelo modelo de terceirização plena. Este trabalho buscou avaliar o processo de implementação do modelo de gestão terceirizada do Programa de Alimentação Escolar no município de Chapecó-SC. O delineamento desta pesquisa foi de natureza quali-quantitativa , utilizou-se de entrevista norteada por um roteiro semi-estruturado, sobre os pontos positivos e negativos sobre a terceirização, direcionada aos diversos sujeitos envolvidos no processo da alimentação escolar: gestores municipais do poder executivo ; 12 gestores e 42 professores das escolas selecionadas conforme critério amostral; membros do Conselho de Alimentação Escolar (CAE); coordenador do Programa de Aquisição de Alimentos do Município (PAA).Os resultados encontrados para os pontos positivos: 79,54% cita a qualidade da merenda ; 35,18% cita a presença do profissional nutricionista e 33,33% relata a redução do desperdício / economia. Para os pontos negativos: 16,66% cita o fato da empresa terceirizada não ser da região e 85,71 % diz que o cardápio não é adequado / adaptado à nossa realidade. A gestão terceirizada da merenda municipal de Chapecó, sob o ponto de vista dos entrevistados foi positiva, principalmente por que os aspectos negativos apontados podem ser facilmente resolvidos através do diálogo entre os sujeitos envolvidos no processo. Pelo fato da terceirização ter sido implementada em março de 2007, a coleta de dados iniciou seis meses após esta implantação. Considerando que alterações podem ter ocorrido recomenda-se a continuidade da pesquisa para verificar a consolidação deste processo de gestão. (FONTE FINANCIADORA: Art. 170 da Constituição Estadual de SC)

PALAVRAS- CHAVE: MERENDA ESCOLAR; GESTÃO; DESCENTRALIZAÇÃO

ASSESSORIA AO GT REDE DE PROTEÇÃO ÀS PESSOAS EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR DE BLUMENAU

  • Patrícia Regina de Souza, Graduando, souza.sso@gmail.com
  • Maria Salete da Silva, MSc, mssilva@furb.br
  • Marilda Angioni, MSc, marilda@furb.br

Universidade Regional de Blumenau, FURB, Blumenau, Brasil

Palavras-chave: Rede de proteção., Violência intrafamiliar., Participação.

Histórico: O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social da FURB, foi criado em 2002 e desenvolve-se junto ao Núcleo de Prática Jurídica – NPJ, que presta assistência judiciária gratuita à população de baixa renda, residente em Blumenau. Compõe-se dos Projetos: Educação em Direitos Humanos; Orientação Sócio-Familiar e Atendimento Compartilhado. Uma das expressões da questão social presentes na vida dos usuários é a violência intrafamiliar, cujos indicadores mais recentes são: 36,58% em 2006; 30,76% em 2007 e 28,57% em 2008/1. Dentre as ações empreendidas para o enfrentamento desta questão situa-se a criação, em 2003, em conjunto com a Secretaria Municipal de Assistência Social, do GT Rede de Proteção às Pessoas em Situação de Violência Intrafamiliar, com o objetivo de promover o debate sobre a rede de serviços com vistas à formação de uma rede de proteção. Iniciou-se pelo mapeamento da rede e, em seguida, elaborou-se o Protocolo de Atenção às Pessoas em Situação de Violência Intrafamiliar visando alcançar maior resolutividade. Em 2006, a aprovação da Lei Maria da Penha trouxe novos desafios. Contraditoriamente, observou-se uma redução drástica na participação das instituições no GT. Para compreender a baixa adesão às atividades e avaliar a utilização do Protocolo de Atenção, optou-se pela realização de pesquisa em 2007/2. Participaram 14,7% do universo. Destaca-se que 100% consideraram o GT necessário; 80% propuseram sua reorganização; 10% demonstraram disponibilidade para participar da Comissão Gestora; 80% declararam que a atuação em rede é relevante para a atuação profissional, mas a maioria justificou a baixa adesão pela sobrecarga de trabalho; e 40% relataram que utilizam o Protocolo de Atenção. Com base nestes dados organizou-se planejamento para 2008. Objetivos: promover o fortalecimento da Rede de Proteção às Pessoas em Situação de Violência Intrafamiliar; ampliar a participação das instituições no GT; divulgar e estimular o uso do Protocolo de Atenção; formar Comissão Facilitadora interinstitucional; oportunizar a troca de experiências. Metodologia: Para atingir estes objetivos foram incorporadas as sugestões do próprio Grupo, como: alteração do dia das reuniões; aplicação de técnicas para promover a integração entre os profissionais; discussão de situações de violência e da Notificação Compulsória; atualização do Protocolo de Atenção; criação de Comissão de Facilitadores interinstitucional. As reuniões ocorrem mensalmente e são enviados, semanalmente, on line, notícias, convites para eventos e materiais informativos. Realizou-se 04 encontros em 2008/1, que contemplaram os temas propostos, com a presença de 47 profissionais, acima do índice de participação de 2007. Relevância: investir na formação e fortalecimento da rede de proteção social constitui estratégia para combater a violência intrafamiliar e promover a defesa dos direitos humanos, contribui para a inserção da Universidade na comunidade e a articulação entre extensão e pesquisa abre a possibilidade de provocar mudanças concretas na realidade social. Fontes de custeio: Departamento de Serviço Social, NPJ e PROPEX. Perspectivas para continuidade: no segundo semestre será formada a Comissão Facilitadora, serão devolvidos os resultados da pesquisa “Implementação da Lei Maria da Penha sob a ótica dos órgãos responsáveis em Blumenau” e, a partir de então, novas estratégias serão traçadas.

ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE MATERNO-INFANTIL: UMA TRADIÇÃO EM EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA - DOZE ANOS DE ATUAÇÃO

  • Ana Marise Pacheco Andrade de Souza, MSc, bbssouza@terra.com.br
  • Rosana S. dos Santos Schmitt , MSc, volana@terra.com.br
  • Caroline Pappiani, Graduando, caro_pappiani@hotmail.com

Universidade Regional de Blumenau, FURB, Blumenau, Brasil

Palavras-chave: Materno-infantil., Aleitamento materno., Interdisciplinaridade.

Histórico da proposta: O Programa de Atenção Integral à Saúde Materno-infantil conta com doze anos de tradição em extensão, pois iniciou sua atuação em 1996 com usuárias gestantes que realizavam o pré-natal, e o acompanhamento do crescimento e desenvolvimento do bebê, no Ambulatório da Universidade Regional de Blumenau. A partir de 2002 o Programa se subdividiu em dois projetos, permanecendo o de Educação em Saúde, atingindo diretamente usuárias gestantes do SUS e seus bebês, numa proposta de intervenção interdisciplinar, e outro, de Formação Continuada em Aleitamento Materno, que passou a realizar atividades com profissionais de saúde que atuam no serviço público, numa parceria com o Comitê Regional de Aleitamento Materno, atingindo quatorze municípios da região da Associação de Municípios do Médio vale do Itajaí (AMMVI). Objetivos: O Programa atua na promoção da saúde e qualidade de vida materno-infantil, incentivando o aleitamento materno; a integração das disciplinas dos cursos de graduação envolvidos; a promoção da prática interdisciplinar; o desenvolvimento de pesquisas na área materno-infantil. Metodologia: As ações com as gestantes e bebês ocorrem semanalmente, sob a forma de atividades grupais temáticas, exercícios preparatórios para o parto, além de atendimento especializado, realizados no Ambulatório Universitário, envolvendo docentes, acadêmicos e profissionais técnico-especializados. As ações com os profissionais de saúde se desenvolvem mensalmente, sob a forma de mini cursos, seminários, palestras, oficinas temáticas, grupos de discussão, visitas a municípios. Em ambos ocorrem o desenvolvimento de eventos científicos e pesquisas. Relevância acadêmico-científica-social: O desenvolvimento do Programa promove à comunidade acadêmica a relação teoria-prática através da participação direta no atendimento de gestantes e bebês, bem como a participação e realização de eventos e pesquisas científicas, e obtenção de bolsas de pesquisa e extensão. O Programa oferece oportunidade de melhor qualificação para os profissionais envolvidos com a atenção à saúde materno-infantil. Fontes de financiamento: O Programa obtém recursos da Universidade, de financiamentos para iniciação cientifica, e apoio das secretarias de saúde dos quatorze municípios participantes, como também da Secretaria Regional de Desenvolvimento. Perspectivas para continuidade da ação: A realização do I Congresso Sul Brasileiro de Aleitamento Materno, em março/2008 e o desenvolvimento da Pesquisa de Prevalência em Aleitamento Materno, que se encontra em fase de tabulação de dados, vem redefinir as ações para continuidade do Programa, tais como a ampliação do Programa para outras unidades do SUS no município de Blumenau, a sistematização da realização de eventos científicos relativos à promoção da saúde materno-infantil, e a conclusão dos dados da pesquisa, que fornecerão dados relevantes para a continuidade das ações de incentivo e promoção do aleitamento materno na região.

ATENDIMENTO DE APOIO ÀS CRIANÇAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS

  • Francielle Beluk, Graduando, extensao@cni.unc.br
  • Maria Benedita de P. e Silva Polomonei, MSc, extensao@cni.unc.br

Universidade do Contestado, UNC, Caçador, Brasil

Palavras-chave: intervenção , crianças, aprendizagem

O projeto está sendo desenvolvido com os alunos da Escola Básica Municipal Severo de Andrade, localizada no Bairro Campo d’Água Verde na cidade de Canoinhas – SC, salientamos que a aplicação deste projeto nesta instituição de ensino deu-se devido a uma solicitação da própria direção da referida escola mediante a identificação do problema de aprendizagem e socialização a vida escolar de crianças com necessidades especiais matriculadas na referida escola. O projeto desenvolvido pelo Programa de Apoio a Extensão e Cultura da Universidade do Contestado UnC Canoinhas, intitulado “ ATENDIMENTO DE APOIO ÀS CRIANÇAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS” apresenta relevância por que a realidade escolar, segundo observações é precária e as crianças que estão envolvidas, são aquelas consideradas com necessidades especiais. Os objetivos do trabalho visam realizar a intervenção pedagógica para a melhoria na aprendizagem para as crianças como necessidades especiais compreendendo dificuldades de aprendizagem como hipóteses a serem avançadas; desmistificar o conceito de dificuldade aprendizagem por meio de estudos e discussões com as pessoas envolvidas no projeto; apresentar a intervenção pedagógica como meio para diminuir as dificuldades de aprendizagem para as crianças com necessidades especiais; desenvolver as atividades por meio d recursos diferenciados caracterizando a intervenção pedagógica. As atividades estão sendo desenvolvidas através de recursos diversificados como o desenvolvimento de técnicas de leitura, jogos, dramatizações, entre outros recursos que estão sendo selecionados com a ajuda da professora orientadora do projeto. Os encontros acontecem durante a semana, sendo quatro tardes, com a duração de uma hora e meia cada encontro, trabalhando com crianças que possuem necessidades educativas especiais tendo planejamento prévio das atividades que serão também, acompanhadas pela professora orientadora do projeto. Para auxilio do desenvolvimento das atividades são realizados estudos e orientação com a professora responsável pela orientação do mesmo. De acordo com a avaliação realizada junto a escola/ família/ professora orientadora do projeto, o mesmo vem atingindo seus objetivos pelo fato das crianças estarem, segundo direção e professores melhorando no desenvolvimento do seu aprendizado e socialização com os demais colegas, bem como pela resposta positiva que a família também demonstra através da freqüente participação durante a realização das atividades. Devido a isto a escola tem interesse na continuidade do projeto. A fonte financiadora dos custos desse projeto acontece através do Fundo de Apoio a Extensão e Cultura da Universidade do Contestado UnC Canoinhas/Porto União.

ATIVIDADE INTEGRADA: UMA EXPERIÊNCIA NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNESC

  • Robinalva Borges Ferreira, E, rfe@unesc.net
  • Vânia Vitório, E, vvi@unesc.net
  • Samira Casagrande, MSc, sca@unesc.net

Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, Criciúma, Brasil

Palavras-chave: Atividade integrada, Educação Física, Processo ensino-aprendizagem.

Após a implementação da nova matriz curricular para a formação do licenciado em Educação Física da Unesc, no ano de 2004, passou-se a realizar atividades integradas em todas as fases do curso, com o objetivo de planejar e promover o estudo coletivamente, aprofundar conhecimentos, realizar debates e seminários entre outras possibilidades, além de avaliar os acadêmicos coletivamente em uma atividade. Neste sentido, relatamos a experiência realizada desde o segundo semestre de 2006, com atividade integrada, na 5ª fase do curso, envolvendo as disciplinas de Estágio I, Avaliação em Educação Física Escolar e Didática Geral. Inicialmente os acadêmicos lêem os textos, dialogam com os autores nas três disciplinas citadas anteriormente e escrevem a fundamentação teórica do relatório de estágio, de forma processual, pois se corrige o texto e no final do semestre o acadêmico entrega a versão final do relatório. Paralelo a esta atividade o acadêmico vai até a escola realizar uma entrevista com o diretor, professor e alunos de Educação Física, além de observar a conjuntura da escola, o Projeto Político Pedagógico e o planejamento do professor. Passa a construir então a segunda parte do relatório que é a análise dos dados coletados na escola a luz do referencial teórico. Por último elabora as conclusões e recomendações, encerrando o relatório escrito. A próxima etapa da atividade integrada corresponde ao seminário de estágio, com o agrupamento e apresentação dos dados por rede de ensino, estadual, municipal, particular e especial. Portanto o acadêmico tem duas notas com peso dez, correspondentes ao relatório escrito e a apresentação no seminário, para as três disciplinas. Qualificando então o processo ensino-aprendizagem, pela apropriação do conhecimento, por meio da leitura, pesquisa, discussão e escritura do texto, além da apresentação oral, avaliação coletiva e auto-avaliação, o que proporciona o desenvolvimento de várias competências para a formação do professor. Os principais autores estudados pelos acadêmicos são: Hadji, Hoffmann, Kunz, Masetto, Sousa, Bracht, Souza, LibâneoeGandin.A avaliação da atividade tem sido muito positiva na perspectiva dos acadêmicos e professores envolvidos, devido à qualidade na produção do relatório e na realização do seminário, o qual se transforma numa aula magna, com a participação dos acadêmicos da 4ª fase, que será a executora no próximo semestre. A dificuldade apontada por todas as turmas é o tempo que parece ser sempre escasso para realizar as atividades propostas pelos professores.

Atividade interdisciplinar

  • Heloisa Beatriz Machado, MSc, heloisa@univali.br
  • Silmara Maia, Graduando, univali@univali.br
  • MICHELE THIESEN, MSc, pesquisa@univali.br
  • SIMONE REGINA GRANDO, MSc, pesquisa@univali.br
  • TELMA MAGRINI BROCHADO DE FIGUEIREDO, MSc, pesquisa@univali.br

Universidade do Vale do Itajaí, UNIVALI, Itajaí, Brasil

Palavras-chave: interdisciplinaridade, ensino de graduação, estratégias pedagógicas interdisciplinares

Introdução: o Curso de Graduação em Enfermagem da Univali, Campus Itajaí tem adotado práticas inovadoras de aprendizagem, cujo intuito é revisitar o conhecimento e promover a construção da competência, considerando que os princípios educacionais devem garantir: flexibilidade do currículo; consideração dos acadêmicos como sujeitos do processo ensino-aprendizagem e dos professores como facilitadores desse processo; articulação teoria/prática; integração de conteúdos básicos e profissionalizantes, através dos objetos interdisciplinares em cada período; pesquisa integrada ao ensino e à extensão; seleção de conteúdos essenciais em bases epidemiológicas; metodologias ativas para o processo ensino/aprendizagem; diversificação dos cenários de aprendizagem; avaliação formativa e utilização das etapas da Sistematização da Assistência de Enfermagem para a abordagem dos conteúdos teóricos e como referencial para a assistência ao indivíduo, família e comunidade. Objetivo: relatar a experiência vivenciada por docentes e discentes do Curso de Graduação em Enfermagem, Campus Itajaí, da Universidade do Vale do Itajaí (SC), visando à realização da Atividade Interdisciplinar. Metodologia: a proposta privilegia a utilização de Estratégias Pedagógicas Interdisciplinares, mediante a adoção das Etapas do Processo Decisório, envolvendo a resolução gradativa de um Estudo de Caso em Saúde desenvolvido em etapas, sendo estas determinadas pelas competências dos vários períodos, observados os Objetos Interdisciplinares de Aprendizagem previstos no Projeto Pedagógico do Curso. Resultados: foram previstos quatro Momentos Interdisciplinares, os quais ofereceram suporte teórico à resolução do ECS, redundando em resultados altamente positivos, com vistas à aquisição de competências que possibilitem a atuação do profissional enfermeiro para a promoção da saúde do indivíduo, família e comunidade, visando minimizar a dicotomização da saúde e consequentemente do ser humano pelas disciplinas fragmentadas. Para tanto, faz-se mister a adoção de uma atitude democrática, visão não preconceituosa, na qual todo o conhecimento seja igualmente importante, pois o saber individual agrega-se em desenvolvimento pleno frente ao saber universal. Além disso, necessita a aquiescência de atitude coerente, tendo em vista que é na opinião crítica do outro que se fundamenta a opinião particular, supondo uma postura ética una, engajada e comprometida frente aos fatos da realidade educacional e pedagógica. Conclusão: sob esta ótica, a Atividade Interdisciplinar nada mais é, do que a estratégia que possibilita o desenvolvimento da proposta em questão, propiciando reformulações sempre que se fizerem necessárias. Finalmente, a opção pela estratégia tem oportunizado a incorporação de experiências no cotidiano acadêmico, pois propicia redimir os diferentes espaços de aprendizagem, visando à efetivação das integrações horizontais e verticais.

ATIVIDADES FÍSICAS, ESPORTIVAS E DE LAZER: UM RELATO DA EXPERIÊNCIA DO PROGRAMA SAÚDE 10

  • Elisabeth Baretta, MSc, elisabeth.baretta@unoesc.edu.br
  • Edmar de Oliveira Pinto, E, edmar.pinto@unoesc.edu.br
  • Marly Baretta, MSc, marly.baretta@unoesc.edu.br
  • Wilson Roberto de Matos, E, wilson.matos@unoesc.edu.br
  • Mirian Dolzan, E, educacaoadm@joacaba.sc.gov.br
  • Leoberto Ricardo Grigollo, E, leoberto.grigollo@unoesc.edu.br
  • Michelli Petri Dalapria Grigollo, MSc, michelli.grigollo@unoesc.edu.br
  • Raylander Alves Righi, MSc, raylander.righi@unoesc.edu.br
  • Nei Tesser, E, neitesser@brturbo.com.br
  • Rudy José Nodari Junior, MSc, rudynodari.junior@unoesc.edu.br
  • Andréia Maria Bernardt, Graduando, andreia.futsal@yahoo.com.br
  • João Pedro Dallacosta, Graduando, jpdallacosta@hotmail.com
  • Tairine Bruna da Silveira, Graduando, tai_edfisica@yahoo.com.br
  • Analie Pasquali, Graduando, nali_p2@yahoo.com.br
  • Jean Ricardo Sfredo, Graduando, jean3_sc@hotmail.com
  • Guilherme Muller, Graduando, guigamuller@hotmail.com
  • Deivid Tiago Nezi, Graduando, deividtiago@hotmail.com
  • Tássio Marcel Hoffmann Coelho , Graduando, tassio_jba@yahoo.com.br

Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC, Joaçaba, Brasil

Palavras-chave: Atividade física, Educação, Promoção da saúde

Com o aproveitamento do espaço físico disponível, associado à efetiva participação de diversos segmentos, a Universidade do Oeste de Santa Catarina – Campus de Joaçaba apresenta uma nova realidade e nos remetem a uma promissora perspectiva de desenvolvimento de ações sociais integradas voltadas para o esporte, educação, saúde e lazer. Da mesma forma, busca garantir à comunidade regional um atendimento filantrópico na área da saúde com a participação efetiva de professores e alunos num processo de mediação e interação das atividades de ensino, pesquisa e extensão. Desenvolvido desde 2003, o programa Saúde 10 tem como finalidade prestar serviços de atendimento a população carente da comunidade de Joaçaba e região, contribuindo para o desenvolvimento das potencialidades individuais e coletivas, constituindo-se em instrumento de combate à exclusão e de construção da cidadania, desenvolvendo os princípios básicos de forma global, explorando ao máximo a criatividade da criança, do adolescente e do adulto. O projeto tem como objetivos: estimular a prática de atividades físicas, esportivas e de lazer e realizar intervenções no sentido de promover a saúde e melhorar a qualidade de vida dos indivíduos participantes. As atividades são desenvolvidas diariamente no Complexo Esportivo do campus II, no Centro de Eventos, no estádio municipal e em núcleos nos bairros do município de Joaçaba e municípios vizinhos, sendo realizado e assistido por uma equipe interdisciplinar formada por profissionais que atuam na UNOESC. Participam destes núcleos, crianças e adolescentes estudantes carentes de escolas públicas. Na execução do programa, as crianças e adolescentes são assistidas com práticas desportivas como ginástica, judô, recreação, esportes radicais, dança, natação, teatro, voleibol, basquete, handebol, futsal, futebol de campo, ampliação da coordenação motora, atendimento fisioterápico, psicológico e odontológico, formação moral e da cidadania e reforço educacional. Também é desenvolvido um núcleo com o atendimento na prática educativa da modalidade do tênis. Ao final das atividades, é servido um lanche elaborado com produtos doados pelos acadêmicos da Instituição. Os adultos recebem atendimento com prescrição de atividade física visando a promoção e manutenção da saúde. Os recursos financeiros para a manutenção do projeto são próprios da Universidade do Oeste de Santa Catarina, campus de Joaçaba. Com a execução das atividades, atendemos um público carente de aproximadamente 830 crianças e 280 adultos, melhorando sua qualidade de vida, ampliando suas possibilidades motoras, a formação moral e construção da cidadania. A educação e a promoção da saúde fomentam o senso de identidade, autonomia e responsabilidade dos indivíduos. A participação em atividades recreativas e de lazer contribui para a melhoria da qualidade de vida, ampliando as possibilidades de integração social e das condições motoras.

Apoio / Parcerias: Prefeitura de Joaçaba.

ATLAS HISTÓRICO DA REGIÃO DA BAIA DA BABITONGA

  • Priscila Débora Trierweiller, Graduando, priscila_trierweiller@hotmail.com
  • Sandra Paschoal Leite de Camargo Guedes, Dr(a), sandraguedes@netvision.com.br
  • Celso Voos Vieira, MSc, celso.v@univille.net
  • Eleide Abril Gordon Findlay, MSc, eleide.findlay@univille.net
  • Fabiano Antonio de Oliveira, Dr(a), fabiano.oliveira@univille.ne
  • Naum Santana, MSc, naum.alves@univille.net

Universidade da Região de Joinville, UNIVILLE, Joinville

Palavras-chave: Baía da Babitonga, Mapas históricos, Ocupação histórica

O Projeto Atlas Histórico da Região da Baía da Babitonga, com inicio em 2006, constitui uma ação conjunta na área de pesquisa dos departamentos de História e Geografia da Universidade da Região de Joinville, com apoio financeiro da Univille e do CNPq. O estudo tem por objetivo compreender e registrar o processo de ocupação do território dos atuais municípios que circundam a Baía da Babitonga: Joinville, São Francisco do Sul, Araquari, Balneário Barra do Sul, Garuva e Itapoá. A historiografia do setor nordeste do Estado de Santa Catarina, referente aos séculos XVII a XIX, está centrada em São Francisco do Sul, uma vez que antes da chegada dos imigrantes europeus à Colônia Dona Francisca, atual Joinville, este município abrangia vasta área do nordeste catarinense, que inclui hoje os territórios pertencentes aos seis municípios que compõem a região. Já para os séculos XIX e XX, a historiografia mais abrangente é sobre Joinville, enquanto as demais cidades não possuem produção significativa. Os trabalhos do projeto ATLAS estão baseados em ampla pesquisa documental, bibliográfica e cartográfica, realizada em bibliotecas universitárias e comunitárias, arquivos históricos municipais, estaduais e nacionais, cartórios, paróquias e prefeituras dos municípios objeto de estudo. Os dados obtidos originaram um banco de dados fundamental para a análise cartográfica, demográfica, fundiária, econômica e cultural da região, já que foi possível realizar um levantamento sobre posse de propriedade, registros de batismo, casamento e óbito, bem como de compra e venda de escravos. Os relatórios e falas pronunciadas pelos Presidentes da Província de Santa Catarina à Assembléia Legislativa, a partir de 1834, até a República, propiciaram uma análise da legislação provincial e imperial relativas à colonização, imigração e a posse e distribuição de terras, bem como a visão oficial sobre as temáticas indicadas. Quanto ao material cartográfico pesquisado, constituído principalmente por mapas históricos, foi transferido para meio digital por meio de escanerização, sendo posteriormente georreferenciado em uma base cartográfica digital composta pela articulação de seis folhas topográficas na escala 1:50.000, disponibilizadas pelo IBGE. Os registros dos mapas históricos são então transferidos para a base cartográfica atual como dados na forma de pontos, linhas e polígonos. O material documental e bibliográfico selecionado passível de registro cartográfico, previamente organizado em banco de dados, é transferido para a base cartográfica digital, de modo a complementar os dados cartográficos previamente lançados. Resultados preliminares indicam que a distribuição espacial da população luso-brasileira em meados do século XIX era muito ampla na região, contrariando a historiografia mais difundida que atribui aos imigrantes de origem germânica a abrangência da ocupação do espaço regional. A continuidade dos trabalhos permitirá a elaboração de um Atlas Histórico da região da baia da Babitonga que contribuirá para o avanço do conhecimento histórico, geográfico, econômico, social e cultural das cidades que circundam a região nordeste de Santa Catarina.

AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIEDEMATOGÊNICA E EFEITO HIPOTENSOR DE EXTRATOS DE Tropaeolum pentaphyllum E DE Baccharis uncinella

  • Gislaine Colle, Graduando, gica_c@pop.com.br

Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC, Joaçaba, Brasil

Palavras-chave: Tropaeolum pentaphyllum, Baccaris uncinella , Atividade anti-inflamatória e hipotensora

60°C e depois trituradas. Destas amostras foi preparado um extrato alcoólico e este submetido às análises de atividade antiinflamatória e hipotensora com camundongos swiss, machos, adultos, pesando entre 25-35g, ou ratos machos Wistar do biotério do Setor de Ciências Biológicas da UFPR. O número de protocolo com a provação pelo comitê de ética foi 286. Grupos distintos de camundongos foram tratados por via oral com extrato de Tropaeolum pentaphyllum (100mg/kg) ou de Baccharis uncinella (500mg/kg), ou com veículo. Os registros de pressão arterial foram obtidos por meio de transdutores de pressão acoplados a um amplificador de sinais (Modelo ML 130) conectados a um computador Macintosh contendo um software específico de integração (Chart v3.6.8, PowerLab/MacLab). Os resultados demonstraram que O extrato de T. pentaphyllum em concentrações inferiores ao extrato Baccharis uncinella apresentou-se mais eficaz no tratamento antiedematogênico. Nos experimentos de registro da pressão arterial a administração do extrato de T. pentaphyllum mostrou-se eficaz em reduzir a pressão arterial em ratos normotensos ao contrário da administração via oral de Baccharis uncinella que não apresentou atividade inibitória. Conclui-se com tais resultados que a espécie Tropaeolum pentaphyllum apresenta alto potencial terapêutico, sendo importante para novas pesquisas e estudos científicos para comprovar as prováveis ações dos extratos e compostos isolados desta planta, que poderão resultar em medicamento alternativo para tratamento e prevenção de determinadas patologias.

Apoio / Parcerias: Universidade Federal do Paraná; Museu Botânico de Curitiba

AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCOS PARA POSSÍVEIS PORTADORES DA SÍNDROME DA APNÉIA E HIPOPNÉIA OBSTRUTIVA DO SONO, ENTRE MOTORISTAS DE CAMINHÃO PROFISSIONAIS , E CORRELAÇÃO COM ACIDENTES NA ESTRADA.

  • Kelly Gehlen Mattei, Graduando, kellym@uniplac.net
  • Fernando Arruda Ramos, MSc, arrudaramos@matrix.com.br
  • Gustavo Picolotto, Graduando, gugamed@uniplac.net
  • Mauricio Montemezzo, Graduando, mau_metam@hotmail.com

Universidade do Planalto Catarinense, UNIPLAC, Lages, Brasil

Palavras-chave: Apnéia, acidente de trânsito, ronco

Os Distúrbios respiratórios do sono, especialmente a Síndrome da Apnéia e/ou Hipopnéia Obstrutiva do Sono (SAHOS), constituem um grave problema de saúde pública no Brasil devido a sua grande prevalência, associação com mortalidade, morbidade cerebrovascular, maior uso dos sistemas de saúde, aumento dos riscos de acidentes pessoais de trabalho e no trânsito.Justificativas: A relevância do estudo se dá pela importância do conhecimento de conteúdos relativos a SAHOS , pois fatores como restrição e/ou privação de sono, hábitos relacionados ao ciclo vigília-sono, estão freqüentemente relacionados aos relatos de acidentes associados ao adormecimento ao volante. É muito importante a obtenção desse conhecimento entre os motoristas de transporte rodoviário profissionais. Uma vez que com os conhecimentos básicos sobre distúrbios do sono, estes profissionais poderão adotar medidas simples e de baixo custo para a obtenção de um sono de melhor qualidade, possibilitando uma melhora na qualidade e estilo de vida por parte dos motoristas e diminuindo os riscos de acidentes nas estradas. Método: Participaram da pesquisa 100 motoristas de caminhão profissionais abordados em seus ambientes de trabalho, reunidos de forma aleatória, conforme sua livre intenção em participar do estudo. Sendo que foram interrogados através da aplicação de questionário fechado e avaliação física de circunferência cervical, IMC, e de quantificação do grau de sonolência pela escala de Epword e quantificação do ronco pela escala Stanford. Os indivíduos que apresentaram alteração em dois dos três fatores pesquisados (IMC, escala de Epword e circunferência cervical), foram designados como pertencentes ao grupo 1 e os que apresentaram menos que dois fatores como grupo 2 ou seja não portadores de fatores associados ao risco de SAHOS. Resultados: Motoristas pertencentes ao grupo 1 perfizeram um total de 26% da amostra e não portadores dos fatores grupo 2 um total de 74%.Tendo fatores como motoristas roncadores atingindo um percentual de 77% dos participantes do grupo 1 e com média de valor para grau de sonolência de 10 pontos. O presente estudo foi uma iniciativa proposta pelos autores atribuída a atividade eletiva curricular do curso de medicina- UNIPLAC e o custeio para materiais e transporte foi dos estudantes envolvidos. Conclusão: Podemos afirmar que fatores associados a SAHOS são notoriamente presentes em motoristas profissionais de caminhão e que tais fatores são evidenciados nessa classe devido aos padrões de obesidade, maus hábitos como tabagismo e sedentarismo condicionados pelas características do trabalho. Dessa forma uma aprofundada observação e estudo da situação se faz fundamental para que elaboremos ações em prevenção e assim garantirmos a diminuição dos riscos à saúde dos trabalhadores e da comunidade em geral.

AVALIAÇÃO DAS PERDAS DO LEITE MATERNO DOADO NO BANCO DE LEITE HUMANO DE BLUMENAU PARA COLABORAÇÃO COM O CONTROLE DE QUALIDADE

  • Karina Merini Tonon, Graduando, ninatonon@hotmail.com
  • Tarcísio Lins Arcoverde, MSc, arcoverde@furb.br
  • Mercedes Gabriela Ratto Reiter, Dr(a), mercedes@furb.br

Universidade Regional de Blumenau, FURB, Blumenau, Brasil

Palavras-chave: Leite humano., Perdas em BLH., Qualidade.

Nos últimos anos cresceu a demanda de crianças com a necessidade de serem alimentadas pelo leite doado aos Bancos de Leite Humano. Junto com esse aumento surgiu a preocupação pela qualidade do leite processado e oferecido aos recém-nascidos, sejam prematuros ou não. Os neonatos têm baixa resistência às infecções e o consumo de leite contaminado pode ser causa de doenças, por isso a qualidade química e microbiológica do leite materno distribuído pelos BLHs se constitui num importante assunto de saúde pública. As análises realizadas pelo BLH de Blumenau são: determinação de coliformes totais, verificação de embalagens, determinação de acidez Dornic, e verificação de sujidades. O conteúdo dos frascos reprovados nas análises não pode ser distribuído às crianças e é desprezado como lixo hospitalar. Desta forma, as análises do controle de qualidade além de seguras a ponto de garantir um produto inócuo, devem ser realizadas de maneira eficaz, a fim de evitar o desprezo desnecessário de leite humano, visto que a demanda pelo produto têm aumentado e a quantidade de doações nem sempre é alta. Este trabalho teve como objetivo registrar e avaliar as perdas de leite materno doado ao Banco de Leite Humano de Blumenau, Santa Catarina, Brasil, de acordo com os critérios de seleção. Esta avaliação colabora com o controle de qualidade realizado no BLH de Blumenau, reduzindo o desperdício de leite humano e distribuindo um produto com qualidade nutricional, microbiológica, imunológica e físico-química. Foram analisadas todas as amostras de leite rejeitadas pelo controle de qualidade do BLH de Blumenau no período entre maio de 2007 e janeiro de 2008. A avaliação seguiu as Normas Técnicas para Bancos de Leite Humano (FIOCRUZ, 2007), onde determina que a análise das amostras tenha como objetivo detectar alterações que caracterizem o leite humano ordenhado como impróprio para consumo. Os critérios para seleção presentes nesta norma e utilizados neste trabalho foram: a) Verificação da embalagem; b) Verificação de sujidades e c) Determinação de acidez Dornic. Também foram registrados frascos desprezados que não se enquadravam nestes critérios de seleção, como leites que chegaram ao BLH já descongelados, que possuíam mais de 15 dias, que apresentaram aspecto duvidoso em relação à sua textura e odor e que apresentaram resultado positivo para cultura de coliformes totais e repique. Alguns frascos foram desprezados como “sobras de leite”, resultantes da calibração com leites de outros frascos. A preocupação em oferecer leite materno com qualidade e perfeitas condições organolépticas e higiênico-sanitárias da equipe de pesquisa de qualidade de Leite Materno da FURB, da Universidad Cardenal Herrera-CEU (Espanha) e dos profissionais do BLH, com os quais é realizada importante parceria, justifica esta pesquisa. Este trabalho encontra-se dentro da linha de pesquisa de Qualidade de Leite Materno e dará continuidade ao projeto “Leite Materno em Banco de Leite Humano: Qualidade e segurança Alimentar” aprovado no Edital da Saúde 03/2004 – Gestão Compartilhada em Saúde pelo Ministério da Saúde/CNPq/SES-SC/FAPESC que financia a aquisição de equipamentos, materiais e reagentes, mas não inclui bolsistas. Os incentivos ao bolsista foram concedidos pelo programa PIPe/Artigo 170.

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TECNOLÓGICO E AMBIENTAL DE BANCOS DE JARDIM E DE REVESTIMENTOS DE PISOS CONSTRUÍDOS COM PLACAS FABRICADAS A PARTIR DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA INDÚSTRIA DE PAPEL RECICLADO.

  • Jaqueline Lira, Graduando, jaquelira@yahoo.com.br
  • Ivone Gohr Pinheiro, Dr(a), rea@furb.br

Universidade Regional de Blumenau, FURB, Blumenau, Brasil

Palavras-chave: Desempenho tecnológico., Desempenho ambiental., Resíduos sólidos.

A proposta do projeto partido da dissertação de Márcio Pelegrini a qual teve como objetivo geral a utilização de resíduos da indústria de papel reciclado. Resíduos antes destinados a aterros sanitários que agora servem como matéria prima para a fabricação de placas. O projeto tem a finalidade de validar ou não a utilização dessas placas como bancos de jardins e revestimentos de pisos. Foi necessário analisar a resposta do material nas aplicações no que diz respeito à lixiviação de elementos ou substâncias constituintes do resíduo sólido industrial, a durabilidade do material fabricado com os resíduos sólidos nas aplicações propostas, diagnosticar a aceitação por parte dos usuários do material nas duas aplicações. Para esta finalidade, foram estruturados dois bancos da universidade para a aplicação das placas e colocados dois revestimentos de pisos em pontos estratégicos. Este projeto traz importantes benefícios ambientais já que seu resíduo é de difícil degradação. As respostas obtidas no decorrer do projeto servirão para destinar outros trabalhos acadêmicos tendo como objetivo encontrar melhores aplicações para as placas de acordo com as suas características estudadas. Este projeto esta sendo financiado pelo PIBIC/CNPq.

AVALIAÇÃO DOS PROJETOS DE ENSINO VOLTADOS A MELHORIA DO APRENDIZADO DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

  • Lígia Liani Barz, Dr(a), dma2llb@joinville.udesc.br
  • Thalita Batista Pahl, Graduando, talita.pahl@udesc.com.br
  • Marnei Luis Mandler, Graduando, marnei@udesc.com.br
  • Luiz Ricardo Lima, Graduando, luiz.ricardo@udesc.com.br
  • Elisa Henning, Graduando, elisa@udesc.com.br

Universidade do Estado de Santa Catarina, UDESC, Florianópolis, Brasil

Palavras-chave: ensino-aprendizagem, avaliação, matemática

As disciplinas de Cálculo e Álgebra são consideradas de formação básica nos cursos de graduação das engenharias, devido à importância dos conceitos destas para o ciclo profissionalizante. No Centro de Ciências Tecnológicas da Universidade do Estado de Santa Catarina – CCT/UDESC, foram implementados dois projetos de ensino visando melhorar o processo de ensino-aprendizagem destas disciplinas. O primeiro consiste no curso denominado “Matemática Básica”. Este é oferecido aos acadêmicos ingressantes nas duas semanas que antecedem o início das aulas. O segundo projeto prevê conteúdos unificados e as avaliações conjuntas nas disciplinas de Álgebra e Cálculo. Este trabalho teve como objetivo a avaliação da eficácia destes projetos de ensino. A relevância desta ação reside na importância que o embasamento matemático representa para os acadêmicos. O curso de Matemática Básica tem como foco revisar os conteúdos básicos de matemática do ensino médio com o objetivo de preparar o acadêmico para as disciplinas de Cálculo e Álgebra. São aplicadas duas provas uma no início, para verificar o nível de conhecimento da turma e outra no final do curso, cuja nota corresponde a um acréscimo de até 3,0 pontos na primeira avaliação, tanto de Cálculo 1 como de Álgebra 1. Para análise do aproveitamento dos alunos no curso de matemática básica, foi feita a comparação das notas das provas iniciais e finais utilizando-se o teste Wilcoxon para amostras pareadas. Analisou-se também o impacto do curso no desempenho dos alunos em Cálculo 1 e Álgebra 1. Para tal, foram calculados os coeficientes de correlação linear entre as notas de Matemática Básica e das primeiras provas destas disciplinas. Foi possível comparar as notas dos alunos em Álgebra 1 e Cálculo 1 que fizeram o curso com um grupo que não fez, ou seja, os ingressantes de chamadas posteriores. Utilizou-se o teste de Wilcoxon, para amostras independentes. Para os testes, o nível de significância considerado foi de 5%. Como complementação, através de um questionário aplicado, procurou-se avaliar a satisfação dos alunos com o curso e também descobrir quais dos conteúdos vistos eram inteiramente novos para eles. Um total de 254 alunos ingressantes nos dois semestres de 2007 fez parte desta análise. Os resultados parciais mostram que as notas da prova final são significativamente superiores as da prova inicial, indicando uma melhora. Todavia o curso de Matemática Básica não influi significativamente no desempenho em Álgebra. Há alguma influência no desempenho de Cálculo. Observou-se que as notas dos alunos ingressantes no segundo semestre, que participaram do curso de Matemática Básica, são superiores as notas dos que não participaram. Os alunos demonstraram estar satisfeitos com o curso, de acordo com o questionário aplicado. A didática e a interação professor-aluno tem relação positiva com a satisfação deste. Verificou-se que para muitos alunos, o curso não foi de revisão e sim de aprendizagem. Como continuidade da ação, estão sendo avaliados o projeto de ensino de Álgebra e Cálculo e uma reformulação do curso de Matemática Básica.

AVALIAÇÃO E CONTROLE DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO RUÍDO EM UMA FUNDIÇÃO DE JOINVILLE

  • Sérgio Perin Júnior, Graduando, oispj@hotmail.com
  • Julio Miranda Pureza, Dr(a), pureza@joinville.udesc.br
  • Gustavo Baron, Graduando, gustavobaron@bol.com.br

Universidade do Estado de Santa Catarina, UDESC, Florianópolis, Brasil

Palavras-chave: ruído, sáude do trabalhador, nível sonoro

O município de Joinville concentra o maior produto interno bruto do estado de Santa Catarina e grande parte da atividade industrial, com destaque para os setores metal-mecânico, têxtil, plástico, metalúrgico, químico e farmacêutico. Tais atividades expõem os trabalhadores a riscos relevantes, que se agravam com as demandas por maior produtividade e menores custos como condições essenciais para a competitividade das empresas em um ambiente globalizado. As empresas de menor porte encontram grandes dificuldades para enfrentar tal situação em função dos custos envolvidos no trabalho e na falta de conhecimento técnico específico. Este trabalho visa avaliar o nível de ruído que os funcionários de uma fundição estão expostos durante sua jornada de serviço. Neste contexto, acadêmicos do curso de Engenharia Mecânica da UDESC acompanhados do corpo técnico do Centro de Referência em Saúde do Trabalhador da Macro-região de Joinville – CEREST fizeram as medições e através dos resultados encontrados, conceberam um conjunto de ações de controle do nível sonoro que proporcionem um melhor ambiente de trabalho. As medidas permitiram identificar a exposição dos funcionários a índices elevados de ruído gerados pelas atividades desenvolvidas na empresa. No entanto, a análise das fontes mostrou que alguns poucos equipamentos e atividades representam pontos críticos para o problema, ao passo que outras atividades geram ruído na faixa aceitável para a exposição permanete dos presentes no local. Assim, a proposta elaborada pela equipe é de isolamento das seções críticas e a utilização de equipamentos mais robustos e procedimentos que minimizem a exposição dos funcionários envolvidos. Para as outras atividades não se propõe alterações no lay out, mas apenas ações de treinamento dos funcionários para o uso correto dos equipamentos de proteção. A mesma atividade vem sendo desenvolvida pela equipe de trabalho em outras empresas do setor com resultados semelhantes. Tal ação é um trabalho de parceria entre o Departamento de Engenharia Mecânica da UDESC e o Centro de Referência em Saúde do Trabalhador – CEREST de Joinville. O CEREST forneceu os equipamentos de medição dos níveis de ruído e os conhecimentos associados à exposição humana à ruídos, bem como estabeleceu os contactos com as fundições avaliadas, em um contexto de cooperação e busca da melhoria das condições de trabalho das pessoas. A UDESC, por sua vez, participa do trabalho com os estudantes, que são bolsistas de extensão e trabalho da instituição e com os conhecimentos associados à análise dos processos produtivos e das ações corretivas. Tal situação expõe a complementaridade que existe entre as instituições, que deve ser utilizada no desenvolvimento de ações interdisciplinares de extensão. Esta ação faz parte de um programa mais amplo que inclui a realização de cursos de educação continuada para profissionais da indústria e há uma expectativa de manutenção e ampliação das ações no próximo exercício.

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: UM CAMINHO PRA A REESTRUTURAÇÃO

  • Antonia Angelina Basanella Utzig, G, toninha1970@hotmail.com

Universidade Regional de Blumenau, FURB, Blumenau, Brasil

Palavras-chave: Avaliação institucional., Sistema ACAFE., SINAES.

O presente trabalho apresenta a pesquisa que tem como recorte as instituições de Ensino Superior do estado de Santa Catarina, propriamente as Integrantes da Associação Catarinense das Fundações Educacionais (ACAFE). Tendo como objetivo geral de pesquisa verificar os impactos proporcionados pela Avaliação Institucional, doravante AI, nas Instituições de Ensino Superior (IES) de Santa Catarina após a implantação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES). A melhoria contínua da qualidade é um dos fatores chaves para a sobrevivência organizacional no ambiente atual, cada vez mais dinâmico e competitivo. A importância de se discutir AI justifica-se através dos trabalhos escritos por estudantes na forma de Trabalhos de Conclusão de Curso, Dissertações, Teses de Doutorado, livros e inúmeros artigos publicados eletronicamente ou não, cada qual em uma vertente, em uma gama de focos diversificados. Essa pesquisa se diferencia das demais por estudar os impactos que o SINAES proporcionou nas IES. Impactos estes que podem oscilar entre positivos e negativos, mas que de forma alguma podem ser desconsiderados. O universo pesquisado foi formado por quinze instituições que compõem o Sistema ACAFE e a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Os sujeitos sociais da pesquisa serão os profissionais responsáveis pela administração destas instituições, ou seja, os reitores, vice-reitores, presidentes, diretores e outras denominações, conforme a IES, não menos significativas serão as entrevistas realizadas com as equipes gestoras das comissões internas de avaliação, com também será efetuada visita em loco nas universidades, entrevistas, bem como análise documental e levantamento bibliográficos. Essa pesquisa terá como aporte teórico autores José Dias Sobrinho, Dilvo Ivo Ristoff, Fernando Haddad, Isaura Belloni entre outros que serão convidados a participar dessa reflexão. Conforme as diretrizes do SINAES a Al é um instrumento que tem como finalidade a qualidade do ensino, traduzindo com clareza seus compromissos com a sociedade brasileira. A seguinte pesquisa contribuirá principalmente para as IES investigadas, como respaldo para tomada de decisão em prol de benefícios próprios e sociais. A Avaliação Institucional propicia um excelente embasamento para o planejamento, fazendo com que a IES busque novas formas de implementar as mudanças que se façam necessárias. A originalidade ou relevância aqui pretendida é a de recuperar importantes contribuições dos autores que integrarão o cabedal teórico que servirá de suporte a produzir um instrumento que venha contribuir para uma reflexão que acrescente resultados que gerem qualidade na Educação brasileira. Trabalhamos com a idéia de que a avaliação deve ser um processo permanente e não espasmódico, e a publicidade compromisso com a formação, na medida em que não adianta produzirmos muitos resultados, muitos dados e não darmos sentido a esses dados, para transformá-los em informações úteis para fins gerenciais e pedagógicos, de forma a produzirmos novas perspectivas de gestão educacional, principalmente no que concerne a avaliação Institucional.

BALNEÁRIO CAMBORIÚ QUEM GOSTA CUIDA – DOUTORES DA BELEZA

  • Ana Paula Pelágio Pujol , E, anapaulapujol@univali.br
  • Juliana Cristina Gallas, MSc, gallas@univali.br
  • Fabiana Thives, MSc, fathives@univali.br
  • Denize Abreu, Graduando, denizeabreu@univali.br

Universidade do Vale do Itajaí, UNIVALI, Itajaí, Brasil

Palavras-chave: trabalho social , voluntariado, beleza e estética

A motivação por valores ligados a responsabilidade social tem-se destacado nos últimos anos por muito empresas preocupadas com o desenvolvimento social e político da humanidade, através dos aspectos relacionados a caridade, compaixão e amor ao próximo, inicia-se um espaço para a inclusão de valores como cidadania e participação responsável, consciente e comprometida com a comunidade, tanto dos indivíduos como das instituições. O projeto “Doutores da Beleza: inserção da beleza e estética no âmbito social” tem o objetivo promover ações voluntárias por professores e acadêmicos do Curso Superior de Tecnologia em Cosmetologia e Estética da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) em instituições carentes: asilos, creches, orfanatos, escolas municipais e estaduais em Balneário Camboriú no Estado de Santa Catarina, desenvolvendo e ensinando atividades de corte e penteado de cabelo, unhas artísticas e maquilagens em crianças, adolescentes e idosos. Para tanto estes trabalhos foram organizados a partir de cronograma de atividades fixas para cada instituição atendida, onde cada uma delas apresentava necessidades distintas, sendo que o projeto possibilitou atender as demandas solicitadas. O Curso Superior de Tecnologia em Cosmetologia e Estética, através dos “Doutores da Beleza” desenvolveu desde março de 2007, ações promovendo resultados positivos tanto para o meio universitário quanto para a comunidade beneficiada, visto que o projeto se destaca na busca continuada da melhoria das condições de vida das crianças e adolescentes internadas em orfanatos e da população idosa residente em asilo.

Apoio / Parcerias: Goreti Shopping da Beleza e Payot

BAÚ CULTURAL: A CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS E OUTRAS ATIVIDADES PARA INSERÇÃO DA TEMÁTICA INDÍGENA E AFRICANA/AFRO-BRASILEIRA NA SALA DE AULA

  • Miriam de Cássia do Carmo Mascarenhas Mattos, Graduando, miriammattos@gmail.com
  • Paulino de Jesus Francisco Cardoso, Dr(a), paulino@udesc.br
  • Virginia Boff, Graduando, virggginia@udesc.br
  • Mariana Jucá de Mello, Graduando, marianaa@udesc.br

Universidade do Estado de Santa Catarina, UDESC, Florianópolis, Brasil

Palavras-chave: Educação e diversidade, Visibilidade, cultural Literatura e Memória

O presente projeto é desdobramento das nossas atividades de extensão no Programa Memorial Antonieta de Barros, que tornou-se um centro de referência sobre a temática das populações de origem africana e nos últimos dois anos integrando as populações indígenas, recebendo ao longo dos seis de existência apoio de vários parceiros e atendendo pesquisadores, docentes e discentes de diferentes sistemas de ensino. Participamos do Núcleo de Educação Indígena da Secretaria de Estado da Educação e de órgãos institucionais relacionados às discussões sobre visibilidade das populações africanas e afro-brasileiras. Também auxiliamos, inclusive, na formação de vários NEAB's pelo Brasil - o que, por dever de ofício, nos estimulou a propor uma nova maneira de interagir com as escolas procurando dar visibilidade aos conhecimentos e às culturas indígenas e africanas / afrodescendentes. As histórias são um excelente instrumento de sensibilização para a questão da diversidade cultural. Pois elas possuem um grande poder de transformação dentro de quem as escuta. Muitas sociedades africanas preservaram em grande parte a oralidade como forma de transmissão de conhecimento. É contando e recontando histórias que se pode trabalhar à linguagem e o pensamento com as crianças, estimulando e abordando de forma lúdica e educativa a criatividade e imaginação. Essa proposta também vem contribuir com a implementação da Lei 10639/03, que estabelece a obrigatoriedade do ensino de história e cultura africana e afro-brasileira nas escolas brasileiras. Essa interação buscasse através da contação de histórias e dinâmicas como elaboração de materiais para a inserção da temática em escolas da rede pública municipal e estadual de educação. A proposta da contação de histórias envolve a participação de diferentes elementos culturais e históricos das populações indígenas e africanas que serão incorporados através de literatura adequada e envolvimento de crianças e professores (público alvo), no intuito de consolidar políticas públicas de promoção da igualdade, valorização da diversidade cultural e desenvolvimento das populações de origem africana e indígena. Outros objetivos são apontados no projeto como: desenvolver com as crianças e os/as professores/as questões sobre diversidade cultural, despertando-as para o conhecimento e a interação com as práticas culturais e africanas / afro-brasileiras; despertar para o ambiente da escola o convívio com as diferenças culturais e trabalhar com a riqueza da diversidade; promover discussões, nas áreas de geografia, história, sociologia, educação artística e estudos religiosos através de uma atividade instigante e agradável; estimular a criatividade e imaginação, com atividades de contação de histórias pelas crianças a partir de objetos africanos/afro-brasileiros tirados do baú; estimular a análise da importância das histórias para a cultura de um povo e a crítica individual ao etnocentrismo.

BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS POR INCAPACIDADE E O “SISTEMA DATA CERTA”.

  • Karine dos Santos, Graduando, proinpes@unerj.br
  • Lisandra Cristina Wendland, Graduando, lisandra@prsc.mpf.gov.br
  • Guilherme Marques Fogaça, E, gmfogaca@unerj.br

Centro Universitário Católica de Santa Catarina, PUC, Jaraguá do Sul, Brasil

Palavras-chave: Previdência social, Benefícios por incapacidade, Sistema Data Certa

O Direito à proteção social do trabalhador surgiu com a crescente discussão sobre as reais funções do Estado. Assim, consagrou-se a idéia de seguro social baseado no desejo dos homens em ter garantida a proteção quanto aos riscos comuns da vida. Apenas com o desenvolvimento da sociedade industrial que se obteve um respaldo maior no tocante a proteção social dos riscos de trabalho, reconhecendo-se que a sociedade deve ser justa e solidária com os incapacitados. Assim, a presente pesquisa iniciou-se a luz dá Seguridade Social e dos princípios que a cercam desde sua origem, cujo sistema tem previsão constitucional no art.194 da Constituição Federal de 1988. A previdência social é o ramo de atuação Estatal que visa a proteção do indivíduo que exerce atividade laborativa remunerada, protegendo-o dos riscos decorrentes da perda ou redução permanente ou temporária das condições de obter seu próprio sustento. A presente pesquisa tem por escopo à análise dos benefícios por incapacidade, quais sejam, auxílio-doença, aposentadoria por invalidez e auxílio-acidente. Tais benefícios são devidos aos segurados que venham a perder ou reduzir a capacidade laborativa. O trabalho foi realizado através da análise preponderantemente descritiva, observando-se para tal o método indutivo. O método foi operacionalizado com as técnicas da categoria, utilizando pesquisa bibliográfica, doutrinária e jurisprudencial. Após a identificação dos benefícios mencionados, examinou-se o momento do início, suspensão, extinção de cada qual, bem como a renda mensal e possibilidades de reabilitação profissional, tendo em visa que tais benefícios não são permanentes, podendo ao longo do tempo serem cessados em razão da recuperação da capacidade laboral. Em tópico avançado, analisou-se os critérios utilizados pelo INSS na concessão e manutenção dos benefícios, em especial, o programa COPES – Cobertura Previdenciária Estimada – mais conhecido como “alta programada” ou “sistema data certa”. Esse programa foi criado em 09/08/2005 e permite que o auxílio-doença seja concedido com prazo determinado para a cessação, sendo sua eficácia duvidosa, pois o cancelamento do benefício com o segurado ainda incapacitado pode gerar um aumento nas demandas judiciais, bem como, deixar o Estado de atender a um dos fins da Seguridade Social, qual seja, proteção aos riscos decorrentes da perda ou redução das condições do segurado obter seu próprio sustento, deixando o Estado de proteger o indivíduo quando ele mais precisa. Sob esse prisma, a pesquisa serviu para identificar se o novo sistema utilizado pelo INSS é eficaz e quais parâmetros legais são utilizados, bem como, se estão adequadas às avaliações por parte da Autarquia quanto ao indeferimento e cessação destes benefícios.

BLOGS E O LETRAMENTO DE ADOLESCENTES COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS.

  • Carla Roberta Blank, Graduando, proinpes@unerj.br
  • Ilvete Londero Beltrame, Graduando, ilveteb@unerj.br
  • Suely Scherer, Dr(a), suely@unerj.br

Centro Universitário Católica de Santa Catarina, PUC, Jaraguá do Sul, Brasil

Palavras-chave: Blogs, Letramento, Necessidades Educacionais Especiais

em Educação Especial/Associação de Pais e Amigos do Excepcional (CAESP/APAE) de Jaraguá do Sul – SC, em que foram implementadas ações que favorecessem o processo de letramento dos sujeitos, usando blogs. O objetivo foi o de identificar e analisar as contribuições do uso de blogs no letramento de adolescentes com necessidades educacionais especiais. O que se percebeu é que o uso de blogs, articulado com linguagens como a oral, a escrita, a sonora e a iconográfica, contribuiu com o processo de letramento dos sujeitos e com o desenvolvimento da autonomia ao usarem a escrita para se comunicarem presencial e virtualmente. Também perceberam-se avanços nos processos colaborativos entre os sujeitos ao buscarem soluções aos problemas que surgiam ao longo do processo.

CAPACITAÇAO DO PROFESSOR ON-LINE NA UNISUL VIRTUAL

  • Elaine Cristiane Surian, Graduando, elaine.surian@unisul.br
  • Simone Andréa de Castilho, G, simone.castilho@unisul.br

Universidade do Sul de Santa Catarina, UNISUL, Tubarão, Brasil

Palavras-chave: Capacitação, Professor on-line, Educação a distância

em EaD. A equipe de trabalho da Unisul Virtual atua integrada à estrutura da instituição. Para a realização de suas ações, utiliza e desenvolve tendências atuais na área de EaD. Neste contexto, emprega modernas tecnologias, produz e adapta materiais didáticos nas mais variadas mídias e capacita educadores e profissionais que unem formação acadêmica de alto nível com vasta experiência prática. Neste sentido, surge a preocupação de promover uma capacitação capaz de ultrapassar o conhecimento da linguagem computacional, no intuito de conduzir o educador para o entendimento dos conceitos e das relações envolvidas na atividade de descoberta, construção e comunicação, assim como, oportunizar a compreensão das competências cognitivas envolvidas no processo de utilização dos recursos tecnológicos com finalidades educacionais. Visando ao atendimento dessas necessidades de capacitação docente, criou-se uma estrutura organizacional que pudesse assessorar os profissionais da EaD. Esta estrutura é composta pela equipe didático-pedagógica, em que destacamos a Equipe de Capacitação e Assessoria ao Docente – CAD –que capacita, orienta e assessora os professores por acompanhamentos quantitativos e qualitativos que visam à contínua qualidade no processo ensino-aprendizagem, mantendo a qualidade no atendimento aos alunos da Unisul Virtual.

Capacitação de comunidades rurais quanto a Influência das condições ambientais e de trabalho sobre a saúde de trabalhador: Contribuições para o estudo epidemiológico dos agravos relacionados à saúde dos trabalhadores rurais do município de Joinville, SC

  • Bianca Goulart de Oliveira, Graduando, bianca.goulart@univille.net
  • Virgínia Grace Barros, Dr(a), extensaouniversitaria@univille.br

Universidade da Região de Joinville, UNIVILLE, Joinville

Palavras-chave: agrotóxicos, trabalhadores rurais, equipamentos de proteção individual

O baixo custo e acesso irrestrito garantem ao Brasil o segundo lugar no ranking mundial de consumo de agrotóxicos no mundo (Ministério da Saúde – MS, 2006). Seu uso indiscriminado contamina os trabalhadores que manejam os insumos agrícolas, além do solo, da água e de alimentos como carne, leite, verduras e cereais. Com o apoio do Programa de Saúde da Família (PSF), e Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (CEREST) buscou-se um meio para se conhecer a população trabalhadora rural do município de Joinville. O projeto teve como objetivo geral capacitar as comunidades rurais de Joinville quanto à influência das condições ambientais e de trabalho sobre a saúde de trabalhador e quanto ao uso indevido dos agrotóxicos, bem como o uso de equipamentos de proteção individual. Através da interdisciplinaredade, os acadêmicos do curso de engenharia ambiental, os médicos os e enfermeiros do CEREST, e os agentes comunitários dos PSF, trabalharam juntos às comunidades rurais do município prestando serviços informando e educando sobre saúde e meio ambiente, e ao mesmo tempo realizando uma capacitação dos agricultores quanto ao uso dos agrotóxicos e equipamentos de proteção individual (EPI). Para se conhecer a realidade dos agricultores, foram feitos questionários, resultando num total de 162 famílias. As regiões pesquisadas foram: Pirabeiraba, Vila Nova, Rio Bonito, Rio da Prata, Anaburgo e Canela. A partir da análise das respostas dos questionários, foi possível traçar um perfil dos trabalhadores e qual o grau de informação dos entrevistados sobre o assunto para realizar as capacitações. Foram realizados 3 eventos em 3 regiões diferentes Vila Nova, Rio Bonito e Rio da Prata com divulgação junto a rádios, conselhos locais de saúde e associação de moradores. As capacitações ocorreram aos sábados, com palestras, discussões, lanches e gincanas com sorteio de brindes. As palestras tiveram como enfoque principal os resultados dos questionários respondidos fazendo-se uma relação com os efeitos na saúde causados pelos agrotóxicos citados pelos agricultores e o uso correto dos EPI. Outros temas como manuseio, uso adequado e racional dos agrotóxicos, cuidados a serem tomados em caso de intoxicação e meio ambiente também foram amplamente discutidos. Foi desenvolvida e distribuída nos dias dos eventos, uma cartilha sobre venenos naturais propondo uma alternativa aos agrotóxicos. A metodologia aplicada através das capacitações mostrou-se adequada, apresentando uma boa participação do público-alvo envolvido, principalmente mulheres, que demonstraram interesse e nos assuntos discutidos, assim como sugestões para certos problemas. Notou-se também grande sensibilização e conscientização dos agricultores perante os problemas abordados. Este projeto teve como apoio a UNIVILLE e o Centro de Referencia em Saúde do trabalhador – CEREST.

CARACTERIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DE NOVO ADSORVENTE PARA ADSORÇÃO DE CORANTES DE EFLUENTES TÊXTEIS.

  • Letícia Weissenberg, Graduando, leticiaw@pop.com.br
  • José Alexandre Borges Valle, Dr(a), alex@furb.br

Universidade Regional de Blumenau, FURB, Blumenau, Brasil

Palavras-chave: Adsorção., Corante reativo., Cinética de adsorção.

Este trabalho tem como objetivo geral desenvolver um novo adsorvente a partir do lodo residual do efluente da indústria têxtil e avaliar o processo de adsorção de corantes têxteis reativos presentes em efluentes sintetizados. O lodo “in natura” passou inicialmente por um processo de ativação térmica seguida de uma ativação química com ácido acético, tornando-se um adsorvente com alta capacidade de adsorção podendo ser comparado a carvões ativados já comercializados. Foram obtidas cinéticas e isotermas de adsorção em batelada para os corantes reativos RR2, RR141 e ROB16 variando-se a temperatura em 25, 40 e 60°C e presença ou não de sais à solução (1, 5 e 10% m:m). Os ensaios cinéticos foram conduzidos em batelada onde se adicionou 1g de adsorvente (lodo residual ativado termicamente e quimicamente) a 100 mL de solução contendo o adsorbato (corante). O tempo de equilíbrio foi obtido mediante ensaios cinéticos e este tempo foi fixado para a realização dos ensaios de equilíbrio (isotermas). Os ensaios de equilíbrio foram conduzidos em batelada onde 1g de adsorvente foi adicionado à erlenmeyers contendo 100 mL de solução com diferentes concentrações de adsorbato. Dos ensaios de equilíbrio foi possível a determinação do parâmetro qmáx [capacidade máxima de adsorção (mg/g)] obtido mediante ajuste dos dados experimentais pela isoterma de Langmuir. Este trabalho teve como finalidade a remoção de cor de efluentes têxteis, pois não há um processo simples capaz de possibilitar adequada mineralização dos efluentes coloridos. Por terem origem sintética e estruturas moleculares aromáticas complexas, estes corantes se tornam mais estáveis abaixo das condições ambientais como, luz, pH e ataque microbiológico e têm maior dificuldade de biodegradação. As técnicas de adsorção têm se baseado na remoção do corante através da passagem da amostra em carvão ativo, sílica gel, bauxita, resinas de troca-iônica, derivados de celulose, entre outros. Vários materiais sólidos residuais de diferentes indústrias como cinzas de fundo, lodo, lamas vermelhas, “fly ashes” e lodo de fornalha de explosão, têm sido investigados na remoção de materiais tóxicos da água. Neste contexto, o presente trabalho visa o desenvolvimento de um adsorvente a partir de lodo residual de efluente têxtil para remoção de corantes. Este trabalho tem grande importância ambiental e servirá como base para futuras pesquisas da área onde o adsorvente poderá ser útil na adsorção de outras classes de corante bem como seu uso em colunas de leito fixo e possíveis ensaios de dessorção e ciclos de reuso. Este projeto está sendo financiado pela agência de fomento PIBIC/FURB.

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-MECÂNICA DE UM NITOSSOLO SOB DIFERENTES SISTEMAS DE USO

  • Márcio Luis Vieira, MSc, mluisv@unoescsmo.edu.br
  • Claudia Klein, Graduando, claudiaklein@smo.com.br
  • Carla Cristina Soldá, Graduando, carlasolda@yahoo.com.br

Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC, Joaçaba, Brasil

Palavras-chave: Conservação do solo, Propriedades físicas, Plantio direto

A qualidade físico-mecânica do solo é fundamental para a produção de alimentos e um manejo inadequado leva a perda de sustentabilidade e redução nos índices de produtividade. No Oeste Catarinense praticamente não existem estudos que tenham por objetivo dimensionar os problemas que ocorrem em áreas agrícolas devido a alterações das características originais dos solos desta região. Portanto, é de suma importância trabalhos que possibilitem uma caracterização destes solos para que se possa futuramente, definir estratégias corretas de uso e manejo para estas áreas, e assim determinar o possível efeito destas práticas na estrutura do solo e conseqüentemente para o desenvolvimento das plantas. O objetivo deste estudo foi quantificar as propriedades físico-mecânicas de um Nitossolo em diferentes sistemas de uso. O ensaio foi realizado na área experimental da Universidade do Oeste de Santa Catarina, no município de São José do Cedro (SC). O manejo plantio direto está instalado na área há dois anos e a área testemunha caracteriza-se por mata nativa da região. O delineamento constitui-se de faixas, com parcelas subdivididas, sendo estas respectivamente as profundidades de coleta 2,5; 7,5; 12,5 e 17,5cm. Avaliou-se: a granulometria do solo, a densidade do solo e dos sólidos, a consistência do solo através de seus limites de plasticidade e liquidez, a porosidade total e suas frações, a densidade máxima do solo e a umidade ótima para compactação, a densidade relativa do solo e a resistência a penetração na capacidade de campo e no ponto de murcha permanente. Os resultados indicaram resistência mecânica à penetração do solo na capacidade de campo e no ponto de murcha permanente aumentou com a adoção do plantio direto (PD), o limite de plasticidade e a densidade relativa não foram afetados pelos sistemas de manejo avaliados e aumentou a densidade do solo, o limite de liquidez e o índice de plasticidade, dois anos após o preparo, comprovando que ocorrem alterações para estas propriedades do solo. A umidade ótima de compactação para um NITOSSOLO na condição de Mata é de 0,21 kg.kg-1 e no PD ela passa a 0,32 kg.kg-1 e a densidade máxima de compactação passa de 1,20 g.cm-3 para 1,35 g.cm-3 no PD. A porosidade total no solo sob PD diminui se comparado a mata, aumentando o volume de água indisponível às plantas. Os dados originados serão utilizados para possibilitar o desenvolvimento de cursos de extensão universitária, direcionados aos assistentes técnicos regionais na área da Agronomia, visando à tomada de decisão em relação ao correto manejo e uso do solo no Oeste Catarinense, e conseqüentemente proporcionar uma melhoria na rentabilidade econômica das propriedades rurais da região.

Apoio / Parcerias: Fape; Unoesc-SMO; Art. 170 CE-SC

CENÁRIOS DE FORMAÇÃO DOCENTE E IDEÁRIOS PEDAGÓGICOS

  • Julice Dias, MSc, judias@furb.br

Universidade Regional de Blumenau, FURB, Blumenau, Brasil

Palavras-chave: Cadeias ritualísticas de interação., Docente., Formação.

O presente trabalho trata do processo de formação continuada docente em serviço, desenvolvido pela Universidade Regional de Blumenau, através da Pró-Reitoria de Ensino, desde 2003. O estudo desenvolvido, cujo núcleo consiste na análise de narrativas de professores em formação, tem como objetivo cartografar os sentimentos de pertença e as práticas culturais que constituem o habitus docente no âmbito da Universidade. Sua relevância para o contexto do Ensino Superior assenta-se na possibilidade de representar os símbolos e práticas culturais adotados pelos docentes na representação da auto-imagem professor em cenários institucionais universitários. A formação docente no âmbito do Ensino Superior tem sido problemática de estudos recentes, quando trata-se da literatura educacional. Tal problemática acentua-se na atual configuração social das políticas de internacionalização, que mascaradamente tomam a educação de modo geral, e a educação superior de modo particular, como alvo do aligeiramento dos processos formativos e a superficialidade da produção do conhecimento. No estudo, desenhamos uma moldura sócio-política-cultural necessária para a interpretação dos modos de sentir, pensar e agir diante da função docente na Universidade. Tentamos montar um complexo mapa conceitual dessas manifestações em mapas conceituais, como facilitadores para compreensão das práticas culturais engendradas na Universidade. Para tanto, utilizamos como aporte conceitual a sociologia de Norbert Elias e de Randal Collins. Nas instituições universitárias são desenhados cenários constitutivos em cadeias ritualísticas de interação, notadamente pelos professores no cotidiano institucional. Neste trabalho exploramos os cenários do cotidiano institucional da formação docente, representando simbolicamente por mapas conceituais, os conceitos que engendram a auto-imagem dos professores nas relações com o saber em processos de formação em serviço. Os ideários pedagógicos que constituem a auto-imagem docente são manifestos em modos de sentir, pensar e agir diante do cenário do Ensino Superior. Analisando sociologicamente estes ideários, descrevemos no estudo uma série de códigos culturais que, emaranhados, constituem a tensão do fazer cotidiano docente na Universidade. A análise é feita a partir de registros sistemáticos de narrativas de professores universitários em processos de formação em serviço e mostra regularidades nos modos de sentir, pensar e agir no cotidiano da Universidade, além de constituir banco de dados para os processos subseqüentes para a formação em serviço ofertada pela Universidade. Nesse cenário, nos deparamos com uma teia difusa de relações com o saber, com a instituição e com os atores que a constituem, o que permite identificar tanto univocidade quanto multiplicidade de vozes sobre o contexto do Ensino Superior. O estudo apresenta possibilidades e limites no campo da formação continuada docente.

Cidadania e Escolaridade, uma visão do novo tempo

  • Vanilda Maria Antunes Berti, MSc, vanildamaberti@yahoo.com.br
  • Rosane Deoclésia Aléssio Dal Toé, MSc, rda@unesc.net

Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, Criciúma, Brasil

Palavras-chave: Aluno, Professor, Cidadania

O presente artigo tem como objetivo promover um questionamento sobre a contribuição da escola e a cidadania, tendo em visto as questões sócio-culturais, econômicas e políticas desse novo século. Ao entrar na escola o indivíduo traz consigo valores, atitudes, princípios adquiridos na sua comunidade e no decorrer da sua existência, porém, sabe-se que cada um deles que lá chegam divergem na maioria de suas crenças. Neste momento, cabe, portanto, ao professor na visão de Saviani, adotar uma prática no processo de ensino e aprendizagem, na teoria pedagógica histórico-crítica, onde o saber objetivo do aluno se converte em saber escolar, contribuindo dessa forma, em uma transformação dos saberes a caminho da cidadania. Para o uso dessa concepção, o professor deve ter um planejamento mais flexível, tendo em vista uma maior interação junto ao grupo. Não se pode esquecer, também, da trajetória cultural do professor, uma vez que ao expor suas experiências, demonstra a implicação da cidadania presente no cotidiano de ambos, desenvolvendo, portanto, ações norteadoras comprometidas com a discriminação social. Este artigo, decorrente da educação nas últimas décadas estar atrelada a superação de paradigmas conservadores da educação, busca, contudo, mostrar o compromisso do professor em uma ação pedagógica impregnada pela sensibilidade intuitiva, provocando sonhos e esperança, movidos pela vocação, compromisso social e uma práxis crítica e criativa. Esta parceria professor-aluno deve se estabelecer com vínculos invisíveis, contínuos e producentes para uma formação à cidadania.

CIDADANIA EM AÇÃO.

  • Marisa Tensini Kaufmann, E, proinpes@unerj.br
  • Karina Fiamoncini, Graduando, karinafiamoca_17@hotmail.com
  • Silvia Lovemberger, Graduando, sylvya@unerj.br

Centro Universitário Católica de Santa Catarina, PUC, Jaraguá do Sul, Brasil

Palavras-chave: Ação comunitária, Oficinas, Comunidade

O evento “Cidadania em Ação” é um programa do Centro Universitário de Jaraguá do Sul – UNERJ que tem como meta executar e organizar uma ação comunitária para os bairros, onde o centro se encontra inserido. O programa é desenvolvido pela Coordenação de Pós-Graduação e Extensão e realizado em parceria com secretarias municipais, entidades e empresas, sendo o Serviço Social do Comércio – SESC o maior parceiro. As empresas contribuem com materiais para as oficinas e com a alimentação dos voluntários. As entidades e os acadêmicos dos cursos da UNERJ prestam serviços e o SESC participa com brinquedos, brincadeiras, jogos e oficinas de entretenimento. O evento envolve acadêmicos, professores, funcionários e voluntários doando à comunidade oficinas em várias áreas do conhecimento. Como o compromisso básico do centro universitário é produzir conhecimento e torná-lo acessível a todos, ao realizar o evento “Cidadania em Ação” a universidade busca fazer um trabalho de extensão procurando praticar a inovação e a criatividade com a comunidade. Para tanto, organiza o programa visando estimular na comunidade o desejo de aprender a encontrar no centro universitário conhecimentos já existentes ou novos, para solucionar os problemas cotidianos que a aflige. O evento também prioriza cultivar o trabalho voluntário entre os acadêmicos da Instituição, pois é um grande potencial para criar serviços e desenvolver novas idéias na medida em que os acadêmicos se engajem no programa e passem a conhecer os reais problemas da comunidade. É também um processo contínuo de educação para o desenvolvimento humano e solidário, estimulando acadêmicos e professores a contribuir socialmente na comunidade. O programa “Cidadania em Ação” acontece na UNERJ sempre no mês de maio, num período de 8 horas de trabalho ininterruptas, desde 2004, e vem prestando serviços e exames nas áreas de saúde, educação, beleza, cultura, jurídica e oficinas de artesanato e entretenimento aos moradores das comunidades dos bairros Vila Rau, Água Verde, Estrada Nova, COAB, Nereu Ramos e outras. Em 2008 prestou 13.673 atendimentos para as comunidades presentes ao evento.Trabalharam nesse evento cerca de 205 voluntários, entre acadêmicos, professores, funcionários e pessoas da comunidade. Durante o período das 12h30min às 17h30min foi apresentada uma programação cultural simultânea às oficinas. Segundo pesquisa após o evento, este proporcionou também aos voluntários a vivência de relacionamentos interpessoais, tão importantes para a melhoria da qualidade de vida da população em geral. Por meio do evento “Cidadania em Ação”, o centro universitário justifica sua existência na medida em que estabelece uma relação orgânica e interativa com a comunidade em que está inserido, proporcionando, a ela e a si, melhoria na qualidade do ambiente e de vida.

COLCHA DE RETALHOS ENTREMEANDO HISTÓRIAS

  • Nara Boneti Foresti, MSc, naraboneti@unochapeco.edu.br
  • Sedenir Rommel, Graduando, cede@unochapeco.edu.br

Universidade Comunitária Regional de Chapecó, UNOCHAPECÓ, Chapecó, Brasil

Palavras-chave: literatura oral, memória, idosos

É pensando nos ecos do passado, fragilizados, fragmentados pelo tempo e tartamudeados pelas vozes que os emitem que o Projeto de Extensão Colcha de Retalhos - do Curso de Letras da Unochapecó, através da contação e coleta de histórias populares, trabalha com a Literatura Oral e faz com que idosos que se encontram em grupos ou centros de convivência contribuam com suas próprias histórias. O trabalho desenvolvido pelo projeto durante esses cinco anos remete a um "direito à memória", a um direito do "contar" e do "ouvir" "o silêncio da sabedoria". No entanto, não se trata de retomar essa memória, esse passado ou "eco", como algo estável que pode ser recontado completo e intocado pelo tempo. Trata-se de repensar esse passado como fração, como memória exposta ao esquecimento e a imaginação e que pode ser recomposta, recontada, reescrita e relida pelas novas gerações. Pois, segundo Walter Benjamin, o passado vem até nós como reminiscência, como ruína "que se dispersa a nossos pés". Portanto, a articulação entre esses fragmentos, entre esses "tijolos de demolição", leva-nos a pensar neste passado para entender o presente e construir o futuro. Por isso, o maior objetivo tem sido o de trabalhar a literatura oral com idosos, forma de recompor a memória. Para tanto, os Grupos de Idosos dos Bairros São Pedro, Pinheirinho, Passo dos Fortes, Santa Luzia, Centro de Convivência Companheiro Leão Aurino Mantovani, Grupo de Idosos Amigos do CCI e, por fim, idosos em atividade física, na Unochapecó têm sido atendidos. O projeto Colcha de Retalhos se fundamentou no processo de preservação da memória coletiva e, através da contação e coleta de histórias populares - que são símbolos da reminiscência dos antigos narradores, promoveu a interação dos idosos com a Literatura Oral. Com isso, as vozes de um passado estilhaçado e repleto de "agoras" puderam ser ouvidas por acadêmicos que reproduzirão essas vozes, novamente estilhaçadas por suas próprias memórias, para outros públicos, outras gerações. Para isso, o exercício de ouvir tornou-se a gênese do trabalho. Porque com o advento da modernidade e o surgimento de espaços públicos (em que as pessoas têm oportunidade de se olhar reciprocamente) o olhar sobrepõe o ouvir: pela falta de tempo, pelo fim do tédio (no sentido benjaminiano de ócio) e pela falta de interesse da comunicação e envolvimento com outro. Assim, quando se ouve a afirmação de que não há mais histórias para se contar é porque não há mais quem deseja/tem tempo para ouvi-las. Esse trabalho é a vontade de ouvir e de contar; não só histórias ouvidas, lidas ou vividas, mas também as histórias inventadas. Ao resgatar o depoimento de pessoas mais velhas, ouvir suas vivências, suas culturas, suas narrativas, lembranças, desejos e crenças, o Projeto Colcha de Retalhos tem a força de nos aproximar da "vida concreta e de nós mesmos." As histórias coletadas são contos de assombramento, de santos, de encantamento, adivinhas, quadras, relatos que reunidos formam uma colcha de histórias que deseja acalentar, divertir e atingir as novas gerações.

COMUNICAÇÃO E PODER NO OESTE CATARINENSE: O CASO ATTÍLIO FONTANA

  • Leandro Ramires Comassetto, Dr(a), ramires@unc.br

Universidade do Contestado, UNC, Caçador, Brasil

Palavras-chave: comunicação e política, imprensa e poder, oeste de Santa Catarina

Este artigo discute o uso político da comunicação como fator de consolidação e fortalecimento do sistema agroindustrial no Oeste de Santa Catarina. Parte de uma reflexão histórica sobre a relação da mídia com o poder, relata como os meios de comunicação foram usados em benefício das oligarquias que até fins do século passado se revezavam no comando político estadual e discorre sobre as estruturas de comunicação criadas pelos proprietários das agroindústrias para fins de projeção política e de fortalecimento de seus negócios. A abordagem centra seu foco no caso Attílio Fontana, fundador da empresa Sadia e político de grande influência no cenário estadual na segunda metade do século XX. O uso político dos meios de comunicação confunde-se com a própria história da mídia e, na região em questão, essa relação é ainda mais acentuada. Os estudos a respeito destacam a dominação das elites econômica e política sobre a radiodifusão. Mais especificamente, em se tratando de PSD e UDN, em 1965, das 55 emissoras de rádio existentes no Estado, vinte e nove tinham entre seus sócios políticos estaduais das duas agremiações, e dez delas vinculadas diretamente às famílias Ramos e Konder/Bornhausen. A relação dessas duas oligarquias com o rádio é expressiva. O rádio, no Oeste catarinense, seguiu uma tendência que já se verificava na mídia impressa. Em todos os municípios de maior expressão, exibia-se um jornalismo faccioso, nitidamente partidário, situação que parecia não incomodar seus proprietários. Na terra de Attílio Fontana, antes do rádio, o facciosismo político era extravasado pelos jornais. Mas, como nas demais cidades, UDN e PSD também se dividiam no controle da mídia impressa, travando fervorosos debates, com ofensas pessoais de ambos os lados e ataques à integridade moral, principalmente em períodos eleitorais. O clima de hostilidade entre as oligarquias catarinenses perdurou até 1964, quando o golpe militar uniu suas lideranças, que, ideologicamente nunca foram rivais. Disputavam tão somente a hegemonia do poder político, para a consecução, inclusive, dos interesses dos grupos econômicos que suportavam as agremiações. Só recentemente, na medida em que os centros foram ganhando maior visibilidade, a legislação tornando-se mais severa e a esfera civil mostrando-se mais forte e politicamente influente, alicerçada por anseios democráticos, é que a situação foi aos poucos mudando, permitindo a rápida recuperação do campo social do jornalismo onde a experiência havia sido interrompida ou perturbada pela ditadura. No caso catarinense, o acentuado compromisso comercial de empresas que agora fazem da comunicação o verdadeiro negócio, tornando-se mais dependentes da audiência e da publicidade, faz com que essas, ao menos no campo político, tornem-se mais plurais, abrindo-se às diversas correntes de pensamento e veiculando informações que, ao menos de forma aparente, contemplam o conjunto da sociedade, requisitos fundamentais para a credibilidade, a audiência e a resposta que os meios esperam dos anunciantes.

COMUNICAÇÃO E SAÚDE - MEDICINA E JORNALISMO EM INTERAÇÃO

  • Juceli Morello Lovatto , MSc, juceli@unochapeco.edu.br
  • Mariângela Storniolo Torrecasana, MSc, mariangela@unochapeco.edu.br

Universidade Comunitária Regional de Chapecó, UNOCHAPECÓ, Chapecó, Brasil

Palavras-chave: Medicina, Jornalismo, Interdisciplinaridade

COMUNICAÇÃO E SAÚDE - MEDICINA E JORNALISMO EM INTERAÇÃO

Autores: Juceli Morello Lovatto e Mariângela Storniolo Torrecasana
juceli@unochapeco.edu.br mariangela@unochapeco.edu.br

INTRODUÇÃO: O processo de interação disciplinar na aula universitária tem propiciado muita discussão, com raras efetivações. Decorrente dessa possibilidade interdisciplinar uma experiência mostrou-se muito produtiva: medicina e jornalismo em torno de uma atividade teórico-prática. OBJETIVO: integrar a área da comunicação com a área da saúde envolvendo os cursos de Jornalismo e Medicina. METODOLOGIA:Por meio de atividade planejada e executada em conjunto, as disciplinas de Comunicação em Saúde – SEM III e Radiojornalismo II, foram desenvolvidas, contemplando as seguintes etapas: Discussão teórica referente a temáticas da área de saúde trabalhadas no semestre; discussão teórica sobre os elementos básicos de uma entrevista radiofônica, seu planejamento, produção e execuçao; tradução da linguagem técnica para a linguagem coloquial, transformação da discussão em entrevistas “mesa-redonda” realizadas por acadêmicos de Jornalismo aos acadêmicos de Medicina; registro audiovisual e análise dos questionamentos e textos decorrentes destes, observando-se os elementos verbais e não verbais e a efetivação da mensagem. RESULTADOS: A atividade integrada propiciou uma experiência inovadora nas áreas, saindo-se do tradicional enquadramento disciplinar de cursos e áreas para colocarem-se em situações de responsabilidade do dizer e do fazer ciência e comunicação. Embora simulação de prática comunicativa, o dizer pressupunha conhecimento científico traduzido para a linguagem popular, enquanto que o fazer comunicação pressupunha contemplar questões de interesse público e encadeamento de questionamento e ponderações. Decorrente da atividade tornou-se visível e concreta a importância do espaço comunicativo, do quanto ele pode favorecer na relação médico/paciente e ,ao mesmo tempo, gerou-se uma preocupação não só com a forma de dizer, mas com o que dizer ao entrar em contato com a comunidade. CONSIDERAÇÕES FINAIS: Comunicação e saúde, por ser conteúdo de recente introdução em currículos da área médica ainda carece de teoria e experiências locais, regionais e nacionais. De um lado estão os cursos de comunicação, de outro os cursos de saúde. No entanto, a vulgarização da ciência depende muito da participação dos veículos de comunicação e os profissionais da comunicação necessitam conhecer melhor a área da saúde para servirem como mediadores, tornando a informação técnica mais acessível aos interlocutores. PERSPECTIVA: Continuidade da experiência em 2008 / 02.
PALAVRAS-CHAVE: Medicina, Jornalismo, Interdisciplinaridade

CONGELAMENTO DE SÊMEN OVINO

  • Eduardo Correa Mota, Graduando, eduardomovet@hotmail.com
  • Luis Fabiano Santos da Costa, Dr(a), fabianoc@biorep.ufsm.br
  • Geiser Cristiane Paolazzi, Graduando, ge_gauchona@hotmail.com
  • Luiz Antônio Magnabosco, Graduando, lamagnabosco@hotmail.com
  • Marco Antonio Zart Filho, Graduando, marco@unoesc.edu.br

Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC, Joaçaba, Brasil

Palavras-chave: Congelamento de Sêmen, Ovinos, curva de congelamento

O congelamento de sêmen tem como princípio preservar e disseminar, para um maior número de fêmeas, os gametas masculinos. O sêmen congelado pode ser mantido por muito tempo nessa condição, desde que esteja em condições ideais de armazenamento. O congelamento é um meio prático e seguro de comercializar sêmen de alto valor genético e livre de doenças, devido aos cuidados sanitários que se tem com os animais e durante o congelamento. O presente trabalho tem por objetivo avaliar diferentes alturas de pré-congelamento de sêmen ovino, visando a um melhor índice de células viáveis após o descongelamento. Foram realizadas 20 coletas de sêmen com uso de vagina artificial, de carneiros pertencentes à Unoesc Campus de Xanxerê, na estação reprodutiva. Após realizada a coleta, o sêmen foi imediatamente analisado e, constatando qualidade, foi processado para o experimento. Os ejaculados foram fracionados em três grupos. Cada grupo recebeu uma identificação: 3, 6 ou 9. Para o processo de congelamento, foi utilizado o diluente tris-gema-glicerol, composto por 3,187 g de tris, 1,781 g de ácido cítrico, 1,316 g de frutose, 6% de glicerol, 80 ml de água destilada q.s.p. e 20 ml de gema de ovo. As amostras de sêmen, envasadas e identificadas, foram colocadas em recipientes isotérmicos, para serem resfriadas por duas horas, com temperatura de 4°C. Foram utilizadas três diferentes alturas de pré-congelamento: a primeira altura, a 3 cm acima do nível do nitrogênio líquido; a segunda, a 6 cm; e a terceira a 9 cm. Cada altura apresenta uma curva de pré-congelamento diferente, onde permanecem por 20 minutos recebendo vapor de nitrogênio, ocorrendo o pré-congelamento. Após essa etapa, todas as palhetas das diferentes alturas são imersas no nitrogênio líquido, ocorrendo o congelamento total das palhetas que, posteriormente, são armazenadas no botijão de nitrogênio. As avaliações foram realizadas em outra etapa, quando as amostras são descongeladas em banho-maria, a 37°C por 30 segundos, e uma gota de sêmen é colocada sobre uma lâmina e coberta com lamínula, para análise de Motilidade (M), em porcentagem e Vigor (V) de 1 a 5. Após essa avaliação, a mesma amostra é lacrada novamente e colocada em banho-maria para o Teste de Termorresistência Rápido (TTR), a 46ºC por 30 minutos. E após esse período, são reavaliadas, analisando motilidade e vigor. No pós-descongelamento, o sêmen de palhetas congeladas em 3 cm de altura apresentou motilidade 32,5% e vigor 2; as de 6 cm de altura, motilidade 23,75% e vigor 1,75; as com 9 cm de altura, motilidade 20% e vigor 1,25. Após o TTR, as amostras de 3 cm apresentaram motilidade 27,5% e vigor 2; as de 6 cm, motilidade 21,25% e vigor 1,5; as de 9 cm, motilidade 13,75% e vigor 1,25. Baseando-se nesses resultados, a curva de congelamento não parece ter diferença entre alturas de 3 cm e 6 cm, enquanto a altura de 9 cm mostrou-se menos capaz de manter um número adequado de espermatozóides viáveis após o descongelamento e TTR.

CONHECENDO O CONSUMIDOR DE UMA FEIRA AGROECOLÓGICA: SEUS SABERES SOBRE OS ALIMENTOS

  • Patrícia Munaro, Graduando, patimunaro@unochapeco.edu.br
  • Luciara S. Gallina, MSc, luciara@unochapeco.edu.br
  • Aline T. Borsoi, Graduando, patimunaro@unochapeco.edu.br

Universidade Comunitária Regional de Chapecó, UNOCHAPECÓ, Chapecó, Brasil

Palavras-chave: feira do produtor, saúde, educação nutricional

CONHECENDO O CONSUMIDOR DE UMA FEIRA AGROECOLÓGICA: SEUS SABERES SOBRE OS ALIMENTOS

COORDENADORA: Luciara S. Gallina

DEMAIS INTEGRANTES:

As feiras livres estão, cada vez mais, presentes no cenário urbano. Representam uma alternativa para o comércio, especialmente para os produtos advindos da agricultura familiar. O espaço social ocupado pelas feiras, tornam-se um ponto importante para ações promotoras de saúde, uma vez que hábitos alimentares saudáveis são forjados, também, a partir do conhecimento que o consumidor tem sobre suas características nutricionais. Neste trabalho, o qual é vinculado ao Grupo de Trabalhos em Agroecologia, com financiamento FAPEX, buscou-se traçar o perfil dos consumidores de uma feira agroecológica no município de Chapecó – SC, assim como, verificar o conhecimento dos mesmos a respeito do valor nutricional dos alimentos comercializados e sua importância na promoção da saúde, para isso, foram entrevistados 117 pessoas, que representam cerca de 20% da população total de consumidores semanais. As abordagens foram feitas de maneira aleatória. Utilizou-se do questionário semi-aberto com múltiplas opções de resposta como instrumento de coleta de dados. As coletas foram realizadas no período de 21 de junho a 05 de julho de 2008, no horário das 8h às 11h 30min. Foram realizadas três rodadas de aplicação dos questionários que versavam sobre aspectos de renda, escolaridade, sexo, faixa etária, motivo e freqüência das compras na feira, cuidados especiais na dieta habitual, o conhecimento ou não dos alimentos funcionais. Os consumidores da feira, caracterizam-se por ser 63% do sexo feminino; 32,47% apresentam idade entre 41 e 50 anos de idade, 38% possuem nível escolar superior. A feira, contempla todas as classes sociais, com especial participação (43%), com renda compreendida entre 1 e 3,9 salários mínimos; 49% dos consumidores preferem os alimentos comercializados na feira principalmente pela qualidade dos produtos; 62% dos entrevistados fazem uso de algum medicamento de uso contínuo; 78% relatam ter algum tipo de cuidado na dieta; 97% acreditam que os alimentos comercializados na feira, contribuem de alguma forma para sua saúde, porém 93% desconhecem o que são alimentos funcionais. Embora muitos entrevistados acreditem que os alimentos contribuem de alguma forma para sua saúde, grande parte deles desconhece a função dos alimentos e seu papel na garantia do bem-estar. Sem dúvida, a feira agroecológica tem uma importante função social impulsionando o fortalecimento da agricultura familiar, através da agregação de valores aos produtos comercializados. Torna-se um espaço privilegiado para práticas que promovam a saúde através de informações e orientações nutricionais aos consumidores. Nesta perspectiva, ações de educação nutricional, se tornam estratégias importantes para que o consumidor faça escolhas saudáveis que agreguem qualidade à sua vida. Os resultados encontrados irão subsidiar as próximas ações de extensão propostas no projeto Apoio Técnico em Alimentação e Nutrição que vem sendo desenvolvido desde o ano de 2007. FEIRA DO PRODUTOR, SAÚDE, EDUCAÇÃO NUTRICIONAL

Patrícia Munaro, acadêmica do 6º período do Curso de Nutrição; Aline T. Borsói, acadêmica do 5º período do Curso de Nutrição
Luciara S. Gallina, Curso de Nutrição,

CONHEÇA A UNIDAVI POR DENTRO

  • Ariani Raquel Neckel Prux Stacke, E, arianiprux@unidavi.edu.br

Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, UNIDAVI, Rio do Sul, Brasil

Palavras-chave: Responsabilidade, Incentivo, Universidade

A Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí – Unidavi, desempenha importante papel social e educacional na região. Tem a missão de servir como pólo irradiador do desenvolvimento regional, pelo exercício solidário do ensino, da pesquisa e da extensão, com qualidade em suas ações e resultados. Por estar inserida entre os vinte e oito municípios do Alto Vale, a Unidavi sente a importância de mostrar, à comunidade, sua estrutura acadêmica, conquistas e resultados. Sempre preocupada com o interesse dos alunos do ensino médio pelo curso de graduação, criou-se um programa denominado Conheça a Unidavi por dentro. O evento engloba três ações: no primeiro momento, sempre no mês de agosto, acontece o Campus em Ação, que objetiva mostrar a estrutura acadêmica dos campus de Taió, Presidente Getúlio e Ituporanga, além de promover palestras e informar sobre o ingresso ao curso superior. No ano de 2007, a Unidavi recebeu, nos três campus, um total de mil e quatrocentos alunos. Em setembro, acontece o evento Raio X, que tem por objetivo proporcionar aos alunos do 3ª ano do Ensino Médio, de todas as escolas do Alto Vale, momentos de aprendizagem, entretenimento e auxilio aos estudantes que buscam um futuro profissional de sucesso, o evento acontece no campus principal em Rio do Sul. Em 2007, dois mil e trezentos alunos participaram do programa. Ainda, entre setembro e outubro, a Unidavi oferece aos alunos a oportunidade de assistir a uma aula do curso de interesse, o evento chama-se Test Drive Universitário. Em relação à estrutura organizacional, relata-se que professores, funcionários e acadêmicos auxiliam nas ações, através de palestras, cursos oferecidos, preparação dos ambientes, entre outros. A cada evento é realizada uma pesquisa de satisfação, os resultados apresentados são, em sua maioria, positivos. Quando não satisfatórios, a comissão organizadora procura acatar, dentro do limite, as sugestões oferecidas. O evento Conheça a Unidavi por dentro, entra na terceira edição. Com grande sucesso e aprovação por parte de docentes e alunos, espera-se, que em 2008, aproximadamente três mil e seiscentos alunos façam parte do programa. Além de orientar os estudantes, a Universidade oferece, através de sorteio, sete bolsas de estudos, sendo uma integral (100% durante todo o curso) e seis com gratuidade nos doze primeiros meses. A Unidavi disponibilizou, em duas edições, cinco bolsas de estudos com 100% de gratuidade. Novamente, facilitou o ingresso de alunos no ensino superior. Conclui-se que a Unidavi cumpre de maneira eficaz seu papel na sociedade, traça objetivos e realiza sonhos.

CONSTRUÇÃO DE OBJETOS PEDAGÓGICOS PARA A MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM

  • Maria Cristina da Rosa Fonseca da Silva, Dr(a), cristina@udesc.br

Universidade do Estado de Santa Catarina, UDESC, Florianópolis, Brasil

Palavras-chave: Inclusão , Formação de Professores , Objetos Pedagógicos

No presente relato, destacamos o projeto de Ensino de graduação desenvolvido com o objetivo de criar um conjunto de objetos pedagógicos para inclusão em classes regulares. As atividades foram efetivadas durante o ano letivo de 2007 em duas disciplinas do Curso de Licenciatura em ArtesVisuais. A proposição pretendeu viabilizar a construção de instrumentos educativos que possibilitassem a participação de crianças com necessidades especiais nas atividades de rotina em salas regulares de ensino, em condições de igualdade com as demais crianças. Com os objetos construídos foi possível desenvolver farto material pedagógico para as disciplinas de “Arte e desenvolvimentos Infantil e Educação Lúdica” do curso de Pedagogia na modalidade a distância CEAD/UDESC. Utilizamos como referencial teórico do projeto, alguns autores da área de educação especial como Nilcéia Mendes, Carlos Skliar, Vigotsky, Otto Bauer, além de autores que discutem o jogo como Tânia Fortuna, Maria Inês Corte Vitória, bem como as contribuições de Walter Benjamim para o tema. Especificamente na área de inclusão no ensino de arte, existe pouca produção na área, destacando-se em especial o trabalho de duas autoras, Ana Elizabete Lopes e Lúcia Helena Reily. Acreditamos que os objetos pedagógicos podem ampliar a participação de crianças com necessidades especiais nas aprendizagens escolares a partir do trabalho com outras características sensoriais, sendo fundamental desenvolver na formação de professores, os processos de reflexão e construção dos materiais. No caso de crianças cegas em classes regulares, os objetos pedagógicos inseridos nas práticas educativas, podem atuar a partir da sonoridade, olfato, paladar ou tato. Neste sentido, o projeto de ensino está articulado no tripé ensino, pesquisa e extensão, pois, a partir do projeto de ensino pudemos desenvolver uma investigação em escolas, destacando os materiais inclusivos utilizados pelos professores nas aulas de arte, bem como, por meio da extensão estamos desenvolvendo uma oficina com os professores da rede pública de ensino, para subsidiar a construção de objetos pedagógicos nas salas regulares de ensino. O Projeto de Ensino ao produzir um conjunto de objetos de inclusão a partir da arte, possibilitou a ampliação da formação de professores construindo uma cultura inclusiva na sala de aula. A metodologia utilizada partiu de reflexões teórico-práticas desenvolvidas em sala de aula, da criação dos objetos pedagógicos e pela experimentação e caracterização dos jogos na sala de aula. Todo o processo foi minuciosamente registrado. Pudemos perceber como resultado, que os futuros docentes ampliaram seu repertório metodológico identificando as principais questões no âmbito da educação inclusiva. Acrescentamos que, além da criação dos objetos pedagógicos, o projeto desenvolveu ao final da experiência de construção do jogo, um artigo de autoria do estudante que sistematizou o processo de criação dos objetos pedagógicos articulados com as leituras específicas acerca da inclusão na formação de professores.


[1] O projeto aconteceu vinculado a dois cursos de graduação: Licenciatura em Educação Artística CEART/UDESC e Pedagogia a Distância CEAD/UDESC.

CONSTRUÇÃO DE UMA POLÍTICA SUSTENTÁVEL DE PROTEÇÃO DA ÁGUA NA BACIA HIDROGRÁFICA DO ITAJAÍ (CAMPANHA DE CIDADANIA PELA ÁGUA NO VALE DO ITAJAÍ)

  • Beate Frank, Dr(a), frank.beate@gmail.com
  • Sandra I. Momm Schult, Dr(a), msschult@furb.br
  • Juliano Albano, MSc, julianoeleandra@yahoo.com.br
  • Maria Amelia Pelizzetti, MSc, mapellizzetti@yahoo.com.br
  • Ana Cristina Brandt, MSc, acbrandt@terra.com.br
  • Katiuscia Kangerski, G, katiuscia_ea@hotmail.com

Universidade Regional de Blumenau, FURB, Blumenau, Brasil

Palavras-chave: Educação ambiental., Política ambiental municipal., Plano de bacia hidrográfica.

A campanha de cidadania pela água no Vale do Itajaí – Semana da Água - foi criada em 1999, como campanha educativa anual, extensiva aos 50 municípios localizados na bacia hidrográfica do Itajaí (1.200.000 habitantes), vinculados por compartilharem os rios, todos afluentes do rio Itajaí-açu. Para realizar a gestão da água nesse território, existe o Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Itajaí, que criou a Semana da Água e ao qual cabe implementar uma política de proteção da água na bacia hidrográfica. Entre 1999 e 2004, a Semana da Água abordou diversos temas que despontavam como relevantes para as comunidades: lixo nos rios, mata ciliar, esgoto, valores da água. A partir de 2005, a Semana da Água passou a promover não apenas sensibilização e informação, mas sim, compromisso político para a resolução de questões de competência municipal. A oportunidade de usar a Semana da Água como estratégia de promoção de políticas públicas de proteção da água foi fortemente influenciada pelo processo de construção do plano da bacia, que é, por excelência, o instrumento da gestão de bacia hidrográfica, previsto na legislação federal e estadual de recursos hídricos. O conhecimento, ou a base de informações que suportam esse trabalho de grande grande complexidade, tem origem no Instituto de Pesquisas Ambientais (IPA) e no Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental da FURB. O IPA orienta a Semana da Água desde sua criação e, desde 2006, a coordena por meio de programas de extensão institucionais. O presente trabalho tem por objetivo mostrar como a educação ambiental e a mobilização comunitária estão sendo usadas na construção de uma política pública de proteção da água, usando como eixo norteador os passos necessários para a elaboração do plano de bacia hidrográfica. Assim, em 2006, foi desenvolvido um diagnóstico participativo dos rios em âmbito municipal, em 2007 foi desenvolvida uma visão de futuro e debatidos diretrizes de proteção da água, e em 2008 será debatido o elenco de medidas para melhorar a gestão ambiental municipal. Todo o trabalho é possível devido à extensa rede de atores desenvolvida pelo Comitê do Itajaí, principalmente pelo Projeto Piava. As atividades da Semana da Água são associados ao Projeto Piava, patrocinado pela Petrobras e executado pela Fundação Agência de Água do Vale do Itajaí, com apoio da FURB, entre 2005 e 2007. A renovação do patrocínio, de 2008 a 2010, permite dar continuidade às ações. A expectativa é, até 2010, concluir e aprovar o plano de bacia – que consolida a política de proteção de água na bacia hidrográfica – bem como algumas políticas ambientais municipais, principalmente políticas de educação ambiental, proteção de áreas de preservação permanente e de saneamento, e a estrutura de gestão ambiental municipal. Além da continuidade da ação no Vale do Itajaí, o Projeto Piava iniciou, em 2008, um novo campo de ação, em parceria com a UNESC, por meio do qual a experiência em gestão participativa de bacia hidrográfica está sendo estendida às bacias do rio Araranguá e do rio Urussanga, no extremo sul de SC.

CONSTRUINDO UM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: A EXPERIÊNCIA DO CEART-UDESC

  • Jacqueline Wildi Lins, Dr(a), c4ech@udesc.br

Universidade do Estado de Santa Catarina, UDESC, Florianópolis, Brasil

Palavras-chave: Educação, , interdisciplinaridade, , projeto pedagógico.

O presente poster busca relatar a experiência da construção do PROJETO POLÍTICO INSTITUCIONAL do Centro de Artes da UDESC como prática articuladora de integralização da graduação, da pesquisa e da extensão, tendo por referencial a experiência da Comissão do PROJETO POLÍTICO INSTITUCIONAL. Parte da atuação e de experiências de alguns departamentos, com currículos em implementação, na área de projetos interdisciplinares. Além disso, o trabalho analisa os limites e as possibilidades da construção de projetos integradores em um centro de Artes, centrando na discussão a aprendizagem dos próprios métodos das diferentes disciplinas, áreas de estudo e de conteúdos como aspectos mutuamente inclusivos de uma mesma formação. Trata-se de ação articuladora e integradora da graduação, pesquisa e extensão, tendo como referencial a experiência de construção de novas propostas curriculares em 2007. O Trabalho de construção do PROJETO POLÍTICO INSTITUCIONAL CEART inicia-se em 2007, com a criação de uma comissão e a elaboração de um calendário para troca de experiências com docentes de outras instituições e entre os diferentes Departamentos do Centro. O objetivo central é definir caminhos que propiciem a qualidade das atividades acadêmicas nas dimensões formal (ou técnica) e política visando o bom desenvolvimento do aluno, o preparo para a cidadania e a qualificação para o trabalho. No primeiro semestre de 2008 foram realizados encontros semanais, que iniciaram com o Fórum “Princípios da Teoria da Complexidade no Ensino Superior, realizado entre os dias 13 e 14 de fevereiro e coordenado pela professora da Universidade Federal do Paraná Lea das Graças Anastásio. O Comitê do Projeto Político Institucional é composto por dois docentes de cada Departamento, quatro técnicos e dois representantes discentes. Com a interdisciplinaridade proposta como eixo nos novos projetos de curso de CEART, verificamos que é preciso investir também na integração dos diversos cursos entre si, tarefa que só será possível com a elaboração de um projeto político pedagógico e um projeto de desenvolvimento institucional que privilegie o planejamento curricular e de ensinos minuciosamente discutidos, reuniões colegiadas, acompanhamento de assessoria técnico-pedagógica e etc., re-construindo o sujeito professor como um mediador. O projeto parte do Projeto Político Institucional da UDESC, construído pela Pró-reitoria de Ensino em 2007, e usa como referenciais teóricos a declaração da Conferência Regional de Educação Superior na América Latina e Caribe, os Processos de Ensinagem de Lea Anastásio e referenciais que, embora nascidos nas artes, como Ezra Pound, vêm contribuindo efetivamente para o enriquecimento das discussões. De Pound, por exemplo, destacamos a idéia de que “a música começa a se atrofiar quando se afasta muito da dança; que a poesia começa a se atrofiar quando se afasta muito da música...”. Este é nosso grande desafio para o semestre que se inicia: tentar unir artes que até agora, na área do ensino, caminharam separadas. O Projeto está em andamento e constitui-se de pesquisa bibliográfica, reunião em pequenos e grandes grupos, seminários e deve estar concluído no final de 2008.

DANÇA E INTELIGÊNCIAS MULTIPLAS NA ESCOLA

  • Andréa Jaqueline Prates Ribeiro, MSc, andrea@unoescsmo.edu.br
  • Elisa Barbosa, G, alemoarub@hotmail.com

Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC, Joaçaba, Brasil

Palavras-chave: Dança, Inteligência múltipla, Educação física

O presente trabalho nos remete a uma reflexão sobre a contribuição da dança, enquanto conteúdo das aulas de Educação Física, no desenvolvimento das Inteligências Múltiplas em crianças de 3º série do Ensino Fundamental da Escola de Educação Básica Laju, Vila Laju Interior de Mondaí S/C. Este trabalho está vinculado ao Grupo de Pesquisa de Educação Física Escolar e Movimento, e a linha de pesquisa Educação Física Escolar. O presente estudo teve como objetivos verificar qual o desenvolvimento das crianças que praticaram a dança nas aulas de Educação Física, em relação às Inteligências Múltiplas; verificar qual o desenvolvimento das crianças que não praticam a dança na aula de Educação Física, em relação às Inteligências Múltiplas e comparar o desenvolvimento das crianças que praticaram com as que não praticaram dança nas aulas de Educação Física, em relação às Inteligências Múltiplas. Foi realizado com 30 alunos da 3º série do ensino fundamental, sendo 17 alunos (08 meninos e 09 meninas), que fizeram as aulas sistematizadas de dança e sendo 13 alunos (5 meninas e 8 meninos) que realizaram aulas de Educação Física Escolar. Também participaram 02 professores que atuam na turma. Foi seguido o plano de ensino do professor juntamente com o conteúdo de Dança. Aplicou-se um questionário (CAMPOS, 2007) aos alunos, antes e depois do período de atividades. Também foi aplicado um questionário com os professores (SMOLE, 1999). Depois disso ocorreu um período de estimulação ao desenvolvimento das Inteligências múltiplas através de atividades de Educação Física. A partir dos resultados conclui-se que, a dança tem influência no crescimento e desenvolvimento das crianças, assim como tem grande contribuição no desenvolvimento das Inteligências Múltiplas. Através das atividades sistematizadas de dança percebeu-se que a maior parte das Inteligências teve um grande aumento. Isto se deu em função de um bom planejamento, criatividade e organização metodológica. A dança é uma oportunidade do aluno desenvolver todos os seus domínios através da diversificação e complexidade, sendo que o professor deve proporcionar oportunidades para que o aluno possa melhorar suas possibilidades de movimentação, descobrindo novos espaços, formas, superação de suas limitações e condições para enfrentar novos desafios em relação aos aspectos motores, sociais, afetivos e cognitivos. Este estudo está tendo continuidade através de projeto monográfico para o Curso de Pós-graduação, em nível de especialização em Educação com concentração em Português/Inglês, Português/Espanhol, História/Geografia e Educação Fìsica, oferecido pela Unoesc – Campus de São Miguel do Oeste.

Apoio / Parcerias: UNOESC/SMO

DEGRA – UMA INVESTIGAÇÃO ACERCA DA GRAVURA COMO RECURSO DE LINGUAGEM VISUAL E SUA CONTRIBUIÇÃO AO ENSINO NO CURSO DE DESIGN

  • Nielson Ribeiro Modro, MSc, nielson@modro.com.br

Universidade da Região de Joinville, UNIVILLE, Joinville

Palavras-chave: Gravura, Linguagem visual, Design

O projeto Degra - uma investigação acerca da gravura e sua contribuição ao ensino no curso de design – foi realizado durante o ano de 2007 com o objetivo de investigar as potencialidades da gravura como recurso de expressão artística, estética, simbólica e gráfica para configuração da linguagem visual, assim como qual sua possibilidade de contribuição para o curso de design, podendo ser utilizado ainda por cursos afins. A gravura insere-se na história da humanidade desde os seus primórdios com as imagens que retratavam o cotidiano do homem das cavernas nas paredes de pedra, passando por todo o desenvolvimento de sua história, e hoje podem ser utilizadas diversas técnicas de gravura, ainda manualmente ou digitalizada, em situações infinitas, desde fins artísticos a industriais. Atualmente a gravura segue presente no cotidiano do ser humano não apenas na arte, mas seu uso se faz constante em produtos presentes no dia-a-dia, ainda que sua presença passe quase que despercebida. Desde o jornal que é lido todos os dias até o brinde que a criança ganha com os cereais, ao tomar o seu café da manhã, é nítida a presença de elementos gráficos advindos das diversas técnicas de expressão gráfica, podendo-se afirmar que a gravura foi o grande marco da era do design gráfico e agora também industrial. A gravura tornou-se hoje o veículo mais rápido, fácil e barato para difundir idéias, pensamentos, notícias e imagens, ocupando cada vez mais espaço já que seu desenvolvimento, desde a simplória figuração nas cavernas ao uso atual em qualquer superfície, gera possibilidades que são vislumbradas como infinitas. A pesquisa buscou concretizar um estudo sistemático sobre as artes gráficas e suas possibilidades técnicas. Trata-se de uma técnica que acompanhou toda a evolução da humanidade e ainda persiste seu caráter essencialmente manual e que, importante salientar, apresenta basicamente quatro vertentes técnicas principais: a litografia (conseguida por um processo químico sobre uma matriz de pedra porosa e de superfície rigorosamente polida), a xilogravura (gravura em madeira substituindo o desenho manual, imitando-o de forma ilusória e permitindo a reprodução mecânica de originais consagrados), a gravura em metal ou calcografia (obtenção de imagem sobre uma chapa de metal), e a serigrafia (a mais industrial das técnicas de gravura que utiliza a impressão por meio de um processo fotográfico sobre uma tela de seda). Para o desenvolvimento da pesquisa, que buscou gerar um banco de dados, com informações que possam ser úteis a alunos e professores do curso de Design bem como a interessados sobre o assunto, foi realizada uma pesquisa pura, de cunho essencialmente teórico, catalogando informações úteis acerca do assunto. Apesar do mundo cada vez mais digitalizado, para os alunos de Design, bem como alunos de cursos afins, trata-se de um material importante para a concretização de seus trabalhos usando técnicas essencialmente manuais o que diferencia o trabalho industrializado do individualizado

DEMANDA TURÍSTICA DA CIDADE DE JOINVILLE

  • Carmen Silvia Harger, MSc, csharger@gmail.com
  • José Tavares de Borba, MSc, j.tavares@univille.net
  • Eliane Maria Martins, MSc, eliane.maria@univille.net
  • Ester Lina Hoegen Mueller, Graduando, ester.lina@univille.net
  • Felipe da Silva, Graduando, felipedasilva@univille.net
  • Raffael Zabbot, Graduando, raffael.zabbot@univille.net

Universidade da Região de Joinville, UNIVILLE, Joinville

Palavras-chave: evento, turismo, Cidade de Joinville

O projeto Demanda Turística da Cidade de Joinville, de responsabilidade das áreas de Pesquisa e de Extensão Universitária da UNIVILLE, em parceria com a Fundação de Promoção e Planejamento Turístico de Joinville – PROMOTUR e o Joinville Costa do Encanto Convention & Visitors Bureau – JOCVB, teve o objetivo de traçar o perfil das pessoas que participaram dos eventos – os turistas – e a opinião dos consumidores – os expositores –, pois Joinville vem se destacando no cenário turístico e nacional como grande pólo organizador de eventos. Conta com uma infra-estrutura básica e turística adequada, com uma diversidade de oferta de atrativos naturais e culturais, fazendo da Cidade uma referência no Estado. Em 2006, foram entrevistados 1.232 visitantes brasileiros e estrangeiros e 71 empresas expositoras que participaram de cinco importantes eventos. No ano seguinte, 812 turistas e 43 expositores deixaram suas opiniões em mais quatro desses acontecimentos. A formação do banco de dados dos turistas foi realizada por formulários aplicados por alunos dos mais diversos cursos de graduação e a opinião dos empresários expositores foram oferecidas espontaneamente por meio de um questionário distinto. Foi uma pesquisa aplicada e do ponto de vista da abordagem, é tanto quantitativa – pelo uso de recursos e técnicas estatísticas – quanto qualitativa, pois descreveu os dados coletados indutivamente, dado os modelos dos instrumentos de coleta de dados. A interpretação e a análise dos resultados foram realizadas para cada um dos eventos, que ofereceram um perfil diferenciado. Além dos resultados individualizados por evento na forma de percentuais, a generalização se deu por meio de cálculos estatísticos de média ponderada, o que permitiu resumir alguns resultados. Aqueles eventos que são tradicionais numa cidade que exalta a beleza da natureza, como a 67ª Festa das Flores, foram mais visitados por habitantes do Estado e que, pela proximidade de sua cidade de origem, ficariam 1,6 dias na cidade, gastariam cerca de R$200,00, em duas pessoas, e na maioria usaram como meio de transporte o automóvel, embora o ônibus também fosse indicado. Ratificaram sua satisfação em estar presente quando afirmam que retornariam a Joinville a cada nova edição do evento. Já o 25º Festival de Dança de Joinville apresentou resultados distintos. É uma festa internacional, com participação de personalidades do mundo da dança do mundo inteiro. Seus visitantes com uma idade média de 28 anos permanecem aqui durante 8,6 dias, usaram mais o ônibus como meio de transporte, teriam um custo de quase R$800,00 de estadia e todos voltariam no ano seguinte para participar de uma nova edição. Esse projeto, iniciado em meados de 2006 com término no mesmo período de 2007, teve sua prorrogação efetivada em 2008, pois o trade turístico representado nesta proposta pela PROMOTUR e pelo JOCVB, consideram que a caracterização da demanda de turistas que participam dos eventos na Cidade é uma das principais variáveis que auxiliam os investidores no incremento da atividade turística e de todos os setores da economia que participam da cadeia produtiva do turismo de negócios e eventos.

DEMOGRAFIA E BIOLOGIA REPRODUTIVA DE Butia eriosphata (Martius) Beccari EM FRAGMENTOS DE FLORESTA OMBRÓFILA MISTA E EM ÁREA URBANA

  • Natalia Carolina Moraes Ehrhardt, Graduando, natibio@yahoo.com.br
  • Camila Lucas Chaves, Graduando, kmilla2252@yahoo.com.br
  • Silvana Manfredi- Coimbra, MSc, silvanam@uniplac.net

Universidade do Planalto Catarinense, UNIPLAC, Lages, Brasil

Palavras-chave: Endemismo, conservação, reprodução

A palmeira Butia eriosphata (Martius) Beccari popularmente conhecida como butiá ou butiá-da-serra, é endêmica dos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, regiões com altitudes entre 800-900 m. Apesar de não haverem registros sobre a densidade de butieiros ao longo do tempo, os relatos da comunidade local mostram que essa espécie está praticamente extinta devido à substituição de suas áreas de ocorrência natural por lavouras de culturas anuais e povoamentos de pinus, sendo os remanescentes formados de plantas velhas, onde se observa plantas caídas e não protegidas do acesso ao gado, e por isso, a regeneração é praticamente inexistente. Informações que possam ser adquiridas sobre a biologia floral dessa espécie são essenciais, uma vez que, poderá contribuir para o conhecimento do sistema de reprodução, fluxo gênico e possível conservação. Pela relevância que essa fruta apresenta para a fauna brasileira e a constatação da sua ocorrência cada vez mais restrita, a análise acerca dos remanescentes dessas populações é extremamente importante. O estudo da demografia de Butia eriosphata será realizado em três locais do estado de Santa Catarina, que ainda apresentam remanescentes dessa espécie: Curitibanos, Otacílio Costa e Campos Novos. As avaliações serão realizadas no período de Maio/2008 a Fevereiro/2009. Em cada área será demarcada uma parcela de 2500 m2 (50 m x 50 m), na região central de cada população, divida em sub-parcelas de 5 m x 5 m. Todas as plantas que se encontram dentro das sub-parcelas serão analisadas individualmente, contadas e caracterizadas quanto às seguintes variáveis: (i) altura (m), (ii) diâmetro na altura do peito (DAP), (iii) número de folhas verdes, (iv) número de infrutescências com frutos pequenos/planta (em início de desenvolvimento, com diâmetros <5,0 mm), (v) número de infrutescências com frutos verdes grandes, (vi) número de infrutescências com frutos maduros, (vii) número total de infrutescências (pequenos+grandes+maduros) e (viii) número de inflorescências. A distribuição espacial das plantas dentro das unidades experimentais será delimitada através das coordenadas x,y. Serão realizadas coletas de solo para caracterização química dos mesmos e pesquisas das condições climáticas desses locais, visando identificar possíveis influências sobre as características demográficas e reprodutivas das populações. Além da identificação das espécies e abundância, será realizada a estimativa dos índices de diversidade de Shannon para visitantes florais de B. eriosphata em área urbana e de floresta. Todos os trabalhos que venham caracterizar as populações de butieiro do Estado, quanto à demografia e à biologia reprodutiva, são necessários e de caráter urgente, com vistas à constituir um banco de conhecimentos que será a base para estudos genéticos que delinearão qualquer plano de conservação da espécie.

DESAFIO EMPRESARIAL ASILO FELIZ

  • Elenice Padoin Juliani Engel, E, elenice@unesc.net
  • Ricardo Pieri, E, rpi@unesc.net
  • Adamir Nuernberg, E, adn@unesc.net
  • Valtencir Pacheco, Graduando, valtencir@unesc.com.br

Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, Criciúma, Brasil

Palavras-chave: Gestão, Empreendedorismo, Solidariedade

O Desafio Empresarial é uma realização dos Cursos Superiores de Tecnologia em Gestão da UNESC, e tem como objetivo geral: i) realizar uma ação empreendedora, com aplicação prática de conteúdos apreendidos em sala de aula e, como objetivos específicos: i) oportunizar uma “ação empreendedora”; desenvolver habilidades de negociação, tomadas de decisão e de resolução de problemas; ii) desenvolver o espírito de solidariedade e responsabilidade social; iii) levantar dados sobre a realidade das instituições envolvidas; iv) promover a inter e intra-relação entre turmas; v) propiciar a interdisciplinaridade; vi) analisar e discutir os resultados e desempenhos obtidos em relação ao planejado. O Desafio Empresarial Asilo Feliz, realizado no período de 19 e 24 de novembro de 2007, constitui-se de uma ação comunitária, que foi desenvolvida pelos acadêmicos dos cursos, nos asilos selecionados pela coordenação do evento: Asilo Cantinho do Idoso (Cidade Mineira); Asilo Lar da 3ª Idade (Cidade Mineira) Asilo Recanto do Idoso (Pinheirinho) e Asilo Feistauer (Jardim Angélica). A ação compreendeu a organização de um evento para arrecadar fundos e doações junto à comunidade/Bairro em que cada instituição está inserida, a partir de um diagnóstico realizado, que deu origem a um plano de negócios, além de outras atividades como: a)Diagnóstico da Instituição - asilo; b) Campanha de arrecadação; c) Organização do almoço e venda dos ingressos; d) Criação Materiais Promocionais para a instituição assistida; e) Recebimento de Doações; f) organização de um almoço Beneficente (Risoto); g) trabalhos de reforma na infra-estrutura do asilo; h) realização de atividades internas no asilo com os idosos. Para realização das atividades foram constituídas quatro (4) empresas fictícias, com diversos setores, dentro dos quais os quase 300 alunos foram distribuídos, cada um com suas respectivas funções. Todos os materiais utilizados, produzidos e arrecadados pelas empresas foram obtidos por meio de parcerias e doações. Para avaliar o desempenho dos alunos, foram elaboradas as seguintes pesquisas: a) pesquisa de satisfação do evento almoço junto ao público que esteve presente; b) pesquisa de satisfação com os idosos, funcionários e direção do asilo, que avaliou as atividades desenvolvidas pelas equipes dos departamentos de Recursos Humanos e de Infra-estrutura e manutenção das empresas. O desempenho acadêmico individual dos alunos também foi avaliado, considerando-se a freqüência em toda a semana acadêmica, inclusive no sábado, e a participação efetiva na realização das atividades. A partir dos instrumentos utilizados percebeu-se que os resultados obtidos foram positivos e os objetivos alcançados. A proposta do Desafio Empresarial tem caráter permanente, sendo realizada uma vez por ano, assumindo características conforme a área social a ser trabalhada.

DESCOBRINDO O CORPO: Conscientizando Adolescentes e Formando Multiplicadores Sobre os Perigos de Artificializar seus Corpos

  • Katiani Eli, Graduando, kathy.eli@hotmail.com
  • Jean Segata, MSc, jeansegata@gmail.com
  • Elfi Prust, Graduando, elfiprust@hotmail.com

Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, UNIDAVI, Rio do Sul, Brasil

Palavras-chave: Descobrindo o corpo, Conscientização, Perigos da artificialização

O corpo, compreendido hoje como um dos aspectos objetivos centrais na constituição do sujeito, tem sido objeto de intervenções das mais diversas naturezas com fins de modificações que atendam às imagens corporais que compõem os imaginários sociais contemporâneos. Tais imagens corporais, em grande parte das vezes tomam argumentos biomédicos para justificar apelos estéticos, os quais atendem muito mais às demandas ideológicas do que as demandas de saúde. A expansão dos meios e espaços de comunicação tem auxiliado para uma espécie de “padronização” de imagem corporal, especialmente entre o público feminino. Em um primeiro momento deste Projeto de Extensão, fez-se uma breve pesquisa de campo entre o público adolescente de uma escola da rede privada de ensino, na cidade de Rio do Sul/SC que mostrou que essa dita imagem padrão de corpo”, já não é apenas objeto de consumo de uma camada da população cuja faixa etária está entre 16 e 25 anos, como se havia projetado. Antes sim, o estudo preliminar mostrou que em turmas de sexta e sétimas séries do Ensino Fundamental, especialmente o público feminino já projeta como ações a serem concretizadas em futuros próximos, a transformação no corpo, especialmente via dietas e apliques de próteses artificiais. Da mesma forma, a transformação no corpo masculino, que se estimava no projeto acontecer especialmente na transição da dita adolescência, para a idade adulta, também começa a ser desejada mais cedo, com meninos ocupando-se de atividades de musculação e mesmo de uso de substâncias que contenham esteróides anabolizantes para fins de resultados mais rápidos. Este trabalho tem por objetivo geral, formar multiplicadores para conscientizarem jovens e adolescentes sobre os perigos de artificializarem seus corpos. Para tanto no segundo semestre de 2008 será realizado debates com a 6ª Fase do Curso de Educação Física da UNIDAVI, para que esses possam levar aos estudantes do Ensino Fundamental de escolas públicas e privadas da cidade de Rio do Sul e região do Alto Vale do Itajaí, olhares mais críticos sobre as transformações corporais, alertando para os perigos de transformações que muitas vezes não atendem a saúde dessas crianças-adolescentes.

DESENVOLVENDO HABILIDADES MENTAIS EM CRIANÇAS DE 8 A 10 ANOS: implementação de oficinas com jogos cognitivos

  • Luciane Simonetti, Graduando, lulu_fim@hotmail.com
  • Nina Garcia Taboada, E, nina.taboada@gmail.com
  • Cleidi Mara dos Santos, Graduando, cleidims@bol.com.br

Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, UNIDAVI, Rio do Sul, Brasil

Palavras-chave: Jogos, Desenvolvimento cognitivo, Funções executivas

O presente projeto tem como objetivo: 1) a criação de oficinas de jogos cognitivos para o desenvolvimento mental de crianças entre 8 a 10 anos e 2) verificar da possibilidade de implementação dessas oficinas com faixas etárias diferentes nas escolas. Estes jogos possibilitam o desenvolvimento de suas habilidades e capacidades cognitivas, tais como, o pensamento deliberado, raciocínio lógico e abstrato, criatividade, imaginação, concentração e as capacidades na resolução de problemas (FLAVELL, MILLER & MILLER, 1999). Essas habilidades cognitivas são fundamentais para o sucesso acadêmico e profissional, tendo em vista um mercado globalizado cada vez mais exigente e competitivo. O desafio principal está na criação de práticas psicopedagógicas que possibilitem um melhor rendimento acadêmico, que depende não só da capacidade de memorizar o conteúdo informativo das diferentes disciplinas escolares, mas, principalmente, do desenvolvimento de habilidades cognitivas que são a base da inteligência (SIMONS, 2003). Deste modo pretende-se desenvolver habilidades mentais sofisticadas nas crianças através dos jogos cognitivos, habilidades estas essenciais para o escolar. Frisar a importância dos jogos cognitivos é conscientizar a sociedade de que a fase da infância é muito rica em brincadeiras e novas experiências (HANSEN, MACARINI, MARTINS, WANDERLIND E VIEIRA, 2007) O projeto procura meios de lúdicos e eficazes para aprimorar o desenvolvimento cognitivo, principalmente as funções executivas. As funções executivas podem ser compreendidas como a capacidade apresentada pelo sujeito de realizar atividades orientadas a objetivos, através de ações voluntárias, organizadas. É a capacidade de fazer planejamentos, orientar e avaliar as próprias ações, bem como possuir controle inibitório (inibindo impulsos, oferecendo respostas mais elaboradas aos estímulos ambientais) (CAPOVILLA, ASSEF E COZZA, 2007; ARFFA, 2007, GOLDBERG, 2002). É importante levar em conta que o contexto em que a criança está inserida precisa proporcionar atividades nas quais ela assuma seu papel de ser ativo no seu processo de desenvolvimento e amadurecimento ( BODROVA, LEONG, 2007). Para isso, foram selecionados diferentes tipos de jogos de raciocínio, criados protocolos de observação e intervenção guiada, bem como feito relatórios de todas as oficinas oferecidas. As oficinas aconteceram uma vez por semana, durante uma hora. Ao todo foram realizados 11 encontros. As crianças que mostraram interesse em participar das oficinas deveriam trazer autorização dos pais para o mesmo. Foi solicitado aos pais o preenchimento de um questionário que investigava seus hábitos (por exemplo, de leitura, escrita, lazer, cultura, etc.) bem como das crianças quando estão em casa, com o intuito de criar um olhar personalizado diante das potencialidades e dificuldades dos alunos. As séries foram divididas em dois grupos, onde cada grupo participa das oficinas durante semestres separados. Pretende-se dar continuidade ao projeto e estendê-lo para diferentes faixas etárias, bem como criar formas de avaliar as funções executivas das crianças antes e depois das oficinas.

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTA MOLECULAR BASEADA NA TÉCNICA PCR PARA A INVESTIGAÇÃO DAS PRINCIPAIS ESPÉCIES MICROBIANAS ASSOCIADAS À SEPSE EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA DE JOINVILLE

  • Paulo Henrique Condeixa de França, Dr(a), phfranca@terra.com.br
  • Rosiane Araújo , Graduando, rosiane.s@univille.net
  • Karilene Dalposso , Graduando, karilene.dalposso@univille.net
  • Leslie Ecker Ferreira , G, leslie.ferreira@univille.net
  • Mauro de Souza Leite Pinho , Dr(a), mauro.pinho@univille.net
  • Glauco Adrieno Westphal , Dr(a), glauco.adrieno@univille.net
  • Anderson Ricardo Roman Gonçalves , Dr(a), anderson.roman@univille.net

Universidade da Região de Joinville, UNIVILLE, Joinville

Palavras-chave: sepse, multiplex PCR, diagnóstico molecular

A sepse é uma infecção generalizada associada a elevados índices de mortalidade em ambientes hospitalares em todo o mundo. São conhecidos alguns dos fatores responsáveis, como o diagnóstico tardio e a terapia imprecisa à base de antibióticos. Nas unidades de terapia intensiva de Joinville, os agentes mais freqüentemente observados são Acinetobacter baumannii, Candida spp., Enterobacter spp., Escherichia coli, Pseudomonas aeruginosa e Staphylococcus aureus. O exame rotineiramente utilizado para a identificação desses agentes é a hemocultura com emprego de meios de cultivo seletivos. No entanto, a demora (24 a 72 horas) em produzir resultados confiáveis desfavorece a atual recomendação de iniciar-se a terapia medicamentosa logo após o diagnóstico clínico. Neste sentido, os testes moleculares são geralmente mais rápidos e precisos. Portanto, o desenvolvimento de metodologias alternativas empregando ferramentas moleculares poderia auxiliar na confirmação do diagnóstico laboratorial em menor espaço de tempo, possibilitando uma intervenção clínica e terapêutica com maiores chances de sucesso. O método em desenvolvimento baseia-se na técnica PCR (Polymerase Chain Reaction), que visa a amplificar segmentos específicos de DNA presentes mesmo em quantidades diminutas. Foi planejado de forma que numa única reação seja possível a detecção simultânea dos microrganismos investigados (Multiplex PCR). Neste sentido, dez seqüências codificantes para a fração 23S (bactérias) ou 18S (Candida) do RNA ribossomal foram obtidas do GenBank, sendo a seguir transformadas em seqüências consensos utilizando-se o programa BioEdit. Em conjunto, estas seqüências foram submetidas a programas (MuPlex, FastPCR, Vector NTI, Visual OMP) especializados na simulação de primers (iniciadores) para PCR. Os primeiros três programas foram descartados em razão de não garantirem a necessária exclusividade de reconhecimento em reações conjuntas. O programa Visual OMP mostrou-se satisfatório quanto à elevada especificidade de reconhecimento requerida. Os primers sugeridos pela simulação foram checados através da ferramenta computacional BLAST, comparando-os com a coleção de seqüências nucleotídicas depositadas no GenBank, correspondentes a inúmeros organismos distintos. Cada par de primers vem sendo testado em termociclador XP Cycler, sob diferentes condições de amplificação, variando-se a concentração de insumos, temperatura de pareamento e tempo de extensão. Os amplicons são resolvidos via eletroforese em gel de agarose (1 a 1,5%), seguido de exposição à ultravioleta. A identificação do(s) agente(s) é realizada correlacionando-se com o tamanho planejado de amplicon de cada microrganismo avaliado, obtido com o emprego de cepas padrão. Paralelamente à padronização da metodologia molecular, o DNA total presente em amostras de sangue de pacientes com diagnóstico clínico de sepse (n=90) foi extraído e purificado (“Qiamp DNA Mini Kit”; Qiagen). As mesmas amostras também foram analisadas via hemocultura convencional, para fins de comparação entre os métodos. Atualmente, as condições ótimas para detecção de E.coli, P.aeruginosa, S.aureus e Candida spp. via PCR encontram-se definidas.

DESENVOLVIMENTO DE UM ROBÔ MÓVEL MICROCONTROLADO.

  • Valdecir Franck, Graduando, valdecirfranck@gmail.com
  • Leonardo Eberts, Graduando, mourgramashtar@gmail.com
  • Paulo Henrique do Prado, Graduando, php_pradop@hotmail.com
  • Ricardo B. Camargo, Graduando, ricardo_joacaba@hotmail.com
  • José Acacio Cadore, Graduando, josecadore@yahoo.com.br

Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC, Joaçaba, Brasil

Palavras-chave: Robótica , Agentes Móveis, Redes de Sensores

Este trabalho apresenta um estudo sobre robótica aplicado à área de automação de sistemas, e expõe como estas duas áreas estão cada vez mais presentes em nosso dia-a-dia. Aborda os conceitos relacionados à robótica móvel, onde se procura apresentar as principais etapas envolvidas no projeto do robô. Como o trabalho é referente ao desenvolvimento de um robô, o mesmo descreve os principais componentes de hardware necessário para a execução deste. Para o desenvolvimento dos controles foram usados microcontroladores, pois o mesmo foi desenvolvido através de módulos, podendo ter dispositivos diversos acoplados a este, que podem auxiliar em tarefas específicas. Será apresentada também a linguagem de programação necessária para o desenvolvimento dos softwares de controle que serão executados pelos microcontroladores envolvidos no trabalho. O protótipo tem como objetivo o reconhecimento e interação com o ambiente onde está inserido, utilizando sua mobilidade e outras ferramentas necessárias. O robô possui capacidade de desviar obstáculos e reconhecer cores em objetos. Com os avanços da comunicação de dados sem fio, tornou-se viável a implementação de inúmeras tecnologias. No contexto atual, cada vez mais haverá necessidade de conexões com unidades móveis, possibilitando a esses pontos movimentarem-se no ambiente para uma maior produtividade. Este projeto também relata a conceituação para o desenvolvimento de um meio de comunicação, utilizando um sistema de transmissão sem fio (via rádio freqüência) e protocolo de comunicação, com o intuito de suprir as necessidades do protótipo. As imagens de controle, contidos em imagens bidimensionais, serão obtidas por intermédio de uma webcam e processadas praticamente em tempo real por um sistema de retaguarda que é executado em um microcomputador e se comunica com o protótipo através da comunicação sem fio. A etapa de extração de características visa detectar as informações mais relevantes contidas na representação da imagem obtida. A tarefa de reconhecimento de imagens foi dividida em duas etapas: Pré-Processamento e Aquisição de Imagem, já as funções mais especificas abordam as etapas de Segmentação, Extração e Seleção de atributos e Interpretação e Reconhecimento das imagens adquiridas. Foi desenvolvido um sistema comportamental reativo, para a tomada de decisão, que levou em conta os objetivos, regras e percepções do ambiente. O robô - batizado com o nome MATTIGER - foi desenvolvido especificamente para a tarefa apresentada no trabalho, utilizando um projeto modular, que permite a expansão das suas habilidades, possibilitando que sirva de base para outras pesquisas.

DESENVOLVIMENTO E ALEGRIA NO LAR

  • Tania Mara Zancanaro Pieczkowski, MSc, taniazp@unochapeco.edu.br

Universidade Comunitária Regional de Chapecó, UNOCHAPECÓ, Chapecó, Brasil

Palavras-chave: Atendimento domiciliar, múltiplas deficiências, desenvolvimento

DESENVOLVIMENTO E ALEGRIA NO LAR

Coordenador do projeto: Tania Mara Zancanaro Pieczkowski – Pedagogia – tanizp@unochapeco.edu.br

Acadêmica bolsista: Sarita de Oliveira Mendes - Pedagogia – saritam@unochapeco.edu.br

Resumo

O projeto em andamento foi desenvolvido em 2007 e renovado para o ano de 2008. Envolve sete adolescentes com múltiplas deficiências que, em razão das acentuadas necessidades especiais ou limitações no contexto social, encontram dificuldades ou impedimentos para freqüentar escolas ou instituições de atendimento educacional especializado. Dos sete adolescentes quatro já participaram em 2007 e três foram inseridos neste ano. Entre os objetivos do projeto destaca-se: propiciar a adolescentes com múltiplas deficiências, limitados ou impossibilitados de freqüentar escolas ou instituições de atendimento educacional especializado, vivências educacionais e lúdicas no ambiente domiciliar; apoiar as famílias na otimização do potencial educativo dos filhos; desenvolver o interesse por atividades pedagógicas pautadas na ludicidade, como: literatura, jogos, brinquedos, brincadeiras, músicas, desenhos, modelagens, pinturas e interagir socialmente com adolescentes que possuem múltiplas deficiências. A metodologia adotada contemplou a apresentação do projeto a profissionais responsáveis pela Educação Especial na Secretaria Municipal de Educação de Chapecó, à direção da APAE- Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais e à integradora regional de Educação Especial, representante da FCEE - Fundação Catarinense de Educação Especial na GERED - Gerência Regional de Educação de Chapecó. Do diálogo com os profissionais mencionados surgiu a indicação de nomes de adolescentes com deficiência, dentre os quais sete foram contemplados. Posteriormente, a coordenadora e a bolsista apresentaram o projeto às famílias e fizeram o reconhecimento dos adolescentes. Destes, somente um freqüenta uma instituição de atendimento educacional especializado em dois dias por semana e seis não participam de outras atividades educacionais exceto as oferecidas quinzenalmente por este projeto. O trabalho in loco é desenvolvido pela acadêmica bolsista, que dedica dezesseis horas semanais para atuação e planejamento, supervisionada pela coordenadora do projeto. O atendimento domiciliar é uma modalidade educacional prevista na Política Nacional de Educação Especial conceituada como atendimento educacional prestado ao portador de necessidades especiais, em sua casa, face a impossibilidade de sua freqüência à escola. Os esforços serão direcionados para que, na medida do possível, os adolescentes sejam encaminhados ou reencaminhados para escolas ou instituições de atendimento educacional especializado, uma vez que compartilhamos dos pressupostos da psicologia histórico-cultural defendida por Vygotsky, salientando a importância da interação social no desenvolvimento humano. Os adolescentes e suas famílias revelam satisfação com o trabalho desenvolvido. O interesse pelo projeto está sendo manifestado também por outras crianças que residem nas proximidades ou apresentam grau de parentesco e que envolvem-se nas atividades, o que reflete positivamente no desenvolvimento dos adolescentes sujeitos da extensão. Embora envolver outras crianças não tenha sido um objetivo inicial, foi um fator que qualificou a proposta. Este projeto de extensão da modalidade Balcão de Atividades de Extensão e os recursos financeiros para seu desenvolvimento são provenientes do FAPEX (Fundo de Apoio à Extensão) da UNOCHAPECÓ. O projeto terá duração até dezembro de 2008 e sua continuidade dependerá da aprovação de nova fonte financiadora.

Palavras-chave: Atendimento domiciliar, Múltiplas deficiências; Desenvolvimento.

DESENVOLVIMENTO LOCAL E PROCESSO EDUCATIVO: A EXPERIÊNCIA DAS MULHERES DA AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MAFRA/SC

  • Eliane Nilsen Konkel, E, cauekonkel@terra.com.br
  • Sandino Hoff, Dr(a), sandino.hoff@unoesc.edu.br

Universidade do Contestado, UNC, Caçador, Brasil

Palavras-chave: educação , desenvolvimento , mulher

O estudo de dissertação que esta sendo realizado tem como intenção entender como as mulheres trabalhadoras rurais se instrumentalizam para atuar nas associações da agricultura familiar. Constatando que à educação é atribuída função de inserção e permanência dos indivíduos no mundo globalizado, observou-se qual modalidade educativa instrumentaliza as mulheres no espaço rural que sempre margeou as políticas educativas. As associações são tomadas como modelo de desenvolvimento local no município e em seu interior pode-se observar que elas surgiram a partir da necessidade de homens e mulheres de encontrar uma maneira de permanecer no campo vencendo a precarização do trabalho. Precisamente, nesta pesquisa qualitativa com interpretação a partir da análise de conteúdo, destacam-se a trajetória de aprendizado das mulheres em três associações de produção familiar da cidade de Mafra/SC. Os estudos desenvolvidos até o momento apontam o aprendizado a partir da relação entre educação informal e trabalho. Também constata-se que as associações estão agindo como atores de desenvolvimento local, e protagonizando uma nova oportunidade econômica ao município, a partir do trabalho associativo. Neste sentido as mulheres podem ser reconhecidas como agentes de um processo de desenvolvimento em construção. Também, as associações oportunizam as mulheres, acesso aos instrumentos para superar sua condição de opacidade no trabalho, bem como o questionamento acerca das relações de gênero em âmbito familiar. Os estudos apontam que o desafio para as mulheres está na superação da dupla jornada de trabalho, pois elas estão adentrando ao espaço público sem discutir as relações no espaço privado. A atenção para o desenvolvimento local aponta para a necessidade de enfocar as experiências das mulheres nos espaços da pequena propriedade, destacando elementos capazes de aprofundar a reflexão sobre a formação da mulher no trabalho mediante o dispêndio de trabalho físico, espiritual e cultural. O aprendizado que não é linear nem formal, mas influenciado por fatores culturais que forjam mudanças lentas, são efetivas. Transpostos os espaços escolares, apresentam-se novos locais de aprendizagem, transformando os espaços do trabalho em socialização e apropriação de saberes e conhecimentos. As mulheres se instrumentalizam a partir do que fazem, numa tarefa única e humana de trabalhar e educar protagonizando o que aprendem. Nessa direção, dimensiona-se o processo educativo à formação das mulheres que se organizam em associações familiares de produção. As mulheres aproximando trabalho e aprendizado insere-se nos processos de desenvolvimento de forma operante e fundamental. Espera-se que as contribuições práticas surgidas no decorrer da pesquisa, possam auxiliar as mulheres inseridas na agricultura familiar a despertar para a organização. Também pode tornar-se um indicativo aos gestores e órgãos afins para intensificar as políticas públicas voltadas para as mulheres como forma de obter êxito, no conjunto dos novos procedimentos que se prestam a desencadear processos de desenvolvimento local visualizando o potencial da mulher na agricultura familiar.

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA PRODUÇÃO LEITEIRA DOS AGRICULTORES DA COOPERATIVA DOS PRODUTORES DE LEITE DE QUILOMBO - COOPLEQUIL

  • Luis Henrique Rangrab, MSc, rangrab@unochapeco.edu.br
  • Matheus Collet Tambosi, Graduando, metambosi@unochapeco.edu.br
  • Lucélia Janes Hans, Graduando, lucelia@unochapeco.edu.br

Universidade Comunitária Regional de Chapecó, UNOCHAPECÓ, Chapecó, Brasil

Palavras-chave: desenvolvimento, leite, cooperação

Coordenador:

Bolsista/Estagiário:

O Projeto de Desenvolvimento Sustentável da Produção Leiteira dos Agricultores da Cooplequil é desenvolvido pelos Programas de Extensão da Unochapecó ITCP - Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares e GTA - Grupo de Trabalho em Agroecologia, em parceria com a Cooplequil e a Secretaria Municipal de Agricultura de Quilombo. O trabalho visa o desenvolvimento da atividade leiteira de produtores com baixa produção, em vias de exclusão, a se manterem na atividade. O leite produzido pelas famílias associadas, remunerado de forma igualitária, independente da escala de produção, é recolhido e comercializado a um laticínio. Além disto, o projeto busca fomentar a melhoria da produtividade e qualidade do leite, estimula a troca de experiência entre os produtores, através da realização de dias de campo e capacitação na atividade. Desta forma fortalece a autonomia do produtor e amplia as relações institucionais no apoio aos agricultores da região. A interlocução da Universidade neste espaço produtivo possibilita o confronto entre a teoria e a prática, fundamental no desenvolvimento técnico-científico na formação acadêmica. A criação desta Cooperativa, atualmente com mais de 400 cooperados, teve o apoio do Programa de Extensão da Unochapecó PAPEL – Programa de Apoio a Processos Participativos de Desenvolvimento Local/Regional que elaborou Planos Estratégicos Participativos em sete municípios da região, dentre eles Quilombo. Os Planos previam ações como a produção agroecológica e a ampliação do programa de produção de leite a base de pasto. Numa parceria que se efetivou posteriormente para o município de Quilombo, entre o GTA, o PAPEL e a ITCP, realizaram-se inúmeros trabalhos junto aos produtores como: financiamento a fundo perdido de tanques de transporte e armazenamento de leite, cursos de produção de leite, projetos de pesquisa, captação de recursos junto a organizações financiadoras, entre outros. Neste projeto, a Universidade constituiu em parceria com a Prefeitura Municipal e Cooplequil, um programa de desenvolvimento da produção e qualidade do leite, em que priorizou cooperados com produção abaixo de 30 litros/dia. O conjunto dos produtores da Cooplequil foi organizado por região geográfica do município, sendo que em cada regional foi identificada e assessorada uma propriedade para servir de referência e troca de experiência em capacitações e dias de campo aos demais cooperados. Nesta propriedade referência é realizada visitas periódicas com o objetivo de orientar os produtores na melhoria da pastagem e do manejo, produzindo leite à base de pasto. Este modelo de produção torna-se uma alternativa para os agricultores familiares que produzem leite, com potencial de dar sustentabilidade ao processo produtivo. Desta forma otimiza o uso dos recursos internos, acarretando uma diminuição do custo de produção, além, de garantir uma redução dos processos erosivos do solo e melhor distribuição dos dejetos produzidos pelos animais. Atualmente encontram-se implantadas 20 unidades demonstrativas. Um projeto financiado pelo Fundo de Apoio a Extensão – Fapex, específico para melhoria da qualidade do leite, também é desenvolvido nas unidades de referência.

Palavras-chaves: desenvolvimento, leite, cooperação.

Matheus Collet Tambosi – mctambosi@unochapeco.edu.br e Lucélia Janes Hans – Agronomia – lucelia@unochapeco.edu.br
Luis Henrique Rangrab – Agronomia – rangrab@unochapeco.edu.br

DESTINAÇÃO DE PARTE DO IMPOSTO DE RENDA DEVIDO PARA FUNDO DA INFÂNCIA E ADOLESCENCIA – FIA: ESTUDO E SEUS BENEFÍCIOS PARA A SOCIEDADE LOCAL

  • Daiana Zaleski, Graduando, proinpes@unerj.br
  • Daiane Cristine Baader, Graduando, dai_baader@unerj.br
  • Paulo Oscar Gielow, MSc, paulooscar@unerj.br

Centro Universitário Católica de Santa Catarina, PUC, Jaraguá do Sul, Brasil

Palavras-chave: Imposto de Renda de Pessoa Física, Imposto de Renda de Pessoa Jurídica, FIA

A sociedade carece, cada vez mais, de investimento voltado para área social. Os recursos constantes dos orçamentos municipais são escassos e nem sempre são mostrados de forma adequada e transparente. A Lei n º 8069, de 13.07.90, que criou o Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA, e suas posteriores alterações, vem permitindo, desde 1998, no artigo 260, que os contribuintes do Imposto sobre a Renda, pessoas jurídicas tributadas com base no lucro real e pessoas físicas optantes pela declaração de ajuste anual modelo completo, deduzam do imposto de renda devido os valores das doações efetuadas espontaneamente aos Fundos controlados pelos Conselhos Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente. Com base neste contexto, esta pesquisa teve como objetivo sugerir formas de ampliar a captação de recursos relacionados ao Imposto de Renda Devida da Pessoa Física e da Renda Pessoa Jurídica para o Fundo Da Infância e do Adolescente – FIA. Para a sua realização aplicaram-se técnicas de pesquisa bibliográfica, documental e amostragem estatística. O estudo iniciou-se com uma pesquisa bibliográfica sobre o que é imposto de renda, o que é o FIA, quem pode contribuir, como fazer para contribuir ao FIA. Elaboramos questionário para fazer a nossa amostragem estatística. Os questionários foram aplicados aos funcionários do Centro Universitário de Jaraguá do Sul – UNERJ que representaram as pessoas físicas e também aplicados para os profissionais associados Sindicato dos Contadores de Jaraguá do Sul – SINDICONT, que é referente às pessoas jurídicas. Nos questionários de pessoa física podemos observar que apesar da pouca divulgação do FIA, 74% dos respondentes são potenciais doadores, pois fazem a declaração de ajuste anual no modelo completo e desses 74%, 72% têm interesse em destinar parte do imposto de renda devido ao fundo, sendo que nenhum dos respondentes efetuou a contribuição. Já no questionário de pessoa jurídica, somente 25% dos respondentes afirmaram ter de 1 a 5 cliente, pessoa jurídica, que destinaram parte do imposto de renda devido ao FIA, enquanto 75% dos respondentes não tiveram nenhum cliente que tenha destinado. Para aumentar a divulgação recomendamos a redistribuição de cartilha de esclarecimento e sensibilizar os escritórios de contabilidade, empresas e comunidade em geral, palestras voltadas à comunidade, palestra na semana da contabilidade, criar mecanismos facilitadores do processo de efetivação das doações da contabilidade. Por fim, conclui-se que o motivo da pouca destinação seja provavelmente a falta de divulgação e de mecanismos para que facilitem a destinação para o fundo.

DETERMINAÇÃO SÉRICA DE LIPÍDEOS: VARIAÇÕES INTERLABORATORIAIS

  • Elaine Cristina Cabral, Graduando, nanyfarma@yahoo.com.br
  • Darlene Camati Persuhn Rolim de Moura, Dr(a), darlene@univali.br

Universidade do Vale do Itajaí, UNIVALI, Itajaí, Brasil

Palavras-chave: Lipídeos, Interlaboratorial, Variabilidade

A aterosclerose é a principal causa de morte no mundo ocidental. Está amplamente distribuída em todo mundo e vem alcançando proporções epidêmicas alarmantes, impactuando de maneira importante os orçamentos públicos de saúde. A determinação laboratorial das concentrações de triglicerídeos, colesterol total (CT), HDL-colesterol (HDL-C) e LDL-colesterol (LDL-C) é pré-requisito importante na avaliação do risco que um indivíduo apresenta de desenvolver doenças relacionadas à aterosclerose. Estas dosagens bioquímicas estão sujeitas a interferência em todas as etapas: pré-analíticas, analíticas e pós-analíticas. O objetivo deste trabalho foi avaliar a variabilidade interlaboratorial na determinação destes analitos, visando focar especificamente as variações relacionadas à fase analítica a fim de verificar se existe efeito da escolha do laboratório sobre o resultado. Para isso, foram enviados aos laboratórios de análise clínicas (LACs) participantes do estudo 10 amostras de soro de origem humana para determinação de triglicerídeos, CT, HDL-C e LDL-C. As amostras foram obtidas a partir de indivíduos previamente selecionados. A metodologia foi planejada a fim de eliminar variáveis pré-analíticas, permitindo assim quantificar a variação da mesma determinação entre os LACs participantes. A determinação de CT foi a que apresentou a menor dispersão de resultados sendo este dado evidenciado pela inexpressiva quantidade de valores fora da linha de ± 2SD. A análise de dispersão de HDL-C mostrou que 50% dos indivíduos analisados receberia resultados com interpretações clínicas diferentes por diferentes LACs. Esta porcentagem foi de 40% no LDL-C e de 40% para triglicerídeos. Estes resultados demonstram que existe imprecisão na determinação interlaboratorial de lipídeos, o que torna válida a orientação da Sociedade Brasileira de Cardiologia de realizar determinações seriadas no mesmo LAC. A análise dos resultados por LAC permite observar que existe uma clara tendência de alguns laboratórios em apresentar resultados significativamente (SD>3) maior ou menor que os demais participantes. Um adequado controle interno e externo da qualidade tende a reduzir a amplitude da variação interlaboratorial, uma vez que permite ao LAC a clara comparação do seu resultado a valores-alvo. Estas análises deverão servir como norteadores que orientam o administrador acerca das melhorias necessárias em busca da qualidade.

Apoio / Parcerias: Artigo 170/SC 2006/2007

DIAGNÓSTICO OCUPACIONAL DE UMA ÁREA DE RECARGA DO AQUÍFERO GUARANI EM PERÍMETRO URBANO

  • Camila Lucas Chaves, Graduando, kmila2252@yahoo.com.br
  • Silvana Manfredi Coimbra, MSc, silvanam@uniplac.net
  • Leonardo Ceccato de Lima, Graduando, leonardocdelima@bol.com.br

Universidade do Planalto Catarinense, UNIPLAC, Lages, Brasil

Palavras-chave: Recursos hídricos, mata ciliar, efeito antrópico

A ocupação e uso desordenados dos recursos naturais são os maiores responsáveis pela degradação ambiental. A reversão destes estados é dependente de ações planejadas e fundamentadas em informações precisas e atualizadas sobre os meios biótico e abiótico. Considerando a importância da inter-relação entre uso e ocupação do solo e os processos hidrológicos, o presente estudo tem por objetivos i. realizar o diagnóstico ocupacional de uma área de recarga do Aqüífero Guarani, situada no perímetro urbano de Lages, onde se encontram nascentes do Rio Carahaá e ii. sugerir propostas para o manejo sustentável das propriedades, através da implantação de projetos-pilotos para recuperação de matas ciliares degradadas e proteção das nascentes. Esse trabalho faz parte do projeto Rede Guarani/Serra Geral, o qual é financiado pelo MCT/CNPq/CT/HIDRO/FAPESC. A área de estudo está delimitada pelas coordenadas geográficas 27°49’S e 50°20’W e altitude de 937 m. O clima da região de acordo com a classificação de Köppen é Cfb, temperado úmido sem estação seca, com verões amenos. O solo é predominantemente do tipo cambissolo húmico e a vegetação é constituída de campos e fragmentos de Floresta Ombrófila Mista. A área foi percorrida fazendo-se o georreferenciamento dos pontos de interesse e identificação das atividades desenvolvidas nos referidos pontos. Realizou-se levantamento florístico durante o mês de maio de 2008 em todo o remanescente de mata ciliar, em caminhamento por eixo longitudinal ao curso da água e na borda do fragmento. Em cada linha de caminhamento foram amostradas todas as plantas em estágio reprodutivo que se situavam numa faixa de até dois metros de cada lado da mesma, categorizando-as quanto aos estágios de floração, frutificação e síndrome de dispersão. As espécies amostradas foram coletadas e identificadas tendo seu material herborizado e depositado no Herbário da UNIPLAC. Foram identificadas 23 espécies em estágio reprodutivo, pertencentes às famílias Asteraceae, Clethraceae, Euphorbiaceae, Mimosoideae, Lauraceae, Melastomataceae, Myrtaceae, entre outras. Dessas, 18 espécies apresentaram síndrome de dispersão do tipo zoocoria, correspondendo a 75% do total das espécies amostradas. Empregando-se imagens de satélite da área de estudo, observou-se as mudanças ocorridas na área de recarga do Aqüífero Guarani, com ocupação e uso do solo principalmente com as atividades de pecuária, indústria e residências. As residências situadas no entorno não apresentam sistema de saneamento, sendo os efluentes domésticos lançados diretamente nos córregos Ipiranga e Santa Helena, afluentes do Rio Carahaá. Verificou-se ainda, a exposição de extensas faixas de afloramentos de arenito botucatu, sobre as quais desenvolve-se a atividade de extração de areia, bem como o decapeamento de uma gleba para construção de obra residencial. A mata nativa ocupa grande parte da área de estudo, com pequeno componente de reflorestamento de exóticas distribuídos ao redor de nascentes. Uma diminuição gradual dos remanescentes em conseqüência da expansão agropecuária e da extração de madeira para lenha pelos residentes do entorno, estão influenciando a qualidade da água superficial e subterrânea, tendo em vista que as atividades situam-se sobre áreas de confinamento do Aqüífero Guarani ou subjacentes a áreas de afloramento. Conclui-se que há necessidade urgente de proteção desses recursos.

DIREITOS DEVERES E CIDADANIA: O ECA NA COMUNIDADE ESCOLAR

  • Teresa machado da Silva Dill, MSc, teresa.dill@unoescxxe.edu.br

Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC, Joaçaba, Brasil

Palavras-chave: Família , Escola, Cidadania

As relações que conceituam o cotidiano entre pais e filhos, professores e alunos têm se constituído como tema de debate, preocupação e estudos freqüentes. Nos últimos anos, os conflitos nos ambientes familiares e escolares vêm provocando certa inquietude e preocupação em diversos setores da sociedade. Uma das questões que se evidenciam e indicam tal problemática relaciona-se à falta de limites das crianças e dos adolescentes. A realidade constatada é a de que os pais estão sem um norte que os oriente em relação à educação de seus filhos. Tal questão reflete no espaço escolar, impedindo o desenvolvimento das atividades pedagógicas no processo de apreensão e difusão do conhecimento básico, necessário e pleno à construção humanista e técnica.Ouve-se, freqüentemente, que o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e os Conselhos Tutelares atribuem muitos direitos às crianças e adolescentes, e que os pais perderam a autoridade; ou que a televisão e a internet substituem as motivações pelo estudo. Essas são algumas das verbalizações de pais e professores, que se sentem impotentes, tanto no processo de construção da educação formal como da informal. Frente a esse cenário, a Unoesc Campus de Xanxerê, por meio do Setor de Filantropia e Assistência Social, elaborou um projeto sob o título DIREITOS, DEVERES E CIDADANIA: O ECA NA COMUNIDADE ESCOLAR, com o objetivo de desenvolver atividades com a participação dos pais, alunos e professores, para desmistificar e interpretar questões acerca do Estatuto da Criança e do Adolescente, e desenvolver estudos e reflexões sobre os conceitos de direitos, deveres e limites. Inicialmente, a proposta foi a de envolver alguns estudantes do curso do Direito e de História, por meio de estudos que permitissem compreender a origem e a constituição do ECA. Durante o ano de 2007, foram realizadas atividades com alunos, professores e pais da Escola Básica Municipal Pequeno Trabalhador, em uma carga horária de vinte horas semanais. No ano de 2008, a mesma atividade acontece na Escola de Educação Básica Costa e Silva. A primeira atividade foi a de diagnosticar os principais problemas existentes no âmbito dos limites e das relações sociais e culturais. Em seguida, o bolsista procurou estabelecer relação de amizade e confiança com as crianças, por meio de oficinas e debates sobre o cotidiano familiar e escolar, identificando seus anseios e necessidades. Nesses momentos, houve discussões relacionadas aos direitos e deveres, para que as crianças fossem percebendo a necessidade de estabelecer limites e respeito à diversidade. A proposta foi também a de fazer com que os pais assumissem o papel de autoridades responsáveis pela educação de seus filhos. No transcurso das atividades, foram registrados avanços, desafios e limites correspondentes aos conflitos nas relações escolares e familiares, considerando-se a necessidade de um trabalho cada vez mais articulado entre escola, família e outros espaços que constituem a rede de garantia de construção da cidadania.

ECONOMIA DOMÉSTICA – ADMINISTRANDO AS CONTAS DA CASA IV

  • Jani Floriano, MSc, janifloriano@univille.net

Universidade da Região de Joinville, UNIVILLE, Joinville

Palavras-chave: economia, finanças-pessoais, educação

O projeto ‘Economia Doméstica – Administrando as contas da casa IV’ se propôs a dar continuidade ao trabalho que já vem sendo executado na comunidade de Joinville/SC, buscando apresentar instrumentos de Economia Doméstica e a sua utilização no dia-a-dia, cujo intuito é possibilitar a otimização dos recursos financeiros. Diante do sucesso e com base na necessidade verificada na comunidade, essa é a quarta edição do projeto, fundamentada na constatação de que os currículos não contemplam a Educação Financeira. Destaca-se que cabe a universidade um papel relevante, pois sua função está na área de educação não apenas formal em nível superior, mas também integrando os alunos a comunidade, criando um ambiente de aprendizado contínuo e extraclasse. Portanto, o projeto dá continuidade ao trabalho de integração dos alunos da UNIVILLE com a comunidade, auxiliando na educação de ambos, com a conscientização sobre a importância da boa administração dos recursos, sejam eles financeiros ou não. Para tanto, a abordagem do tema é através de oficinas e cursos, demonstrando os benefícios e vantagens que as famílias podem obter com o orçamento doméstico. Assim, o objetivo geral é conciliar a educação teórica dos alunos de graduação com a prática nas comunidades, referente à Economia Doméstica. Como objetivos específicos o projeto visa oferecer curso de aperfeiçoamento aos alunos de graduação da UNIVILLE, os quais são os multiplicadores; possibilitar a integração dos alunos de graduação com a comunidade; apresentar conceitos de Economia Doméstica e orçamento familiar com aplicação prática; apontar dicas e atitudes do dia-a-dia, visando orientar e disciplinar quanto aos gastos familiares; expor alternativas para equacionar e solucionar problemas financeiros e demonstrar os benefícios e facilidades da elaboração e controle do orçamento familiar. Para alcançar tais objetivos, as oficinas são ministradas pelos multiplicadores nas comunidades previamente selecionadas. Os multiplicadores são qualificados em um curso de aperfeiçoamento de 20 horas/aulas e contam com material de apoio que consiste em cartilha explicativa, materiais pedagógicos, planos de ensino, cartazes e banners de divulgação dos dias e horários das palestras, estando eles sob a orientação da professora Coordenadora. Finalmente, o projeto busca promover assistência educacional, conscientizando da necessidade de se planejar a finança familiar, ampliando as oportunidades à comunidade e gerando o bem estar social. Estando o projeto na sua quarta versão, desde 2005 até junho/2008, já foram beneficiadas 1.390 pessoas diretamente através de 53 oficinas. A fonte dos recursos é o Programa de Apoio às Atividades de Extensão da UNIVILLE. Quanto aos benefícios, destaca-se a inserção dos alunos da universidade à comunidade, oportunizando a aplicação da teoria na prática, favorecendo o crescimento do conhecimento científico e a vivência na sociedade. Para a comunidade, tem-se a promoção gratuita da assistência educacional referente à Economia Doméstica. Em relação à continuidade do projeto, já se vem discutindo uma nova abordagem buscando facilitar a compreensão da necessidade no ensino fundamental e médio sobre educação financeira, sob a ótica do sócio-interassionismo.

EFEITO DA ADMINISTRAÇÃO AGUDA DE CETAMINA E IMIPRAMINA SOBRE A ATIVIDADE DA CREATINA QUINASE EM CÉREBRO DE RATOS

  • Gislaine Tezza Rezin, G, gitezza@hotmail.com
  • Clarissa M. Comim, G, clarissamc@terra.com.br
  • Samira S. Valvassori, G, samirasv@yahoo.com.br
  • Lara Clemes Assis, Graduando, larinhaclemes@yahoo.com.br
  • João Luciano de Quevedo, Dr(a), joq@unesc.net
  • Emílio Luiz Streck, Dr(a), est@unesc.net

Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, Criciúma, Brasil

Palavras-chave: Cetamina, Imipramina, Creatina quinase

Os transtornos de humor estão entre as formas mais prevalentes de transtornos mentais e podem resultar em incapacidade, morte prematura e intenso sofrimento dos pacientes acometidos e seus familiares.A Organização Mundial da Saúde estima que em 2020 a depressão será a segunda maior causa de incapacidade mundial. Achados clínicos apontam uma ação rápida da cetamina no tratamento da depressão maior, considerando que antidepressivos clássicos podem levar um longo tempo para exibir seus efeitos terapêuticos. Estudos mostram que a depressão está associada a diminuição na produção energética, sendo portanto o ATP fundamental para o bom funcionamento celular. Neste sentido, a creatina quinase (CK) é uma enzima crucial para a homeostase energética do cérebro e a sua diminuição está associada com a morte celular. O presente estudo compara o efeito comportamental e a atividade da creatina quinase (CK) em cérebro de ratos depois da administração aguda de cetamina ou imipramina. Neste trabalho foram utilizados ratos Wistar machos adultos com 250 a 300 g, mantidos em ambiente climatizado 23±1ºC e com livre acesso a água e alimentação padrão. Em diferentes grupos de ratos (n=8) foi administrado intraperitonialmente salina, cetamina (5, 10 e 15 mg/kg) ou imipramina (10, 20 e 30 mg/kg) 60 minutos antes do teste de nado forçado. O nado forçado foi realizado colocando o animal em um aquário medindo 50cm x 47cm x 40cm com 30cm de água na temperatura de 23 ± 2°C. Após o tratamento os animais foram mortos por decapitação, o cérebro retirado e o córtex pré-frontal, cerebelo, hipocampo, estriado, córtex separados e homogeneizados. A proteína foi avaliada pelo método de Lowry (1951) e a atividade da CK pelo método de Hughes (1962). Os resultados mostraram que a administração de cetamina (10 e 15 mg/kg) e imipramina (20 e 30 mg/kg) reduziu o tempo de imobilidade quando comparado ao grupo salina. Também foi observado que a administração de cetamina (10 e 15 mg/kg) e imipramina (20 e 30 mg/jg) aumentaram a atividade da CK no estriado e no córtex cerebral. Além disso, a cetamina na dose (15 mg/kg) e imipramina (20 e 30 mg/kg) aumentaram a atividade da CK no cerebelo e córtex pré-frontal. Por outro lado, o hipocampo não foi alterado. Nossos achados sugerem que o aumento da atividade da CK induzida pela cetamina e imipramina pode ser um dos mecanismos de ação rápida dos antidepressivos.

Apoio / Parcerias: CNPq, CAPES, UNESC, FAPESC

EFEITOS TERAPÊUTICOS DO EXERCÍCIO FÍSICO AQUÁTICO EM MODELO ANIMAL DE ARTRITE

  • Débora da Luz Scheffer, Graduando, deborascheffer@hotmail.com
  • Francielle Silvano Cardozo, Graduando, franciellesc@gmail.com
  • Mislaine Silvano Cardozo, Graduando, mislaine@yahoo.com.br
  • Diego José Cifrentes, G, diegojcifruenter@yahoo.com.br
  • Luciano Acordi da Silva, MSc, Luciano_acordi@yahoo.com.br
  • Pedro Roosevelt Torres Romão, Dr(a), ptr@unesc.net
  • Ricardo Aurino Pinho, Dr(a), rap@unesc.net

Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, Criciúma, Brasil

Palavras-chave: Artrite, Exercício Físico Aquático, Espécies Reativas de Oxigênio

Histórico da proposta: A Artrite Reumatóide (AR) é uma doença do grupo das Doenças Reumáticas, que se caracteriza por um processo inflamatório. O metabolismo do oxigênio tem um papel importante na patogênese da AR, por produzir espécies reativas que pode danificar proteínas, lipídios, ácidos nucléicos, e componentes da matriz da cartilagem. Junto com outras doenças músculo-esqueléticas, a AR afeta aproximadamente 1% da população e determina um custo social e econômico importante, considerando o grau de incapacidade para o trabalho e também o aumento da mortalidade decorrente desta doença. Embora o exercício físico seja utilizado na terapêutica de diversas doenças osteoarticulares, ainda existem dúvidas quanto sua aplicabilidade sobre a AR. Assim, o objetivo do presente estudo foi investigar os efeitos terapêuticos do exercício físico sobre a resposta inflamatória e danos oxidativos em camundongos induzidos a artrite. Métodos e Resultados: Todos os procedimentos foram realizados de acordo com "Guiding Principles in the Care and uses of Animals” e aprovados pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade do Extremo Sul Catarinense – UNESC, conforme parecer nº 660/2007. Foram utilizados 24 camundongos machos (CF1, 30-35g, 8-10 semanas de idade) divididos em quatro grupos: não-treinado imunizado – NTI; não-treinado falso imunizado - NTFI, treinado imunizado - TI e treinado falso imunizado - TFI. Todos os animais foram ambientados durante uma semana em uma piscina com dimensões de 120X60X50cm e raias 10X15X50cm. Os animais treinados foram submetidos a um programa de exercício por 60 dias, 5 vezes por semana, 2X30 minutos com 5 minutos de intervalo. Vinte e quatro horas após a última sessão de treinamento, os animais foram mortos por deslocamento cervical. Foi realizado o lavado articular (2X200uL) e o líquido articular foi utilizado para os ensaios bioquímicos. Foi determinado dano oxidativo em lipídeos pela formação de espécies reativas ao acido tiobarbitúrico (TBARS) e o conteúdo totais de tióis não oxidado (SUFIDRILA). Os resultados mostram um aumento significativo nos níveis de lipoperoxidação no grupo NTI (0,437± 0,06 nnmol/mg de proteína) em relação ao grupo NTFI (0.16± nnmol/mg de proteína) e uma redução significativa no grupo TI (0.20± 0.06 nnmol/mg de proteína) em relação ao grupo NTI. A indução da artrite causou uma redução nos níveis de sulfidrila independente do treinamento (NTI: 5.89± 0.5nnmol/mg de proteína; TI:5.55±0.7 nnmol/mg de proteína) em relação aos seus controles (NTFI: 9.1± nnmol/mg de proteína; TFI: 8.1±1nnmol/mg de proteína). A migração de neutrófilos induzida por mBSA nos camundongos imunizados foi significativamente inibida nos camundongos que foram submetidos ao protocolo de treinamento físico. Conclusão: O exercício físico realizado de forma terapêutica diminui os marcadores de lipoperoxidação em ratos submetidos ao modelo de artrite. Perspectivas para continuidade da ação: Com base nos nossos achados sugerimos que o exercício físico possa ser uma ferramenta eficaz, não farmacológica, agindo sobre os sistemas de reparos e atenuando os efeitos deletérios da doença. Salientamos ainda, que mais estudos são necessários para elucidar os efeitos do exercício sobre os mecanismos bioquímicos da artrite Fontes de custeio: Unesc – Capes – CNPq.

Apoio / Parcerias: Unesc – Capes – CNPq

ELABORAÇÃO DE BANCADA DIDÁTICA PARA REDES INDUSTRIAIS, APLICADA AOS PROTOCOLOS CANOPEN E MODBUS RTU.

  • Diego Holocheski Rodrigues, Graduando, proinpes@unerj.br
  • Alexandre José da Silva, MSc, alexandrejs@weg.net

Centro Universitário Católica de Santa Catarina, PUC, Jaraguá do Sul, Brasil

Palavras-chave: Bancada didática, Redes Industriais, CanOpen e Modbus RTU

O uso das redes de comunicação industrial tem cada vez mais se tornado um recurso essencial no desenvolvimento de sistemas de automação. Com o advento dos processadores, surgiram muitos protocolos, regras utilizadas para estabelecer comunicação, para troca de informações entre os equipamentos que integram o processo, reduzindo assim os custos de cabeamento, mão-de-obra, manutenção e posta em marcha (start-up). Devido a crescente utilização das redes, os protocolos foram padronizados, possibilitando a troca de dados entre equipamentos de diversos fabricantes. Uma das disciplinas optativas direcionadas à eletrônica de potência do curso de Engenharia Elétrica, trata justamente das redes industriais. Observou-se que a instituição não possuía laboratório e/ou equipamentos para simulação dos protocolos lecionados e os acadêmicos que já cursaram a disciplina sentiram que o conteúdo desta disciplina seria mais bem aproveitado se a instituição disponibilizasse aulas práticas em que pudessem simular algumas redes utilizando os protocolos vistos em aulas teóricas. Baseado nesses princípios esta pesquisa de Iniciação Científica iniciou com o projeto de desenvolvimento de uma bancada didática para estudo de redes industriais, que por sua vez surgiu a partir da necessidade de integração entre o estudo teórico e as aulas práticas para a disciplina de Redes Industriais do curso de Engenharia Elétrica da UNERJ. Foram definidos dois tipos de redes para o desenvolvimento da bancada: a rede Modbus RTU, a qual tem características de comunicação Mestre/Escravo é uma das redes mais difundidas atualmente e de fácil implementação e a CanOpen, a qual apresenta características de comunicação Produtor/Consumidor é uma rede muito versátil que possibilita acesso a camadas de comunicação restritas para outras redes. Execução de pesquisa para definição dos dispositivos que provessem comunicação nas redes propostas e desenvolvimento de um projeto elétrico para contemplar todas as proteções necessárias e um projeto mecânico que disponibilizasse um acesso fácil e rápido em uma bancada dupla face, ou seja, de um dos lados da bancada temos a rede Modbus RTU e no outro lado a rede CanOpen, possibilitando o estudo das duas redes simultaneamente. Após a definição do hardware foram desenvolvidos exercícios práticos para o estudo das redes propostas documentado-os para sua execução passo-a-passo auxiliando desta maneira os acadêmicos durante as aulas práticas da disciplina. Além de proporcionar um contato prático com as redes industriais de uma maneira simples e bem documentada o acadêmico terá acesso a softwares e dispositivos de alta tecnologia os quais poderão futuramente ser utilizados para o desenvolvimento de outros projetos.

ELUCIDAÇÕES SOBRE A INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PROCESSO DE REABILITAÇÃO CARDIOVASCULAR NAS FASES III E IV EM MULHERES DE 40 A 70 ANOS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE HIPERTENSOS

  • Karine da Silva Marques, Graduando, kamarques_fisio@hotmail.com
  • Tarso Waltrick, E, tarsow@hotmail.com

Universidade do Contestado, UNC, Caçador, Brasil

Palavras-chave: reabilitação cardio-vascular, equipe multidisciplinar, qualidade de vida

A reabilitação cardiovascular pode ser conceituada como um ramo de atuação da cardiologia que, implementada por equipe de trabalho multiprofissional, permite a restituição, ao indivíduo, de uma satisfatória condição clínica, física, psicológica e laborativa. Os objetivos de um programa de reabilitação cardiovascular amplo são o alcance de uma condição de saúde ótima para cada paciente, manutenção dessa condição não somente física e psicológica, mas também social, vocacional e econômica.A Fase I inclui a educação do paciente e da família, com o objetivo de prevenir problemas associados ao repouso prolongado no leito. A Fase II representa um programa precoce de pós-hospitalização que consiste de exercícios monitorizados e supervisionados por médicos. Os programas da Fase III objetiva o alcance de um nível de função cardiovascular compatível com a ocupação profissional de cada paciente ou até mesmo, sua preferência recreativa. A da Fase IV é uma continuação da Fase III e representam a fase de manutenção a longo prazo do ganho funcional já adquiridas após a recuperação. O desempenho profissional de fisioterapeutas atuantes na Reabilitação Cardiovascular desenvolve e fortalece a visão da integridade do ser, preservada na concepção multidisciplinar do serviço desde a prevenção até a sua plena reinserção social. Assim surgiu a necessidade de refletirmos sobre as múltiplas estratégias que podem ser adotadas, com o intuito de integrar o paciente e o tratamento, para que este tenha uma melhor qualidade de vida. É muito importante a correta avaliação e orientação de uma equipe multidisciplinar, incluindo Fisioterapeutas. Além disso, é necessário à assunção do compromisso do paciente de seguir hábitos de vida saudáveis, como manter o peso corporal controlado, diminuir a ingestão de sal, evitar bebidas alcoólicas, tabagismo, controlar os índices de colesterol, praticar exercícios físicos adequados e adotar medidas de relaxamento para evitar o estresse, bem como, o correto tratamento de patologias concomitantes, em especial HAS. Com a elaboração e elucidação do trabalho acadêmico foi constatado uma participação ativa do público alvo nos encontros, aceitação das propostas de melhoras na qualidade de vida, das quais o enfoque principal era mudanças comportamentais estimulando alterações positivas dos fatores de risco modificáveis, como um aumento na adesão ao tratamento anti-hipertensivo não medicamentoso pelos participantes do Grupo de Hipertensos do Bairro Berguer. Pode-se observar pontos negativos como o déficit de funcionários para atendimento educacional e assistencial ao hipertenso, com maior enfoque na falta de um profissional de fisioterapia para realizar acompanhamento e Reabilitação Cárdio-Vascular na Rede Básica de Saúde no Município de Caçador-SC. Concluímos que o profissional fisioterapeuta exerce função determinante na conscientização de mulheres hipertensas participantes do grupo de controle sobre a dinâmica de um Programa de Reabilitação Cardiovascular assim como as intervenções do Fisioterapeuta inserido neste, suas ações em diferentes fases e a educação interativa sobre os fatores de risco modificáveis das doenças cardiovasculares, visando uma melhor qualidade de vida. Sua atuação resulta em um atendimento multi e inter profissional ao paciente, gerando educação, informação e segurança, nos processos degenerativos causados por fatores de risco, como a hipertensão e outros males associados.

Ensino de língua portuguesa - concepções e práticas de ensino

  • Daiana de Nez Moura , Graduando, danynha-m@unochapeco.edu.br
  • Mary Neiva Surdi da Luz , MSc, neivadaluz@unochapeco.edu.br
  • Mary Stela Surdi, MSc, msurdi@unochapeco.edu.br
  • Fabiana Cardoso Fidelis, MSc, fabiana@unochapeco.edu.br

Universidade Comunitária Regional de Chapecó, UNOCHAPECÓ, Chapecó, Brasil

Palavras-chave: concepções, língua , ensino

ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA – CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DE ENSINO

Coordenadora do projeto: Me. Mary Neiva Surdi da Luz , Grupo de Pesquisa Estudos Lingüísticos e Literários, Curso de Letras, neivadaluz@unochapeco.edu.br
Professoras Pesquisadoras: Me. Mary Stela Surdi, msurdi@unochapeco.edu.
Me. Fabiana Cardosos Fidelis, fabiana@unochapeco.edu.br
Bolsista: Daiana de Nez Moura, Curso de Letras, danynha_m@unochapeco.edu.br

O ensino de línguas e literaturas objetiva desenvolver capacidades que devem atuar em todas as áreas de conhecimento e em todos os níveis, possibilitando que o indivíduo resolva problemas da vida cotidiana, tenha acesso aos bens culturais e participe do mundo letrado. Como isso, de fato, se realiza na aula de língua portuguesa? Para responder a essa pergunta, foram entrevistados sete professores que atuam nos anos finais do ensino fundamental da rede estadual no município de Chapecó, que integra a Gerência de Educação de Chapecó/SC e a eles perguntou-se sobre quais são as concepções teórico-metodológicas que dão base para o seu trabalho nas aulas de língua portuguesa. Os critérios para seleção dos professores para a composição do corpus foram estar em curso ou ter concluído de curso superior e atuação nas séries finais do ensino fundamental. Para a coleta de dados foi utilizada como ferramenta metodológica a entrevista. Na entrevista, as perguntas foram feitas oralmente e as respostas foram anotadas ou gravadas pelo entrevistador e depois transcritas para facilitar a análise dos dados. A partir dos dados coletados é possível perceber que o professor tem mudado sua postura quanto ao sistema educacional. Já que a maioria dos entrevistados leva em consideração o aluno, suas dificuldades e bagagem cultural, para o planejamento de suas aulas. No entanto, o papel da teoria na prática fica um tanto distorcido na visão de alguns deles, que afirmam lembrar das idéias sociointeracionistas aprendidas em sua formação, mas que continuam utilizando em suas aulas formas tradicionais de ensino, como o ensino da gramática descritiva. Entretanto, a prática da reflexão lingüística a que o professor é submetido ao longo de sua formação não ficou muito enraizada na prática docente dos professores entrevistados, já que a maior parte deles afirma ter tido uma formação baseada na vivência do aluno como ponto de partida para o planejamento de suas aulas. Todavia, essa proposta não é totalmente incorporada no ensino. Falta ao professor um aporte teórico bem formulado que leve sua prática a ser mais proveitosa no sentido de desenvolver com os alunos a competência de uso da língua. Ligando, dessa forma, mais intrinsecamente o trabalho com a língua materna com o conhecimento teórico. Firmando, assim, o trabalho baseado nas propostas teóricas apontadas durante a graduação do docente. Sendo assim, o professor deve procurar conciliar em seu trabalho a teoria com a prática, de forma que possa vislumbrar o desenvolvimento na formação do aluno, considerando-o como um sujeito agente na sociedade. E, portanto, que pode utilizar-se da língua nos mais diversos meios, tendo plena visão sobre as suas variações e o uso que dela pode fazer em determinadas circunstâncias. (Fonte financiadora: Fape)

Palavras-chave: concepções, língua, ensino

ENTENDENDO A SEXUALIDADE INFANTIL: UM PROBLEMA TRABALHADO COM EDUCADORES DO CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL

  • Kellin Danielski, G, kellin.danielski@terra.com.br

Universidade Regional de Blumenau, FURB, Blumenau, Brasil

Palavras-chave: Educação infantil., Educação sexual., Enfermagem.

Com a portaria n° 678/1991 do Ministério da Educação, a educação sexual foi incluída transversalmente no currículo da Educação Infantil e se consolidou com os Parâmetros Curriculares Nacionais em 1997. Na educação, na saúde e politicamente, a educação sexual infantil teve atenção à medida que houve o aumento crescente na incidência de casos de adolescentes grávidas. Com isso, surgiu a preocupação pelos educadores em abordarem esse tema, pois teriam que trabalhá-lo dentro do conteúdo programático da escola ou por meio dos conteúdos já transversalizados nas diferentes áreas do currículo, ou extraprogramação sempre que houvessem questões relacionadas ao tema. Muitas vezes os conteúdos não eram trabalhados por diversos fatores e elementos: desconhecimento dos educadores acerca do tema, insegurança, crenças ou tabus. Dessa forma a relevância em trabalhar com a Educação Sexual em Centro de Educação Infantil - CEI pela Enfermagem estaria em discutir com os educadores suas percepções sobre a sexualidade infantil e assim promover uma melhor assistência às crianças em idade de zero à quatro anos. Numa abordagem qualitativa, teve-se como objetivo analisar a percepção das educadoras sobre o tema e realizar uma capacitação sobre a sexualidade infantil para as educadoras de dois CEI’s, no município de Blumenau pelos acadêmicos da 8ª fase da graduação em Enfermagem 2008/1. Todo o processo fez parte do estágio supervisionado curricular dos alunos, do módulo de Internato em Atenção Básica Primária e Secundária em que realizaram o reconhecimento do território de abrangência de uma Unidade Básica de Saúde com Estratégia de Saúde da Família para a definição do diagnóstico comunitário e levantamento de problemas ou necessidades de saúde. Partiu-se do problema verificado pela coordenadora do CEI e percebido pelas acadêmicas quando os educadores relataram dificuldade em conseguir agir em situações em que as crianças tinham demonstrações espontâneas de afeto de sua sexualidade. Constatado o problema, foram pensadas estratégias para serem realizadas durante o semestre letivo. Dentre elas, fez-se a capacitação aos educadores dos dois CEI’s sob a forma de oficina em que partiu-se das experiências dos educadores, feito uma exposição pelos acadêmicos sobre a sexualidade na infância, e em seguida, numa atividade de grupo foram discutidos problemas da própria vivência dos educadores e obteve-se trocas de experiências acerca das diversas situações e melhores abordagens às crianças. Proporcionou-se dessa forma, um momento de reflexão sobre a prática docente e compreensão das fases de desenvolvimento infantil que engloba a curiosidade corporal das crianças. Obteve-se um resultado positivo que proporcionou momentos de integração entre ensino e serviço, assim como contribuiu para a formação dos futuros enfermeiros.Estratégias como essas de Educação em Saúde avaliadas positivamente são planejadas para o próximo semestre letivo como forma de manter o vínculo entre e Universidade e os serviços de saúde e educação do município, assim como constitui-se numa das diversas atribuições do profissional enfermeiro.

ENTEROPARASITOS EM CÃES DOS MUNICÍPIOS DE CANOINHAS E TRÊS BARRAS, SC

  • Daniela Pedrassani, MSc, daniela@cni.unc.br
  • Janine Luciane Zucco, Graduando, ninezucco@hotmail.com

Universidade do Contestado, UNC, Caçador, Brasil

Palavras-chave: cães, enteroparasitos, zoonose

Atualmente as famílias adquirem animais de companhia, tanto pela importância emocional como pela crescente necessidade de segurança. Assim, os estudos sobre parasitismo em animais de estimação vêm despertando crescente interesse, frente à associação restrita e íntima entre o homem e os animais e suas conseqüências. Para a saúde pública, a verminose canina assume um papel de destaque, sendo responsável por importantes zoonoses no homem. Dentre elas destacam-se as formas larvares de Ancylostoma spp. e de Toxocara canis e o Dipylidium caninum que pode provocar infecção intestinal no homem. Dentre os protozoários que infectam o trato gastrintestinal dos cães, destaca-se a Giardia spp. que também pode causar infecção intestinal no homem. Dentre os animais domésticos, os cães são fontes de risco a saúde do homem pelas doenças que podem ser transmitidas por enteroparasitos. O conhecimento da ocorrência desses enteroparasitos é importante, tanto pelo caráter zoonótico assim como pelos danos diretos que estes causam em seus hospedeiros. Animais infectados com estes parasitos podem ser assintomáticos e portadores; desta forma favorecem a contaminação ambiental e o estabelecimento de novos casos. O homem pode contrair a infecção devido ao contato direto com o cão ou com suas fezes, principalmente ao brincar com o animal, ao efetuar a limpeza do local onde o animal vive. Este projeto teve por finalidade determinar a ocorrência de enteroparasitos em cães na área urbana dos Municípios de Canoinhas e Três Barras - SC, por meio de técnicas de diagnóstico coproparasitológico. Foi avaliado também o potencial zoonótico dos parasitos detectados nestes animais. Foram colhidas amostras de fezes de 60 cães no período de setembro a dezembro de 2006. As amostras foram examinadas pelos métodos coproparasitológicos de Willis&Mollay, Hoffmann, Pons & Janer, Gordon&Whitlock e Faust e colaboradores. A prevalência de enteroparasitos nos cães da região foi de 45%; sendo de 38 % em Canoinhas e de 80% em Três Barras. Em 96% das amostras positivas foram observados parasitos com potencial zoonótico. Das 60 amostras de fezes, 33 (55%) foram negativas. Ovos de Ancylostoma spp foram os mais prevalentes (73% das amostras positivas), seguidos por ovos de Toxocara spp., Trichuris vulpis e oocistos de Cystoisospora (6%). Os demais parasitos tiveram prevalência menor que 5%. Este trabalho demonstrou que a população canina da área urbana dos municípios analisados está infectada por enteroparasitos, especialmente Ancylostoma spp. e Toxocara spp., importantes agentes de zoonoses. Diante das prevalências observadas torna-se fundamental o controle adequado destas parasitoses, com o objetivo de diminuir a contaminação do meio ambiente pelas formas infectantes destes parasitos e consequentemente minimizar os riscos de infecção humana e canina.

ENTREVISTA COM EMPRESARIO EMPREENDEDOR

  • ROSANE MARIA NEVES, MSc, roneves@univali.br

Universidade do Vale do Itajaí, UNIVALI, Itajaí, Brasil

Palavras-chave: EMPREENDEDORISMO, GESTÃO, CRIATIVIDADE

A ATIVIDADE DE ENTREVISTA COM EMPRESARIO EMPREENDEDOR ACONTECE AO LONGO DO SEMESTRE LETIVO EM TRES OPORTUNIDADES. UTILIZANDO-SE DE ROTEIRO DESENVOLVIDO POR FERNANDO DOLABELA, OS ESTUDANTES FAZEM CONTATO COM EMPRESARIOS DE SUA REDE DE RELAÇÕES E FIRMAM AGENDA PARA SUA VISITA. O DEBATE ACONTECE SIMULTANEAMENTE ENQUANTO O EMPRESARIO CONTA SUA HISTÓRIA DE VIDA E DE EMPREENDIMENTO. A TAREFA DO PROFESSOR É ACOMPANHAR E FAZER AS ASSOCIAÇÕES PERTINENTES COM OS CONTEÚDOS E TEMAS VISTOS DE FORMA TEORICA DURANTE AS AULAS. APÓS A EXPERIENCIA OS ACADEMICOS TEM SUA PERCEPÇÃO E VISÃO SOBRE NEGOCIOS AMPLIADA. O EMPRESARIO SEMPRE SE MOSTRA SATISFEITO POIS A ATIVIDADE PROVOUCOU UMA REVISÃO DO SEU TRABALHO ENQUANTO SE PREPARAVA PARA O ENCONTRO NA ESCOLA. POSTERIORMENTE O PROFESSOR RECEBE E AVALIA UM RELATÓRIO ELABORADO PELOS ESTUDANTES, ONDE DEVEM INCLUIR SEU POSICIONAMENTO SOBRE O APROVEITAMENTO DA VIVÊNCIA.

ESCANER E GRAVAÇÃO EM ÁUDIO DE TEXTOS PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL DA EDUCAÇÃO BÁSICA E SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE RIO DO SUL

  • Carla Adriana Silva, E, carla@unidavi.edu.br

Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, UNIDAVI, Rio do Sul, Brasil

Palavras-chave: Acessibilidade, Leitura, Escanner

As exigências impostas pela sociedade e todo o processo de transformação que ela vem enfrentando, envolve as questões de acessibilidade ao contexto social. O projeto de escanner e gravação em áudio de textos para pessoas com deficiência visual da educação básica e superior do município de Rio do Sul surgiu de uma necessidade observada diante do registros de matriculas de alunos com deficiência nas instituições de ensino. Na Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí (UNIDAVI) este processo teve inicio em 2004 com o ingresso no curso de Psicologia de um aluno com deficiência visual – cegueira, e consequentemente com a percepção do gradativo aumento na demanda de alunos com esta deficiência em outros cursos da instituição. Este projeto propõe no âmbito educacional a aceitação das diferenças e principalmente, a quebra de barreiras comunicacionais e atitudinais, pois, proporciona o suporte necessário a alunos e professores na acessibilidade aos textos em tinta. Assim o aluno com deficiência poderá ter a sua vida acadêmica como outros alunos sem deficiência. Constata-se que as instituições de ensino possuem limitações quanto ao material didático específico aos acadêmicos com necessidades visuais, as quais variam de pessoa para pessoa, e aliado a isto a especificidade de cada curso. Este projeto de extensão tem por objetivo possibilitar o acesso aos conteúdos indicados em sala de aula a este específico público, além de possibilitar aos extencionistas o aprimoramento do contato com a diversidade de alunos com deficiência, o planejamento, a organização administrativa e demonstrar uma forma de acesso ao mercado de trabalho. Este projeto apresenta como metodologia trabalhar o processo de escaner de textos em tinta, que posteriormente poderão ser lidos pelo aluno com resíduos mínimos de visão, baixa visão ou visão subnormal através de um software que possibilita a leitura de tudo o que está na tela do computador. Outro processo metodológico acontecerá através da voz dos alunos bolsistas na gravação dos textos em áudio. Estes deverão ser entregues com uma semana de antecedência para que os bolsistas possam prepará-los para a gravação. O material será recolhido pelos bolsistas no decorrer do todo ano. Será utilizada a sala de apoio do Núcleo de Orientação a Pessoa com Necessidades Especiais – NOPNE para efetuar o escaneamento ou a locução, edição e gravação dos CDs. O presente projeto conta com dois alunos extencionistas do curso superior da UNIDAVI, sendo que cada extencionista possui 10horas semanais de dedicação ao projeto. Os resultados esperados, dizem respeito ao aproveitamento por parte dos extencionistas para obter um maior conhecimento sobre a locução, edição, gravação e todo processo envolvido, assim como, as técnicas de interação dos alunos com deficiência no âmbito educacional. Os alunos beneficiados terão acesso aos materiais em tinta, assim como a possibilidade de acompanhar academicamente o curso que escolheram.

ESCARCÉU: QUADRINHOS JOINVILLENSES NOS ANOS 80

  • Nielson Ribeiro Modro, MSc, nielson@modro.com.br

Universidade da Região de Joinville, UNIVILLE, Joinville

Palavras-chave: quadrinhos, Escarcéu, revista

Via de regra os quadrinhos são considerados erroneamente como um mero entretenimento, descompromissado e sem utilidade, ou mesmo como uma subliteratura de caráter infantil, porém, aos poucos as críticas vêm sendo refreadas pela constatação de que se trata de um recurso viável, bem como importante e necessário ao processo de aprendizagem, mas ainda muito pouco explorado, já que se trata de um produto culturalmente complexo. Utilizar uma literatura verbo-imagética é abrir a possibilidade de ampliar o uso da racionalidade humana, explorando não apenas o hemisfério esquerdo (lógico) do cérebro como também o hemisfério direito (emocional, artístico). Dentro desta perspectiva foi proposto o projeto de pesquisa LEITOR - A Linguagem dos Quadrinhos: Literatura, Arte e Conhecimento – que objetiva a busca por constatar a possibilidade de boas produções que possam servir como fundamento para o processo ensino-aprendizagem, de forma lúdica, porém séria e profunda, seguindo a tendência da valorização da literatura dos quadrinhos não apenas como meras narrativas literárias mas também como incorporadoras da linguagem artística, iconográfica. A metodologia aplicada é a investigação bibliográfica acerca da linguagem dos quadrinhos bem como de produções literárias desta manifestação, analisando as possíveis relações e usos pertinentes de obras estudadas, desenvolvendo um banco de dados relacionados com as mais diversas áreas de conhecimento. Entre alguns recortes já realizados há o destaque para uma produção dos anos 80 desenvolvida em Joinville: a revista Escarcéu. Trata-se de uma produção criada e editada pela Gang editores e cuja periodicidade deveria ser bimestral, porém teve uma vida bastante breve, durando apenas dois números lançados em 1987 e 1988. Apesar de vida bastante breve os dois números lançados foram suficientes para causar uma mudança significativa no perfil cultural da cidade. Um de seus principais frutos foi a página Subterrâneos, página fixa desde o primeiro número do caderno cultural Anexo de A Notícia e que foi por anos a responsável por textos e quadrinhos bem humorados que eram encontrados semanalmente em suas páginas. A Gang também foi a responsável por lançar os personagens ecologicamente ativos e corretos Monstrinhos do Cachoeira, quatro monstros que habitavam o poluidíssimo rio que corta Joinville e buscavam alertar para a necessidade de preservar o meio ambiente, muito antes do assunto estar tão em voga na mídia. Hoje, cerca de duas décadas após seu lançamento, a revista é item de colecionador mas certamente foi grande a sua importância para a história da cultura local e um de seus grandes trunfos era, sem dúvida, a presença de quadrinhos com traço peculiar e histórias que ainda hoje constituem excelente material para análise e discussão.

ESPORTES ADAPTADOS PARA A TERCEIRA IDADE

  • Gerson Ropelato, Graduando, ger_sonpersonal@hotmail.com
  • Cybelle Doederlein Soares Schlemper, MSc, cybelle@unidavi.edu.br
  • Flávia da Veiga, E, flavia@unidavi.edu.br
  • Ana Paula Gracioli, E, anagraci@unidavi.edu.br
  • Viviani da Silva, Graduando, viviani_s@hotmail.com

Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, UNIDAVI, Rio do Sul, Brasil

Palavras-chave: Terceira idade, Esportes adaptados, Qualidade de vida

O projeto Esportes Adaptados para a Terceira Idade surgiu quando percebemos que em Rio do Sul havia diversas atividades destinadas à população da terceira idade, como ginástica, recreação, jogos de mesa, mas que faltavam esportes coletivos. Neste ano tivemos em Santa Catarina a 1ª edição dos Jogos Abertos da Terceira Idade, com várias modalidades e a perspectiva é que nos próximos jogos será incluído o câmbio ou voleibol adaptado. Achamos interessante proporcionar esta vivência em Rio do Sul almejando, nos próximos Jogos, participarmos com uma equipe. Fizemos uma tentativa, como voluntárias, com o apoio da Proppex (Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Unidavi), do posto de saúde do bairro Santana e da Escola João Alfredo Krieck. Contatamos o grupo de idosos do Santana e os convidamos para participarem do projeto. Começamos com 15 a 20 pessoas, aumentando depois para 30. Com uma boa aceitação e perspectivas de sucesso, apresentamos à Proppex e fomos aprovados com bolsa. O objetivo da proposta é proporcionar à comunidade da terceira idade, atividades recreativas e esportes adaptados como forma de melhoria da qualidade de vida estimulando o gosto e o prazer pela prática do esporte adaptado às suas condições físicas; resgatando o desejo pelo movimento, estimulado através das atividades recreativas; propiciando através do jogo e da brincadeira, uma ferramenta de vida, provocando o “encontro” com seus semelhantes e consigo mesmo; melhorando a auto-estima fazendo com que se sintam úteis e parte importante do grupo social; estimulando aspectos da aptidão física relacionada à saúde (flexibilidade, agilidade, resistência, etc.) como melhoria na qualidade de vida; despertando o interesse pela participação em eventos esportivos, como os Jogos Abertos da Terceira Idade; proporcionando aos acadêmicos do Curso de Educação Física experiências teórico-práticas. As aulas acontecem duas vezes por semana no ginásio da Escola Alfredo João Krieck e tem o acompanhamento dos professores e acadêmicos. Inicia-se com alongamento e aquecimento preparando o idoso para a parte principal da aula, com atividades recreativas e/ou esportes adaptados, o câmbio e o basquete reloginho, a parte final com uma dinâmica de grupo e o alongamento. Os fatores relevantes são o embasamento teórico-prático para o corpo discente e docente, uma vez que surgirão constantes reflexões a respeito do trabalho que será desenvolvido, bem como sobre os conteúdos ministrados no curso, verificando se estes oferecem subsídios teóricos que instrumentalizam os alunos para o trabalho com o grupo de idosos. Espera-se um intercâmbio de conhecimento das diferentes áreas, favorecendo a constituição de um núcleo comum que trabalhe o envelhecimento e a qualidade de vida. O projeto é financiado pelo Fundo de Apoio à Pesquisa (FAPE). As perspectivas de continuidade são focadas para um trabalho educativo de promoção da saúde através da atividade física. É um processo contínuo e a percepção da melhora da saúde e qualidade de vida dos idosos é uma garantia de que haverá a possibilidade que este projeto perpetue e alcance um público cada vez maior tanto de idosos como de acadêmicos.

Estrutura populacional dos camarões–de-profundidade (Decapoda: Aristeidae) no Sudeste e Sul do Brasil

  • Martin Coachman Dias, Graduando, martindias@univali.br
  • Paulo Ricardo Pezzuto, Dr(a), pezzuto@univali.br

Universidade do Vale do Itajaí, UNIVALI, Itajaí, Brasil

Palavras-chave: Estrutura populacional, Pesca de profundidade, Aristeidae

Camarões aristeídeos são os recursos batiais mais novos em explotação no Brasil e incluem três espécies: Aristaeopsis edwardsiana (camarão-carabineiro), Aristaeomorpha foliacea (moruno) e Aristeus antillensis (alistado). No Brasil, são conhecidos os padrões reprodutivos gerais desses recursos e as respectivas dinâmicas de biomassa. Este projeto teve como objetivos estudar as variações espaço-temporais na estrutura populacional das três espécies nos principais fundos de pesca explotados no talude do Sudeste-Sul do Brasil. Distribuições de freqüências de tamanhos, proporções de sexos e de indivíduos adultos e juvenis nas capturas e variações nos tamanhos médios e proporções sexuais ao longo do tempo e do espaço foram calculadas com base em 254 mil camarões amostrados a bordo das embarcações comerciais. Não foram observadas variações espaciais expressivas na estrutura de tamanhos das espécies, as quais apresentam tamanhos maiores na costa brasileira do que em outras regiões do globo onde as mesmas encontram-se distribuídas. Ao longo dos meses, foram verificadas entradas e saídas de componentes modais nas estruturas de tamanhos, indicando movimentos de juvenis e adultos para dentro e para fora das áreas de pesca, especialmente para o camarão-carabineiro. Esta espécie demonstrou um diminuição dos tamanhos medianos de fêmeas e um aumento na razão sexual (M:F) ao longo dos anos da pescaria, sugerindo o efeito da concentração do esforço de pesca sobre a estrutura populacional deste recurso. Considerando tais variações, sugere-se que sejam investigadas possíveis alterações nas características reprodutivas das duas principais espécies, nos distintos fundos de pesca e anos de ocorrência da pescaria.

Apoio / Parcerias: Este trabalho teve o apoio do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica, PIBIC/ CNPq e Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca da Presidência da República (Convênio SEAP/PR/027/2007).

Estudo anatomopatológico em tecidos condenados pelo Serviço de Inspeção Federal (SIF) por suspeita de tuberculose

  • Aline Felix Schneider, Graduando, a6alc@cav.udesc.br
  • Celso Pilati , Dr(a), a2cp@cav.udesc.br

Universidade do Estado de Santa Catarina, UDESC, Florianópolis, Brasil

Palavras-chave: Tuberculose, Inspeção, Bovinos

Objetivou-se identificar as lesões microscópicas encontradas em amostras de linfonodos condenados por tuberculose pelo SIF, assim como, determinar outras causas que podem estar levando a condenação por tuberculose. Nessas mesmas amostras está se tentando identificar a presença ou não de Mycobacterium na lesão. Neste período foram coletadas 51 amostras condenados pelo SIF por apresentar tuberculose. Estes linfonodos foram fixados em formalina 10%, recortados, processados rotineiramente e emblocados. Nestes blocos foram realizados cortes de cinco µm de espessura e corados com hematoxilina-eosina, Picro sirius, Ziehl Nielsen e Tricromo de Mallory. Na avaliação realizada no H.E. observou-se 45 granulomas tuberculóides, três granulomas actino-micóides e um apresentou cristais com leve reação inflamatória e dois com hiperplasia linfóide. As colorações especiais estão sendo avaliadas no momento, não apresentando resultados. Baseados nos resultados obtidos até o momento podemos concluir que o índice de acerto de condenação de lesões de linfonodos por tuberculose é elevado, mas este índice pode ser melhorado através de treinamento dos agentes envolvidos na linha de inspeção.

Apoio / Parcerias: Apoio ou Parcerias: CAV-UDESC – Programa de Apoio à Pesquisa

ESTUDO DA PREVALÊNCIA DE TRAUMA DENTOALVEOLAR NA DENTIÇÃO PERMANENTE EM CRIANÇAS NO MUNICÍPIO DE LAGES - SC

  • Anelise Viapiana Masiero, Dr(a), anemasiero@uniplac.net
  • Anelise Viapiana Masiero, Dr(a), anemasiero@uniplac.net
  • Isabela França de Almeida Ramos, MSc, isabela@uniplac.net
  • Manuela Neves de Almeida, Graduando, manuela@uniplac.net

Universidade do Planalto Catarinense, UNIPLAC, Lages, Brasil

Palavras-chave: Trauma dento-alveolar, dentição permanente, fraturas coronárias

Os traumatismos dentários ocorrem com relativa freqüência em crianças de idade escolar tendo como fatores etiológicos as atividades pertinentes a infância, práticas esportivas, queda de bicicleta, acidentes automobilísticos, agressões e fatores predisponentes como overjet acentuado. A ocorrência de trauma dental altera o comportamento social das crianças, tornando-se um momento estressante para essa criança e para os responsáveis. . Infelizmente poucos trabalhos descrevendo a situação do trauma dental que atinge as crianças brasileiras são encontrados. Dentro deste contexto, é pertinente destacar que reconhecer o padrão de trauma dentoalveolar de nossas crianças é fundamental para instituição não apenas do tratamento, mas principalmente de programas preventivos e educativos sobre este prisma. Isto posto, não se deve utilizar como base para a realização das condutas acima citadas, dados referentes ao trauma ocorrido em outros países, uma vez que os fatores etiológicos dos acidentes e, conseqüentemente, os danos causados aliados ao tratamento instituído, estão intimamente relacionados com padrões sócio econômico e cultural dos indivíduos. Assim, foi objetivo do presente estudo foi avaliar a prevalência de trauma dental em estudantes na faixa etária de 6 a 12 anos que freqüentam as escolas municipais da cidade de Lages-SC. Para tal 158 crianças foram examinadas por um acadêmico do curso de Odontologia, devidamente calibrado, sob luz natural e com o uso de gaze e espátulas de madeira. 80 lesões foram identificadas em 55 crianças, sendo mais prevalente em meninos. Dentre os tipos de lesões, destacam-se a prevalência de trincas de esmalte em 39,24% dos casos, fraturas de esmalte em 46,83%. As fraturas em esmalte e dentina sem envolvimento pulpar caracterizaram 7.6% dos casos, as fraturas coronárias com envolvimento pulpar 2.53%, escurecimento da coroa 3.79%. Apenas um caso de avulsão foi encontrado, representando 1.26% da população estudada. Quando avaliada a relação idade e trauma observou-se uma maior prevalência de trauma estatisticamente significante em crianças na faixa etária compreendida entre 6 a 8 anos. Levando em consideração as injúrias em esmalte não houve diferença estatística significante nas freqüências de trinca ou fratura de esmalte. Em relação as fraturas de dentina da mesma forma não se identificou diferenças estatísticas significantes para as fraturas em dentina com ou sem exposição pulpar. É importante destacar ainda que nenhuma das crianças acometidas por trauma recebeu algum tipo de tratamento. Dentro das condições do presente estudo, é possível concluir que a população estudada apresenta uma alta prevalência de trauma dentoalveolar sendo necessária a instituição de programas preventivos. Projeto financiado com recursos do Art. 170 da Constituição Estadual.

ESTUDO DE CASO: O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E A IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS

  • ARIVANE AUGUSTA CHIARELOTTO, MSc, arivane@univali.br

Universidade do Vale do Itajaí, UNIVALI, Itajaí, Brasil

Palavras-chave: CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS, POLÍTICAS PÚBLICAS

A experiência pedagógica se deu na disciplina de Políticas Públicas em Educação – modalidade Educação a Distância nos Campi de Itajaí e Balneário Camboriú, no segundo semestre de 2007. O propósito era de que o aluno mantivesse um contato com o Conselho de Educação do município em que reside, ou de outro de sua conveniência, e que verificasse as condições de funcionamento deste órgão no município, mediante entrevista com um conselheiro ou pessoa responsável pela Secretaria do respectivo Conselho. O tema a ser tratado era o Ensino Fundamental de Nove Anos, uma vez que oito dos onze municípios da Região da Associação dos Municípios da Foz do Rio Itajaí (AMFRI) estavam em fase de implantação desta política pública. Investigar o processo de implantação, o envolvimento dos Conselheiros com esta política pública, foi o objetivo a ser alcançado, o que resultou no conhecimento do órgão, sua localização e os estágios de atuação nas políticas publicas locais. Compreende-se que o professor em formação que realizou esta atividade pedagógica saberá reconhecer o Conselho de Educação como um órgão articulador das políticas públicas municipais e, feito isso, requererá seus serviços mediante sua atuação como profissionais da educação e/ou como pais e cidadãos.

ESTUDO DE METODOLOGIA PARA IDENTIFICAÇÃO DE ACERVO ARQUITETÔNICO.

  • Karina Fiamoncini, Graduando, proinpes@unerj.br
  • Djiulia Carolina Schade, Graduando, djiulia_arq@unerj.br
  • Gustavo Luciano Ginjo, E, gustavoarq@unerj.br
  • Teomar Duarte da Silva, MSc, teomar@unerj.br

Centro Universitário Católica de Santa Catarina, PUC, Jaraguá do Sul, Brasil

Palavras-chave: Técnica enxaimel, Preservação, Valor arquitetônico

A cultura alemã é uma das etnias presentes no cotidiano da população dos municípios catarinenses do vale do Itapocú e do vale do Itajaí e, dentre todas as suas características e tradições, ela apresenta uma expressão cultural significativa, ou seja, o uso da técnica enxaimel em suas edificações. A cidade de Jaraguá do Sul dispõe de um rico acervo edificado nesta técnica, que se encontra disperso por toda a sua extensão territorial, porém, estas construções de grande valor histórico tanto para a cidade quanto para a sociedade, não possuem um cadastro específico e bem elaborado. Para tanto, se estudado um modelo de cadastramento adequado, que então foi aplicado em alguns dos exemplares do projeto anteriormente desenvolvido “Resgate do Acervo Arquitetônico dos Imigrantes Alemães em Jaraguá do Sul”. Através deste cadastro o projeto registrou informações necessárias e até então não analisadas por órgãos públicos e, elaborou um material de pesquisa e auxílio do método de cadastramento das edificações. Uma vez que para a realização de trabalhos como este é necessário o envolvimento de profissionais especializados no assunto, com este material tem-se a intenção de auxiliar a prefeitura local bem como os acadêmicos a realizarem levantamentos cadastrais das edificações de valor cultural de maneira mais completa, rápida e fácil. Este material de pesquisa também poderá servir para uma possível continuidade do projeto nesta cidade, sempre visando a preservação da história e da cultura da população local.

ESTUDO DE POPULAÇÕES DE Butia eriosphata (MARTIUS) BECCHARI NO PLANALTO SERRANO E MEIO OESTE CATARINENSE

  • Silvana Manfredi Meirelles Coimbra, MSc, silvanam@uniplac.net
  • Camila Lucas Chaves, Graduando, kmilla2252@yahoo.com.br
  • André Murara, Graduando, beudo@uniplac.net

Universidade do Planalto Catarinense, UNIPLAC, Lages, Brasil

Palavras-chave: Ecologia de populações, manejo, conservação

O grau de endemismo e raridade locais são importantes critérios para determinar áreas com potencial para conservação e devem ser uma preocupação nos estudos de floras regionais. O Butia eriosphata, por exemplo, é uma espécie considerada como vulnerável (VU) na Red List of Threatened Species da IUCN de 1998, que tem sua ocorrência cada vez mais restrita, se distribuindo em pequenas populações no estado de Santa Catarina. Pela importância que essa fruta apresenta para a fauna brasileira estudos a cerca dos remanescentes dessas populações são extremamente importantes. Assim, através desse trabalho, apoiado pelo Fundo de Incentivo ao Desenvolvimento de Pesquisa (FIDP) da UNIPLAC, objetivou-se estudar a demografia de B. eriosphata de cinco populações situadas em áreas de campo nativo e de mata ciliar às margens da SC-425 situadas nos municípios de Curitibanos, Lebon Régis e Cadeado. O estudo foi conduzido em parcelas de diferentes tamanhos dependendo das populações (2.500 m2 e 10.000 m2), com demarcação na região central de cada povoamento, e dividas em sub-parcelas de 5 m x 5 m. Foram avaliadas as variáveis altura (m), diâmetro na altura do peito (DAP), número de folhas verdes, número de infrutescências e número de inflorescências. Através de análise multivariada detectou-se a influência do ambiente sobre a demografia da espécie. O efeito foi altamente significativo, revelando que o manejo dado aos ambientes exerce um comportamento diferenciado sobre as plantas de butiá nas áreas estudadas. As plantas localizadas na área de mata ciliar (6,28 m) foram em média no mínimo 0,90 m mais altas do que aquelas localizadas em campo nativo (5,39; 4,87; 4,83 e 5,13 m). Todas as plantas amostradas estavam em período reprodutivo com infrutescências em diferentes estágios de desenvolvimento ou inflorescências. A maioria das infrutescências apresentavam frutos verdes de tamanho grande, aproximadamente do tamanho de uma azeitona, próximos à maturação. Os estudos a cerca de Butia eriosphata nessa região são bastante incipientes, contudo, evidenciam que essa espécie precisa ser melhor investigada para que medidas de conservação sejam adotadas a curto prazo. Nas duas áreas, embora todas as plantas amostradas estejam produzindo frutos, as mesmas encontram-se em estágio avançado de desenvolvimento, com várias plantas mortas em pé. Nenhuma regeneração foi observada nesses ambientes, o que demonstra que as possibilidades de manutenção de B. eriosphata sob as formas de manejo que vem sendo empregadas, inviabilizarão a manutenção dessas populações à curto prazo, e portanto, somente o conhecimento de sua estrutura, biologia e diversidade genética são fundamentais para estabelecimento de estratégias de conservação.

ESTUDO E CONSTRUÇÃO DE DISPOSITIVO PARA DETECÇÃO DE FALHAS EM MATERIAIS FERROMAGNÉTICOS POR FLUXO MAGNÉTICO

  • Daniel Schmitz, Graduando, proinpes@unerj.br
  • Reginaldo Osnir Ronchi, Graduando, reginaldosnir@unerj.br
  • Luiz Antonio Alves, MSc, luizalves@unerj.br

Centro Universitário Católica de Santa Catarina, PUC, Jaraguá do Sul, Brasil

Palavras-chave: Ensaios não destrutivos, Falhas, Fluxo magnético

A elaboração de produtos com melhor qualidade tem sido amplamente discutida pelo setor industrial. Basicamente, a elaboração de métodos de fabricação mais eficientes tem sido alvo de estudos tanto nas empresas quanto nas universidades. Assim, o controle da qualidade é fator imprescindível durante e após o processo industrial. Diversas formas de controle de qualidade são adotadas, cada qual adequada aos tipos de produtos e finalidades requeridas. Ocorre, porém, que diversos ensaios de qualidade, tais como, ensaios de tração, ensaios de compressão, embutimentos, entre outros, modificam as características do produto e, portanto, somente podem ser realizados por amostragem. Assim, produtos sujeitos a falhas podem estar sendo comercializados. A área automotiva, por exemplo, utiliza diversos componentes forjados, cujo método de fabricação provoca trincas superficiais ou internas que podem causar fraturas mediante a aplicação de cargas relativamente pequenas. Exatamente neste ponto, os ensaios não destrutivos (END) são amplamente utilizados. Estas formas de ensaio detectam a presença de falhas sem a necessidade de destruição da peça. Raios X, Líquidos Penetrantes e Detecção por fluxo magnético são alguns exemplos. Com base neste contexto é que se desenvolveu este projeto de pesquisa de Iniciação Científica, com o objetivo de projetar e construir um dispositivo para a realização de ensaios não destrutivos através da aplicação de um campo magnético, auxiliando no controle de qualidade para detectar falhas internas em materiais ferromagnéticos, sendo o método estudado neste projeto por fluxo magnético. Até chegar ao resultado final, o processo de pesquisa englobou o estudo dos fenômenos do eletromagnetismo e o estudo dos materiais ferromagnéticos. Após a etapa de pesquisa teórica passou-se para o pré-dimensionamento do projeto elétrico e mecânico do dispositivo. Após o pré-dimensionamento projetou-se e construiu-se um equipamento chamado YOKE que tem por finalidade gerar um fluxo magnético, possibilitando a realização do ensaio. Após a etapa de construção do equipamento, foram realizados ensaios e testes para verificação do funcionamento do dispositivo. O dispositivo é composto de duas bobinas atravessadas por um núcleo. A corrente elétrica que circula na bobina induz um campo magnético com orientação através do núcleo, fechando o circuito magnético com o material de ensaio. Ao atravessar uma falha, o campo magnético cria um dipolo, possibilitando sua visualização através de partículas ferro magnéticas depositadas sobre o material. Baseado na idéia de incentivo à pesquisa científica e tecnológica e busca contínua pelo aprendizado, o equipamento ficará na UNERJ a serviço dos alunos de Engenharia Elétrica e Engenharia Mecânica.

ESTUDO E DESENVOLVIMENTO DE UMA NOVA FERRAMENTA, RELÉS MICROPROCESSADOS, PARA PROTEÇÃO DE MOTORES

  • Ricardo Baretta , Graduando, rbaretta@yahoo.com.br
  • Mauro André Pagliosa, MSc, mauro.pagliosa@unoesc.edu.br
  • César Rafael Claure Torrico, Dr(a), cesar.torrico@unoesc.edu.br

Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC, Joaçaba, Brasil

Palavras-chave: Proteção de motor, Comportamento térmico, Microcontroladores

Aumentar a vida útil dos motores elétricos trifásicos de indução e, ao mesmo tempo, utilizar sua plena carga é uma das metas mais desejadas atualmente pela indústria. No entanto, alcançar esses objetivos requer um conhecimento mais detalhado de determinados aspectos construtivos e operacionais dos motores elétricos, principalmente de seu comportamento térmico, pois é este comportamento que é determinante no tempo de vida útil do motor. A grande virtude do relé microprocessado consiste em estimar a temperatura do motor através do monitoramento da sua corrente elétrica, dispensando assim, o emprego de sensores de temperatura no motor. Isso é possível através do conhecimento do modelo matemático do comportamento térmico do motor que é dependente da corrente elétrica. Assim, pode-se estimar com boa precisão a temperatura do motor através de processamento digital e determinar o momento certo para atuar, as proteções no motor, de modo que garanta a integridade do mesmo. Os testes feitos para obtenção do comportamento térmico basearam-se na aquisição da temperatura do interior do motor em intervalos de tempo regulares (trinta segundos) até que a temperatura interna do motor estabilizasse. Esse mesmo teste foi feito para 3 situações distintas para que futuramente pudesse ser comprovada a equação do seu comportamento, foram eles: teste com carga nominal, metade da carga nominal e sem carga. Dessa forma foram construídos os gráficos que correspondem ao aquecimento do motor em função do tempo. O resultado dos ensaios experimentais validou o equacionamento que corresponde ao comportamento térmico do motor em função da corrente elétrica consumida. Para realizar o processamento da equação descrita acima, foi utilizado um microcontrolador de 10 bits modelo PIC18F4550 do fabricante Microchip conectado ao sensoriamento de corrente do motor. Para a obtenção do valor da corrente instantânea consumida pelo motor foi utilizado um Transformador de Corrente e em série com uma das fases de alimentação do motor está um resistor no qual se pode obter a tensão em função da corrente elétrica. Essa amostra de tensão é retificada e filtrada para que possa ser medida pelo sistema eletrônico microcontrolado. Medindo a corrente que passa no motor se estima a temperatura no exato instante de tempo podendo assim, desligar ou religar o motor em instantes adequados. Este método apresenta um baixo custo e pode ser aplicado diretamente no quadro de comandos facilitando a instalação. O conjunto: sensor de corrente, acondicionador de sinal e firmware implementado no microcontrolador, formam um circuito eletrônico que compõem o relé microprocessado para proteção de motor. Os resultados experimentais comprovaram a eficácia do sistema proposto. A pesquisa teve duração de 10 meses e contou com a participação voluntária dos professores orientadores e uma bolsa de pesquisa financiada pela FAPESC, art. 170 para o acadêmico de graduação. A expectativa futura é transformar o resultado deste trabalho, que é um protótipo, em um produto comercial para a indústria.

Apoio / Parcerias: Fapesc

ESTUDO SOBRE A USINABILIDADE DE FERRO FUNDIDO EM CAMISAS DE CILÍNDRO DE MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA

  • Juliana Stetter, Graduando, juliana@riosulense.com.br
  • Andreia Pasqualini, MSc, apasqualini@unidavi.edu.br
  • Leandro Simchak, E, leandro@riosulense.com.br
  • Vander Cláudio Sezerino, E, vander@unidavi.edu.br
  • Antonio Cesar de Oliveira Jr, Graduando, cesar@riosulense.com.br
  • Luana Nasato , Graduando, luananasato@yahoo.com.br

Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, UNIDAVI, Rio do Sul, Brasil

Palavras-chave: Usinagem, Processo, Fabricação

Dentro do curso de engenharia de produção o tema usinagem, é abordado de forma indireta em algumas disciplinas e de forma mais concreta na disciplina de processo de fabricação. O processo de fabricação utilizando ferramentas de metal duro, já tem quase 100 anos de desenvolvimentos e estudos, hoje é amplamente aplicado nas mais diversas operações de usinagem, seja com ferramentas estáticas, ou rotativas. O problema principal abordado no projeto é a variação de desempenho em número de peças produzidas por aresta de corte e principalmente variações dimensionais, sejam de forma, como circularidade e lineares, como diâmetro externo. Utiliza-se para o desenvolvimento deste projeto o apoio de fabricantes de produtos, com fornecedores de metal duro, fornecedores e possivelmente visitas a feiras e congressos, será também realizado um acompanhamento em campo, nos clientes finais, oficinas mecânicas e retíficas de motores, onde é realizada uma última operação de mandrilamento, em preparação ao brunimento final e montagem do cilíndro. Os trabalhos práticos na sua maioria são realizados em tornos CNC de uma Metalúrgica da região, onde tem-se condições de observar os resultados e as implicações de cada alteração proposta. As análises metalográficas e de composição química, serão realizadas no laboratório químico da Metalúrgica, através do microscópio digital e do espectrômetro de emissão ótica, respectivamente. O estudo ainda não apresenta resultados pois não foi finalizado.

ESTUDO SOBRE O USO DE SOFTWARE LIVRE NO GTEC/UNIDAVI

  • Fábio Alexandrini, Dr(a), fabalex@unidavi.edu.br
  • Caroline Kieser, Graduando, caroline.kieser@unidavi.br
  • Remo Carlo Bortoluzzi, E, remo@unidavi.edu.br

Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, UNIDAVI, Rio do Sul, Brasil

Palavras-chave: Software livre, Administração da tecnologia da informação, Empresas incubadas

O projeto software livre, de iniciação cientifica, desenvolveu um estudo no GTEC/UNIDAVI (Núcleo Gerador de Empresas Incubadas da Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí), a fim de verificar a situação de uso de softwares livres versus software proprietário nessas empresas. Para isso, os funcionários foram convidados a responder a um questionário concebido pela pesquisadora e com o objetivo de levantar algumas informações específicas sobre essas empresas e softwares que utilizam. Em seguida alguns softwares livres foram analisados de acordo com cada empresa e suas necessidades da sua linha de negócio. As respostas dos questionários suscitaram um grande interesse demonstrado pelas empresas participantes em um futuro projeto sobre o tema. Os dados coletados também levaram a procura de informações acerca de formação técnica, não só para ajudar as empresas a obterem mais informações, mas também para lhes permitir utilizar a versões de teste (beta) dos programas em seu trabalho rotineiro. Com este projeto de pesquisa pode-se verificar em um primeiro momento que a gama de softwares proprietários está dominando o mundo tecnológico não deixando espaço para as outras tecnologias e melhorando para serem o líder no mercado em vendas. Em um segundo momento, pude perceber com a pesquisa mais aprofundada que os softwares livres estão melhorando e abrindo novos caminhos e superando barreiras impostas pelas grandes empresas de softwares proprietários. Com o grande número de downloads que os internautas estão fazendo dos softwares nota-se que os programadores e analistas de sistemas estão tendo trabalho em dobro para mudar o código-fonte e assim ajudarem a comunidade dos softwares livres. Com a aplicação dos questionários nas empresas e no GTEC, percebeu-se que em algumas questões a idéia sobre software livre nas empresas estava defasada, mas por outro lado se forem para fazer testes e participar de um provável projeto estarão abertos para novas idéias de melhoramento em seu ambiente de trabalho. Falta um pouco de incentivo nas empresas e para ocorrer à mudança da cultura dos principais lideres dentro da mesma tem que ter um melhoramento da empresa e dos empreendedores. Com todos os dados dos questionários tabulados e avaliados pelos responsáveis do projeto, foram pesquisados locais para aprendizagem e treinamentos para a utilização dos softwares livres como também trabalhar com a cultura das empresas e das pessoas que atuam na mesma. Com o levantamento dos locais de treinamento percebeu-se também que em muitas escolas da região não dispõem dos cursos de Linux e ferramentas livres por causa da pouca procura dos cursos e quando há um curso sobre software livre os custos são elevados e com professores sem graduação ou especialização na área.

EXIGÊNCIAS LEGAIS E RECURSOS PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS QUE PROMOVAM A ACESSIBILIDADE DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NAS IES

  • Arnoldo Ricardo Agostinho, Graduando, agostinhoarnoldo@hotmail.com
  • Carla Adriana Silva, E, carla@unidavi.edu.br
  • Fúlvio César Segundo, MSc, fulviocesar@unidavi.edu.br

Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, UNIDAVI, Rio do Sul, Brasil

Palavras-chave: IES, Acessibilidade, Pessoas com deficiência

A diversidade no contexto da ciência e da educação aponta limitações que vão além daquelas muitas vezes identificadas nas pessoas com deficiência. A ciência passou a ser um ponto crucial na formação do homem. A cada dia desafiando estes, que na medida do possível buscam ultrapassar seus limites. Esta realidade se evidência no contexto educacional das universidades que recebem acadêmicos com deficiência. O presente projeto de pesquisa iniciou de uma necessidade da Universidade diante de um programa de inclusão e a adesão ao Programa Universidade para Todos - ProUni, que é um programa de bolsas de estudos criado pelo Governo Federal em 2004. Este possibilita acesso à educação superior, dá acesso a milhares de jovens de baixa renda ou com deficiência à educação superior, estimulando o processo de inclusão social e geração de trabalho e renda aos jovens brasileiros. Com a implementação do ProUni, verificou-se que as universidades além de terem limitações quanto a arquitetura, possuem ainda limitações quanto à estrutura didática e pedagógica e material didático específico aos acadêmicos com deficiências, as quais variam de pessoa para pessoa. Note-se que além das exigências dispostas na Portaria MEC 3.284/2003, o Decreto-Lei 5.296/04, que regulamenta a Lei 10.048/00, estabelece que os deficientes deverão ter atendimento prioritário e garantia de acessibilidade; assim, faz-se mister a adequação das IES às exigências supra elencadas, afim não só de garantir a efetividade dos direitos e garantias estabelecidas na Constituição Federal, mas também, viabilizar o futuro aporte de recursos públicos para as IES, a fim de propiciar a contínua melhoria das condições de acessibilidade às pessoas com deficiência. A importância do tema é justificada no fato de que a República Federativa do Brasil além de ter como um de seus fundamentos a dignidade da pessoa e objetivar a construção de uma sociedade livre, justa e solidária, promovendo o bem de todos sem preconceito, estabeleceu em seu inciso terceiro do art. 208, que é dever do Estado propiciar atendimento educacional especializado aos portadores de deficiência. Desta forma, a fim de garantir a efetividade de tais direitos constitucionais assegurados aos deficientes, faz-se mister a elaboração do presente estudo, pois ele poderá estabelecer uma radiografia mostrando assim, como tais direitos vem sendo tratados pelas IES. De outra banda, tal estudo também se justifica pelo fato de que com ele se poderá definir se existem recursos públicos e ou privados que podem ser captados pelas IES para prover o acesso destas pessoas ao ensino. Utilizar-se-á a pesquisa exploratória e a pesquisa bibliográfica para a composição da fundamentação teórica e também para o levantamento de alguns dados relativos as várias IES do estado. Os resultados evidenciados até o momento demonstram que há um grade número de pessoas com deficiência matriculados nas IES privadas, porém, os subsídios existentes são destinados as IES federais, o que está na contramão da realidade uma vez que o que se observa que os registros de matriculas de alunos com deficiência é maior nas IES privadas do que nas federais.

Expedição empreendedora: rota germânica e o desenvolvimento local

  • Ivone Junges, G, ivone.junges@unisul.br
  • Orlandy Orlandi , G, orlandy.orlandi@unisul.br

Universidade do Sul de Santa Catarina, UNISUL, Tubarão, Brasil

Palavras-chave: desenvolvimento, empreendedorismo, viagem de estudo

Relações Internacionais, Tecnólogo em Agronegócio e Outros. A escolha da Rota Germânica deu-se pelos seguintes motivos:

• A colonização germânica e a cultura empreendedora

• A mudança de destino: situação sócio-econômica

• A diversidade das atividades econômicas

• Laboratório de estudo: insight da parceria

Em 2008 realizamos a 10ª Expedição Empreendedora.

OBJETIVOS

• Relacionar o empreendedorismo e o desenvolvimento local

• Estudar os modelos de gestão adotados pelas MPE’s

• Integrar os alunos dos diferentes cursos que estudam empreendedorismo

• Identificar as características empreendedoras individuais

• Propiciar a geração de projetos de pesquisa e extensão

METODOLOGIA

Cada equipe é formada por alunos de diversos cursos.

Cada equipe fica responsável por uma empresa para realizar o estudo.

No final das visitas um aluno do grupo escolhido voluntariamente faz um agradecimento público para o empreendedor.

Apresentação dos casos empresariais a uma banca avaliadora – 05 minutos.

• Distribuição de brindes doados pelas empresas.

Em sala de aula ocorre o resgate da viagem de estudos:

• Debates

• Avaliações

Apoio / Parcerias: Nupem – Núcleo de Pesquisas em Empreendedorismo e Gestão de Micro e Pequenas Empresas

Experiências de extensão com o Caderno de Cidadania

  • Ana Cláudia Delfini Capistrano de Oliveira, MSc, anaclaudia@univali.br
  • Gizele Cristina Jovinski, Graduando, gizele.jovinski@univali.br

Universidade do Vale do Itajaí, UNIVALI, Itajaí, Brasil

Palavras-chave: Cidadania, Infanto-juvenil, Direitos

Este resumo apresenta o projeto de extensão Programa de Formação em Cidadania Infanto-juvenil do Programa de Extensão Unicidade da Universidade do Vale de Itajaí. Este projeto produziu o material para-didático CADERNO DE CIDADANIA para crianças e adolescentes centrado nos Direitos Fundamentais, Estatuto da Criança e do Adolescente e Cidadania Ambiental, que foi publicado em 2006 com tiragem de nove mil cópias com recursos da Assembléia Legislativa de Santa Catarina e hoje (2008) atende 16 parceiros (Itajaí, Piçarras, Baln.Camboriú, Navegantes e Fpolis) que são: 9 escolas municipais, 3 centros educacionais, 2 ong, 1 associação comunitária e 1 abrigo, totalizando 4.500 Cadernos com as crianças/adolescentes. A equipe do projeto consta com duas professoras e cinco bolsistas. O Caderno é fruto de três projetos de extensão atuantes em Itajaí desde 2002 e foi unificado a partir do princípio da Pedagogia da Autonomia (Freyre) e do princípio da Cidadania Participativa (Demo). Desta forma, o Caderno possui conteúdos transversais que podem ser utilizados tanto pelos professores de várias disciplinas como por outros profissionais autônomos (ong´s, conselhos municipais etc.). A opção metodológica corresponde à "metodologia participativa" (Santos,2005,) pois permite mensurar nossos objetivos e resultados através da participação coletiva tanto das crianças como da equipe do projeto. Participar, segundo Cordioli, (2001, p. 27). "vai muito além de estar presente. Participar significa tomar parte no processo, emitir opinião, concordar/discordar. (...) deverá haver atitudes e posturas adequadas, com muita transparência e total acesso a todas as informações". Já o processo participativo "visa não somente à elaboração de propostas mais ajustadas à realidade. Pretende mudar comportamentos e atitudes, onde os indivíduos passam a ser sujeitos ativos no processo e não objetos do trabalho dos outros". Desde 2007, foram realizadas 17 entrevistas com questões fechadas que são assinaladas pelos parceiros. Por meio da abordagem do Diagnóstico Rápido Urbano Participativo (GOMES 2001 p.80) os parceiros, em conjunto com a equipe do projeto, "trocam experiências por meio do diálogo para identificação dos problemas e das potencialidades locais".Esta participação é estruturada em oficinas de cidadania com cada parceiro e teve como resultado a elaboração do livro para multiplicadores chamado DIRETRIZES TEÓRICAS DO CADERNO DE CIDADANIA. Este livro será doado aos parceiros com o objetivo de auxiliar na utilização do Caderno em suas atividades com as crianças/adolescentes e para reaplicarem voluntariamente de acordo com suas necessidades. Os artigos desdobram-se em textos de profissionais das áreas da Educação, Direito, Ciências sociais e política, Engenharia Ambiental etc

FARMÁCIA SOLIDÁRIA: DOAR É O MELHOR REMÉDIO

  • INDIANARA REYNAUD TORETI BECKER, MSc, irt@unec.net

Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, Criciúma, Brasil

Palavras-chave: Farmácia solidária UNESC, arrecadação de medicamentos, doação de medicamentos.

Inaugurada em agosto de 2006, a Farmácia Solidária tem como propósito atender as necessidades medicamentosas das pessoas de baixa renda, através da arrecadação e distribuição gratuita de medicamentos. A arrecadação ocorre através de campanhas e ações de divulgação que estimulam a doação de medicamentos estocados pela comunidade em suas casas, bem como através de doação de amostras grátis. Os medicamentos podem ser doados nos postos de coleta localizados nas unidades básicas de saúde do município, delegacia da mulher, delegacia regional e biblioteca da UNESC. Os medicamentos arrecadados passam por um rigoroso processo de triagem, onde são averiguados se estão próprios para consumo. Em caso positivo são repassados à população carente mediante a apresentação de receita médica. Em caso negativo, são devidamente segregados e descartados. A Farmácia Solidária UNESC funciona junto às Clínicas Integradas de Saúde da Universidade do Extremo Sul Catarinense. O horário de atendimento ao público ocorre de segunda-feira a sexta-feira no período matutino, das 08:00 às 12:00 horas. A realização das atividades ocorre através da parceria entre a UNESC, Cruz Vermelha e Secretaria Municipal de Saúde de Criciúma. A UNESC é responsável pela concessão do espaço físico, recursos humanos e materiais necessários para a execução das atividades. A Cruz Vermelha trabalha no sentido de otimizar as arrecadações. A Secretaria Municipal de Saúde de Criciúma é responsável pelos custos do descarte dos medicamentos impróprios para consumo e coleta dos medicamentos doados nas Unidades Básicas de Saúde. Tem-se ainda a participação de outros parceiros como a Polícia Civil 6ª região e Ministério Público de Santa Catarina. Além disso, as atividades promovidas pela Farmácia Solidária contam com inúmeros patrocinadores e intensa participação de diversos seguimentos da comunidade. As atividades referentes à Farmácia são organizadas e gerenciadas pelo Curso de Farmácia da UNESC, através de uma professora que assumiu a responsabilidade técnica. A execução destas atividades conta com intensa participação de acadêmicos do estágio curricular obrigatório, estágio curricular não-obrigatório e artigo 170 totalizando em média 60 acadêmicos por semestre. Durante o ano de 2007 foram recebidos mais de R$ 220.000,00 em medicamentos próprios para consumo. Foram realizados 3.133 atendimentos, totalizando aproximadamente R$ 161.800,00 em medicamentos dispensados. Foram mais de 700 kg de medicamentos impróprios para consumo segregados e descartados. O estoque de medicamentos, bem como o número de atendimentos realizados aumenta mês a mês e desta forma a Farmácia Solidária UNESC vem contribuindo, cada vez mais, para o acesso da população aos medicamentos, bem como seu uso racional. O projeto Farmácia Solidária é um dos programas permanentes da instituição, que tem como perspectivas para o segundo semestre de 2008 a ampliação do horário de funcionamento com a contratação de mais um farmacêutico responsável técnico.

Apoio / Parcerias: Cruz Vermelha Brasileira Filial Criciúma; Secretaria Municipal de Saúde de Criciúma; Policia Civil 6ª Região; Ministério Público de Santa Catarina

FEIRA LIVRE PARA ESTUDANTES DE MODA DA REGIÃO.

  • Ana Cristina Vieira, Graduando, proinpes@unerj.br
  • Sheila Carvalho, Graduando, sheilamoda@unerj.br
  • Maria Elaine Azzolin de Avilla, MSc, elainea@unerj.br

Centro Universitário Católica de Santa Catarina, PUC, Jaraguá do Sul, Brasil

Palavras-chave: Feira livre, Artesanato, Moda

Inicialmente a produção de alimentos, criação de animais, até a construção de qualquer objeto era feita de maneira artesanal e para auto-consumo. Devido a excedentes de produção, e com as sobras de uns contra a falta de outros mobilizou-se um sistema de trocas, e no decorrer dos tempos a existência de feiras concretizou-se como um acontecimento natural. Percebendo sua importância a sociedade se mobilizava em sua organização, o que resultava em lucro para os produtores. Esse foi um estimulo para sua expansão e diversidade de produtos colocados à venda. Porém, com o passar dos anos a produção industrializada em massa foi colocando em segundo plano o desenvolvimento de artigos de forma artesanal, e, como conseqüência, as feiras de produtos artesanais foram desaparecendo. Com base neste contexto, a proposta desse projeto é criar um espaço, no formato de feira, para demonstração de trabalhos dos novos profissionais na área de moda. Um espaço com difusão de cultura, arte e laser. A “feira” objetiva constituir-se num local específico para amostras de trabalhos e o comércio de artigos produzidos pelos acadêmicos, promovendo um resgate cultural dos produtos artesanais e exclusivos, bem como possibilitar o reuso de materiais têxteis e outros. Esse projeto visa ainda promover alianças entre estudantes de moda da região, mostrando suas potencialidades para empresários e para a própria população em geral, criando a partir de então grupos formadores de opinião, mudando a relação das pessoas com os criadores de moda e desenvolvendo maior comunicação no setor moda. Nesse espaço queremos fazer trocas culturais e de aprendizado, onde pessoas de várias localidades possam congregar-se e estabelecer laços de sociabilidade. Pretende-se que a feira não seja somente um espaço de compradores e vendedores, a proposta é que a feira traga de volta os produtos fabricados artesanalmente, sem produções em série, com a disponibilização de produtos exclusivos. Busca-se, através deste espaço, resgatar a cultura da feira num grande cenário de expressões artísticas e culturais da região. Em busca deste objetivo obtiveram-se doações de materiais em algumas empresas da região; sendo estes materiais que não possuíam valor comercial para essas empresas, e que poderiam ser reutilizados pelos estudantes, incentivando-os à produção dos artigos da feira. Com o auxílio dos docentes, o projeto da feira foi levado para a sala de aula, em que os acadêmicos reuniram-se em equipes que trabalharam na confecção dos artigos para a feira; totalizando 14 (quatorze) equipes. O corpo docente visou uma grande oportunidade com o projeto da feira, para exercitar o que aprendemos em aula.

Fisioterapia preventiva no estudo e investigação do envelhecimento

  • Anna Quialheiro Abreu da Silva, G, anna.silva@unisul.br

Universidade do Sul de Santa Catarina, UNISUL, Tubarão, Brasil

Palavras-chave: envelhecimento, prevenção , fisioterapia

A saúde pode ser considerada como resultante do ambiente físico e emocional aliados aos hábitos de vida. Sabe-se que, como diz o ditado popular, “prevenir é melhor do que remediar”, assim sendo, a prevenção é a intervenção mais precoce no processo saúde-doença, porém não é considerada uma intervenção fácil, pois visa mudança de hábitos em uma cultura predominantemente curativa. A disciplina Fisioterapia Preventiva, hoje Educação e Promoção da Saúde, visa sensibilizar e capacitar o aluno para (re)conhecer os fatores de risco a fim de prevenir a ocorrência de uma patologia. Pensando em alcançar os objetivos da disciplina, desenvolveu-se um trabalho que tinha por fim capacitar os alunos para a elaboração de projetos e ações de caráter preventivo na identificação de fatores de risco do processo saúde-doença no estudo do envelhecimento. A partir disso, foi planejado o ensino com projetos de pesquisa a serem desenvolvidos na comunidade elaborados por grupos de alunos matriculados na disciplina. Os alunos foram divididos em grupos de três integrantes. A metodologia consistia em cinco etapas: divisão das equipes e escolha do tema; coleta de material bibliográfico para fundamentação teórica; elaboração dos objetivos, justificativa e escolha do local de atuação; elaboração do material para coleta de dados e; apresentação do projeto para a turma e para a comunidade. Os resultados consistiram no desenvolvimento de oito projetos: quatro projetos realizados em asilos e casas de repouso, dois projetos com atuação na comunidade e dois projetos analisando duas classes de trabalhadores (motoristas de ônibus e manicures), que visaram identificar os fatores de risco no processo saúde-doença. Além do conhecimento adquirido em relação ao tema escolhido, os alunos relataram a importância do contato com a comunidade para o aprendizado e a transferência da teoria para a atuação prática. Não obstante, os alunos tiveram contato com um modelo de elaboração de projetos elucidando-os quanto à elaboração de uma proposta de trabalho após a conclusão do curso de graduação.

Apoio / Parcerias: Unisul

FITOTERAPIA RACIONAL: ASPECTOS ETNOBOTÂNICOS, TAXONÔMICOS, AGROECOLÓGICOS E TERAPÊUTICOS

  • Angela Erna Rossato , MSc, aer@unesc.net
  • Vanilde Citadini Zanette, Dr(a), vcz@unesc.net
  • Roberto R. Santos, MSc, rrs@unesc.net
  • Patrícia A. Amaral, MSc, paa@unesc.net
  • Camila C. Borges, Graduando, camillacrestani@hotmail.com
  • Tacília F. Matos, Graduando, tacy_mattos@hotmail.com
  • Alan S. Felisbino, Graduando, alan_aru@msn.com
  • Aline C. B. Figueiró, MSc, abf@unesc.net

Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, Criciúma, Brasil

Palavras-chave: Fitoterapia Racional, Plantas Medicinais, Pastoral da Saúde

INTRODUÇÃO: A Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) visando troca de conhecimentos entre Comunidade e Universidade sobre as plantas medicinais e sua utilização racional, mantém parceria desde o ano de 2000 com a Pastoral da Saúde da Diocese de Criciúma (SC), Regional Sul IV. Por tratar-se de atividade com caráter multidisciplinar, interligando profissionais e saberes de diversas áreas do conhecimento, entre elas as da saúde e ambiental, as plantas são estudadas e avaliadas quanto aos aspectos etnobotânicos, taxonômicos, agroecológicos, terapêuticos e sócio-econômicos. OBJETIVO: O presente projeto tem como objetivo a troca de experiências e saberes sobre as plantas medicinais entre a Comunidade e a Universidade, com o intuito de resgatar o conhecimento popular, promover o uso racional da fitoterapia por meio de encontros com agentes da Pastoral da Saúde da Regional de Criciúma e do incentivo à pesquisa científica de cunho acadêmico, além da formação de profissionais nesta área de interesse. METODOLOGIA: Com a finalidade de alcançar os objetivos propostos, este trabalho inicialmente capacita os acadêmicos bolsistas e voluntários sobre conhecimentos de etnobotânica, botânica, agroecologia e fitoterapia. Paralelamente ocorrem encontros mensais com as agentes da Pastoral da Saúde interessadas em trocar experiências sobre taxonomia, cultivo e uso terapêutico das plantas medicinais. Em cada encontro é estudada uma planta medicinal que foi selecionada previamente no encontro anterior, em comum acordo entre as agentes participantes. Posteriormente a partir das informações compartilhadas nos encontros é elaborado material técnico-científico, no formato de uma Apostila visando disseminar as informações populares e científicas sobre as plantas estudadas. Adicionalmente, através de critérios estabelecidos pela pesquisa etnobotânica, selecionam-se plantas de interesse e realiza-se levantamento detalhado destas plantas mediante entrevista na residência das agentes, cujos dados são incluídos no material técnico-científico. CONCLUSÕES: As interações e as conexões entre os conhecimentos científicos e populares têm apresentado expressiva relevância acadêmico/social, por possibilitar a melhoria da compreensão interdisciplinar sobre a taxonomia, cultivo e a utilização das plantas medicinais. A troca de informações, resultante deste projeto, se multiplica na comunidade de Criciúma e região por meio da prática e do convívio comunitário das agentes da Pastoral da Saúde que participam dos encontros mensais. Estas agentes repassam as informações às demais agentes integradas à Pastoral da Saúde, que abrange os municípios de Criciúma, Araranguá, Cocal do Sul, Urussanga, Morro Grande, Nova Veneza e Meleiro. Na Universidade o conhecimento gerado durante os encontros se materializa por meio da participação dos professores, acadêmico-bolsistas e voluntários, projetos de pesquisa e trabalhos acadêmicos.

Apoio / Parcerias: APOIO: O presente projeto está sendo realizado junto às Diretorias de Extensão da UNASAU e UNAHCE – UNESC, com recursos financeiros da própria Instituição, que o elevou a partir de 2008 a Projeto Institucional. Pareceria: Pastoral da Saúde da Diocese de Criciúma (SC), Regional Sul IV.

FORMAÇÃO DE ADOLESCENTES NUMA PERSPECTIVA SOLIDÁRIA

  • Janete Zanatta, Graduando, janete_jba@yahoo.com.br
  • Ivone Zanatta, Graduando, ivone_zanatta@yahoo.com.br
  • Eliane Salete Filippim, Dr(a), eliane.filippim@unoesc.edu.br

Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC, Joaçaba, Brasil

Palavras-chave: Economia solidária, Consumo consciente, Desenvolvimento

A sociedade pós-moderna assumiu no seu cotidiano um mercado competitivo, globalizado e de consumo exacerbado, esgotando os recursos naturais e promovendo graves disparidades sociais. O consumo exagerado tem trazido, como conseqüências, além de manter a grande maioria da população à margem, produz externalidades negativas que afetam as possibilidades de desenvolvimento sustentável. Cabe à Universidade repensar essa tendência e propor, para a comunidade, alternativas de equacionamento. Nas últimas décadas termos como economia solidária, comércio justo e consumo consciente, que na maioria das vezes se restringiam ao meio acadêmico e a algumas organizações não governamentais, passaram a ser mais conhecidos do grande público. Sabe-se da importância que se tem de colocar em prática esses conceitos, operacionalizando-os como um instrumento de melhoria na qualidade de vida das populações. Partindo destas premissas, o presente trabalho visa propor a implementação de um projeto de formação de adolescentes numa perspectiva solidária, disseminando conceitos e contribuindo para o melhor conhecimento dessa nova forma de consumir, vender, trocar e comprar. A partir de uma contextualização teórica e prática, conscientizando-os para a sustentabilidades do desenvolvimento: social, cultural, econômica e ambiental, busca-se transformar estes jovens em agentes da economia solidária e do comércio justo. Os adolescentes serão preparados, por meio de capacitação, para atuarem como multiplicadores destas práticas em suas residências e na comunidade do Bairro Santa Tereza, Joaçaba – SC. Esta comunidade é a mais populosa do município e tem uma realidade socioeconômica que contempla dois extremos: pessoas com alto poder aquisitivo e uma significativa parcela de baixa renda. Visando modificar hábitos e atitudes para uma nova prática na área de consumo, este projeto, resultante de TCC em Tecnologia de Gestão Pública, atende ao interesse coletivo, mesmo que sua abrangência seja limitada, de forma piloto, a um Bairro. O projeto propõe a articulação de diversos atores/parceiros, tanto públicos como provados que se dará por meio de encontros pré-definidos e planejamento estratégico das ações a serem desenvolvidas. Portanto, este trabalho é de grande relevância para a comunidade, porque busca introduzir e tornar uma práxis a economia solidária numa perspectiva de consolidar conceitos como autogestão, democracia, valorização do trabalho humano e geração de renda, além do respeito às questões ambientais e a inclusão de todos os participantes do processo nos benefícios gerados por essa prática. No que tange ao impacto ambiental sabe-se que o consumo está diretamente relacionado a esse fator. Consumindo de maneira consciente, sem desperdícios, o meio ambiente sofre menos agressões e, o homem é beneficiado, numa relação cíclica, de retro-alimentação. Para o custeio do projeto (fontes financiadoras) os recursos poderão ser buscados junto à Secretaria Nacional de Economia Solidária do Ministério do Trabalho e Emprego; à Cáritas Brasileira, ao Instituto Akatu pelo consumo consciente, à UNISOL (Universidade de Economia Solidária), à Petrobrás, à União Catarinense dos Estudantes e à entidade mantenedora do Colégio Marista Frei Rogério que disponibilizará seus alunos do Ensino Médio para a formação de adolescentes e que dará continuidade as ações preteridas.

Apoio / Parcerias: - Colégio Marista Frei Rogério - Associação de Moradores do Bairro Santa Tereza - Prefeitura Municipal de Joaçaba – Depto Ação Social - UNOESC - Rádio Sociedade Catarinense Ltda - Joaçaba Equipamento materiais para Escritório Ltda

Formação de Agentes Multiplicadores Comunitários para Geração de Associativismo e Cooperativismo: uma estratégia à inserção social e o desenvolvimento comunitário

  • Lúcia Helena Fernandes de Souza, Graduando, lucia.souza@unisul.br
  • Ivana Marcomim , G, ivana.marcomim@unisul.br
  • Marilene da Rosa Lapolli , G, marilene.lapolli@unisul.br

Universidade do Sul de Santa Catarina, UNISUL, Tubarão, Brasil

Palavras-chave: geração de trabalho e renda, comunidade sustentável, inserção social

Diagnósticos realizados pela da universidade indicaram a predominância de população jovem sem perspectiva de inclusão social e sob cooptação do tráfico de drogas e significativo número de mulheres chefes de família que se encontram em ociosidade ou sobrevivendo com subemprego, com predominância étnica negra.

Partindo-se do estudo e da definição das habilidades, vocações, potencialidades e interesses dos sujeitos envolvidos, desenvolvidos no ano de 2007,que mesmo sobrevivendo da coleta de material reciclado, demonstraram desejo e interesse pela mudança de atividade, ficando evidente a tendência pela culinária e informática. Considerando que o projeto pauta-se na gestão partcipativa, foram respeitadas tais tendências buscando-se trabalhar as questões sócioambientais como eixos transversais norteadores.

O desenvolvimento deste projeto é realizado mediante integração e cooperação entre agentes do primeiro, segundo e terceiro setores do município, sendo parceiros a Prefeitura Municipal (Secretarias de Saúde e Assistência Social, Planejamento e Indústria e Comércio); Empresa Alcoa, Conselho Municipal de Assistência Social.

O referido projeto possibilita o exercício da interdisciplinaridade, bem como oportuniza a materialização da tríade ensino, pesquisa e extensão preconizada nas diretrizes institucionais. Além disso, preconiza a responsabilidade social articulando parcerias interinstitucionais, proporcionando o desenvolvimento de comunidades sustentáveis que se empoderam a partir da utilização de suas potencialidades, organização e cooperação, estimulando os universitários nas mais diversas áreas em relação ao processo de ensino, pesquisa e extensão como um valor social.

Apoio / Parcerias: Prefeitura Municipal (Secretarias de Saúde e Assistência Social, Planejamento e Indústria e Comércio); Empresa Alcoa, Conselho Municipal de Assistência Social

FORMAÇÃO DISCENTE

  • Helena Justen de Fáveri, MSc, helenajf@unidavi.edu.br

Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, UNIDAVI, Rio do Sul, Brasil

Palavras-chave: Formação discente, Sociedade, Aprendizagem

A Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí (UNIDAVI)I através da Pró-Reitoria de Ensino (PROEN) desempenha um importante papel no processo de desenvolvimento sustentável da região do Alto Vale do Itajaí. Entre outros eventos, em comemoração aos seus 40 (quarenta) anos de Fundação e coroamento de um processo democrático e inovador, cria, através da Assessoria Pedagógica, o projeto de “Formação Discente”. Atenta ao seu tempo, viu crescer o número de alunos e para tal procurou criar possibilidades de novas carreiras profissionais, preocupando-se com a formação discente, para além das matrizes curriculares. Para esta proposta, sentiu a necessidade de suporte administrativo crítico, interativo e organizacional e a PROEN passou a contar com a colaboração e incentivo dos coordenadores de curso. Iniciou o projeto em 2006 em parceria com a Diocese de Rio do Sul, ratificou a parceria para o ano de 2007 e em 2008 estabeleceu parceria com a Universidade Federal de Santa Catarina. Atendendo em cada um dos eventos aproximadamente 800 (oitocentos) acadêmicos dos mais variados cursos, com temas da modernidade e emergentes, proferidos por intelectuais convidados, de renome. É uma proposta inovadora que objetiva criar um espaço de reflexão, aprofundamento de conhecimentos e interação entre a universidade e a comunidade educativa, visando a formação dos sujeitos envolvidos e oportunizando a exploração e contextualização da realidade sócio-formativa. A atividade estimula os acadêmicos buscarem o conhecimento para além da sala de aula e do seu mundo particular. O projeto traz benefícios a todos da comunidade acadêmica e seu custo é mínimo. Com um investimento de aproximadamente R$ 3.000,00 (três mil) reais é possível, com dinamicidade e inovação, contribuir para o crescimento sócio-educacional dos discentes. O projeto visa, ainda, oferecer uma educação que abra horizontes e que seja capaz de articular competência e sensibilidade educacional. Esta é, sem dúvida, uma das tarefas sociais imprescindíveis da UNIDAVI, cujo resultado incide diretamente sobre os sujeitos aprendentes e a sociedade. Muitos desafios ainda se interpõem quando a questão é educar para além do espaço da sala de aula, mas, o esforço constante para o desenvolvimento de atividades com qualidade, solidariedade, democracia e participação da comunidade acadêmica procuram levar à concretização dos objetivos maiores deste projeto no modo de educar, aprender, conhecer e viver das pessoas. É um projeto que não se encerra em cada formação discente, mas que nos leva de pronto a renovar/repensar os temas seguintes, para ampliar e conservar os saberes construídos ao longo dos seus três anos de história, instigando também a realização de pesquisas. Fatores de menor relevância são observados e serão por nós trabalhados para estreitar os laços com o discente da UNIDAVI. Hoje, os temas trabalhados advêm das Diretrizes do Ministério de Educação e Cultura (MEC) para a prova de Formação Geral do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE). Todavia, é importante ainda planejar o futuro. Queremos redefinir o perfil do discente da UNIDAVI, observando que são nossos acadêmicos, a partir da visão de futuro para a UNIDAVI e região do Alto Vale do Itajaí.

FORMAÇÃO EM ARTES MARCIAIS PARA ACADÊMICOS DO CEFID-UDESC E COMUNIDADE EM GERAL

  • Ana Claudia Vieira Martins, MSc, d2acvm@udesc.br
  • Fernando Simas, Graduando, nandosim@hotmail.com
  • George Roberts Piemontez, Graduando, d2grp@udesc.br

Universidade do Estado de Santa Catarina, UDESC, Florianópolis, Brasil

Palavras-chave: Extensão Universitária, Artes Marciais, Desenvolvimento Humano

Este projeto teve início em 1995 integrando o Programa de Iniciação Esportiva (PIESP) e de lá para cá tem como objetivo principal oportunizar aos acadêmicos do Centro de Ciências da Saúde e do Esporte (CEFID) e a comunidade em geral, em praticar uma atividade física com enfoque nas Artes Marciais, além de interferir diretamente na sua qualidade de vida e crescimento pessoal. Ao longo destes anos, foram realizados trabalhos de iniciação à pesquisa científica desenvolvidos por acadêmicos dos cursos de Educação Física e Fisioterapia, avaliações físicas, apresentação de seminários e discussões na área da saúde, integração entre os estilos (Shotokan, Federação Interestilos de Karatê), e a realização e participação em eventos de aperfeiçoamento técnico, como o curso de Bastão Ko-Budô em abril de 2008, e campeonatos do Estilo Shubu-Dô, destacando-se a efetiva participação de nossos atletas no 1º Campeonato Shubu-Dô em Curitiba nos mês maio deste ano, obtendo primeiros e segundos lugares. Contempla-se ainda para este ano, a realização do XII Campeonato de Artes Marciais Shubu-Dô no mês de novembro de 2008, contando com a participação de aproximadamente 118 pessoas entre atletas, professores e familiares do estilo. Além disto, aproxima a Universidade da comunidade, espelhando os objetivos do ensino, pesquisa e extensão, oportunizando esta clientela de fazer parte do desenvolvimento universitário. Oportuniza também aos acadêmicos do Curso de Educação Física, conhecer, aprimorar e desenvolver seus conhecimentos na área das Artes Marciais, área esta carente de profissionais regulamentados. As atividades são realizadas 5 vezes por semana, nos períodos vespertino e noturno, atendendo 25 pessoas e tem como metodologia o ensinamento, orientação e acompanhamento das programações respectivas a cada faixa de graduação do aluno. Ressalta-se também que no final de 1º e 2º semestres são realizados exames de faixa de modo a permitir ao aluno sua progressão dentro do estilo Shubu-Dô. Este projeto é gratuito e concorre anualmente aos Editais da PROEX para pagamento de pessoas físicas, aquisição de materiais de proteção e de divulgação de suas atividades no meio acadêmico e comunidade, e conta com a participação de um bolsista de 20 horas. O projeto proporciona em sua essência, o verdadeiro papel da Universidade perante sua comunidade acadêmica e em geral. Oportuniza a prática regular de atividade física, orienta, educa e estabelece vínculos entre a arte de ensinar, viver e aprender de seus participantes. Estimula a formação e a responsabilidade do cidadão frente às necessidades sociais e de sua realidade, reforçando sua importância enquanto extensão da Universidade.

Apoio / Parcerias: Associação Shubu-Dô (ASD) de Curitiba

FORMAÇÃO INICIAL

  • Kátia Regina Koerich Fronza, MSc, katiaf@unidavi.edu.br
  • Helena Justen de Fáveri, MSc, helenajf@unidavi.edu.br

Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, UNIDAVI, Rio do Sul, Brasil

Palavras-chave: Acolhida, Inserção, Inovação

A formação docente é, em qualquer universidade, o fio condutor do ensino e da aprendizagem. Em ciência tudo se constrói. Para isso é preciso estabelecer processos de ruptura com a reprodução mecânica, com os simplismos e reducionismos educativos. A partir desse pressuposto afloram necessidades de acolhimento e capacitação para os professores iniciantes no ensino superior para inseri-los no contexto da Universidade. O processo ensino-aprendizagem está sempre sujeito às condições sociais e políticas de cada época, marcando o ser humano por toda a sua vida. O docente é o depositário e o criador maior de conhecimentos. A vida acadêmica exige muita habilidade de pensamento e desenvolvimento de ações éticas e pedagógicas, que dão conta de acompanhar as exigências do mercado de trabalho frente à intensificação e inovação tecnológica que as economias exigem e impõem. Partindo destes pressupostos, a Pró-reitoria de ensino, inova e cria o Projeto “Capacitação e Formação Docente para os professores iniciantes”, a partir de 2004, com o objetivo de constituir em cada qual uma identidade pessoal e profissional que vai estruturando-se ao longo da vida acadêmica. Sua inserção na UNIDAVI se dá através de um encontro de acolhida realizado após o credenciamento e cumprimento do que prevê o Edital do processo seletivo docente. A recepção e capacitação dos professores iniciantes, é feita pela Assessoria Pedagógica e constitui-se num desafio frente às políticas educacionais do ensino superior, quanto à sua caracterização, conceituação, definição e práticas, no sentido de orientar e reorientar o fazer cotidiano profissional. Com o propósito de oferecer aos professores novos, informações sobre a estrutura da UNIDAVI, a fim de lhes permitir trabalhar com as especificidades do curso onde irão atuar é realizada a “Formação inicial” duas vezes ao ano, no início do primeiro e do segundo semestre, podendo reunir todo o grupo ingressante ou personalizando o atendimento, quando o número for pequeno. Para a operacionalização do projeto são considerados três importantes fatores: a) a parte de humanização; b) a parte técnica estrutural e os procedimentos; c) a parte pedagógica. A principal intenção é subsidiar os professores que iniciam o trabalho de docência no ensino superior da UNIDAVI, quanto ao conhecimento da política institucional e organizacional, visando sua efetiva participação nas mais diferentes ações institucionais; nos Colegiados de Área e Cursos onde é alocado. É um projeto dinâmico, com custo praticamente zero, mas de relevância ímpar quanto ao comprometimento do professor, devido a sua orientação qualificada. Hoje, é condição obrigatória a participação na capacitação desenvolvida apenas em 04 horas, sendo que, a longo prazo, pretende-se estender a capacitação para um curso com certificação e duração maior.

Gerenciamento Costeiro Integrado: Procedimentos e Formas de Aplicação no Município de Garopaba, SC.

  • José Victor Figueiredo da Silva, Graduando, josevictorfs@hotmail.com
  • Samira Becker Volpato, Graduando, samirabv@hotmail.com

Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, Criciúma, Brasil

Palavras-chave: Gestão ambiental participativa, Ecossistemas costeiros, Educação ambiental

O crescimento populacional desordenado, acompanhado da falta de saneamento básico e do mau uso dos recursos naturais vem acarretando severos impactos ambientais sobre os ecossistemas naturais, principalmente nas regiões litorâneas. A Lagoa das Capivaras, objeto deste estudo, está localizada no Município de Garopaba no litoral Centro-Sul de Santa Catarina. Estalagoa encontra-se em um avançado estado de degradação, devido ao lançamento de esgotos domésticos, a supressão da vegetação nativa, além da ocupação urbana desordenada no seu entorno. Desta forma este projeto foi direcionado ao estudo e aplicação dos instrumentos de gestão integrada de ambientes costeiros aplicados ao ecossistema aquático formado pela Lagoa das Capivaras, onde o objetivo principal é a contribuição para a gestão integrada, participativa e comunitária no município de Garopaba. Esse projeto teve como espaço de ação e mediação o entorno desta área, onde foram desenvolvidas parcerias com a comunidade local, com a realização das seguintes atividades: (i) educação ambiental por meio do uso de kits educativos de análises químicas e microbiológicas; (ii) capacitação de lideranças locais, com vistas à formação de potenciais gestores que auxiliem na educação e preservação de ambientes costeiros; (iii) sensibilização da população em geral diante da realidade ambiental local e regional. No início do projeto realizou-se uma revisão bibliográfica com vistas ao aprofundamento da realidade local, onde se realizou também uma visita ao local para se constatar informações e conhecimentos adquiridos. Essa etapa foi importante, pois, correspondeu a um diagnóstico ambiental preliminar acerca das principais características ambientais da área onde está localizada a lagoa das Capivaras. O diagnóstico preliminar foi composto por uma etapa de amostragem com análises físico-químicas e bacteriológicas. Os parâmetros analisados pelo Instituto de Pesquisas Ambientais e Tecnológicas – IPAT foram os seguintes: pH, DBO(5 dias), DQO, dureza total, fosfato e fósforo total, nitrogênio total, oxigênio dissolvido, oxigênio consumido e contagem de coliformes totais e fecais. Com a utilização de kits ecológicos, estes mesmos parâmetros foram analisados pelos alunos das escolas tendo os acadêmicos participantes deste projeto como monitores. Nessa etapa os alunos puderam ter uma noção básica acerca da qualidade da água e conseqüentemente ter uma maior percepção ambiental correspondente ao estado de degradação da lagoa. A primeira campanha de amostragem foi realizada em abril de 2008, a próxima será realizada em agosto de 2008, concluindo o projeto. Com o diagnóstico preliminar da lagoa, a realização da segunda campanha de amostragem e caracterização da lagoa, será iniciado o processo de socialização do conhecimento por meio da organização de palestras e oficinas em escolas. Na seqüência pretende-se dar continuidade a este trabalho, com a realização e proposição de medidas de restauração da área da lagoa das Capivaras e do seu entorno, tornando-a uma unidade de conservação de proteção integral, um parque ecológico municipal, buscando assim integrar a comunidade local na gestão ambiental pública e participativa dessa unidade.

Apoio / Parcerias: UNESC; Fundação Gaia

GERENCIANDO PROJETOS: UMA EXPERIÊNCIA DE APRENDER FAZENDO

  • Leandro Costa Schmitz, MSc, Leandro@schmitz.eng.br

Universidade do Estado de Santa Catarina, UDESC, Florianópolis, Brasil

Palavras-chave: Metodologias de aprendizagem, , gerenciamento de projetos,

A complexidade do mundo contemporâneo indica claramente que os saberes racionais não são mais suficientes para lidar com a complexidade e a diversidade das situações de trabalho. Vergara (1993) argumenta que a dinâmica atual permite afirmar que, tanto no interior, quanto fora das empresas, se é que ainda seja possível estabelecer essa diferença, convive-se com realidades que já não mais são explicadas. Nesse contexto surge o desafio da formação profissional, que leva a busca, em todas as áreas de atuação e, em especial, neste caso, no ensino de administração, da reflexão sobre formas inovadoras de exercício do magistério. As idéias de Donald Schön (2000) sobre o profissional reflexivo se impõem neste cenário, sugerindo a reabilitação da razão prática, a aprendizagem por meio da experiência, a utilização da intuição e da reflexão na ação. Na área de administração, caracterizada pela necessidade de adaptação constante por parte das organizações e da tendência à flexibilização e do trabalho por projetos, torna-se, cada vez mais importante o aprender a aprender. Assim, metodologias de aprendizagem na área de gerenciamento de projetos que permitam a construção do conhecimento a partir do próprio aluno, estariam contribuindo para essa nova pedagogia que prepara o aluno para a adaptação constante às novas situações, permitindo a construção de competências na ação. Nesse sentido, foi proposto aos alunos da disciplina de gerenciamento de projetos, ministrada no curso de administração empresarial da ESAG/UDESC, a realização de um trabalho prático, contemplando todos os processos de gerenciamento de um projeto, o que implica necessariamente em sua implementação efetiva. A idéia era contemplar um projeto social que pudesse gerar benefícios para alguma das comunidades localizadas no entorno da instituição. No trabalho proposto, todos os alunos matriculados na disciplina fazem parte de um único grande grupo e eles próprios são responsáveis por estruturar suas atividades a partir da metodologia proposta pelo Project Management Institute (PMI). Apesar do direcionamento para que os projetos busquem fins sociais, a escolha do tema cabe também aos alunos. Com essa dinâmica de atividades sendo aplicada desde o primeiro semestre de 2005, diversos projetos foram desenvolvidos, como: Copa Lord – Livros e Batucadas, Macarronada Solidária, Oficina do Empreendedor, Brechó Solidário, Carbono Zero, O mundo na sua mão, Esag na Serte e Sorrir Apae. Para exemplificar os resultados alcançados, esse último projeto citado, realizado no primeiro semestre de 2008, culminou com a construção de um consultório odontológico na APAE de Palhoça, contemplando ainda os equipamentos necessários para o atendimento e um plano de sustentabilidade. Todo o trabalho foi realizado por uma turma de administração em menos de três meses, aplicando a metodologia de gerenciamento de projetos compatível. Os resultados apresentados permitem inferir que além do aprendizado, derivado da experiência prática com a execução de projetos, o trabalho desenvolvido na disciplina gera produtos significativos e beneficia as comunidades envolvidas com os projetos.

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS: O COMITÊ CUBATÃO JOINVILLE

  • Denise Lemke Carletto, Graduando, dcarletto@univille.br
  • Sandra Helena Westrupp Medeiros, Dr(a), sandra.helena@univille.net
  • Fabiano Antonio de Oliveira, Dr(a), fabiano.oliveira@univille.net
  • José Dionicio Kunze, MSc, jose.dionicio@univille.net
  • Alessandro Barbosa, E, alessandro.barbosa@univille.net
  • Bruno Bittelbrunn, Graduando, bruno.bittelbrunn@univille.net
  • Vanessa Lemos Cruz, Graduando, v.lemos@univille.net
  • Therezinha Maria Novais de Oliveira, Dr(a), tnovais@univille.br

Universidade da Região de Joinville, UNIVILLE, Joinville

Palavras-chave: Comitê, Bacias hidrográficas, Rio Cubatão do Norte

Gestão de Recursos Hídricos tem sido um tema amplamente discutido nos últimos 10 anos, é também neste prazo que os Comitês de Bacias Hidrográficas vem buscando formas de se organizar e atuar na conservação e preservação dos recursos hídricos, em busca da elaboração do Plano Diretor de Bacias que norteiem suas decisões no sentido de fazer uma adequada Gestão de Recursos Hídricos. O Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Rio Cubatão do Norte desde 2001 vem trabalhando fortemente para isto e encontrou na universidade por meio de atividade de Extensão a Assessoria técnica e científica necessária para realizar ações que vão da Educação Ambiental passando pelo levantamento de dados físicos, químicos, biológicos e antrópicos até a Elaboração do plano Diretor da Bacia do Rio Cubatão do Norte que foi fundamental para que as primeiras Outorgas de Direito de Uso dos Recursos Hídricos no estado fossem emitidas. Atualmente o Programa vem trabalhando no diagnóstico da micro-bacia do Rio do Braço, considerando suas condições de comprometimento relacionado a lançamento de despejos domésticos e industriais o que culminará com a outorga de direito de despejo, de acordo com a capacidade de suporte do recurso hídrico. A equipe é multidisciplinar e composta por professores e estudantes dos departamentos de Engenharia Ambiental, Geografia e Mestrado em Saúde e Meio Ambiente que trabalham nas particularidades dos problemas ambientais do rio compartilhando semanalmente as informações na reunião da equipe, e disponibilizando material complementar para o preparo e desenvolvimento de aulas teóricas e, principalmente, práticas nos cursos de Engenharia Ambiental e Geografia. Os alunos têm a possibilidade de conhecer diretamente aspectos práticos da gestão de recursos hídricos e ambiental por meio de relatos e apresentações dos professores envolvidos elaborando assim um sistema de informações integrado que permite com que a população residente na bacia e usuários de água, interessados na conservação dos recursos hídricos, ONGs, órgãos públicos como FUNDEMA, FATMA, DNPM, IBAMA, SDS, Prefeitura Municipal, tenha acesso on-line aos dados, bem como possa participar das reuniões sempre que deseja, tornando-se parte do processo o que faz com que haja um maior comprometimento com a conservação e preservação das áreas da Bacia. O programa é custeado parte pela Universidade da Região de Joinville/UNIVILLE, por meio do fundo de Apoio a Extensão (FAEX) no que tange a horas de professor e bolsistas, e no que tange a custeio, vem tendo apoio do Governo do Estado de Santa Catarina através do FEHIDRO bem como de empresas locais por intermédio da Associação Empresarial de Joinville/ACIJ.

GESTÃO DO CONHECIMENTO APLICADA ÀS EXPORTAÇÕES DAS INDÚSTRIAS METALMECÂNICO DO MUNICÍPIO DE JARAGUÁ DO SUL: ESTUDOS DE CASO FOCANDO UMA EMPRESA DE PEQUENO PORTE, UMA DE MÉDIO E UMA DE GRANDE PORTE.

  • Vanessa de Oliveira, Graduando, proinpes@unerj.br
  • Luiz Carlos Nazario, MSc, lcnazario@unerj.br

Centro Universitário Católica de Santa Catarina, PUC, Jaraguá do Sul, Brasil

Palavras-chave: Conhecimento, Fator Humano, Exportação

Jaraguá do Sul tem um alto número de empresas no ramo metal-mecânico. Grande parte é de pequeno e médio porte, e todas contribuem para o desenvolvimento do município, pois geram capital, emprego, entre outros fatores relevantes que faz com que esteja entre as cidades mais dinâmicas do Brasil. Também conta-se com uma grande empresa do ramo que tem reconhecimento em todo território nacional e internacional. Além disso, o município é também grande exportador, se localiza próximo aos portos do Estado e possui fácil acesso às principais rodovias. O conhecimento e as informações a respeito de comércio exterior, importação e exportação, são fundamentais para que haja bons negócios, para isso é importante que a pessoa que trabalha nesta área tenha todas as informações e o conhecimento das fronteiras, legislações, agentes, distribuidores, entre outros. As empresas que possuírem as informações serão bem sucedidas, se as utilizarem de forma eficaz, assim como o conjunto de conhecimentos adquiridos que podem gerar cada vez mais competitividade. Com base neste contexto desenvolveu-se a presente pesquisa que apresenta uma análise de como as indústrias do ramo metalmecânico de Jaraguá do Sul, com portes diferenciados, aplicam a Gestão do Conhecimento às técnicas de negociações das exportações. O objetivo dessa pesquisa foi o de realizar estudos de caso sobre a aplicação da mesma nas empresas do referido ramo, focando uma de pequeno porte, uma de médio e uma de grande porte. O caminho metodológico utilizado para a realização dessa pesquisa foi o levantamento bibliográfico de artigos, periódicos, monografias e livros relativos ao problema definido, que contemplaram informações compiladas durante todo o período de elaboração da pesquisa. Para melhor refletir sobre o tema apresentado, foram estudadas as três empresas através de uma coleta de dados em que se estruturou uma pesquisa de campo com observação direta extensiva através de entrevista semi-estruturada focalizada, para identificação, análise e realização quanto à utilização, quanto aos resultados relacionados à Gestão do Conhecimento. Percebeu-se a utilização na grande e na média, porém na pequena ou está bem no início, ou a utiliza muito pouco e nem sabe, ou ainda a desconhecem. A Gestão do Conhecimento é algo novo, porém de um valor agregado enorme dentro das organizações, pois sua aplicação auxilia, e muito, na obtenção de vantagens competitivas, principalmente no que diz respeito às exportações diante da abertura do mercado mundial. Este novo modelo de gestão mudou o modo de ser das pessoas, inclusive dos gerentes dos setores, assim como trouxe benefícios que contemplam a empresa para ser competitiva e ter resultados favoráveis.

GESTÃO PEDAGÓGICA NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO : a experiência da Unisul com a implantação da Assistência Pedagógica

  • Adriana Mendonça Destro, E, adriana.destro@unisul.br

Universidade do Sul de Santa Catarina, UNISUL, Tubarão, Brasil

Palavras-chave: Implementação do Projeto Pedagógico, Gestão Pedagógica, Ensino aprendizagem

A presente monografia deu continuidade ao trabalho que a Unisul vem realizando na implementação de Projetos Pedagógicos por meio da Unidade de Gestão Acadêmica - UnA. O principal objetivo do presente estudo foi de conhecer como o a Gerência de Ensino, Pesquisa e Extensão e, os Coordenadores percebem o trabalho realizado pela Assistência Pedagógica. Um segundo objetivo foi o de identificar as principais dificuldades no processo de implantação deste projeto, caso as tenham encontrado. Os dados foram coletados através de entrevistas escrita – questionário e encontram-se organizados em categorias para facilitar a interpretação. Os resultados apontam para a falta de compreensão das atribuições da Assistência Pedagógica e para algumas questões voltadas ao trabalho da Assistência Pedagógica. Na busca da melhoria deste serviço alguns encaminhamentos foram proposto a fim de que este trabalho se concretize.

GÊNERO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE PROTEÇÃO ÀS MULHERES: DIÁLOGOS ENTRE A UNIVILLE E A CIDADE DE JOINVILLE

  • Janine Gomes da Silva, Dr(a), janine.gomes@univille.net
  • Rosane de Borba, Graduando, rosana.borba@univille.net

Universidade da Região de Joinville, UNIVILLE, Joinville

Palavras-chave: Gênero, Políticas públicas, cidadania

Nos últimos anos, podemos perceber um maior interesse de diferentes espaços da cidade de Joinville em tematizar os estudos de gênero e políticas públicas, vinculadas a uma preocupação com a cidadania. Preocupação significativa, especialmente, se levarmos em consideração a importância do feminismo para as teorias da cidadania e os debates éticos que perpassam, por exemplo, as discussões sobre novas tecnologias reprodutivas e pesquisas genéticas. Desta forma, um dos objetivos deste projeto de extensão, financiado pela UNIVILLE, por intermédio da Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários – PROEX/UNIVILLE é contribuir com a capacitação de profissionais que atuam em espaços diretamente relacionados ao atendimento de mulheres. Ao mesmo tempo, esperamos com as palestras e oficinas, poder contribuir com a rede pública de ensino, haja vista que as “relações de gênero” se constituem em um dos temas transversais do ensino fundamental. Também temos interesse em propiciar o debate sobre a perspectiva das relações de gênero na educação, entre os futuros licenciados da instituição. Assim, este projeto tem como principal objetivo estimular o debate sobre a temática de gênero e políticas públicas de proteção às mulheres na cidade de Joinville, possibilitando que a Universidade da Região de Joinville – UNIVILLE, responda às demandas suscitadas por diferentes espaços da comunidade, exercendo a responsabilidade social da universidade. Para a efetivação do projeto, primeiramente, foi realizada revisão bibliográfica – priorizando os estudos de gênero e políticas públicas - e sistematização das informações sobre gênero e políticas públicas relacionadas à cidade de Joinville. Em seguida, estão sendo realizadas algumas ações, como por exemplo, palestras, oficinas e ciclos de debates com as temáticas que mais interessarem as instituições (violência contra as mulheres; violência doméstica; gênero, sexualidade e saúde reprodutiva; história do feminismo; a mulher no mundo do trabalho; mulher e educação; políticas públicas estratégicas na proteção às mulheres). Para a efetivação de tais debates, estão sendo elaborados materiais de apoio, como textos roteiros, dinâmicas para trabalhar em grupo, textos/esquemas para serem projetados em retroprojetor ou datashow, bem como, formulários de avaliação das atividades. Também convém destacar as ações de capacitação para os membros do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher e da Comissão Municipal para Implantação e Acompanhamento do Protocolo de Atendimento às Vítimas de Violência Sexual. Em relação a esta última atividade item salienta-se sua importância, pois, desta maneira, poderemos verificar como as instituições envolvidas percebem as ações desenvolvidas pela UNIVILLE. Assim, por ser esta temática tão importante para a análise das relações sociais estabelecidas na cidade de Joinville e pela importância de aliar a universidade em suas atividades de ensino, pesquisa e extensão com as demandas da sociedade, é que entendemos a viabilidade deste projeto.

GÊNEROS DO DISCURSO: PROPOSIÇÕES DE ELABORAÇÃO DIDÁTICA

  • Carlos Arcângelo Schlickmann , MSc, cas@unesc.net
  • Angela Cristina Di Palma Back , MSc, acb@unesc.net

Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, Criciúma, Brasil

Palavras-chave: Língua Portuguesa, gêneros do discurso, elaboração didática

O objetivo desta proposta é destacar as situações escolares em que os gêneros do discurso aparecem como elementos norteadores das práticas de linguagem em atividades desenvolvidas pela disciplina de Estágio Supervisionado de Língua Portuguesa do Curso de Letras da UNESC, em escolas públicas e privadas do município de Criciúma. Destaca-se aqui a relevância do projeto, que propicia aos participantes uma melhor interação social, tanto em grupo quanto individualmente. A metodologia utilizada na elaboração didática deste projeto parte de um diagnóstico aplicado aos alunos de ensino Fundamental e Médio de nove escolas de diferentes comunidades, que visa a identificar os gêneros do discurso mais presentes nas práticas sociais dos estudantes. Com base nesse diagnóstico, elaboram-se diferentes atividades didáticas, cujo intuito é desenvolver maior proficiência em leitura e produção textual nos educandos envolvidos no processo. Essas atividades passam pela construção de um corpus que será utilizado nas práticas de linguagem citadas, bem como numa futura elaboração de material didático complementar a ser utilizado pelas escolas participantes do projeto. Vale ressaltar o lugar teórico dessa proposta que ganha visibilidade na década de oitenta, momento histórico em que se discutiam, no Brasil, questões pertinentes ao ensino da disciplina de Língua Portuguesa, Geraldi (2000), diante da constatação do nível deficitário de proficiência em leitura e produção textual dos egressos do ensino fundamental e médio, os quais apresentavam crescente dificuldade em ler e escrever de forma clara e bem articulada, propõe uma mudança no objeto de ensino: da metalinguagem, caracterizada por um estudo sistemático de teoria gramatical, baseado meramente na memorização de termos morfológicos e sintáticos, para o texto, elemento central das práticas de linguagem. O autor sugere, ainda, que o texto (novo objeto de ensino) passe a ser explorado a partir de três unidades básicas, a saber: prática de leitura, prática de produção textual e prática de análise lingüística, em que o estudo da sistematização da língua pode ser realizado quando necessário. Vale ressaltar que, na década citada, ainda não haviam se fixado, no Brasil, os estudos lingüísticos independentes da tradição normativa e filológica. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (1998), documento oficial do Ministério da Educação, ampliam a discussão de Geraldi, considerando a necessidade de evidenciar as práticas de oralidade (escuta e fala), haja vista a ênfase dada pela escola ao trabalho com a linguagem escrita. Isso também se deu em nível estadual e municipal. É imprescindível, portanto, uma prática pedagógica que utilize os gêneros discursivos em diferentes esferas sociais, em instâncias públicas e privadas, que representem o mundo da linguagem verbal e não-verbal.

Glossário de Turismo e Hotelaria

  • Maria Emília Martins da Silva, E, mariaemilia@univali.br
  • Sueli Maria Stoll, MSc, pesquisa@univali.br

Universidade do Vale do Itajaí, UNIVALI, Itajaí, Brasil

Palavras-chave: Dicionário, Glossário, Turismo e Hotelaria

O Glossário Técnico de Turismo e Hotelaria é uma estratégia pedagógica aplicada no 1º período do Curso de Turismo e Hotelaria da Universidade do Vale do Itajaí na Disciplina denominada “Turismo e Hotelaria”, com alunos ingressantes, que por sua vez não têm “afinidades” com as terminologias técnicas utilizadas na área profissional. Este trabalho tem por objetivo conhecer e discutir as expressões e termos técnicos utilizados na área de turismo, hotelaria e afins, como restauração, meio ambiente, agências de viagens e história, para que o aluno mantenha-se sempre atualizado com a nomenclatura da área e apto a ter um vocabulário técnico profissional, além do entendimento e a memorização dos termos, a fim de torná-los habitual no cotidiano da profissão. Há ainda uma integração com a Disciplina de Comunicação e Expressão no que se refere ao desenvolvimento do trabalho, onde esta atua com a mesma metodologia, porém com palavras e termos da língua portuguesa.

Apoio / Parcerias: Universidade do Vale do Itajaí – Curso de Turismo e Hotelaria

GRUPO DE APOIO PARA FAMILIARES E CUIDADORES DE PORTADORES DA DOENÇA DE ALZHEIMER

  • Priscila Scheider, MSc, priscilasc@uniplac.net
  • Claudete Andrade de Oliveira, E, claudete@uniplac.net
  • César Augusto Camargo de Araújo, Graduando, cesar_araujo@uniplac.net
  • Marici Souza Jeremias, E, maricij@matrix.com.br
  • Caroline Zanotto Bueno e Silva, Graduando, carolinez@uniplac.net
  • Francine de Barros, Graduando, franmb@uniplac.net
  • Camila Batalha Chiodelli, Graduando, camilachiodelli@hotmail.com
  • Cláudia dos Santos Cruz, Graduando, claupsi20@gmail.com
  • Carolina Cecília Coelho, Graduando, carolicoelho@yahoo.com.br
  • Jonas Coelho Lehmkuhl, E, jonasgeriatria@gmail.com

Universidade do Planalto Catarinense, UNIPLAC, Lages, Brasil

Palavras-chave: Doença de Alzheimer, família, cuidadores

Diversos estudos realizados a respeito do enfrentamento dos familiares desse processo de convívio e cuidado demonstram que a participação dos familiares em grupos voltados para esse fim promove um melhor enfrentamento do processo vivenciado por eles. A ABRAz (Associação Brasileira de Alzheimer) incentiva a criação de grupos de ajuda-mútua e de apoio aos familiares em todo o Brasil e fornece apoio para a formação dos mesmos. Desse modo, a partir de compreensão de outros projetos existentes em SC e no Brasil, em 2006, foi criado o presente Projeto de Assistência Social da UNIPLAC, com característica interdisciplinar, contando com a participação de professores e alunos dos cursos de Psicologia, Medicina e Enfermagem. Isto possibilita o desenvolvimento de intervenções amplas, que se voltam para a totalidade das pessoas atendidas. O Grupo de Apoio para Familiares de Portadores da Doença de Alzheimer, tem como objetivo geral propiciar aos familiares e/ou cuidadores suporte para o enfrentamento do processo de convívio e cuidado de idosos portadores da doença de Alzheimer. Para isso, possui como objetivos específicos: congregar familiares para troca de experiências, conhecimentos e apoio mútuo para o enfrentamento da situação de seu convívio e cuidado de idosos portadores da doença de Alzheimer; oferecer informações sobre a doença de Alzheimer e/ou doenças similares; esclarecer dúvidas e questões imediatas ou inadiáveis para os familiares e/ou cuidadores por meio de um sistema em que os familiares e/ou cuidadores tenham acesso aos profissionais e acadêmicos envolvidos no projeto e; mobilizar os recursos de suporte psicossocial dos familiares e/ou cuidadores através de atividades grupais. Em 2006 e 2007, foram atendidos 30 familiares e cuidadores. O grupo funciona com reuniões quinzenais, momento em que se incentiva a troca de informações e experiências, além da realizar de dinâmicas que visam a integração grupal e o apoio mútuo dos familiares em torno da problemática do desenvolvimento da doença de Alzheimer e do cuidado dos seus idosos. Cada familiar é acolhido através de uma visita domiciliar ou com uma entrevista, que é agendada nas dependências da universidade. Neste momento, é realizada uma avaliação da fase em que o portador da DA se encontra e de sua situação de cuidado, bem como da situação psicossocial do familiar. Além disso, os participantes recebem orientações e esclarecimento de dúvidas relacionadas à doença e aos cuidados de seus entes acometidos pela DA. Em setembro de 2007 foi realizado um simpósio sobre a DA a fim de atualizar os membros do grupo e comunidade sobre a doença e questões relativas ao cuidado e os familiares. Neste evento o grupo foi oficializado como sub-regional da ABRAz SC. Em 2008, as atividades do grupo foram ampliadas intensificando-se as visitas domiciliares bem como implementando um programa de atividade física com familiares e portadores. Junto a isso, um novo simpósio está sendo organizado para setembro de 2008 e pretende-se chegar a outras famílias através da Estratégia Saúde da Família de Lages.

Guias Mirins de Turismo

  • Flavia Deucher Secca, MSc, flaviads@univali.br
  • Renatha Silva, MSc, renatasilva@univali.br
  • Emilia Schewtzeir, MSc, emilia@univali.br
  • Evelize Silva, Graduando, evelize.silva@univali.br

Universidade do Vale do Itajaí, UNIVALI, Itajaí, Brasil

Palavras-chave: Turismo, Cultura, Primeiro emprego

A prática do turismo cultural como atividade sócio-econômica com perfil próprio é incipiente em Florianópolis - SC. Percebe-se cada vez mais a necessidade do município transformar-se em agente da preservação de sua própria identidade, garantindo assim o respeito à memória e a manutenção da qualidade de vida. Contudo, o projeto Guias Mirins de Turismo tem como objetivo formar jovens para atuar como guias no Centro de Florianópolis valorizando os recursos histórico-culturais e fortalecendo o desenvolvimento turístico da Ilha de Santa Catarina. O projeto é desenvolvido pela Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI em parceria com a Associação Florianopolitana de Voluntárias – AFLOV, Secretaria Municipal de Turismo – SETUR e o Departamento de Transportes e Terminais do Estado de Santa Catarina – DETER. A proposta do projeto é qualificar o adolescente aprendiz, proporcionando profissionalização, a que tem direito, visando oportunizar a sua inserção no mercado de trabalho da Região da Grande Florianópolis (SC). A formação profissional intercala aulas teóricas e práticas, proporcionando um melhor aprendizado. Os participantes têm cursos de formação em turismo, hospitalidade, serviços, espanhol e inclusão digital. Durante esta formação, os adolescentes são contratados como aprendizes, recebem meio salário mínimo e têm seus direitos trabalhistas garantidos. Além da formação profissional, o programa propicia a geração de renda para os participantes. Os resultados obtidos evidenciam um modelo cooperado de desenvolvimento de projetos sociais, onde os parceiros e o setor produtivo, a partir de suas vocações, desenvolvem ações integradas em busca de criar possibilidades de uma sociedade de indivíduos autônomos, a partir do conhecimento técnico e profissional.

GULUX II - GRUPO DE USUÁRIOS LINUX: INCENTIVO AO USO DO SOFTWARE LIVRE

  • Patrícia Natália Laube, Graduando, proinpes@unerj.br
  • Marcelo Pradi, Graduando, pradi@unerj.br
  • Sigmundo Preissler Júnior, MSc, sigmundo@unerj.br

Centro Universitário Católica de Santa Catarina, PUC, Jaraguá do Sul, Brasil

Palavras-chave: Software Livre, Linux, Informática

A sociedade hoje é extremamente dependente da tecnologia para o seu funcionamento, isso inclui o uso de computadores, logo o uso de softwares. O que se vê, são usuários de todo mundo pagando um alto preço pela aquisição desses softwares, sendo que muitas vezes estes softwares são pirateados e ilegais. O modelo de software proprietário aprisiona a produção científica e é antieconômico, beneficiando apenas um pequeno grupo. Com base neste contexto desenvolveu-se este projeto de pesquisa de Iniciação Científica, com o objetivo de tornar popular e referência da UNERJ o antigo projeto do Gulux, que visa o incentivo ao uso do software livre. Para tanto foi necessário reeditar o site do projeto e atualizar a lista de discussão que já obteve repercussão nacional, além de ministrar durante o desenvolvimento do projeto três cursos de extensão utilizando software livre e aplicar pesquisas de satisfação do curso e de interesse no uso do software livre. A metodologia da pesquisa foi composta por pesquisa literária, reconstrução do site do projeto Gulux, atualização da lista de discussão, preparação e organização dos cursos preparatórios e treinamentos para utilização do software livre, abordando o uso do Ubuntu e do BR-Office, e pesquisa de satisfação com relação ao tema. A pesquisa literária buscou conhecer os conceitos e o histórico relacionado ao tema, além de conhecer tipos comuns de softwares livre disponíveis no mercado. O Software Livre traz diversas facilidades, e sem dúvida a principal, é em relação à drástica redução de gastos com programas, além da liberação de sua cópia para que seja livremente instalada, alterada e distribuída. Em diversos países, inclusive no Brasil, encontramos diversas iniciativas governamentais para a implantação de softwares livres. A Prefeitura de Jaraguá do Sul é um exemplo disto, pois esta aderindo ao uso de softwares livre. Neste sentido, esse projeto tem como idéia central desenvolver atividades a fim de difundir a cultura e tornar a UNERJ um Centro de Referência na utilização de softwares livre. O mundo hoje é completamente dependente dos computadores onde a maior parte dos programas que regem seu funcionamento é fornecida por um único fabricante, pois 90% dos computadores operam com programas disponibilizados pela Microsoft. Os usuários estão pagando um alto preço pela aquisição desses programas, sendo que eles possuem alternativas como a do Software Livre. Com esta pesquisa é possível desenvolver estratégias e estabelecer diretrizes para o incentivo contínuo do uso do software livre, motivando os usuários e eliminando a resistência ao uso desta importante ferramenta que representa um grande beneficio para toda a sociedade.

HOMO SACRATU NA BUSCA DO EQUILÍBRIO ENTRE CORPO, MENTE E ESPÍRITO: GRUPO DE AUTO-ESTIMA E ESTUDO EM SAÚDE MENTAL

  • Cristiana Montibeller Kunze, E, cristiana.montibeller@univille.net
  • Alexandre Cidral, Dr(a), alexandre.cidral@univille.net
  • Márcia Regina Mendes Nunes de Moraes, MSc, marcia.moraes@univille.net
  • Rita de Cássia Bosco Arrabaca, Graduando, rita.arrabaca@univille.net
  • Kethe de Oliveira, Graduando, kethe.oliveira@univille.net
  • Emileine Teixeira Daros, Graduando, emileine.teixeira@univille.net

Universidade da Região de Joinville, UNIVILLE, Joinville

Palavras-chave: saúde mental, orientacão psicossocial, auto-estima

O Projeto de Extensão Homo Sacratu - GRUPO DE AUTO-ESTIMA E ESTUDO EM SAÚDE MENTAL é uma atividade do Departamento de Psicologia da Universidade da Região de Joinville - UNIVILLE, que iniciou seus trabalhos em março de 2007 e encontra-se no seu segundo ano. O objetivo geral do projeto é desenvolver um trabalho de apoio e orientação às pessoas adultas que apresentam algum tipo de sofrimento psíquico (transtorno mental), bem como aos seus familiares no sentido de resgate e melhora da auto-estima através da discussão, reflexão, esclarecimentos e conscientização em grupo. A equipe técnica é constituída por duas professoras do departamento de psicologia, sendo uma assistente social e uma psicóloga, três estagiárias de psicologia, no entanto o projeto conta com o apoio de bolsistas e voluntários dos diversos cursos da Univille. Procedimentos metodológicos adotados: coordenação do grupo operativo comunitário; trabalho de parceria com duas entidades parceiras do projeto: Associação Fênix de Joinville e a Paróquia Santuário Sagrado Coração de Jesus; encontros semanais no período vespertino com tempo de uma hora de intervenção e vivências: apresentação dos objetivos do projeto, reflexão espiritual, apresentação dos integrantes, atividade proposta do mês (palestra, bate-papo profissional, dinâmicas de grupo, dança circular, círculo de leitura, contação de história, música, canto, grupo de estudo), momento de afetividade e lanche. Os principais resultados obtidos em 2007, dizem respeito ao público direto atingido que no total foram 619 presenças em 40 encontros realizados, em média obteve-se a participação de 15 participantes por encontro. Verificou-se que muitas das pessoas que participam assiduamente ou eventualmente, apresentam uma melhora significativa na sua auto-estima na qual demonstram ter uma preocupação maior com o cuidado de si, bem como de seus familiares. Constata-se que desde março de 2008, aumentou o número de participantes no grupo, em média somam 20 pessoas em cada encontro, onde diversos esclarecimentos, orientações e encaminhamentos são realizados. Constata-se, também a importância do trabalho multidisciplinar e da sintonia e apoio mútuo entre os integrantes, professores, profissionais convidados, estagiários, alunos bolsistas envolvidos, voluntários diversos e os representantes das duas entidades parceiras. Neste começo de ano um dos resultados mais significativos foi a efetivação do Sub-Projeto Cultural, no qual consiste no desenvolvimento e apresentação, pelos próprios integrantes do grupo com alunos da Univille, de atividades culturais tais como: contação de história, grupo de música, canto, dança circular, dramatização, proclamação de poesias e textos literários. A principal fonte mantenedora do projeto é o Fundo de Apoio à Extensão (FAEX) da UNIVILLE. Enfim, ao analisar a perspectiva de continuidade do projeto, acredita-se que para o ano de 2009 se obterá outro sub-projeto de inclusão social: o Sub-Projeto de Emprego e Geração de Renda que irá auxiliar os portadores de sofrimento psíquico e seus familiares, o qual será desenvolvido conjuntamente com o Programa de Empreendedorismo da universidade.

HORA DO COLÓQUIO

  • Kátia Regina Koerich Fronza, MSc, katiaf@unidavi.edu.br

Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, UNIDAVI, Rio do Sul, Brasil

Palavras-chave: Conhecimento, Pesquisa, Socialização

O exercício da docência do professor pesquisador é uma ação complexa que precisa ser compreendida no chão das Universidades, mais especificamente no chão da sala de aula. O saber próprio dos docentes do ensino superior perpassa por algumas situações que se apresentam no cotidiano, quais sejam: - pela análise e definição do nível de formação inicial dos professores; - pela formação em serviço entendida como uma forma de educação permanente, por permitir a todos os professores melhorar suas competências pedagógicas, tanto no plano da teoria como no da prática; - pelas condições de trabalho dos professores quanto ao número de alunos em classe, a carga horária e os meios de que dispõe para o seu fazer pedagógico no contexto da Universidade e; - pela urgente necessidade de definição de uma política de conjunto para os professores, combinando remuneração e aspectos conexos. O conhecimento reside na certeza da inconclusão, na certeza de que se pode ser capaz de produzir um conhecimento ainda não existente, ou um conhecimento reinventado. Considerando a necessidade da qualidade do Programa de Formação Continuada e atendendo ao que dispõe a Resolução n. 036/01, quanto à qualificação, aperfeiçoamento e atualização do corpo docente e técnico no seu artigo 1º combinado com o artigo 3º Inciso IX letras a-b-c que institui: PIPEV – Programa Institucional de Participação em Eventos Científicos; PIAP – Programa Institucional de atualização permanente, prevê a socialização da participação de docentes e técnicos em eventos, levou a PROEN a lançar o projeto “Colóquio das Dezoito e Quinze” no dia 08 de agosto de 2002. Esse projeto não prosperou, tendo sido reativado em 12 de maio de 2005 com a denominação “Hora do Colóquio”. Concebido como um espaço institucional onde professores, alunos, funcionários e demais membros da comunidade socializam com a comunidade acadêmica suas pesquisas, participações em eventos, formações. É um espaço livre para a comunicação, debate, conversa, mesa redonda de temas definidos pelo coloquiador. Por este projeto a comunidade acadêmica da UNIDAVI é estimulada a participar de um espaço alternativo através do diálogo, sendo levada a pensar e socializar as mais diversas temáticas, de forma a contribuir com a formação de um espírito universitário crítico nos mais diferentes segmentos da Universidade. O projeto propicia, também, condições da realização de horas a serem computadas como atividades complementares e/ou acadêmico-científico-culturais. Possibilita a apresentação de resultados de pesquisas efetuadas e/ou em andamento realizadas em cursos de Graduação, Especialização (lato/strictu-sensu) ou em programas específicos (PIBIC, PGP, Art. 170, PIBEX). Podem participar como coloquiadores: alunos, professores e funcionários da UNIDAVI, além de membros da Comunidade. O local e a data do colóquio é previamente divulgado e sua duração gira em torno de quarenta minutos, podendo deslocar-se da sede para os câmpus.

Identificação do cenário competitivo na região da Amurel com vistas à proposta de uma política vocacionada ao desenvolvimento sustentado

  • Ivone Junges, G, ivone.junges@unisul.br
  • Sidenir Niehuns Meurer , G, sidenir.meurer@unisul.br
  • Vânia Maria Gomes , G, vania.gomes@unisul.br
  • Marcelo Thomé dos Santos , G, marcelo.santos@unisul.br

Universidade do Sul de Santa Catarina, UNISUL, Tubarão, Brasil

Palavras-chave: Diagnóstico, Competitividade, Desenvolvimento local

A região apresenta grande potencial econômico, onde o empreendedor desempenha papel decisivo na tomada de decisão. No entanto, quando se analisa o entorno sócio-institucional, percebe-se, através dos dados, uma contradição do papel das instituições de apoio ao setor empresarial. Quando analisado o ambiente de negócio, apenas 27,27% dos entrevistados dizem que tais instituições são importantes para fortalecer o ambiente de negócios. Os sujeitos de pesquisa foram as próprias instituições de apoio. Outra situação identificada se refere às políticas de inovação e a prática de cooperação e colaboração entre as empresas, aparecem com 36,36% e 63,64% com influência satisfatória. A competitividade local contribui, na opinião dos entrevistados com apenas 18,18% no fortalecimento do ambiente de negócios.

Uma outra questão que chama a atenção é a pouca influência das parcerias na região, tais como integração universidade/empresa. A experiência no segmento, pouco conta no desencadeamento do desenvolvimento regional.

Segundo os entrevistados, as principais medidas para compor uma política de desenvolvimento são: redução da carga tributária, infra-estrutura logística, aumento ao crédito e incentivo à exportação, nessa ordem de prioridade.

Uma das explicações para esse quadro favorável nos dois setores mencionados acima pode ser a formação de núcleos setoriais no caso dos móveis e a busca pela eficiência produtiva, principalmente aliada a just in time e inovação, no caso da moldura. Ambos setores sofrem uma competitividade acirrada, nunca vista anteriormente.

A maior parte dos empresários não utiliza as principais ferramentas de gestão, dificultando a gestão eficiente e eficaz dos negócios.

Apoio / Parcerias:  Núcleo de Pesquisas em Empreendedorismo e Gestão de Micro e Pequenas Empresas – Nupem/Unisul Coordenação de Pesquisa – Unisul Governo do Estado de Santa Catarina, através Bolsa de Pesquisa do Art. 170 para dois acadêmicos

IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE ELEMENTOS QUÍMICOS TÓXICOS NAS ÁGUAS QUE ABASTECEM SÃO MIGUEL DO OESTE

  • Elenilson Freitas Alves, Dr(a), prof.elenilson@hotmail.com
  • Beatriz Borges dos Santos, Graduando, biaborges19@yahoo.com.br

Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC, Joaçaba, Brasil

Palavras-chave: Água, Elementos, Contaminação

Atualmente a poluição de águas naturais por contaminantes biológicos ou químicos está sendo um problema de âmbito mundial e, poucas áreas povoadas sejam em países desenvolvidos ou não-desenvolvidos, sofrem de uma ou outra forma de poluição. Neste contexto, as águas superficiais doces, ou seja, águas que residem na superfície da terra em rios, córregos e lagos, são importantes não apenas como fonte principal de água potável, mas também como hábitat para a vida vegetal e animal que contém, e como possibilidade de recreação e transporte que proporcionam. As substâncias químicas poluentes estão presentes em muitos tipos de materiais ou produtos de várias formas. Em alguns casos, quando determinados elementos químicos estão ligados de maneira estável não causam dano algum, mas quando estes ficam na forma eletronicamente carregada, ou seja, instável, reagem de maneira desordenada podendo formar substâncias tóxicas e perigosas a organismos. Na região extremo oeste, os contaminantes de leitos de rios estão presentes em muitos produtos utilizados na agricultura e grande parte nos dejetos liberados por animais, visto que na maioria das propriedades rurais não há um tratamento adequado para os resíduos antes do descarte, estes são depositados diretamente no solo como adubo para as lavouras. O presente projeto teve como objetivos, identificar e caracterizar as causas de contaminação dos rios que abastecem de água potável a cidade de São Miguel do Oeste, por elementos químicos tóxicos e monitorar através de coletas de água e posterior análise em laboratório e identificação do tipo de elemento químico presente. Durante a realização do trabalho, foram coletadas amostras dos rios Cambuim, localizado na cidade de São Miguel do Oeste, e do rio das Flores pertencente ao município de Paraíso. Sabe-se que há contaminação microbiológica nos mananciais devido aos dejetos de animais ao longo do leito dos rios, mas objetivou-se identificar contaminação por elementos químicos. Verificou-se as condições de contaminação dos rios que atravessam propriedades rurais através de coletas de água e posterior análise físico-química para identificação dos contaminantes. As amostras coletadas foram analisadas previamente nos laboratórios da instituição e algumas selecionadas para análise quantitativa dos metais alumínio, ferro, cromo, cobre, níquel e chumbo através de Espectrofotômetro de Absorção Atômica. Entre os metais analisados, o Ferro apresentou níveis acima dos permitidos pelo Ministério da Saúde e Vigilância Sanitária para água potável. A quantidade deste metal permitida por lei é de 0,3 mg/l e comprovou-se valores entre 0,61 e 1,07 mg/l. Com os resultados obtidos, realizaram-se estudos sobre as conseqüências que este metal ou substâncias derivadas pode causar sobre o organismo humano se a água contaminada for ingerida em excesso. Um exemplo desta comprovação, é que o excesso de ferro em organismos pode causar problemas principalmente no coração, fígado e outros órgãos. A partir dos resultados deste projeto, trabalhos posteriores, como por exemplo, a análise da qualidade da água após o tratamento específico nas estações pelos órgãos competentes ou análise físico-química e microbiológica de águas subterrâneas ou provenientes de esgotos da população.

Apoio / Parcerias: Fape/Unoesc-SMO/Art. 170 CE-SC

IMPLANTAÇÃO DE COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA EM SEIS BAIRROS DA CIDADE DE CRICÍUMA SC

  • Evanísio Pereira Junior, Graduando, evanisiojunior@yahoo.com.br
  • Mario Ricardo Guadagnin, MSc, mrg@unesc.net
  • Marcio Antonio Fiori, Dr(a), mfi@unesc.net
  • Edison Uggioni, MSc, edu@unesc.net
  • Alice Neves Fernandes, Graduando, al39899@unesc.net
  • Manuela Santos Barbosa, Graduando, mmanusb@hotmail.com

Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, Criciúma, Brasil

Palavras-chave: catadores, coleta seletiva solidária, educação ambiental

Breve Histórico: Este trabalho analisa a importância dos programas de coleta coletiva solidária pela inclusão social de catadores como protagonistas do gerenciamento integrado de resíduos. Além de preservar e recuperar o meio ambiente, com o recolhimento do lixo da cidade, a conscientização sobre a importância da coleta seletiva e da reciclagem gera empregos, mantém a cidade mais limpa e estimula a cidadania, visto que as pessoas passam a se preocupar com a separação do lixo produzido. Objetivos: implantar a coleta seletiva solidária nos bairros Santa Augusta, Jardim Angélica, Universitário, Pinheirinho, Milaneze e Ceará em Criciúma – SC. Desenvolver atividades de educação ambiental com abordagem porta a porta para disponibilizar informações sobre segregação e separação prévia de resíduos; Formular propostas comprometidas com organizações civis, poder público e empresas com o objetivo de fortalecer e organizar a Cooperativa de Catadores de Materiais Recicláveis de Criciúma – SC. Metodologia: Após um processo de capacitação e discussão sobre a temática dos resíduos sólidos e as diferentes modalidades de coleta seletiva acadêmicos voluntários do curso de Engenharia Ambiental realizaram a divulgação da coleta seletiva na população alvo com a distribuição de folders com adesivos da CTMAR, que estavam em meio ao material reciclável da cooperativa, descartado na troca de gestão da prefeitura. A abordagem porta a porta é realizada com intervalo máximo de seis meses, para reforçar a importância da separação, em casa, do material. Nos bairros a orientação para separação é feita entre lixo seco (papel, plástico, metais, vidros) e úmido (orgânico) e colocado na calçada nos dias de recolhimento, que são alternados com os dias da coleta normal da prefeitura, uma vez por semana em cada bairro. Este material é recolhido por caminhão da Cooperativa com uma faixa de identificação e encaminhado para o centro de triagem onde é feita uma segunda separação em uma esteira. Relevância: este trabalho tem importância pela associação da teoria com a prática da coleta seletiva porta em porta do resíduo de origem tanto domiciliar quanto comercial dos bairros atendidos, direcionados principalmente aos produtos recicláveis, permite aos acadêmicos a experimentação de um modelo de abordagem com ações de educação ambiental e possibilita aos protagonistas da ação a sustentabilidade de 22 famílias de catadores pertencentes a CTMAR. Custeio: este projeto fez parte do Programa de Pesquisa e Ação Comunitária– PPAC 02 da Propex/UNESC realizado no período compreendido entre março de 2006 a fevereiro de 2008. A coleta seletiva na modalidade porta a porta obteve êxito nos bairros onde foi proposta conseguindo um número expressivo de doações, visto que foi possível também alcançar a conscientização dos moradores para a importância da separação do material reciclável. Contudo, este tipo de coleta ainda deve ser ampliado, com a conscientização da população por meio de programas de educação ambiental. E associado a isto, há a necessidade de que estudos sejam realizados de forma a otimizar o processo de coleta e ampliar a participação e empoderamento dos principais protagonistas, os catadores de materiais recicláveis

Apoio / Parcerias: CONTAP – Administradora de Condomínios;

IMPLEMENTAÇÃO DA LEI MARIA DA PENHA NA ÓTICA DOS ÓRGÃOS RESPONSÁVEIS EM BLUMENAU/SC.

  • Patrícia Regina de Souza, Graduando, souza.sso@gmail.com
  • Maria Salete da Silva, MSc, mssilva@furb.br

Universidade Regional de Blumenau, FURB, Blumenau, Brasil

Palavras-chave: Violência contra a mulher., Lei Maria da Penha., Direitos da mulher.

Histórico: O Programa Assistência Sócio-Jurídica – PASJUR, criado em 2002, é extensão do Departamento de Serviço Social da FURB e desenvolve-se junto ao Núcleo de Prática Jurídica – NPJ, que presta serviços à população de baixa renda, residente no município de Blumenau, com necessidade de acesso gratuito à justiça. O PASJUR compõe-se dos Projetos: Educação em Direitos Humanos; Orientação Sócio-Familiar e Atendimento Compartilhado. Desde o início das atividades o fenômeno da violência intrafamiliar tem sido objeto de estudo e pesquisa, dada a sua presença reiterada na vida da população usuária. Os dados indicam que a violência estava presente em 36,58% das famílias atendidas em 2006; em 30,76% das famílias atendidas em 2007 e em 2008/1 este índice já alcançou 28,57%. Para o enfrentamento desta questão, têm sido realizadas oficinas nas comunidades, abordagens em sala de espera no NPJ, coordenação do GT Rede de Proteção às Pessoas em Situação de Violência Intrafamiliar e, mais recentemente, participação no Fórum Regional pela Implementação da Lei Maria da Penha, atividades pertinentes ao Projeto Educação em Direitos Humanos. Neste contexto, considerou-se necessário e pertinente desenvolver a pesquisa “Implementação da Lei Maria da Penha na ótica dos órgãos responsáveis em Blumenau/SC”. Objetivos: verificar como está sendo implementada a Lei Maria da Penha em Blumenau na ótica dos órgãos responsáveis, os motivos pelos quais os órgãos responsáveis estão resistindo à implementação, qual o controle social sobre a aplicação da Lei no município, o número de Boletins de Ocorrência que originaram processos, quais mudanças ocorreram no combate à violência com a Lei Maria da Penha; compreender o papel dos órgãos responsáveis pela implementação da Lei Maria da Penha; identificar as medidas protetivas mais acessadas. Metodologia: utilizou-se a pesquisa qualitativa, com o uso da entrevista semi-estruturada para a coleta de dados, as quais foram gravadas e transcritas. O universo da pesquisa foi composto pelas entidades que são responsáveis pela implementação da Lei Maria da Penha e a amostra compôs-se de 01 representante das seguintes instituições: Delegacia de Proteção à Mulher, Fórum pela Implementação da Lei Maria da Penha, Ambulatório Geral do Centro, Fórum de Justiça, Secretaria Municipal de Assistência Social, Hospital Santa Isabel, entretanto, um dos entrevistados não respondeu em tempo hábil. Relevância acadêmico-social: a Lei Maria da Penha foi sancionada no dia 07 de agosto de 2006, desde então, têm sido empreendidos debates em torno da sua efetivação. Conhecer os entraves, sobretudo, na visão dos sujeitos que atuam diretamente no atendimento das mulheres ou em espaços estratégicos de participação e controle social é uma condição para encontrar os meios para o cumprimento da Lei e a defesa dos direitos das mulheres. Fontes de custeio: Departamento de Serviço Social, Núcleo de Prática Jurídica e PROPEX. Perspectivas para continuidade da ação: os resultados serão devolvidos à comunidade no segundo semestre, em reunião do GT Rede de Proteção às Pessoas em Situação de Violência Intrafamiliar e do Fórum Regional pela Implementação da Lei Maria da Penha.

Inclusão digital por meio de cursos de informática para a população carente do Bairro Nossa Senhora das Graças

  • Carlos Jeová Severo Junior, Graduando, xevero@hotmail.com
  • Joseane de Menezes Sternadt, MSc, joseane@univali.br

Universidade do Vale do Itajaí, UNIVALI, Itajaí, Brasil

Palavras-chave: Inclusão digital, População carente, Empregabilidade

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE RESULTANTES DA ASSISTENCIA SOCIAL PRESTADA ÀS FAMÍLIAS DO ENTORNO DA UHE BARRA GRANDE

  • Evandro Ricardo Guindani, MSc, evandro.guindani@unoesc.edu.br
  • Alexsandra Antoniazi , E, alexsandra.antoniazi@unoesc.edu.br
  • Almir Antonio Isganzella, E, almir.isganzella@unoesc.edu.br
  • Cristina Zilá Timboni, E, Cristina.timboni@unoesc.edu.br
  • Mirian Rita Ribeiro, E, mirian.ribeiro@unoesc.edu.br
  • Vânia Pelizzaro, Graduando, vania.pelizzaro@unoesc.edu.br
  • Joaquim Junior de Almeida, G, redemicrosul@terra.com.br

Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC, Joaçaba, Brasil

Palavras-chave: Assistência social, Barragens, Indicadores

O Aproveitamento Hidroelétrico (AHE) Barra Grande situa-se no Rio Pelotas, na divisa entre os Estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, atingindo os municípios de Anita Garibaldi, Campo Belo do Sul, Capão Alto, Cerro Negro e Lages no lado catarinense e Pinhal da Serra, Esmeralda, Vacaria e Bom Jesus no Rio Grande do Sul. O empreendimento ocupou 0,5% da área dos municípios do território gaúcho e 0,6% da área dos municípios catarinenses, atingindo total ou parcialmente 705 imóveis rurais. Os proprietários, arrendatários, posseiros e agregados foram indenizados ou remanejados para os próprios municípios atingidos ou municípios vizinhos. O foco do Programa de Assistência Social são as 429 famílias que optaram pelo remanejamento populacional nas modalidades de Reassentamentos Rurais Coletivos (RRC) e auto-reassentamento através das Cartas de Crédito (CC), além das famílias reassentadas em áreas remanescentes. A equipe de Assistência Social é integrada por profissionais da BAESA Energética Barra Grande e da Universidade do Oeste de Santa Catarina – UNOESC, e tem por objetivo assessorar as famílias dos reassentados, proporcionando condições para serem unidades familiares de produção sustentável, voltadas para sua subsistência (segurança alimentar) e mercado (excedentes), socialmente inseridas e participativas em suas comunidades. As diretrizes metodológicas utilizam a abordagem sistêmica para a compreensão das famílias, das comunidades e dos problemas sociais, propondo-se a respeitar o conhecimento e a cultura dos reassentados e a utilizar metodologias participativas, contribuindo para os processos de auto-organização familiar e comunitária. Antes e após o remanejamento das famílias, foram aplicados questionários buscando levantar um diagnóstico da realidade sócio-econômica das mesmas. Os dados destes questionários foram tabulados e sintetizados num Relatório de Indicadores de Sustentabilidade, o qual busca analisar as mudanças ocorridas após dois anos de assistência social prestada às famílias a partir de três grandes eixos: qualidade de vida, dimensão econômica e inserção social. O Relatório de Indicadores apresenta num primeiro momento, um referencial teórico referente à assistência social no meio rural, bem como um panorama geral dos grandes indicadores sociais da região onde está inserida a UHE Barra Grande. Num segundo momento é construída uma comparação entre a realidade sócio-econômica dos municípios da área de abrangência da UHE Barra Grande e das famílias beneficiadas pelo projeto de assistência social. Num terceiro momento o Relatório aborda a relação entre as atividades realizadas pela equipe e os resultados apontados pelos questionários. Cabe salientar que os indicadores sociais dos municípios que compõem o entorno da UHE Barra Grande estão, na sua grande maioria, muito abaixo das médias estaduais. Por outro lado, os indicadores das comunidades beneficiadas pelo Projeto de Assistência Social estão acima dos indicadores municipais, bem como acima da média estadual. Os indicadores de sustentabilidade, além de revelar a eficácia do Projeto de Assistência Social vem contribuir com o aprimoramento e desenvolvimento das políticas voltadas ao setor hidrelétrico no Brasil.

Apoio / Parcerias: ENERGÉTICA BARRA GRANDE S/A - BAESA

INDIZÍVEL FRONTEIRA: A LITERATURA DE AUTORIA FEMININA NA PRISÃO

  • Joselia Mendonça, Graduando, jo_miguxa@unochapeco.edu.br
  • Nara boneti Foresti, Graduando, naraboneti@unochapeco.edu.br

Universidade Comunitária Regional de Chapecó, UNOCHAPECÓ, Chapecó, Brasil

Palavras-chave: literatura , fronteira, prisão

Coord.: Nara Boneti Foresti

Acad.: Joselia Mendonça, Letras O Projeto trabalha a literatura de autoria feminina com detentas do Presídio Regional de Chapecó, com mulheres de idade, escolaridade, classe e etnias variadas. São quarenta participantes do regime fechado e vinte do regime semi-aberto. É preciso frisar que o contato com as detentas do regime fechado se dá apenas pelos textos, que são deixados para que leiam e façam observações e/ou novas produções. Já no semi-aberto o trabalho se dá no próprio alojamento. Como o presídio destina-se ao recolhimento de presos provisórios trata-se de um público volante. Portanto, o número de participantes no projeto nunca é o mesmo. O trabalho tem como metas observar na produção literária das detentas a influência do espaço de reclusão, restabelecer o diálogo das mesmas com a sociedade através da escrita de literatura e aproximar os acadêmicos de espaços de atuação da universidade fora do campus e da sala de aula. O trabalho com a literatura de autoria feminina não quer dizer que a questão de gênero esteja em foco. O recorte se dá pela leitura lançada sobre a "escrita feminina" que, diz-se, tem como característica principal a "auto-reclusão". Não é desejo do projeto comprovar tal afirmação, ao contrário, é discutir a noção de reclusão na literatura/prisão, apontando que a escrita reclusa de um texto não necessita de muros ou fronteiras de gênero para se concretizar, basta a linguagem. Artifício que denota prisão e liberdade ao mesmo tempo. Basta lembrar que o ato de escrever traz sempre consigo uma dicotomia constante: um desejo de escrita como fuga e, por outro lado, de aprisionamento no qual se "escreve ou se morre". Assim, a escrita pode configurar ela mesma como espaço prisional, no qual a fronteira não é um muro que aprisiona os corpos, mas a própria linguagem que determina aos personagens, narradores, eu – lírico "a expressão de sujeitos deslocados", isolados, trancafiados. Mesmo assim, o ato de escrever vai opor-se ao imperialismo da linguagem, num movimento de sacrifício e gozo assumindo seu plural significativo, quando o texto é o literário. Sacrifício porque o desejo pelo silêncio faz do escrever uma violência na tentativa de apreender o indizível da palavra e gozo porque no quarto, no corpo, no cárcere, o escrever torna-se antídoto que seda. É pensando nisso que projeto optou por trabalhar com textos de autoras como Clarice Lispector, Ana Cristina César, Patricia Bins, Cora Coralina, Florbela Espanca, entre outras. O projeto aponta para o deslocamento de espaços prisão/liberdade proporcionado/exigido pela escrita literária e proporciona às detentas na escrita/leitura a chance de ignorar as fronteiras, ou ainda, aprisionar-se ainda mais. Mas, desta vez nas tramas da literatura. Pensando nessa dinâmica de trabalho na qual a literatura vai até o cárcere, através de textos já consagrados, e sai de lá pela produção das detentas espera-se que a experiência da escrita e da leitura ultrapasse as fronteiras indizíveis da reclusão (impostas ou não) e chegue até as salas de aula da Unochapecó, articulando o ensino, a pesquisa e a extensão. O Projeto é financiado pelo FAPEX - Unochapecó.

INFLUÊNCIA DO pH E DA CONCENTRAÇÃO DE NUTRIENTES NA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁCIDO ROSMARÍNICO EM PLANTAS DE MELISSA CULTIVADA IN VITRO

  • Halan Alves Maria, Graduando, halan.maria@unisul.br
  • Gilmar Pezzopane Pla , Dr(a), gilmar.pla@unisul.br
  • Eulionor Pereira da Silva , G, eulinor.silva@unisul.br

Universidade do Sul de Santa Catarina, UNISUL, Tubarão, Brasil

Palavras-chave: Melissa, cultivo in vitro, nutrientes

Melissa (Melissa officinalis L.), também chamada de erva-cidreira-verdadeira, pertencente à família Lamiaceae, possui atividade sedativa, tendo um papel importante no controle das emoções. O estudo de fatores envolvidos no cultivo, manuseio e colheita de matéria-prima vegetal é de caráter básico para o desenvolvimento da capacidade de produção de princípios ativos em plantas medicinais. O presente trabalho teve como objetivo avaliar a influência do meio de cultura MS e do pH na produção de ácido rosmarínico em plantas de Melissa cultivada in vitro. Das plantas matrizes de Melissa Oficinallis., retirou-se explantes que foram imersos por 10 min em água destilada + detergente Tween 20 (20 gotas/L); 3 min em álcool 70% em agitação; em câmara de fluxo laminar, permanecendo por 15 min em hipoclorito de sódio (1,5%) + Tween 20 (20 gotas/L), os quais foram submetidos a três lavagens com água destilada. Os explantes foram estabelecidos e multiplicados em meio de cultura MS (Murashige e Skoog, 1962), e nos meios com redução de nutrientes, MS/2 e MS/3. O pH dos meios de cultura foram ajustados para 4,0, 4.5; 5.5, 6.5 e 7,0 antes da autoclavagem. As culturas foram mantidas em sala de crescimento com temperatura de 25±1ºC, fotoperíodo de 16 horas, intensidade luminosa de 40-45 mmol/m2/s e umidade relativa de 60% à 70%.Para o doseamento do ácido rosmarínico na Melissa oficinallis foram utilizadas amostras (folhas) de todos os tratamentos. A análise foi realizada por cromatografia líquida de alta eficiência ou espectrofotometria UV-Vis (CLAE), no Centro Tecnológico da UNISUL – CENTEC. O delineamento utilizado foi inteiramente casualizado composto por 3 repetições, sendo que cada uma possuía 506 mg de folhas verdes. A porcentagem de ácido rosmarínico foi obtida pela média dos resultados das três amostras de cada tratamento. A análise foi realizada com espectrofotometria UV-Vis (CLAE). Em seguida, para a obtenção da porcentagem de ácido rosmarínico, foi realizada a medição da absorvância da solução teste em relação à solução de compensação com o espectrofotômetro (UV-Vis). Os resultados mostraram que, de maneira geral, no meio de cultura onde utilizou-se metade da concentração de MS(MS/2) e em valores de pH entre 4,0 e 4,5 ocorreram os maiores teores de ácido rosmarínico. Os resultados obtidos, preliminarmente, permitem concluir que em valores de pH mais ácido e meios de cultura, MS, com a metade da concentração recomendada estão os melhores valores de ácido rosmariníco.

Apoio / Parcerias: UNISUL e Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica - PIBIC-CNPq

INSETOS XILÓFAGOS NA DEGRADAÇÃO DE ESSÊNCIAS FLORESTAIS DISPOSTAS PERPENDICULARMENTE AO SOLO

  • Marcio Marquardt, Graduando, grandemarquardt@yahoo.com.br

Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC, Joaçaba, Brasil

Palavras-chave: Madeira, Xilófagos, Deterioração

A madeira é um material que apresenta algumas propriedades que a tornaram, desde os primórdios da humanidade, cobiçada e com um lugar de destaque no desenvolvimento da civilização. No Brasil, grande parte da madeira utilizada como matéria prima para a indústria de produtos sólidos de madeira advém de florestas plantadas, na maior parte dos casos de povoamentos de rápido crescimento e de baixa densidade, que quando atacadas por insetos xilófagos, encontram facilidade na degradação quando comparado com espécies de alta densidade. A durabilidade natural da madeira permite avaliar a vida média útil e a susceptibilidade a organismos xilófagos. Desse modo, os resultados obtidos em ensaios de campo com madeiras em contato com o solo possibilitam a classificação da sua degradação, recomendando-se ou não o seu uso em ambientes externos. Encontra-se em avaliação, desde Novembro de 2006, um ensaio experimental com objetivo de avaliar a durabilidade natural, em ambiente externo, de toras de cinco espécies florestais: Ateleia glazioveana “Timbó” (Mimosaceae), Pinus sp. “Pinus” (Pinaceae), Cryptocarya aschersoniana “Canela Branca” (Lauraceae), Hovenia dulcis “Uva-Japão” (Rhamnaceae) e Eucalyptus dunnii “Eucalipto” (Meliaceae) ao ataque de insetos xilófagos neste tipo de ambiente. O campo experimental encontra no campus II da Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC), Xanxerê, onde através de inspeções semanais foram avaliadas, nas toras de madeira dispostas perpendicularmente, as reações fisiológicas da casca, presença e perfurações ocasionadas por insetos xilófagos e rachaduras longitudinais. Como resultados parciais foi registrada a presença de xilófagos nas madeiras de “Timbó”, “Canela” e “Uva-japão” com freqüência de 100; 50 e 15%, respectivamente, dispostas no campo experimental. Entretanto, apenas as toras de “Eucalipto” e “Pinus”, até o presente momento, não foi constatada presença nem injúrias por este tipo de insetos. Trinta e três por cento das toras de “Uva-Japão” e dezesseis por cento das toras de “Timbó” presentes no campo experimental apresentaram reação fisiológica, ou seja, emitiram brotações, depois de três semanas após a montagem dos experimentos, perdurando até o início do inverno. Esse registro torna-se importante para o estudo da ocorrência de coleobrocas, uma vez que estes insetos são atraídos por compostos emitidos quando a madeira degrada ou está ativa fisiologicamente. As presenças de rachaduras longitudinais podem ser visualizadas em toras de eucalipto que tiveram 70% das suas amostras com este tipo de evento. Desta forma, pode se concluir, até o momento, que a madeira de “Timbó” foi a mais susceptível ao ataque de insetos xilófagos, as toras de “Uva-japão” e “Timbó” apresentam brotações quando expostas em ambiente externo, toras de “Eucalipto” e “Pinus” foram às menos danificadas por insetos xilófagos neste tipo de ambiente. Apenas o “Pinus” e “Uva-do-Japão” não apresentaram rachaduras longitudinais neste tipo de ambiente.

INTERCÂMBIO CIENTÍFICO NO CAMPO DO GERENCIAMENTO COSTEIRO: ALFA-ELANCAM

  • Therezinha Maria Novais de Oliveira , Dr(a), tnovais@univille.br
  • Mariele Simm, G, mariele.simm@univille.net
  • Tarcisio Possamai, MSc, tarcisio.possamai@univille.net
  • Virginia Grace Barros, Dr(a), vgbarros@gmail.com
  • Debora Jareta Magna, G, debora.magna@univille.net

Universidade da Região de Joinville, UNIVILLE, Joinville

Palavras-chave: intercâmbio, pesquisa, gerenciamento costeiro

O Projeto ALFA-ELANCAM – European and Latin América Network on Coastal Área Management, foi um projeto aprovado em Edital Externo, sendo um programa de cooperação ao nível do ensino superior da Comunidade Européia, com sede em Bruxelas, visando ampliar as dimensões e traçar informações e metodologias, no campo de Gerenciamento Costeiro, aumentando a troca de conhecimento e experiências especialmente relacionados as ciências litorâneas e marinhas, ajudando a criar possibilidades de uma efetiva troca acadêmica de conhecimentos e práticas. Participaram do Projeto de acordo com Edital, a Universidade Ca’Foscari di Venezia-Itália (coordenadora geral), Universitat Autonoma de Barcelona-Espanha, Universidad Pablo de Olavide de Sevilla-Espanha e Universidade do Porto-Portugal pelo lado Europeu e Universidade da Região de Joinville/UNIVILLE-Brasil e Universidade do Vale de Itajaí/UNIVALI-Brasil, Universidad Privada Antenor Orrego-Peru, Pontificia Universidad de Valparaíso-Chile e Universidad de La Plata-Argentina, pelo lado da América Latina. O Projeto ocorreu num período de dois anos e meio, sendo de início definidas 6 áreas principais de atuação: Avaliação da Resiliência Costeira; Comparação Física Ambiental; Planejamento e Gerenciamento de Áreas Costeiras; Meio Ambiente Físico e Físico-Químico; Erosão das Áreas Costeiras; Indicadores morfológicos, hidro-morfológicos, ecológicos e ambiente socioeconômico. A UNIVILLE atuou na área de indicadores e controle de poluição enfatizando a área de Meio Ambiente Físico e Físico-Químico Os intercâmbios foram de 02 a 04 meses para professores pesquisadores e de 03 a 09 meses para estudantes de Pós-Graduação. Na UNIVILLE participaram do intercâmbio 02 professores, um para a Universidade Ca’Foscari di Venezia-Itália por 02 meses para realizar estudos na área de hidrologia e outro para Universidade do Porto-Portugal para realizar estudos sobre monitoramento ambiental de dragagens portuárias. Foram também para a Universidade Ca’Foscari di Venezia-Itália duas estudantes de mestrado, uma do Mestrado em Saúde e Meio Ambiente para estudar metodologias para testes de Ecotoxicologia em ambientes marinhos e outra do Mestrado em Engenharia de Processos para estudar a eficiência dos sistemas de tratamento de efluentes biológicos por reator a membrana na remoção de nutrientes. Também a UNIVILLE recebeu da Universidade Ca’Foscari di Venezia-Itália uma pesquisadora que analisou micropoluentes na Baía da Babitonga. Estes trabalhos, alguns já foram publicados, outros estão em fase de publicação e todas as mobilidades incluindo estas foram custeadas pela Comunidade Européia, ficando a Instituição receptora responsável por disponibilizar estrutura interna para os intercambistas. Acredita-se que este programa tenha criado novas possibilidades de pesquisa com foco educativo no uso sustentável dos recursos costeiros e marinhos e principalmente um fluxo de conhecimento e constante comunicação entre os membros da rede de trabalho.

Interdisciplinaridade da Pesquisa para o ensino e a Extensão: a experiência do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa em Administração, Relações Internacionais e Turismo – NIPART/UNISUL/Norte da Ilha.

  • Rogério Santos da Costa, G, rogerio.costa@unisul.br
  • Nilzo Ladwig , G, nilzo.ladwig@unisul.br
  • Morgana Aparecida de Matos , G, morgana.matos@unisul.br
  • Silvia Natália Barbosa Back , G, silvia.back@unisul.br
  • Carlos Rogério Montenegro de Lima , G, carlos.montenegro@unisul.br

Universidade do Sul de Santa Catarina, UNISUL, Tubarão, Brasil

Palavras-chave: Interdisciplinaridade em Pesquisa, NIPART, Núcleo de Pesquisa

O objetivo é apresentar a experiência de interdisciplinaridade em pesquisa atribuída ao NIPART (Núcleo de Pesquisa em Administração, Relações Internacionais e Turismo) da Unisul, Campus Norte da Ilha, com foco na sua importância para os cursos envolvidos. O Nipart criado em 2007, surge do objetivo da Unisul de criar centros de excelencia em pesquisa em seus Campi e áreas de conhecimento. As características do Campus Norte da Ilha fizeram com que a iniciativa fosse conduzida para a criação de um Núcleo envolvendo pesquisadores de áreas afins, dada sua potencialidade em atender os objetivos institucionais. Neste sentido é que o Núcleo teve uma origem interdisciplinar, envolvendo os Cursos das Ciências Sociais Aplicadas, Administração e Turismo, e das Ciências Humanas, Relações Internacionais. A formatação do projeto e a aproximação entre os professores destas áreas ensejou um desafio em trabalhar de forma interdisciplinar desde a origem. As Linhas de Pesquisa precisam atender, ao mesmo tempo, os interesses de pesquisa dos pesquisadores e dos Cursos, o que tornou as definições uma experiência muito engrandecedora. Os professores formadores do Núcleo, junto com as Coordenações dos Cursos, se esforçaram em pensar nas suas demandas junto com demandas dos demais, originando a interdisciplinaridade. Concluíu-se que existem muitos eixos comuns entre os Cursos e os Pesquisadores que podem e estão auxiliando-os no desenvolvimento das suas atividades. Assim, delimitou-se duas Linhas de Pesquisa: a) Planejamento, gestão estratégica e competitividade; b) Processos de integração e desenvolvimento sustentável. A delimitação destas linhas está impulsionando uma reavaliação das perspectivas da articulação com as metas e linhas no Ensino, na Extensão e nos Trabalhos de Conclusão de Curso, ou seja, uma reavaliação da pertinência das linhas e dos eixos dos projetos pedagógicos dos cursos. Os alunos dos Cursos envolvidos estão vislumbrando uma perspectiva de atividade de Pesquisa, mesmo sem bolsa, alimentados pela referência do Nipart. Em quase um ano o Nipart agregou projetos de pesquisa em programas institucionais da Unisul e editais externos, com dois projetos aprovados no âmbito do Prêmio Mérito Universitário da Fapesc/2008. Já existe em andamento perspectivas da formulação de projetos de pesquisa conjuntos e de suas vinculações com a Extensão, notadamente a concretização de cooperações na área empresarial, com prefeituras, governos estaduais e organizações não-governamentais. O Nipart tem enviado projetos de pesquisa nos editais do CNPQ, referência em pesquisa no Brasil, demonstrando maturidade e apostando em um futuro promissor, direcionado a contribuir em Pós-Graduação Interdisciplinar.

Apoio / Parcerias: UNISUL: - Coordenações dos Cursos de Administração, Relações Internacionais e Turismo; - Gerência de Ensino, Pesquisa e Extensão do Campus Norte Unisul;

INTERESSES DE HUMANOS E DE NÃO HUMANOS. UMA ANÁLISE DA PROPOSTA DE “ABATE HUMANITÁRIO” E SUAS IMPLICAÇÕES NO MEIO VALE DO ITAJAÍ.

  • Carla Morsch Porto Gomes, Graduando, camorsch@ig.com.br
  • Luciano Felix Florit, Dr(a), lucianoflorit@furb.br

Universidade Regional de Blumenau, FURB, Blumenau, Brasil

Palavras-chave: Abate humanitário., Ética ambiental., Desenvolvimento.

A idéia de desenvolvimento tem se constituído num conceito que busca expressar de formas mais ou menos consensuadas os rumos que a sociedade deveria tomar para satisfação das aspirações humanas. Nas últimas décadas temos presenciado um processo de incorporação de novas problemáticas nas questões relativas ao desenvolvimento, dentre elas, uma dimensão ética ambiental que enfatiza a necessidade de passar a considerar não apenas os interesses humanos, mas também os de seres não humanos. Esta perspectiva tem levado a se questionar sobre o tratamento dispensado aos animais, incluindo aqueles destinados ao abate no contexto da indústria da carne. No Brasil o reflexo dessa discussão chegou em 2000, com a aprovação da lei do “abate humanitário”. O mesmo se define por uma série de procedimentos técnicos e científicos que garantiriam o bem-estar animal desde a recepção na propriedade rural até a sangria. O debate em torno dessa questão expressa muitas contradições, pois está permeado por justificativas não apenas éticas, mas muitas vezes técnicas e comerciais. Estas contradições se refletem no paradoxo que é a tentativa de agregar simultaneamente, no contexto do modelo industrial moderno com um tratamento ético dos animais. Com base nesta constatação, este trabalho propõe-se os objetivos de: descrever e analisar o conceito de “Abate Humanitário” examinando a trajetória da sua formulação e as razões de sua proposição; identificar polêmicas e controvérsias presentes no conceito de abate humanitário, distinguindo os seus aspectos éticos, comerciais e técnicos; conhecer o posicionamento de atores chaves da região em relação ao assunto; analisar esses posicionamentos sob a perspectiva da ética ambiental e das suas implicações para os modelos de desenvolvimento regional. A metodologia de trabalho parte de uma revisão bibliográfica sobre as questões relativas à ética ambiental e aos modelos desenvolvimento, seguindo para a análise documental que se focaliza na normativa em torno do conceito de abate humanitário e nas divulgações oficiais (especialmente através das suas home-pages) dos órgãos públicos que atuam no setor e de entidades defensoras de animais. Também serão realizadas entrevistas com informantes chaves dos setores envolvidos. Como resultado preliminar, pode se afirmar que o termo “humanitário” é empregado para expressar um sentimento de compaixão e não violência, que conjugado ao abate, paradoxalmente, implica em admitir a senciencia dos animais (a sua capacidade de sofrer), ao mesmo tempo em que reifica a categoria de animal “de corte”. A utilizando do termo humanitário nesse caso trabalha com uma relação dicotômica, que faz aparentemente de forma arbitrária. Pois a conjunção dos ideais de compaixão e não violência, não parece compatível, com a industria de produção de carne trabalha com uma lógica instrumental, que coisifica a vida dos animais destinados ao abate, tornando-os mais próximos do produto que irão se tornar. Esse projeto foi contemplado pelo edital PROPEX N°04/2007 – PIPe/Artigo170, da FURB.

INVESTIGANDO CONCEPÇÕES DE LITERATURA POR MEIO DAS PERCEPÇÕES E REPERTÓRIO DOS LEITORES MIRINS UTILIZANDO AMBIENTES COLABORATIVOS

  • Calandra Cristina Hein, Graduando, calandra.hein@univali.br
  • Adair de Aguiar Neitzel, Dr(a), neitzel@univali.br
  • Luiz Carlos Neitzel, MSc, luizneitzel@sed.sc.gov.br

Universidade do Vale do Itajaí, UNIVALI, Itajaí, Brasil

Palavras-chave: Literatura infantil, Chat, Formação estética

Este projeto foi desenvolvido em uma das escolas da rede de ensino municipal de Balneário Piçarras, com o terceiro ano das séries iniciais do ensino fundamental em 2007 e o quarto ano das séries iniciais no ano de 2008 e com a quarta série de uma escola da rede estadual de Barra Velha. Por meio de chats estabelecidos entre os dois grupos investigou-se as percepções dos alunos acerca da literatura para identificar qual a concepção que norteia as práticas de leitura em sala de aula, a partir do ponto de vista do leitor mirim. Essa pesquisa evidencia que a concepção de literatura com a qual as escolas trabalham é fruitiva, a literatura é percebida como um fenômeno artístico que pode contribuir para a formação estética do sujeito. No entanto, apesar dessa concepção preponderar, as práticas pedagógicas relacionadas à leitura fruitiva são bastante diversas, e as crianças das duas escolas demonstram um interesse e envolvimento com o texto literário de forma também diferente. A coleta de dados foi feita pelas ferramentas disponíveis no ambiente virtual (histórico) assim como por entrevistas aplicadas aos docentes regentes das turmas. A análise de conteúdo seguiu a metodologia de FRANCO (1997). A abordagem foi qualitativa e quantitativa. Os resultados desta pesquisa são relevantes para os projetos de formação de leitores e programas de formação de professores.

Apoio / Parcerias: PIBIC/Univali

INVESTINDO NA FORMAÇÃO ESTÉTICA DOS/AS ACADÊMICAS/OS.

  • Roseli Nazario, MSc, rnazario@furb.br

Universidade Regional de Blumenau, FURB, Blumenau, Brasil

Palavras-chave: Formação estética., Educação infantil., Linguagens infantis.

Diferentes pesquisas da educação, em especial, na área da Educação Infantil, vêm indicando a importância da constituição e promoção de tempos-espaços educativos que possibilitem às crianças viverem intensamente suas infâncias em contextos educacionais coletivos, fato este que remete os/as professores/as pensarem na construção de ambientes que instiguem nas crianças à imaginação, o faz-de-conta, a fantasia, a manifestação das múltiplas linguagens infantis. Mas, para que os/as professores/as planejem/organizem espaços-tempos marcados por experiências enriquecedoras e ampliadoras do universo de significação das crianças, é preciso que eles/elas tenham também a oportunidade de conhecer e vivenciar experiências que ampliem seus universos de significações. Assim, faz-se instigante e necessária a construção de um novo olhar sobre o percurso da formação inicial dos/as professores/as, apostando em movimentos que possam suscitar o desejo de busca, despertar a curiosidade, abrir novos caminhos rumo à construção de práticas pedagógicas em que as crianças e os/as professores/as possam criar, expressar-se, fazer uso e se apropriar das múltiplas linguagens de que a humanidade dispõe para entender e se relacionar no mundo e com o mundo. Pensando a partir disso, e sobre o cotidiano que se organiza para crianças e adultos nos contextos de Educação Infantil, as disciplinas de Teoria e Prática Pedagógica da Educação Infantil e Linguagem e Lucididade na Infância, ambas que compõem a matriz curricular do Curso de Pedagogia da Universidade Regional de Blumenau (FURB), apostaram em uma proposta de formação pautada em experiências estéticas significativas para os sujeitos adultos em formação: as acadêmicas, promovendo visitas em museus, parques públicos, praças e praias, no decorrer do segundo semestre letivo de 2007 e primeiro de 2008, possibilitando-as contemplar, ativamente, diferentes espaços artístico-culturais. Em Santa Catarina visitaram o Museu de Artes de Santa Catarina (MASC), o Parque Lagoa do Peri, diferentes praças e praias de Florianópolis e, posteriormente, alçando vôos mais distantes, chegaram até São Paulo, conhecendo o Museu de Artes de São Paulo (MASP), o Museu da Língua Portuguesa e a PINACOTECA. Isso porque, acredita-se que por meio do encontro com esse universo de possibilidades, se possa sensibilizar o movimento, o olhar e a escuta daqueles/as que já atuam ou atuarão com as crianças na Educação Infantil, reinventando o cotidiano educativo, transformando-o em um ambiente mais aberto e plural às crianças e aos adultos que o freqüentam diariamente, considerando que a mudança não é decretada, mas sim construída, experimentada, vivenciada. Vale destacar que tais ações só foram possíveis quando esforços das acadêmicas e da professora das disciplinas se aliaram ao empenho do Departamento de Educação (Centro de Ciências da Educação – CCE), que viabilizou parte do recurso financeiro para transporte. Por fim, resta dizer que se tem por pretensão dar continuidade a esta proposta, de modo a contemplar, durante as três mil e duzentas horas de duração do Curso de Pedagogia desta Universidade, outras dimensões no espaço de formação docente, como a criativa, a inventiva, a lúdica, a afetiva, para além da dimensão cognitiva, visto que, seguindo o preceito marxista, são as condições dadas que permitem a humanidade fazer a história.

JOGOS E MATERIAIS INSTRUCIONAIS NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

  • Raquel Pessatti, Graduando, raquel@riodooeste.com.br
  • Inhelora Kretzschmar Joenk, E, inhelora@gmail.com
  • Ana Maria Petry, Graduando, anapetrypsi@gmail.com
  • Luciana Ludvig, Graduando, lucianaludvig@bol.com.br

Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, UNIDAVI, Rio do Sul, Brasil

Palavras-chave: Alfabetização matemática, Jogos, Materiais instrucionais

O interesse pelo tema da ação surgiu da necessidade de estudo mais aprofundado sobre as metodologias de ensino da matemática na primeira etapa da educação básica. Uma busca na literatura especializada mostra um grande número de trabalhos que priorizam a alfabetização na língua materna, enquanto a alfabetização matemática fica relegada a um segundo plano. Nas séries iniciais do Ensino Fundamental são construídos conceitos fundamentais à aprendizagem da Matemática em etapas posteriores. Por isso é necessário que os professores reflitam sobre a utilização de metodologias que, efetivamente, promovam uma educação matemática nessa etapa do ensino básico. A ação de extensão foi planejada para mostrar aos professores do Ensino Fundamental uma forma prazerosa e eficaz de trabalhar com a matemática em sala de aula, visando incentivá-los a usarem materiais instrucionais e jogos diversos no processo ensino-aprendizagem. Com a implementação da ação nas escolas tem-se o objetivo de promover a relação teoria-prática por meio da reflexão-ação-reflexão sobre os benefícios da aplicação da metodologia de jogos e materiais instrucionais no processo ensino-aprendizagem da matemática nas séries iniciais do Ensino Fundamental. Alguns procedimentos foram elencados para a execução da ação: a) inicialmente foi feito um estudo bibliográfico para conhecer os benefícios da metodologia de jogos no processo ensino-aprendizagem da matemática, as características dos jogos quanto aos objetivos, adequação, regras, aplicação, tipos de jogos que podem ser utilizados, conteúdos a serem priorizados; b) numa segunda etapa foi preparada a jogoteca, que consta de três malas de jogos; c) divulgação da ação de extensão nas escolas; d) cada extensionista desenvolve atividades matemáticas com a sua mala de jogos no período de agosto a novembro, atendendo uma série/escola por mês, no município em que reside. O universo de pesquisa constituir-se-á de alunos das séries iniciais do Ensino Fundamental, em escolas da rede pública e privada de Ituporanga, Presidente Nereu e Rio do Oeste. A presente ação de extensão caracteriza-se pela dinamicidade na abordagem lúdica do ensino da matemática, ao mesmo tempo em que prioriza o entendimento dos conteúdos específicos da área, necessários em cada série, oportunizando aos acadêmicos o contato direto em situações de ensino-pesquisa. Os jogos abordados favorecem a proposição, formulação e resolução de problemas, incentivando os educandos na criação de estratégias heurísticas ou aplicação de conteúdos já internalizados. Dessa forma, busca aprimorar o processo ensino-aprendizagem da matemática, na tentativa de diminuir a rejeição por essa área do conhecimento e, ainda, promover o entendimento e aprendizagem efetiva dos conteúdos matemáticos básicos. Fonte de custeio financeiro: Programa de Bolsas de Extensão da Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí- PIBEX UNIDAVI

JORNALISMO CIENTÍFICO: A CONTRIBUIÇÃO DE POPPER E FRAASSEN ACERCA DA DEMARCAÇÃO DO ÂMBITO DA CIÊNCIA E SUA NECESSIDADE PARA OS TRABALHOS JORNALÍSTICOS DO ALTO VALE DO ITAJAÍ

  • Rafaela Sandrini, Graduando, rafaelasandrini@hotmail.com
  • Nivaldo Machado, Dr(a), nivaldo@unidavi.edu.br

Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, UNIDAVI, Rio do Sul, Brasil

Palavras-chave: Jornalismo, Ciência, Comunicação

O projeto desenvolvido tem como objetivo mostrar a importância e a contribuição dos filósofos da ciência Karl Popper e Van Fraassen para o jornalismo científico. Popper e Fraassen são as grandes figuras da história da filosofia da ciência. E é indispensável a qualquer jornalista científico entender o que se pensava em ciência no último século e como esse pensamento foi mudando. Esses dois filósofos servem de suporte para que o jornalista científico tenha fundamento ao divulgar os feitos científicos de modo que possa ser compreendido também pela sociedade. Outro critério fundamental foi investigar como as áreas de comunicação, de modo mais preciso o jornalismo, pode divulgar os feitos científicos com clareza e ao mesmo tempo profundidade de modo a propiciar ao leitor um entendimento não ideologizado dos fazeres da ciência. Nos dias atuais é de fundamental importância que os responsáveis pela divulgação das informações advindas do meio científico possam ter qualidade no seu objetivo maior de informar para formar uma sociedade cidadã. .Investigar e relatar como as bases da feitura da ciência contribuem para o fazer do jornalista de modo que este possa eficazmente ser agente propagador e crítico das informações desta área do conhecimento que, com a modernidade, se torna componente sempre presente nas mais diversas áreas da atuação da universidade bem como das inovações tecnológicas empresariais. E o presente projeto é de suma importância para o desenvolvimento de uma das áreas que o jornalismo mais carece em âmbito nacional bem como regional: o de possibilitar a formação de profissionais realmente qualificados na área comunicacional voltada para o fazer científico de modo a tornar possível que pessoas de formação diversa possam conhecer os feitos científicos internacionais bem como regionais. Nota-se que no Alto Vale do Itajaí a área é praticamente inexplorada. A região sofre pela falta de jornalistas especializados, que se dediquem a estudar, pesquisar e publicar ciência, e de espaços reservados nos meios de comunicação. Na maioria das vezes, os meios de comunicação da região se restringem a reproduzir informações oficiais, noticias que muitas vezes não pertencem à realidade do publico para o qual se esta informando. O projeto configura-se como sendo uma pesquisa bibliográfica de base epistemológica norteada pelos princípios da Filosofia da Analítica. O método utilizado é o Hipotético dedutivo de inspiração popperiana onde a falseabilidade se configura como um recurso metodológico primordial. Este projeto possui vínculo com as pesquisas desenvolvidas pelo grupo de pesquisa em Filosofia da Mente e Ciências Cognitivas da Unidavi. Possui inter-relação com pesquisadores de diversas universidades brasileiras bem como internacionais. Tal pesquisa visa ser uma contribuição para, a posteriori, possibilitar intercambio de informação e pesquisa com outras universidades brasileiras e internacionais na área de jornalismo científico. O projeto é financiado pelo Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica – PIBIC/UNIDAVI.

LAZER E CIDADANIA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO E EXTENSÃO

  • Marlini Dorneles de Lima , MSc, marlini@unochapeco.edu.br
  • Deizi Domingues da Rocha, Graduando, marlini@unochapeco.edu.br
  • Gisleine Venturin Fedrigo, Graduando, gisleine@unochapeco.edu.br

Universidade Comunitária Regional de Chapecó, UNOCHAPECÓ, Chapecó, Brasil

Palavras-chave: lazer, cidadania, ensino

LAZER E CIDADANIA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO E EXTENSÃO
Coordenador(a) do projeto/Programa: Marlini Dorneles de Lima, Educação Física,marlini@unochapeco.edu.br
Demais integrantes: Deizi Domingues da Rocha (Educação Física),Gisleine Venturim Fedrigo (Serviço Social)

Este relato de experiência surgi a partir de uma ação desenvolvida pela Disciplina de Estudos do Lazer (6 ° período) do Curso de Educação Física da Unochapecó, a qual teve como desafio articular uma vivência pedagógica aos acadêmicos do referido curso com o Projeto de extensãoVidança dsenvolvido junto ao Programa Permanente de Extensão Ação e Cidadania. Este programa desenvolve ações interdisciplinares com os cursos de Serviço Social, Enfermagem, Fisioterapia e Jornalismo cada curso com seus respectivos projetos. Nessa direção, uma das ações do Programa é o trabalho voltado a crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social em diferentes bairros do município de Chapecó- SC, o qual prioriza o trabalho de formação humana voltada a cidadania, tendo como norte teórico a educação popular. A atividade de ensino teve como foco principal a discussão do lazer e suas possibilidades de entendimento, conceitual, procedimental e atitudinal numa perspectiva critica, considerando o lazer como uma manifestação humana, a qual vem sendo alterado enquanto valor e necessidade ao longo da história da humanidade. Assim, num primeiro momento a disciplina oportunizou ampla discussão com os acadêmicos com relação a esses pontos, num segundo momento dialogar e (re) conhecer o contexto onde seria realizado o evento de lazer, o qual contou com a participação dos adolescentes integrantes do grupo em sala de aula, efetivando uma troca de saberes e perspectivas relacionadas a esta temática, paralelo a disciplina o programa também oportunizou junto ao Grupo “Pensando no Futuro”, discussões começando com a problematização dos espaços públicos de lazer que a região oferecia a comunidade, logo após os adolescentes fizeram algumas entrevistas com a comunidade, para (re) conhecer as necessidades da mesma, bem como suas expectativas com relação as possibilidades e entendimento do termo lazer. Após esta etapa os adolescentes construiram em conjunto com os acadêmicos um projeto o qual teve como objetivo, propor um momento de lazer, tematizado “Lazer e Cidadania”, explorando questões como o direito da mulher ( Lei Maria da Penha), da criança e do adolescente (ECA), assim como atividades de lazer de ordem cultural, artística e lúdica. É importante ressaltar que toda as atividades e dinâmicas ficaram a cargo dos acadêmicos e dos adolescentes do bairro. Nesta experiência pedagógica ficou evidente a importância da práxis enquanto uma possibilidade de aproximação das questões conceituais e da sociedade em que este profissional irá atuar, principalmente teve sua riqueza no momento em que oportunizou um diálogo entre o ensino e as atividades de extensão, demonstrando um processo de ensino significativo, contextualizado e dialogado com a comunidade, experiência esta que deveria ser explorada cada vez mais na formação inicial universitária.

Palavras-chaves: lazer, cidadania, ensino

LAZER, PARTICIPAÇÃO E CIDADANIA

  • Marcos Antonio Nunes, E, mnunes@unochapeco.edu.br
  • Marlini Dornele de Lima, MSc, marlini@unochapeco.edu.br

Universidade Comunitária Regional de Chapecó, UNOCHAPECÓ, Chapecó, Brasil

Palavras-chave: Extensão universitária, organização, comunidade

Marcos Antonio Nunes (coordenador); Hamilton Toldo Dos Santos e Marlini Dorneles de Lima (professores); Ana de Lara, Criscieli Bianchi, Nei A.R. Minks, Raquel Forchesatto e Tiago Ramos (acadêmicos)

INTRODUÇÃO:

O Programa Esporte e Lazer da Cidade- PELC é uma iniciativa do Governo Federal, através do Ministério dos Esportes. No município de Chapecó, o trabalho vem sendo desenvolvido em parceria com a União das Associações de Moradores e Conselhos Comunitários de Chapecó- UNICHAP e Programa de Extensão Universitária Ação e Cidadania, da Unochapecó, que desenvolve práticas voltadas ao fortalecimento dos setores populares da sociedade civil. OBJETIVO: Suprir a falta de efetividade das Políticas Públicas no atendimento ás Comunidades em situação de vulnerabilidade social e econômica, nas demandas relacionadas ao esporte e lazer, contribuindo para a emancipação e o desenvolvimento humano. DESCRIÇÃO DA EXPERIÊNCIA: As atividades vêm sendo desenvolvidas junto às comunidades que compreendem o Bairro Efapi, através das quais são atendidos grupos de crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos, com atividades como futsal, futebol de campo e suíço, vôlei, handebol ginástica, capoeira, aulas de violão e brinquedoteca. Além das atividades voltadas á cultura de movimento, são organizados momentos de reflexão acerca de temáticas priorizadas pelos grupos, demostrando a preocupação com a formação para a cidadania. Através deste trabalho, foram atendidas cerca de 400 pessoas. CONSIDERAÇÕES FINAIS: Esta ação busca o fortalecimento da Política de esporte e lazer como um direito de todos, promovendo a inclusão social e a melhoria da qualidade de vida da população usuária. Possibilita ainda aos estagiários vivências interdisciplinares que contribuem para uma formação profissional e cidadã. Nessa perspectiva, o trabalho continua sendo realizado, possibilitando a inclusão de inúmeras pessoas em atividades de esporte e lazer em suas comunidades. Quanto ao financiamento, é uma projeto financiado pelo governo Federal, através do Ministério dos Esportes e pela Unochapecó, através do Programa Ação e Cidadania.

LIDERANÇA É NATA OU É DESENVOLVIDA: UM ENFOQUE A PARTIR DA PERCEPÇÃO DOS GESTORES DE RH DE JARAGUÁ DO SUL

  • Quélen Olave Rodrigues, Graduando, quelen@unerj.br
  • João Arnoldo Gascho, MSc, gascho@unerj.br

Centro Universitário Católica de Santa Catarina, PUC, Jaraguá do Sul, Brasil

Palavras-chave: Liderança, Líder desenvolvido, Líder nato

A discussão sobre liderança no contexto empresarial é algo atual e cada vez mais discutido dentro das empresas, porém na discussão deste tema nem sempre há consenso. A liderança representa uma necessidade organizacional crescente, devido à globalização e ao acirrado mercado de trabalho. Visando contribuir com o tema, esta pesquisa de Iniciação Científica tem como questão orientadora: Liderança, sob a ótica dos gestores de Recursos Humanos de Jaraguá do Sul, buscando saber se esta é uma característica nata ou pode ser desenvolvida, a partir de um perfil com características e competências individuais definidos. O principal objetivo da pesquisa foi o de investigar qual a percepção dos gestores de Recursos Humanos de Jaraguá do Sul quanto à característica da liderança ser nata ou poder ser desenvolvida, bem como divulgar o resultado aos participantes sobre esta questão com o intuito de contribuir na formação de melhores líderes. A pesquisa objetivou também conhecer quais são as habilidades, competências, características e estilos de liderança nas empresas pesquisadas, e gerar uma discussão geral dos conceitos relacionados ao tema. A metodologia desta pesquisa foi composta por pesquisa teórica e revisão de literatura para obter mais conhecimento sobre o tema, pesquisa descritiva que visou descrever práticas utilizadas no desenvolvimento de líderes nas empresas pesquisadas, pesquisa de campo que possibilitou a coleta de dados junto ao mercado de trabalho (gestores e analistas de treinamento) em dez empresas de médio e grande porte de Jaraguá do Sul, através da aplicação de questionário. Após a utilização destes instrumentos de pesquisa foi feita a sistematização e análise dos dados, para posterior documentação da pesquisa em forma de relatório. Na pesquisa teórica constatou-se que para alguns autores, a liderança não deixa de ser algo nato em algumas pessoas, as quais nascem com um diferencial e são predestinadas ao sucesso nas organizações. Já outros defendem, no entanto, que o processo de liderar pode ser desenvolvido e entendido por pessoas que precisam apenas lapidar determinadas características próprias. Constatando-se a possibilidade de desenvolver as lideranças, segundo as opiniões dos gestores iremos então discutir as formas de fazê-lo. Podendo comparar as propostas teóricas que se encontram na literatura e as diferentes práticas adotadas pelas empresas participantes. Foram vistas as teorias do surgimento e do desenvolvimento de líderes: de um lado tem-se o líder nato; de outro, aquele que foi desenvolvido, onde constatações e contradições de diversas teorias, autores e gestores de Jaraguá do Sul, foram confrontadas, aprofundando o debate e esclarecendo conceitos.

LIGA DE SAÚDE COLETIVA

  • Ana Janaina Medeiros, Graduando, jana_anja@hotmail.com
  • Luiz Henrique Costa, MSc, luvizafurb@hotmail.com
  • Paula Consolin Vieira, Graduando, pcvieira@al.furb.br
  • João Luiz Gurgel Calvet da Silveira, Dr(a), jlgurgel@furb.br
  • Karla Ferreira Rodrigues, MSc, karla@furb.br

Universidade Regional de Blumenau, FURB, Blumenau, Brasil

Palavras-chave: Educação popular., Controle social., Saúde ambiental.

Compreender o processo saúde-doença a partir de sua integralidade implica em perceber que a sua complexidade não se limita ao campo biotecnológico sobre o corpo físico do indivíduo, mas antes, apresenta dimensões que abrangem a interação com a realidade social em associação com a dimensão humana e coletiva dos diferentes segmentos da população. O Programa Liga de Saúde Coletiva atua na Comunidade do Coripós em Blumenau - SC há três anos, surgindo da iniciativa de acadêmicos da área de saúde que queriam conhecer a realidade social, visando uma formação universitária para além dos muros da universidade. Estabelece parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de Blumenau, na Unidade do PSF Edemar Winkler, além de ações na Escola Básica Municipal Norma Dignart Huber, na creche e da associação de moradores local, ampliando os cenários de prática e as possibilidades de aprendizagem. Apresenta três projetos integrados: Educação em Saúde, Controle Social e Observatório Local em Atenção Primária Ambiental. Objetivos: dinamizar e qualificar a formação acadêmica, potencializando a produção de conhecimento e as práticas educativas no contexto da saúde coletiva, a partir de ações interdisciplinares e intersetoriais que visem à transformação social em nível local. Metodologia: a Liga baseia-se nos princípios da Educação Popular através da valorização dos diferentes saberes e da construção coletiva de soluções. Em três anos a Liga de Saúde Coletiva já realizou mais de dez oficinas temáticas sobre integralidade na formação e no cuidado em saúde, interdisciplinaridade e multiprofissionalidade, trocas de experiências sobre educação ambiental e saúde coletiva, entre outros temas que representaram um acúmulo de conhecimento para os acadêmicos e também para a comunidade. Os seminários anuais da Liga tiveram um enfoque maior na formação dos acadêmicos, destacando-se a realização da Tenda Paulo Freire na FURB que consolidou nosso envolvimento com a Extensão Popular. As rodas de conversa semanais têm caráter organizativo e socializam as discussões das vivências realizadas na comunidade. Essas vivências ocorrem semanalmente nas casas dos moradores cadastrados pelo PSF e potencializam as mudanças na formação dos acadêmicos através do vínculo, visando a formação de uma rede social de apoio à organização coletiva para enfrentamento dos problemas de saúde. Nesse período foram realizados dois Fóruns na Comunidade com a perspectiva de ouvir as demandas proporcionar as mudanças nas ações. No campo acadêmico apresenta ainda como resultado o desenvolvimento de 4 projetos de pesquisa de iniciação científica, a publicação de um artigo científica completo, várias participações em congressos e eventos com apresentação de trabalhos e a produção de um livro com publicação prevista para agosto de 2008. O Programa Liga de Saúde Coletiva é financiado pela PROPEX-FURB através do custeio de uma bolsista com dedicação de 20 horas semanais além de três professores e apoio financeiro. Como perspectiva a Liga pretende integrar e apoiar uma rede social de apoio à saúde coletiva contribuindo com o fortalecimento do controle social e das iniciativas coletivas para responder às demandas sobre saúde ambiental.

Literaturas do presente

  • Valdir Prigol, Dr(a), vprigol@unochapeco.edu.br
  • Josiane Geroldi, Graduando, vprigol@unochapeco.edu.br
  • Nara Boneti Foresti, MSc, naraboneti@unochapeco.edu.br
  • Raquel Maysa Keller , MSc, raquel.keller@gmail.com
  • Márcia de Souza, MSc, marcias@unochapeco.edu.br
  • André Luiz Rovea Timm , Graduando, timmandre@gmail.com
  • Acassia Souza, Graduando, acassiaa@gmail.com
  • Wendy Martins, Graduando, wendy@unochapeco.edu.br

Universidade Comunitária Regional de Chapecó, UNOCHAPECÓ, Chapecó, Brasil

Palavras-chave: literaturas do presente, configuração, experiência

O projeto de pesquisa Literaturas do presente iniciou em 2007 com o objetivo de perceber as configurações do literário presentes na vida interna dos textos publicados no período de 1989 até hoje, através da percepção do modo como a escrita do presente aparece tematizada e problematizada nas obras. A partir desse critério, escolhemos para a leitura as seguintes obras: Nove noites de Bernardo Carvalho, Cinzas do Norte de Milton Hatoum; O quieto animal da esquina de João Gilberto Noll, A senhorita Simpson, Breve História do Espírito, O monstro, Um Crime Delicado, e O Vôo da Madrugada de Sérgio Sant’ Anna; Amor (1998), Sexo (1999) e O Paraíso é bem bacana de André Sant’Anna; Sublunar de Carlito Azevedo; Metade da arte e O roubo do silêncio de Marcos Siscar; Carta aos anfíbios e A cadela sem logos de Ricardo Domeneck. O projeto surgiu da percepção de que nos debates sobre literatura dos últimos quinze anos tem se tornado lugar comum apontar a perda da sua centralidade na formação humana em detrimento de outras formas de produção de imagens. Ao mesmo tempo, alguns ensaios tem demonstrado que os textos produzidos nesse período tem colocado em circulação novas configurações do literário. Talvez essas configurações tenham aparecido como resposta à perda da centralidade propondo novas intervenções no espaço público. A quase invisibilidade dessas novas configurações parece dever-se a algumas tendências teóricas em pensar o literário como dado a priori ou ainda, de pensar conceitos de literatura propostos por alguns teóricos e não a partir das práticas textuais. A leitura de cada texto segue três passos iniciais: a) Observação da forma de escrita, onde verifica-se, através de uma descrição densa, o tema ou a questão em torno da qual a obra funciona e se esse tema ou questão aparece como estrutura do texto; b) observação das formas de leitura que o texto nos propõe a partir do tema ou questão colocado em cena e c) a configuração do literário proposta pelo texto a partir da enunciação do tema ou questão. Temos observado, através da leitura dos textos, que um ponto de partida é a observação da experiência que cada texto nos propõe. O projeto foi aprovado no Balcão de Projetos/Unochapecó em julho de 2007, no Jovem Pesquisador da FAPESC/CNPq em setembro de 2007 e teve um projeto associado aprovado neste semestre no prêmio Mérito Universitário da FAPESC. O andamento da pesquisa tem nos mostrado a importância de voltarmos o olhar para as obras publicadas no presente. Neste projeto trabalhamos com um pequeno recorte. Já estamos ampliando o leque de obras para os próximos projetos associados. A pesquisa já gerou 5 artigos que em breve os encaminharemos para a publicação: “Bq/bc” e “O quieto animal da esquina”, de Valdir Prigol, “Nove noites” de Joseane Geroldi, “O vôo na madrugada” de André Timm e Nara Foresti Bonetti e “Sublunar” de Acássia Souza e Raquel Keller.

LUGARES DE MEMÓRIA, MEMÓRIAS DE LUGARES... DIFERENTES OLHARES PARA O PATRIMÔNIO CULTURAL DE JOINVILLE.

  • Janine Gomes da Silva, Dr(a), janine.gomes@univille.net

Universidade da Região de Joinville, UNIVILLE, Joinville

Palavras-chave: cidade, patrimônio cultural, memórias femininas

De maneira geral, podemos dizer que a diversidade de histórias sobre a cidade de Joinville/SC vem contribuindo para inserção de diferentes personagens na história, bem como, numa mais ampla problematização sobre lugares e práticas que compõem a trama urbana. Todavia, notadamente na questão do patrimônio cultural imaterial, pode-se dizer que muitas ainda são as temáticas a serem perscrutadas, seja pela história ou por outras áreas do conhecimento. Se a cidade sofreu transformações, desde sua “fundação oficial” em 1851, é certo que as práticas cotidianas também foram modificadas e “as formas de expressão” e “os modos de criar, fazer e viver”, de homens e mulheres que viveram/vivem em Joinville, ao mesmo tempo, podem ser (re)significadas. Ainda, a diversidade cultural dos moradores de uma cidade que sofreu um profundo processo de industrialização a partir da segunda metade do século XX, pode indicar pistas para outras abordagens na discussão de memória e identidades. Entrelaçar memória, gênero e diferentes histórias sobre Joinville é o principal objetivo deste projeto de pesquisa, financiado pela UNIVILLE, que intenciona, especialmente, contribuir com os estudos acerca do patrimônio cultural e o desenvolvimento social da cidade. Assim, ao pensar sobre o patrimônio cultural de Joinville e as transformações ocorridas na cidade, no decorrer do século passado, mas, principalmente, atenta à perspectiva da categoria de gênero na análise histórica, pretendemos problematizar, com o aporte da metodologia da história oral, memórias femininas sobre histórias de diferentes lugares, instituições, construções, períodos e práticas cotidianas vivenciadas em Joinville no decorrer do século XX, contribuindo com a formação de acervos orais e, principalmente, com a possibilidade de novas pesquisas relacionadas com o patrimônio cultural da cidade. Buscar conhecer a cidade, potencializando um olhar a partir da história das mulheres pode se constituir, de certa maneira, uma forma de compreender as “fronteiras” estabelecidas nos “espaços para homens e mulheres”, ou nas práticas tidas como “de homens ou de mulheres”, embora sejam tênues os limites entre público e privado. Assim, pretendemos problematizar como diferentes mulheres narram as transformações ocorridas na cidade no decorrer do século XX. Neste sentido, visando contribuir com outros olhares para o patrimônio cultural de Joinville, estamos realizando entrevistas orais, com mulheres nascidas preferencialmente antes de 1950, de diferentes etnias e classes sociais. As entrevistas realizadas abordam histórias que falam do cotidiano, dos espaços, dos lugares, dos museus, dos monumentos, das praças, dos clubes, das instituições, das “maneiras de fazer”, das práticas relacionadas à saúde, trabalho, educação, corpo, namoro, casamento, criação de filhos, abortamento, benzimento, sexualidade, fatos políticos, atividades culturais, artesanato, escritas, práticas de leituras, diários, entre outros. Deste modo, a perspectiva de trabalhar com práticas de memórias femininas para abordar a cidade significa positivar os olhares femininos sobre estas experiências, não excluindo os homens, pois, as histórias são relacionais, mas ampliando os estudos do Mestrado em Patrimônio Cultural e Sociedade e do Grupo de Pesquisa “Gênero e Memória”.

MAIS VIDA – PROGRAMA PERMANENTE DE PREVENÇÃO AO USO E ABUSO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS

  • Maria Clementina Bruçó Ostrowiski, MSc, maria@mfa.unc.br
  • Vivian Jungles Barbosa, G, vivian@mfa.unc.br

Universidade do Contestado, UNC, Caçador, Brasil

Palavras-chave: uso e abuso de drogas, prevenção, qualidade de vida

O uso de drogas lícitas e/ou ilícitas constitui-se, atualmente, em um problema de ordem internacional, preocupando nações do mundo inteiro por sua complexidade e amplitude, é um mal que ameaça a estrutura da sociedade, afetando seus valores políticos, econômicos, sociais e culturais. A droga atinge indistintamente homens e mulheres de todos os níveis sociais e econômicos – independente da idade, do grupo étnico, do nível de instrução e de profissionalização. Seus efeitos podem ser detectados nos crescentes gastos com tratamento médico e internação hospitalar, no aumento do numero de mortes prematuras, no crescimento dos índices de acidentes de trabalho e de violência urbana. Desta forma é de suma importância o trabalho de prevenção seja ela primária; secundária ou terciária, pois são mediante a sensibilização, educação e ação que deteremos o uso indevido de drogas e a criminalidade associada à mesma. O Projeto Mais Vida é um Programa Permanente de Prevenção ao Uso ou Abuso de Substâncias Psicoativas da UnC /Mafra. O Programa Mais Vida é um meio de buscar transformar a universidade em um ambiente livre das drogas, através do envolvimento de toda a comunidade acadêmica: alunos, professores, funcionários e familiares; também a comunidade em geral através de parcerias com entidades e órgãos públicos e privados preocupados com a questão das drogas. Dá prioridade á saúde e qualidade de vida e a discussão do assunto priorizando a formação integral do acadêmico, estendendo para toda a sociedade os conhecimentos adquiridos e os resultados alcançados. Não possui o objetivo de reprimir, vigiar ou identificar os usuários. Seus objetivos são conquistados dia a dia por meio da realização de levantamento de dados epidemiológicos da universidade; informações a comunidade acadêmica sobre as conseqüências do uso e abuso de drogas; apoio e/ou encaminhamento para tratamento ao dependente químico e/ou familiares que demonstrarem interesse; criação de espaços para discussões com os acadêmicos e a sociedade, através palestras; debates; difusão do conhecimento para a sociedade através de palestras em escolas, empresas, organizações civis organizadas; participações em eventos que tratam do assunto e o fortalecimento das redes sociais dando suporte e apoio. As atividades são realizadas através de campanhas internas, palestras, atendimentos individuais e de grupo, por profissional habilitado, ocorrem sempre que necessário.Um espaço dentro da Universidade onde se pode falar abertamente sobre drogas, onde o assunto é discutido a partir de uma visão humanística, sem os preconceitos habituais que envolvem o tema e com uma orientação especializada.É dever da Universidade cumprir com sua proposta de disseminar o conhecimento, visando uma prática educacional voltada para a compreensão da realidade social, sempre preocupada com a formação integral do cidadão.

MARATONA DE ANATOMIA

  • Anelise Sonza, MSc, anelise.sonza@gmail.com
  • Silvia Rosane Parcias, Dr(a), sil_pa13@hotmail.com

Universidade do Estado de Santa Catarina, UDESC, Florianópolis, Brasil

Palavras-chave: Anatomia, Ensino , Aprendizagem

A Maratona de Anatomia consiste em um evento universitário que ocorre anualmente, onde o ensino-aprendizagem é trabalhado de forma diferenciada ressaltando a importância da participação ativa do aluno neste processo, assim ampliando o modelo convencional. Este projeto surgiu a partir da reflexão sobre as práticas que têm sido desenvolvidas em sala de aula na disciplina de anatomia humana e pesando na sua eficácia, em termos de desempenho e interesse dos alunos, observou-se a necessidade de buscar a introdução de inovações e a utilização de novas metodologias de ensino a fim de melhorar a aprendizagem. No ano de 2007 aconteceu a quarta edição desse evento que tem como principais objetivos fomentar cada vez mais o ensino-aprendizagem estimulando o aluno ao estudo dos conteúdos desenvolvidos na disciplina de anatomia, promover a pesquisa e o raciocínio crítico, a capacidade de resolver problemas, estimulando o trabalho em equipe, incentivando o espírito de solidariedade e a interação entre docentes e discentes e a comunidade. Tendo como público alvo: Interno - Alunos do CEFID-UDESC matriculados nas disciplinas de Anatomia I e II no semestre da realização da maratona e alunos que já concluíram as disciplinas de Anatomia I e/ou II. Externo - familiares de alunos do CEFID-UDESC. Efetuadas as inscrições os alunos recebem o regulamento e cronograma e o respectivo caderno de tarefas com as etapas a serem cumpridas. A metodologia baseia-se na realização de diversas atividades que devem ser cumpridas pelas equipes: provas de maratona intelectual teórica e prática, apresentação de talento cultural e artístico, atividades com familiares e amigos dos estudantes envolvidos, doação de sangue, arrecadação de alimentos e de livros que posteriormente serão destinados a instituição escolhida pela equipe vencedora. A realização e o aproveitamento obtido nas tarefas implicam em escores, os quais somados forneceram parâmetros para classificação das equipes envolvidas. Ao final do evento aplica-se um questionário que é preenchido individualmente pelos alunos, onde os mesmos expõem seu parecer/opinião/relato/sugestão quanto às atividades realizadas. Verifica-se o alcance dos objetivos propostos, baseado na organização e análise dos dados obtidos, através de estatística descritiva e análise comparativa. Tem-se cada vez mais a perspectiva de continuidade da ação principalmente pelos excelentes resultados obtidos, tanto do caráter intelectual que acaba despertando no aluno o interesse em aprender mais, estimulando o estudo dos conteúdos relacionados à disciplina de anatomia e a buscar sempre um melhor desempenho; quanto do caráter solidário com a doação de sangue, alimentos e livros. Permite a inserção de alunos de fases iniciais em projetos de ensino/extensão universitária. Além de que essas atividades interativas oferecem oportunidades de exploração de fenômenos científicos e conceitos muitas vezes inviáveis somente com o ensino tradicional, oportunizando aos alunos do CEFID-UDESC vivenciar a efetivação da aprendizagem, sua universidade e comunidade, em uma interação com a comunidade interna e externa, construindo-se deste modo um conhecimento mais sólido e efetivo.

MARCOS SISCAR E A POESIA DO PRESENTE

  • Raquel Maysa Keller , MSc, raquel.keller@gmail.com
  • Acassia Thabata de Souza , Graduando, acassia@unochapeco.edu.br
  • Nara Boneti Foresti, MSc, naraboneti@unochapeco.edu.br
  • Josiane Aline Geroldi , Graduando, jo_teatrera@hotmail.com
  • Andre Luiz Rovea Timm , Graduando, timmandre@gmail.com

Universidade Comunitária Regional de Chapecó, UNOCHAPECÓ, Chapecó, Brasil

Palavras-chave: Marcos Siscar, poesia do presente, configurações

MARCOS SISCAR E A POESIA DO PRESENTE

Marcos Siscar estreou na poesia nos anos 90 e nessa década teve seus livros reunidos em coletâneas: Metade da Arte e O roubo do silêncio. Em Siscar nos parece importante o modo como configura uma poesia através de um trabalho intenso com o corte e a montagem em que o verso transforma-se no lugar de imagens truncadas. Essa marca e outras presentes nos textos deste poeta, nos levam a estabelecer como pergunta de pesquisa: Como o literário é configurado na escrita do livro Metade da Arte e O Roubo do Silêncio de Marcos Siscar? Então, pretende-se analisar as configurações do literário na escrita dos livros Metade da Arte e O Roubo do Silêncio, para posterior apresentação das obras e resultados às terceiras séries do ensino médio do município de Chapecó. E também: perceber as figurações de autor, voz e leitor colocadas nos livros; observar as leituras do presente propostas nos livros; buscar uma discussão a respeito da relação dos alunos das terceiras séries do ensino médio com textos do presente; subsidiar os professores teórica e metodologicamente para o trabalho com a literatura do presente nas escolas. Este projeto está vinculado à pesquisa de longa duração “Literaturas do presente”, que procura perceber as configurações do literário colocadas em circulação no presente através de textos publicados no período de 1989 até hoje. Neste projeto, trabalhamos com a poesia do presente, lendo os seguintes textos: Sublunar de Carlito Azevedo, Metade da Arte e O Roubo do Silêncio de Marcos Siscar e a Carta aos Anfíbios e A Cadela sem Logos de Ricardo Domeneck. Os livros são lidos a partir das categorias autor, voz, leitor, escrita, estilo, tempo, espaço, imagem, além de estarem abertos a outras categorias que os textos colocarem em sua enunciação. Espera-se, a partir do corpo a corpo com os livros Metade da Arte e O Roubo do silêncio e com a teorização das questões que eles apresentam, chegar à percepção dos modos como o literário é atualizado e configurado em parte da produção poética do presente. Esta pesquisa é financiada por recursos do PIBIC/UNOCHAPECÓ e se constitui como a primeira leitura de vários textos do presente que serão analisados dentro desta pesquisa de longo prazo.

PALAVRAS-CHAVE: Marcos Siscar; poesia do presente; configurações.

MATURIDADE CONSCIENTE

  • Maria Clementina Bruçó Ostrowiski, MSc, maria@mfa.unc.br
  • Vivian Jungles Barbosa, G, vivian@mfa.unc.br
  • Alesandra da Rosa, G, alesandra@mfa.unc.br
  • Angelita Albrecht, G, angelmfa@hotmail.com

Universidade do Contestado, UNC, Caçador, Brasil

Palavras-chave: terceira idade, qualidade de vida, cidadania

O projeto atende a população da terceira idade dos municípios de Mafra/SC e Rio Negro/PR com a promoção de atividades que proporcionam reflexão sobre o envelhecer com saúde. Este é o ponto mais importante, e tem-se que encontrar o caminho mais adequado para que esse processo natural da vida aconteça da melhor forma possível. Dois pontos são fundamentais: a busca do bem estar físico e melhores condições de vida psíquica e social. A população idosa mundial vem aumentando em ritmo acelerado. O indicativo deste processo é devido à maior expectativa de vida e baixo índice de nascimentos e de mortalidade. Sendo demanda crescente o das pessoas acima de sessenta anos, que já podem começar a apresentar os sinais do envelhecimento é de se esperar que nas próximas duas décadas o número de idosos seja três vezes o de hoje. Deve-se, então, refletir sobre o que é o envelhecimento, como se dá esse processo, que fenômenos interferem sobre o homem idoso e sua relação com o mundo, e que expectativas se pode ter quanto ao futuro da pessoa idosa. Assim a presente proposta tem como objetivos proporcionar aos idosos e/ou interessados um ambiente favorável à promoção do envelhecimento saudável; formar agentes multiplicadores de opinião e estimular ações de cidadania e inclusão social do idoso. A conquista dos objetivos se dá através de palestras sobre temas relevantes para a qualidade de vida do idoso com profissionais convidados e capacitados, esses encontros acontecem mensalmente, com duração de uma hora para palestra e mais duas para atividades e orientações sobre saúde; cursos de inclusão digital (informática básica e internet) são formados turmas com no máximo vinte pessoas e tem duração de vinte horas, os encontros acontecem semanalmente com aulas de duas horas, outros cursos diversos como: dança artes, teatro, reeducação e reaproveitamento alimentar; grupos de terapia acontecem em parceria com o Centro de Convivência do Idoso, as turmas são formadas conforme interesse do público e a metodologia depende das atividades desenvolvidas. Todas as atividades são realizadas por profissionais convidados, professores e acadêmicos contemplados com o benefício de bolsas de estudos previstas no artigo 170 da Constituição do estado de Santa Catarina e outros voluntários. O projeto foi formulado para ser realizado em parceria técnica e financeira com entidades e órgãos governamentais dos municípios que atendam a essa clientela, sendo o mesmo permanente. Uma das preocupações e cuidados que a universidade tem é com a qualidade no processo ensino-aprendizagem de seus acadêmicos, não esquecendo do seu compromisso social.

MÃOS, MULHERES E ARTE

  • Leila Estrowispi, E, leila@coperio.com.br
  • José Ricardo Iagher, E, iagher@coperio.com.br

Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC, Joaçaba, Brasil

Palavras-chave: Profissionalização, Alternativa de renda, Artesanato

O Projeto Mãos, Mulheres e Arte originou-se a partir de uma pesquisa realizada pela Associação dos Funcionários da Coperio - Afucoper, Nesta pesquisa verificou-se que a maioria das famílias de agricultores, principalmente as mulheres, realizavam trabalhos manuais que poderiam ser comercializados, dado o interesse das famílias em buscar outras alternativas de renda. Em decorrência do resultado da pesquisa, a Afucoper elaborou o projeto utilizando-se da metodologia do marco lógico que foi repassada pela disciplina de “Elaboração e análise de projetos” do curso de Pós-graduação “Especialização em gestão em sociedades cooperativas” da Unoesc. O marco lógico é um instrumento essencial para a elaboração, análise e gerenciamento de projetos. Ele oferece uma sucessão de passos lógicos, encadeados e estruturados, com a apresentação de indicadores de desempenho, de efetividade e de resultados, ao final da qual se tem um projeto devidamente organizado nas suas relações de causa e efeito (ARMANI, 2004). É utilizado por várias organizações, dentre as quais, a empresa de Petróleo Brasileiro S/A – Petrobrás, para onde foi enviado o projeto, objetivando a captação de recursos. O projeto trata de uma nova alternativa de renda às pequenas propriedades rurais por meio da valorização do trabalho artesanal da mulher agricultora. Está sendo desenvolvido pela Cooperativa Rio do Peixe – Coperio através do departamento de assessoria social com apoio da Afucoper, Tem por objetivo viabilizar a comercialização dos produtos manuais elaborados por mulheres agricultoras de pequenas propriedades rurais da área de abrangência da Coperio dentro dos conceitos da economia solidária e da agricultura familiar. O projeto objetiva ainda o resgate da cultura dos colonizadores e a criação de oportunidade de trabalho, visando um incremento na renda das propriedades e a permanência das famílias no campo. A proposta do projeto apresenta como etapas de implementação, a criação da identidade visual para a comercialização dos produtos nas lojas agropecuárias existentes em 35 municípios de Santa Catarina; a aquisição de gôndolas e embalagens padronizadas; a divulgação dos produtos manuais produzidos pelas agricultoras; e a inserção dos produtos no mercado, viabilizando meios para a sua comercialização. Os recursos para a implantação do projeto foram disponibilizados pela Petrobrás. Os produtos estão sendo comercializados em pontos de vendas no interior das Lojas Agropecuárias da Coperio e, portanto, o projeto já apresenta resultados concretos, como o aumento da renda das famílias e o reconhecimento da Petrobrás. Para incrementar a exposição dos produtos e criar novos atrativos de venda, será encaminhado novo projeto para a renovação da parceria com a Petrobrás.

Apoio / Parcerias: COPERIO; AFUCOPER.

METODOLOGIA DE APOIO À COMERCIALIZAÇÃO DAS FEIRAS DE AGRICULTORES FAMILIARES DE CHAPECÓ/SC

  • Oscar José Rover, Dr(a), rover@unochapeco.edu.br
  • Franciele Dapper, Graduando, gta@unochapeco.edu.br
  • André Candiotto, Graduando, gta@unochapeco.edu.br

Universidade Comunitária Regional de Chapecó, UNOCHAPECÓ, Chapecó, Brasil

Palavras-chave: comercialização, satisfação do consumidor, feiras livres

METODOLOGIA DE APOIO À COMERCIALIZAÇÃO DAS FEIRAS DE AGRICULTORES FAMILIARES DE CHAPECÓ/SC

Coordenador do Projeto:

Demais integrantes:

Universidade Comunitária Regional de Chapecó - Unochapecó

O projeto de apoio à comercialização dos feirantes foi desenvolvido por membros do GTA (Grupo de Trabalho em Agroecologia), em parceria com o GPAAF (Grupo de Pesquisa em Agroecologia e Agricultura Familiar), no ano de 2007. Estes dois grupos de pesquisa e extensão da Unochapecó têm como principal preocupação desenvolver a agroecologia junto a agricultores familiares do Oeste de Santa Catarina. Com o intuito de dar suporte aos agricultores familiares na comercialização de seus produtos, se desenvolveu

Franciele Dapper e André Candiotto
junto a duas feiras de Chapecó ações de pesquisa, capacitação e marketing. Este trabalho se passou na Feira do Calçadão e na Feira da Unochapecó. Ao longo do trabalho nas duas feiras foi realizada uma pesquisa com os feirantes e outras com os consumidores, foram elaborados editais de chamada para novos feirantes e foi organizado um regimento interno para funcionamento de cada feira. As pesquisas com os feirantes foram feitas a fim de pontuar suas expectativas/perspectivas quanto ao andamento e melhoria da feira. As pesquisas com os consumidores foram feitas para verificar sua satisfação com cada feira (produtos, atendimento), detectar problemas como a falta de algum produto bastante procurado, problemas com a higiene do espaço e dos produtos, para que assim tais problemas pudessem ser solucionados ou, ao menos, minimizados. A partir das pesquisas realizadas junto aos feirantes e aos consumidores foram orientadas e assessoradas várias alterações no funcionamento das feiras, desde horários, até novos produtos, formas de apresentação e cuidados no manejo de produtos. Além disto, foram confeccionadas placas de promoções e cartazes de divulgação, e realizada a distribuição de materiais nas redondezas das feiras para atração de novos consumidores. Através de programas de rádio também foi divulgado o funcionamento e os produtos comercializados pelas feiras. Foram realizados momentos de planejamento coletivo e participativo com os feirantes para qualificar as ações, visando aumentar a qualidade e a diversidade dos produtos e do atendimento, havendo assim uma melhor aceitação e satisfação do público consumidor. Estas atividades contaram com apoio de recursos financeiros da Assistência Social da Unochapecó, bem como dos próprios feirantes. Pôde-se verificar que a metodologia adotada foi de alta relevância, pois ao longo do desenvolvimento dos trabalhos aumentaram os consumidores freqüentadores das feiras, qualificou-se a apresentação das bancas e dos produtos e os/as feirantes demonstraram mais motivação e satisfação com os resultados, inclusive com melhoria das vendas.
Oscar José Rover

MIRMECOFAUNA URBANA NO ENTORNO DE TRÊS HOSPITAIS DO MUNICÍPIO DE LAGES

  • Luana Brondani Comin, Graduando, luanacomin@uniplac.net
  • Gino Rocha, Dr(a), ginorocha@uniplac.net
  • André Murara, Graduando, beudo@uniplac.net
  • Silvana Manfredi-Coimbra, MSc, silvanam@uniplac.net

Universidade do Planalto Catarinense, UNIPLAC, Lages, Brasil

Palavras-chave: Formiga, inseto-vetor, infecção hospitalar

O modo de ocupação urbana e a facilidade de adaptação dos insetos aos diferentes ambientes tem favorecido o estabelecimento de interações entre as formigas e o homem, e sua dispersão das residências para o ambiente hospitalar. Esse comportamento tem dado às formigas o status de insetos vetores de microorganismos associados à infecção hospitalar, a qual se apresenta como um dos principais problemas de Saúde Pública no Brasil. Por esse motivo, através desse Projeto de Pesquisa, financiado pelo Fundo de Incentivo ao Desenvolvimento da Pesquisa da Uniplac, em fevereiro de 2007, realizou-se um levantamento da entomofauna sinantrópica do entorno dos três hospitais da cidade de Lages-SC, com a finalidade de se identificar as espécies de formigas que habitavam o local. O município está situado no Planalto Serrano de Santa Catarina, a 27º48'58" S e 50º19'34" W e altitude média de 915 metros. O clima da região de acordo com a classificação de Köppen é Cfb, temperado úmido sem estação seca, com verões amenos e temperatura média de 16ºC. Foram coletadas, entre as 13 e 16 horas, com auxílio de pincel e transferidas para tubos de vidro contendo álcool 70%, amostras de formigas encontradas no peridomicílio de todas as residências situadas nas quatro quadras do entorno dos hospitais. Registrou-se a ocorrência de 23 espécies de formigas, divididas em cinco subfamílias, entre as quais Myrmicinae apresentou maior diversidade. Os táxons mais freqüentes foram Pheidole sp. e Solenopsis saevissima. Esses gêneros vêm sendo indicados como potenciais vetores de bactérias dos gêneros Staphylococcus, Serratia, Klebsiella, Acinetobacter, Enterobacter, Enterococcus e do fungo Candida, microorganismos citados como agentes causais de infecções hospitalares. O padrão espacial de urbanização desse município favorece a ocorrência de espécies com diferentes hábitos. Por ser um município de médio porte, que ainda abriga na sua paisagem urbana remanescentes de floresta, e que permite por exemplo, a manutenção de canteiros, jardins, criações, etc. associados à construções e praças de alimentação, constitui-se num ambiente diversificado, com ampla faixa de condições ambientais favoráveis à adaptação de um grande número de espécies, as quais estão muito próximas aos hospitais. Sabendo-se das ocorrências de infecção hospitalar em um hospital de Lages, cabe agora, prosseguir para uma investigação de quais espécies de formigas estão infestando esses hospitais, já que a existência delas nos mesmos já é reconhecida. Esse município apresenta uma característica desfavorável para que essas populações mantenham-se num nível relativamente estável que é o clima frio durante vários meses do ano. Contudo, esses insetos apresentam uma grande capacidade de adaptação. Ampliar o tempo de adaptação pode ser uma alternativa para evitar futuros transtornos; e isso pode ser alcançado através do manejo ambiental, o que envolve o conhecimento de medidas preventivas quando aos hábitos dos moradores, e formas de controle apropriadas. Sejam quais forem as medidas de manejo, o primeiro passo é a identificação das espécies e reconhecimento de sua ecologia.

MONTAGEM E ORGANIZAÇÃO DA CARPOTECA, SEMENTOTECA, LAMINOTECA E HERBÁRIO DE ESPÉCIES FORRAGEIRAS, INVASORAS E TÓXICAS

  • Mayra Teruya Eichemberg, MSc, eichemberg@yahoo.com.br

Universidade do Estado de Santa Catarina, UDESC, Florianópolis, Brasil

Palavras-chave: Aulas práticas, acervo biológico , plantas

O acervo didático do laboratório de Biologia e Morfofisiologia Vegetal do Curso de Zootecnia da UDESC era insuficiente diante da demanda para o Ensino de Biologia e Botânica e estava em condições inadequadas para manipulação dos acadêmicos e professores do Curso. As aulas práticas de Anatomia Vegetal eram realizadas com materiais a fresco e os alunos confeccionavam as lâminas dos tecidos durante as aulas. Esse processo era demorado, em função da falta de prática e da dificuldade da técnica, resultando em números menores de atividades e baixa qualidade das lâminas. As demais disciplinas da área da Botânica e Forragicultura eram realizadas com plantas frescas, porém muitas espécies não eram vistas porque se desenvolvem apenas no verão e outras, no inverno. Os alunos conheciam as plantas por fotos e por meio de algumas saídas a campo, o que restringia o conhecimento sobre as mesmas. A partir dessas dificuldades, objetivou-se montar e organizar o acervo biológico existente, assim como adquirir novos materiais para orientar e facilitar a construção do conhecimento sobre as espécies vegetais de interesse zootécnico, principalmente da região Oeste Catarinense. Exemplares de plantas forrageiras, invasoras e tóxicas foram coletadas em atividades de campo, ou adquiridas por doações de produtores rurais da região. Em seguida, as amostras de plantas foram herborizadas, organizadas em exsicatas e catalogadas no herbário. Os frutos e sementes foram armazenados em vidros, constituindo a carpoteca e sementoteca. No primeiro ano de funcionamento do projeto foram catalogadas 227 exsicatas de 76 espécies botânicas, distribuídas em 12 famílias. A sementoteca conta com 116 amostras de 69 espécies e a carpoteca possui 20 exemplares de frutos de espécies forrageiras e invasoras. Aliado a esse projeto de ensino foi proposto um projeto de monitoria, que além de auxiliar os acadêmicos nas disciplinas da área, trabalhou também na confecção de lâminas semi-permanentes de tecidos vegetais, com o objetivo de montar uma laminoteca que auxiliasse nas aulas práticas de Anatomia Vegetal aplicada à Zootecnia. Esse projeto também resultou em um trabalho científico sobre a caracterização anatômica da espécie Brachiaria plantaginea, que será apresentado no 59º Congresso Nacional de Botânica. Além disso, o laminário montado será utilizado no Projeto de Extensão intitulado “Curso de Capacitação Docente em Biologia: atividades práticas e demonstrativas como ferramentas pedagógicas”. Atualmente, as atividades práticas de Morfofisiologia vegetal são divididas em três turmas, nas quais cada aluno trabalha com um laminário e um conjunto de exsicatas de espécies forrageiras, auxiliando na identificação de características morfológicas e taxonômicas. Nas aulas demonstrativas e práticas de Plantas Tóxicas e Invasoras, Forragicultura e Produção de Sementes e Derivados Agrícolas, as exsicatas e sementários são utilizados individualmente pelos acadêmicos, inclusive em período extra-classe, com auxílio do monitor, tornando a aprendizagem dos conceitos que formam a base da Forragicultura, área fundamental para o profissional zootecnista, mais efetiva. Tal experiência ilustra a importância das atividades práticas no processo de ensino-aprendizagem e seus desdobramentos com as atividades de pesquisa e extensão, estimulando a construção de um conhecimento científico e atendendo as necessidades e demandas da Sociedade.

MOTIVAÇÃO DE PRODUTORES RURAIS NO MUNICÍPIO DE URUBICI PARA RESTAURAÇÃO DE MATAS CILIARES DO RIO CANOAS

  • Tatiana Arruda Correia, MSc, arruda@uniplac.net
  • Silvana Manfredi-Coimbra, MSc, silvanam@uniplac.net
  • Camila Lucas Chaves, Graduando, kmila2252@yahoo.com.br
  • Jéferson Santos, G, jeffbio@uniplac.net

Universidade do Planalto Catarinense, UNIPLAC, Lages, Brasil

Palavras-chave: Conservação, aqüífero, sustentabilidade

O Rio Canoas, cuja nascente localiza-se no Campo dos Padres, município de Urubici, é componente da Bacia do Rio Uruguai. Esse Rio tem importância fundamental na recarga do Sistema Aqüífero Guarani. Nesse município as propriedades rurais são limítrofes ao rio Canoas, local onde as principais atividades econômicas desenvolvidas são a produção de hortaliças e a pecuária leiteira, que devido ao relevo acidentado característico na região, se estendem até a faixa de mata ciliar. Essas características de uso e ocupação do solo podem comprometer a qualidade da água e dos recursos naturais. As matas ciliares apresentam vital importância na proteção de mananciais, controlando a chegada de nutrientes, sedimentos, adubos e agrotóxicos e o processo de erosão, podendo provocar o assoreamento desse Rio. Com isso torna-se necessário propor alternativas de manejo que minimizem os danos ao meio ambiente. Essas alternativas passam obrigatoriamente por um processo coletivo de discussão e planejamento. Para conhecer melhor os proprietários rurais e a realidade local, foi realizado um encontro comunitário e posteriormente, visitas as propriedades dos interessados em aderir ao Projeto. No encontro foi realizado um seminário para sensibilização e apresentação dos objetivos do Projeto, fazendo uma discussão sobre importância das áreas de preservação permanente, as implicações sobre o uso das mesmas e a possibilidade de explorar essas APPs economicamente, considerando-se os critérios estabelecidos pela Legislação Ambiental. A partir das discussões e visitas, foram selecionadas seis propriedades nas quais serão implantados os projetos de recuperação de matas ciliares. Esses projetos fazem parte de um componente da Rede Guarani/Serra Geral, financiado através do edital MCT/CNPq/CT/HIDRO/FAPESC, previamente aprovado. Através do mesmo, serão criadas todas as condições para manutenção das áreas de matas ciliares, cujas faixas de amplitude serão demarcadas pelos próprios produtores proprietários, cabendo aos mesmos a participação ativa, mas não financeira. A participação por parte dos produtores se dará através da disponibilização das áreas e acompanhamento de todos os procedimentos, inclusive, da seleção de espécies a serem empregadas na área. Todos os procedimentos serão discutidos com os proprietários para que os mesmos tenham o entendimento dos significados dessas técnicas e os motivos pelas quais foram selecionadas. Essa discussão será realizada através de reuniões e Educação Ambiental nas escolas. A E.A. será conduzida por outro componente da Rede Guarani/Serra Geral. Os projetos serão implantados no mês de setembro de 2008, adotando-se diferentes metodologias, as quais serão definidas de acordo com as condições de uso diagnosticadas anteriormente. Entre as técnicas, pretende-se utilizar os grupos de diversidade e preenchimento, a nucleação, o resgate de mudas, os poleiros artificiais, entre outras.

MOTIVOS DE ABERTURA E FORMAS DE GESTÃO DAS MPEs NA CIDADE DE CAÇADOR

  • Sabrina de Lima Teixeira Martins, Graduando, sabrina@unc.br
  • Augusto Fischer, Dr(a), augusto_fischer@twc.com.br

Universidade do Contestado, UNC, Caçador, Brasil

Palavras-chave: micro empresa, empreendedorismo, formas de gestão

Este estudo trata dos motivos que influenciam a abertura de Micros e Pequenas Empresas no município de Caçador. Justifica-se a relevância desta pesquisa, pelo alto índice de mortalidade de empresas deste porte no município, pois 60% delas não chega até o terceiro ano de existência. No Brasil, as Micro Estas Empresas são as grandes responsáveis pela geração de emprego. Acredita-se que a forma de gestão é a grande responsável pela falta de sucesso nos empreendimentos. Por este motivo, o objetivo principal deste estudo foi identificar as formas pelas quais as Micro e Pequenas Empresas do referido município são administradas. Para alcançar este propósito, dividiu-se o trabalho em três objetivos específicos: identificar o tipo de Administração realizada pelas Micro e Pequenas Empresas de Caçador; descobrir o que levou os empreendedores a abrirem o seu próprio negócio; verificar possíveis causas da falta de crescimento de seus empreendimentos. Este estudo utilizou-se das abordagens metodológicas quantitativas e qualitativas. Tomou-se como base os métodos da pesquisa exploratória, e quanto aos procedimentos, utilizou-se os métodos exploratórios da pesquisa descritiva. Os dados primários foram coletados por meio de questionários semi-estruturados, que foram desenvolvidos após estudos documentais e entrevista com os empresários. Os dados secundários foram coletados junto a documentos e em banco de dados de entidades representativas das Micro e Pequenas Empresas e da Associação das Micro Pequenas Empresas de Caçador. Os dados quantitativos foram analisados com o apoio de planilha eletrônica, e, quanto aos dados qualitativos, tomou-se como base a análise do conteúdo. Por meio dos resultados encontrados, foi possível identificar a forma de administração realizada pelos pequenos empresários caçadorenses a frente de suas empresas. Quanto às formas de controle utilizadas pelos empresários entrevistados constatou-se que, mesmo em tempos de globalização, onde tudo está ligado através da internet, onde os sistemas de gestão são uma das formas mais seguras, o livro registro ainda é o sistema de controle mais utilizado. Quanto ao planejamento foi levantado que 54,55% fazem planejamento, 27,27% não faz planejamento algum, 16,36% fazem planejamento de cabeça “empírico”. Identificou-se também que a maior dificuldade relatada por eles no administrar do dia-a-dia de seu negócio, é alta carga tributária, tanto para as empresas mais jovens, como as que possuem maior tempo de existência. A presente pesquisa foi financiada pelo Fundo de Apoio a Pesquisa através da Universidade do Contestado – campus Caçador. Concluiu-se que as micro e pequenas empresas do município são administrados por empresários de espírito empreendedor, que utilizam de uma forma particular para identificar seus clientes, que buscam na boa compra obter um bom lucro, que acreditam em si mesmos, buscando métodos próprios de cobrança, onde a administração científica é pouco utilizada, pois na maioria a forma empírica, ainda é a mais utilizada.

MUSEU DA INFÂNCIA

  • Celdon Fritzen, Dr(a), cfr@unesc.net
  • Gladir da Silva Cabral, Dr(a), gla@unesc.net
  • Maria Isabel Ferraz Pereira Leite, Dr(a), mil@unesc.net

Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, Criciúma, Brasil

Palavras-chave: Infância, Museu, Educação

O Museu da Infância tem como objetivo favorecer e qualificar o acesso a imagens e material científico acerca da cultura da, sobre e para a infância, o que lhe atribui caráter inovador e vem ao encontro dos objetivos da universidade de preservar, fomentar a produção e fazer circular conhecimento – sejam eles científicos, de natureza estética ou poética. Parte do pressuposto de que a criança não é um sujeito-padrão e a-histórico, mas múltiplo e implicado em um contexto espaço-temporal específico, que possui modos singulares de vivenciar e significar o mundo, assim como, de se apropriar e produzir cultura. Ciente de que não basta mapear e assegurar a permanência dos vestígios materiais das culturas infantis, o Museu vem buscando mecanismos para promover a apropriação e significação dos materiais que reúne. Isso porque a consolidação de um museu como instituição educativa não se dá tanto pelas informações inerentes ao seu acervo, mas pela comunicação efetiva que estabelece com o público e pelos efeitos daí decorrentes. Assim, o Museu da Infância promove e faz circular a produção científica e artístico-cultural referente à criança, atuando em duas frentes: virtual e presencial. Na virtual (www.museudainfancia.unesc.net), a partir de 2008 o Museu da Infância conta com apoio do Cnpq para desenvolvimento de banco de dados e inclusão de aproximadamente 4.000 desenhos e cadernos feitos por crianças em seu acervo on-line. Os objetos são catalogados levando em conta informações sobre o autor, contexto de produção, tipo de materialidade, assunto etc, as quais servirão também de opções nos filtros nas buscas dos pesquisadores, permitindo incontáveis incursões pelo acervo e cruzamento de dados. Em relação à outra frente de atuação, dar visibilidade ao acervo físico do Museu da Infância mostrou-se como um desafio para assegurar o bom desempenho de seus diferentes papéis sociais: enquanto espaço de narrativa, imaginação e memória, o maior tesouro de um museu é seu acervo e as formas de acesso ao mesmo, fazendo com que, cada vez mais, a idéia de acessibilidade assuma protagonismo nos espaços museais. Por falta de um espaço próprio, essa acessibilidade vinha se fazendo parcial e fragmentada em exposições temporárias. A fim de transformar uma limitação em potência, a equipe do Museu desenvolveu, junto ao professor visitante Dr. Julio Romero Rodriguez (Universidad Complutense de Madrid), um conceito de museu-sem-paredes. Assim, tirando partido da falta de espaço do Museu da Infância, tomou-se como base o uso de linhas e cores como demarcadores espaciais para uma nova proposta museal, alicerçada em referências estéticas encontradas em diferentes linguagens artísticas e recursos usados cotidianamente para delimitação de espaços (como vagas de garagem ou filas de banco), bem como elementos da cultura para a infância, como alguns brinquedos e labirintos de parques infantis. Baseado nessa proposta, o Museu da Infância passou a assumir-se, em sua dimensão física, como um espaço sem fronteiras rígidas; maleável, poroso; que se imiscui ao campus da universidade. O conceito de museu-sem-fronteiras, então, vem servindo de alicerce para as exposições a partir de 2008 – Infância e Culturas Escolares e Infância na Ibero-américa.

NAS ONDAS DA RÁDIO UDESC: Uma perspectiva intencional de Educação Sexual num espaço educativo não formal.

  • Lara Carolina Kemper, Graduando, larakemper@hotmail.com
  • Sonia Maria Martins de Melo, Dr(a), soniademelo@gmail.com

Universidade do Estado de Santa Catarina, UDESC, Florianópolis, Brasil

Palavras-chave: Extensão Universitária, Educação Sexual, Sexualidade e Rádio

O Projeto de Extensão Educação Sexual em Debate: nas Ondas da Rádio UDESC pertence ao Programa de Extensão Formação de Educadores e Educação Sexual e as Novas Tecnologias – etapa II, coordenado pela Professora Doutora Sonia Maria Martins de Melo, com participação voluntária das docentes Dilma Lucy de Freitas, Patrícia de Oliveira e Silva Pereira Mendes e da técnica universitária Zuleica Campagna. Semanalmente disponibiliza aos ouvintes da Rádio UDESC um programa que dura em média trinta minutos, com a participação de especialistas em temáticas voltadas à Educação Sexual e a Sexualidade, com o auxílio da equipe organizadora do Centro de Educação a Distância e do jornalismo da Rádio. Este projeto cumpre a função de oportunizar à comunidade de Florianópolis e adjacências, locais de abrangência da Rádio, o acesso a pesquisas, estudos, trabalhos que acontecem nas Instituições de Ensino Superior voltados à Educação Sexual, também nos espaços de militância política ligados às causas da educação e sexualidade e demais instâncias educativas. Esta ação vem acontecendo desde o segundo semestre do ano de 2007 e neste ano de 2008 iniciamos abordando o tema “Por que ficamos inibidos para falar de sexualidade?”, demonstrando ao ouvinte a necessidade de refletir a respeito de uma educação voltada para a emancipação, no intuito de contribuir na formação de seres humanos conscientes e quem sabe mais preparados para tomar decisões. Este primeiro programa foi um convite ao ouvinte a acompanhar a jornada de debates seguintes, já que possibilitou pensar a própria negação do diálogo sobre a sexualidade. Os assuntos abordados permitem às pessoas pensarem temáticas do seu cotidiano, a partir dos temas trabalhados até o momento, como: “Manifestações da Sexualidade Infantil”, “Sexualidade, velhice e educação sexual”, “Masculinidade”, “Sexo e Poder”, “História da Sexualidade”, “Violência Sexual”, “O fim do desejo no casamento sem fim”, “Adolescência e Sexualidade”, “Homossexualidade”, “Educação Sexual na Escola”, “Sexualidade e Corporeidade” e “Sexualidade e Deficiência”. Os roteiros dos programas propõem além do conhecimento das temáticas, a abordagem diária das mesmas em uma proposta acessível à comunidade ouvinte, com sugestões de livros, filmes e eventos. Cabe ainda salientar que o programa tem um caráter interativo e vem se configurando em um espaço de diálogo sobre educação sexual na perspectiva de que as trocas realizadas diariamente possibilitem aos ouvintes o reconhecimento da educação sexual que receberam e da educação sexual que certamente realizam, já que somos sempre sujeitos sexuados e educadores e educadoras sexuais uns dos outros.

NATAÇÃO NA ESCOLA ARTICULANDO ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

  • Michele Gabarron, Graduando, myc_myc_mo@hotmail.com
  • Ana Cláudia Cardoso, Graduando, ana.claudia.cardoso@univille.net
  • Anderson Lucas Velosso, Graduando, anderson.lucas@univille.net
  • Andressa Lopes Pereira, Graduando, andressa.pereira@univille.net
  • Angela Regina Melara, Graduando, angela.regina@univille.net
  • Daniele Pereira, Graduando, daniele.p@univille.net
  • Herick Montibeller Carneiro Pereira, Graduando, herick.montibeller@univille.net
  • Caroline Luise da Silva, Graduando, caroline.l@univille.net
  • Elisandra Ferrari Alves, Graduando, elisandra.ferrari@univille.net
  • Érico Augusto Machado, Graduando, erico.augusto@univille.net
  • Gabriel da Costa, Graduando, gabriel.costa@univille.net
  • Luis Gustavo Machado de Souza, Graduando, luis.machado@univille.net
  • Marcio Kunhatã Sabino de Freitas, G, extensaouniversitaria@univille.net
  • Marilis Pacheco da Silveira Santos, Graduando, m.pacheco@univille.net
  • Rodrigo, Graduando, valdyneia.tereza@univille.net
  • Vanessa Cristine Kohler, G, lribas@univille.net
  • Vanessa Reinar Wrulbeski, Graduando, vanessa.reinar@univille.net
  • Patrícia Esther Fendrich Magri, MSc, pfmagri@terra.com.br

Universidade da Região de Joinville, UNIVILLE, Joinville

Palavras-chave: natação, articulação, formação acadêmica

Natação na Escola é um projeto de extensão da UNIVILLE e instituições parceiras que oferece aulas de natação gratuitas para escolares da rede pública de ensino do município, com idade entre 10 e 12 anos completo no ano em curso. O projeto está em andamento desde 2005 e a fonte de custeio é universidade e a instituição parceira Fundação de Esportes Lazer e Eventos de Joinville – FELEJ. As aulas são realizadas, três vezes por semana no período matutino e todos os dias no período vespertino. Este projeto procura desenvolver ações para fortalecer o tripé ensino, pesquisa e extensão, fundamental na universidade e que se pretende aqui relatar. A metodologia adotada para o desenvolvimento dos trabalhos e integração da extensão com o ensino e a pesquisa prevê três ações principais. A primeira a ser destacada são as aulas de natação monitoradas pelos acadêmicos (as) com orientação e supervisão da professora coordenadora, que procura incentivar um trabalho participativo, indicando leituras e provocando discussões que possam gerar a sistematização do programa por níveis de habilidades . Este planejamento prevê um período de prática seguida de avaliação que encaminhará a continuidade dos trabalhos e o planejamento das aulas. Outra ação considerada fundamental é o desenvolvimento de pesquisa de iniciação científica que provoca fortes discussões entre os acadêmicos no sentido de despertar a ação, reflexão, ação sobre a aplicabilidade da base teórica e sua relação com a prática. Na seqüência destacam-se os eventos realizados pela equipe do projeto que reúnem todos os nadadores que participam das aulas nos diferentes dias e horários. Estes eventos são pensados para integrar os participantes, divulgar o trabalho realizado e resultados alcançados bem como para oferecer aos estudantes de graduação, oportunidade de organizar e vivenciar práticas pedagógicas. No ano de 2008, já foi realizado o IV Encontro de Jovens Nadadores que reuniu aproximadamente cento e sessenta escolares. Para a realização deste evento contamos com a participação de todos os monitores bem como com um número bastante expressivo de alunos do curso de graduação que puderam vivenciar na prática experiências de ações pedagógicas, pois as atividades propostas neste evento foram diferenciadas, ou seja, não seguiram o formato de competição. Foi um encontro em que os escolares participaram de atividades recreativas na piscina, atividades recreativas na quadra, receberam lanche e assistiram a uma palestra sobre “Alimentação saudável”. Os resultados alcançados na associação da extensão com o ensino e pesquisa são percebidos pelos próprios acadêmicos que relatam observar a importância do seu trabalho (leituras, discussões, planejamento e aplicação das atividades), no resultado alcançado com as crianças, que iniciam a prática normalmente sem saber nadar e que evoluem aprendendo os quatro nados; pelas famílias que percebem seus filhos motivados para prática e assimilando hábitos de vida mais saudáveis; bem como nos eventos que além de integrar os participantes e possibilitar aos acadêmicos(as) práticas pedagógicas como componente curricular integra também os familiares, pois a participação destes no último evento foi muito expressiva. Espera-se dar continuidade ao projeto, do que depende aprovação em edital na universidade.

NO FIO DA MEMÓRIA: HISTÓRIA E PATRIMÔNIO CULTURAL NA CONTEMPORANEIDADE

  • Janice Gonçalves , Dr(a), janice_goncalves@hotmail.com

Universidade do Estado de Santa Catarina, UDESC, Florianópolis, Brasil

Palavras-chave: HISTÓRIA, PATRIMÔNIO CULTURAL, CONTEMPORANEIDADE

Novas Estratégias de Ensino de Semiologia Médica

  • Denise Viuniski da Nova Cruz, E, novacruz@novacruz.med.br

Universidade do Vale do Itajaí, UNIVALI, Itajaí, Brasil

Palavras-chave: Semiologia, Estética, Estratégias de Ensino

O objetivo deste trabalho é apresentar Novas Estratégias de Ensino na Disciplina de Semiologia Médica do Curso de Medicina da Universidade do Vale do Itajaí. Serão relatadas as seguintes novas estratégias: Gincana Interativa, Semiogame e Semioarte.

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL – NEA: FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

  • Isabela de Almeida Kirschner, Graduando, bela_ak@yahoo.com.br
  • Mari Inês Carissimi Boff, Dr(a), a2micb@cav.udesc.br
  • Marta Hoffmam, Graduando, marta.floresta@yahoo.com.br

Universidade do Estado de Santa Catarina, UDESC, Florianópolis, Brasil

Palavras-chave: Educação ambiental, meio ambiente, ecologia

Criado em 1994 o Núcleo de Educação Ambiental – NEA, desenvolvido no Centro de Ciências Agroveterinárias – CAV/UDESC, possui objetivo de formar recursos humanos (acadêmicos) na área de educação Ambiental para atuação junto às comunidades, colaborar nas atividades do Município que visam a divulgação e conservação do meio ambiente e manter um fórum de discussões sobre educação ambiental, extensivo a todos os acadêmicos. Se constituiu em um centro de informações, discussão e divulgação das questões ambientais, que trabalha junto à comunidade em geral buscando, de maneira simples e clara, conscientizar e capacitar cada indivíduo a participar de forma responsável nas decisões comunitárias e pessoais, que digam respeito ao meio ambiente e à qualidade de vida. As atividades previstas e desenvolvidas no Núcleo de educação ambiental possuem sempre o caracter de criar espaços de reflexão participativa que ajudem os professores, estudantes, jovens, e comunidade em geral na concepção de novas estratégias e metodologias em Educação Ambiental. As atividades são desenvolvidas da seguinte forma: Manutenção de um “FÓRUM” permanente de debates ligados a questões ambientais; compilação de materiais sobre o assunto e sua divulgação na comunidade, em especial no ambiente escolar, com participação interativa da comunidade universitária (alunos e professores) com a comunidade externa. Nas escolas públicas de ensino básico, os integrantes do NEA, ministram cursos, palestras e aulas gratuitas aos estudantes e professores; prestação de subsídios a projetos de educação ambiental, desenvolvidos pelas escolas da região e/ou outros projetos desenvolvidos em outros setores; coordenação do programa de reciclagem de lixo no CAV e na comunidade; Auxílio na coordenação de eventos relacionados à Agroecologia e o meio ambiente. E numa atitude mais do que ambiental, visando o bem-estar social, o grupo atua junto ao grupo dos agricultores assentados do assentamento Pátria Livre - Correia Pinto, SC, desenvolvendo oficinas sobre o meio ambiente; conservação e utilização racional dos recursos naturais; formação de viveiros e plantio de espécies arbóreas e produção de hortaliças. Integrantes do NEA colaboram também junto ao Fórum do Consumo Solidário e a Rede de Educação Popular Cidadã na organização da feira agroecológica, que possui freqüência semanal e envolve agricultores de vários municípios da região Serrana. Desde sua criação o NEA tem contado, sempre com o apoio financeiro do Programa de Apoio a Extensão da UDESC, e com um número bastante elevado de professores e acadêmicos voluntários que em conjunto com recursos humanos integrantes de várias outras entidades públicas e privadas da região, tem realizado um número muito elevado de atividades tornando-se assim um órgão de referência e disseminador de conhecimento no que se refere a área da educação ambiental. O projeto procura desenvolver atividades que mostram para as gerações presentes, questões preocupantes relacionadas ao meio ambiente e busca de maneira simples e clara, conscientizar e capacitar cada indivíduo para uma participação responsável nas decisões comunitárias e pessoais, que digam respeito ao meio ambiente e à qualidade de vida.

Núcleo de Estudos Contábeis

  • Daniela Martinello, Graduando, dany.dz@hotmail.com
  • Rosimere Alves de Bona Porton, MSc, rka@unesc.net

Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, Criciúma, Brasil

Palavras-chave: Ciência Contábil, Pesquisas, Estudos

O Núcleo de Estudos Contábeis concentra sua atuação em seis áreas: Contabilidade e Controladoria, Contabilidade Financeira, Ensino e Metodologia em Ciências Sociais Aplicadas, Gestão Pública, Terceiro Setor e Responsabilidade Sócio-Ambiental onde, objetiva o fomento de Pesquisa, a realização de atividades de Extensão com a finalidade de aprofundar o conhecimento e contribuir para o desenvolvimento das áreas. De forma interdisciplinar busca-se conhecer as necessidades das organizações e assim compreender as questões ligadas ao desenvolvimento sócio-econômico, bem como a identificação de alternativas e a proposição de melhorias nos sistemas de informações e no processo de decisional. Linhas de Pesquisa:Contabilidade e Controladoria; Contabilidade Financeira; Ensino e metodologia em Ciências Sociais Aplicadas; e Gestão pública, Terceiro Setor e Responsabilidade Sócio-Ambiental. O núcleo de pesquisa conta com a participação dos seguintes recursos humanos - Professores: Rosimere Alves de Bona Porton, MSc - (líder), Andréia Cittadin, Esp.,Cleyton de Oliveira Ritta, Esp. ,Dourival Giassi, MSc., Kátia Aurora Dalla Líbera, MSc., Manoel Vilsonei Menegali, Esp. Acadêmicas:Daniela Martinello; Cristini Generoso Possamai. As pesquisas em andamento são: Conjunto de indicadores como mecanismos de averiguação da competitividade, produtividade, lucratividade e rentabilidade das empresas da AMREC – Associação dos Municípios da Região Carbonífera, Controles estratégicos e operacionais de gestão: conceitos e aplicações nas empresas da AMREC - Associação dos Municípios da Região Carbonífera; e As bases epistemológicas das produções científicas dos trabalhos de conclusão de curso do curso de Ciências Contábeis da Unesc – Associação dos Municípios da Região Carbonífera. A primeira pesquisa tem como objetivo geral do presente estudo consiste em desenvolver um conjunto de indicadores como mecanismos de averiguação da competitividade, produtividade, lucratividade e rentabilidade das empresas da região da AMREC. O intuito da segunda consiste em pesquisar os controles estratégicos e operacionais de gestão, fundamentais à continuidade e crescimento das organizações da AMREC. A terceira investigação tem como objetivo geral de averiguar as bases epistemológicas das produções científicas dos trabalhos de conclusão de curso do curso de Ciências Contábeis da Unesc. Os recursos financeiros que estão sendo utilizados para a consecução dessas pesquisas foram obtidas junto a instituição de ensino superior - Unesc – Universidade do Extremo Sul Catarinense, por meio de editais para grupos de pesquisa, bem como através do PIC 170. As três investigações estão em pleno desenvolvimento e com perspectivas para continuidade da ação permanente.

NÚCLEO DE ESTUDOS LINGÜÍSTICOS – REPENSANDO O DIÁLOGO COM A COMUNIDADE

  • Bruna Alexandra Franzen, Graduando, brunalexandra.f@gmail.com
  • Otilia Lizete de Oliveira Martins Heinig, Dr(a), otilia@furb.br
  • Bethânia Coswig Zitzke, MSc, bethania@furb.br
  • Fabiola Nicole Berri , Graduando, lilaberri@yahoo.com.br
  • Maristela Pereira Fritzen, Dr(a), mpmf@furb.br
  • Víctor César da Silva Nunes, MSc, vicnunes@furb.br

Universidade Regional de Blumenau, FURB, Blumenau, Brasil

Palavras-chave: Língua portuguesa., Educação., Produção de texto.

O Programa Núcleo de Estudos Lingüísticos (NEL) está em seu terceiro ano de funcionamento, concretizando uma meta do Departamento de Letras: desenvolver espaços onde se promovam a integração entre a comunidade e a Universidade, por meio do estudo aprofundado de questões da linguagem, do português padrão e da produção textual. Estão vinculados ao NEL dois projetos: o programa de tevê Em Dia com a Língua Portuguesa e o Laboratório de Produção de Textos. O primeiro está no ar desde 2001. No ano de 2008, foi-lhe dado um novo foco: além de tratar de questões voltadas à língua e não somente à filologia e à gramática normativa, ampliou-se sua abordagem, promovendo mesas-redondas sobre o ensino de línguas. Além disso, uma acadêmica de Letras começou também, além do professor-coordenador, a apresentar os programas. Já que este projeto visa dirimir as dúvidas enviadas por e-mail ou consultas realizadas por telefone ou pessoalmente, bem como atualizar os telespectadores quanto a assuntos relacionados à língua portuguesa, o resultado foi a seleção de mais de 80 programas que serão publicados em um livro, neste semestre. Essa sistematização será mais uma forma de atingir a comunidade externa e interna. O segundo projeto é um espaço para o estudo de aspectos da Língua Portuguesa necessários à produção, revisão de textos, formação de profissionais na área técnica e pedagógica, que oferece cursos, oficinas, palestras e atividades em escolas campo de estágio. Com o intuito de assegurar a interlocução entre a academia e a prática docente, o NEL passou a promover ações aos professores dos ensinos médio e fundamental por meio dos estágios dos alunos do curso de Letras, oferecendo minicursos e oficinas para a formação desses profissionais. Entre as oficinas ofertadas, focaram-se testes de leitura aplicados pelos alunos do estágio, no semestre 2007/2, para auxiliar os professores em suas aulas. Outro evento foi o I Fórum de Leitura Ler e Ser, que contou com uma expressiva participação de acadêmicos e professores da região. Há ainda o grupo de pesquisa do NEL, coordenado pela Profa. Otilia Heinig, que integra acadêmicos, mestrandos e mestres já formados pelo Programa de Mestrado em Educação da FURB, promovendo o diálogo efetivo entre a pesquisa e a extensão. Assim, percebe-se que o núcleo funciona com base na interação que surge do encontro, em um mesmo programa, da extensão, pesquisa e ensino. O Programa é financiado pela FURB, através das bolsas da PROPEX/DAEX e das horas dos professores coordenadores vinculadas ao Departamento de Letras, com o apoio da FURB TV. Nos últimos dois anos, o NEL submeteu alguns eventos a editais, como o de fomento da FAPESC, e tem sido contemplado com esse auxílio, o que mostra o reconhecimento de órgãos oficiais ao trabalho desenvolvido pelo Núcleo. Para 2009, além da segunda edição do livro Em dia com a Língua Portuguesa, o Núcleo efetivará a parceria numa escola campo de estágio, continuando a promoção de cursos e oficinas aos professores de línguas, bem como o atendimento da região no que tange à norma padrão.

NÚCLEO DE EVENTOS DA UNIPLAC

  • Suzana Pereira Morais Duarte, E, suzana@uniplac.net
  • Juliana Schmitz Paes de Lima, MSc, jplima@uniplac.net

Universidade do Planalto Catarinense, UNIPLAC, Lages, Brasil

Palavras-chave: Eventos, cerimonial, apoio

A necessidade de suporte na organização das semanas acadêmicas, seminários e eventos institucionais em geral, gerou um pedido que foi encaminhado à Reitoria pelos senhores(as) Chefes de Departamentos, Coordenadores(as) dos Cursos de Graduação e Gestores(as) de Setores. A Reitoria eleita para o período de 2007 – 2010 organizou-se e instalou junto a Pró-reitoria de Pesquisa, Extensão, e Pós-graduação - Gestão de Extensão – Ação Cultural, o Núcleo de Eventos da Uniplac. O objetivo central do núcleo é auxiliar a toda comunidade acadêmica na realização das semanas acadêmicas, seminários, simpósios, palestras, posses, inaugurações, lançamentos de livros, homenagens, fornecendo apoio logístico, de organização e estruturação, desde que o projeto seja aprovado pela PROPEPG e ainda prestar serviços, mediante parceria ou contratação para instituições externas. Os principais serviços prestados são: emissão e envio do convite institucional para palestrantes, autoridades, imprensa, comunidade acadêmica e comunidade em geral, de acordo com o público determinado, reservas de hotéis e alimentação para palestrantes e convidados, reserva e organização do espaço onde será realizado o evento, organização de cafés, coquetéis, almoços e jantares oferecidos aos participantes, elaboração e execução do cerimonial, juntamente com mestre de cerimônias, recepção das autoridades, entrega de lembranças para visitantes, palestrantes e convidados, entre outras, montagem da equipe para credenciamento. Com este suporte, tanto os organizadores como os acadêmicos sentem-se seguros na realização do evento. No ano de 2007 foram realizados 68 eventos, com um público estimado de 12 mil pessoas, entre as atividades internas e externas, atendendo alunos, professores, técnicos administrativos, empresários e sociedade em geral, pública e privada. Destaca-se alguns eventos de sucesso realizados em 2007: Palestra do Doutor Fernando Henrique Cardoso, Presidente da República 1995-2003, Jantar Palestra com o Senhor Governador do Estado de Santa Catarina Luiz Henrique da Silveira e Prêmio Empreendedor Paschoal Baggio 2007, acontecimentos que enalteceram, ainda mais, a competência e organicidade do Núcleo e de toda Universidade. Podemos afirmar com toda segurança e de acordo com diversos depoimentos, que a decisão da criação deste núcleo foi repleta de êxito, com bom desempenho em todas as atividades desenvolvidas. Por ser um setor institucional, nas atividades internas, não há cobrança financeira, porém quando da contratação externa, os honorários são cobrados através de pagamento ou em forma de permuta de serviços, como já se destacou. Tendo em vista o sucesso das atividades desenvolvidas e por ter atendido as necessidades dos solicitantes, o núcleo está consolidado até o final da gestão desta reitoria.

NÚCLEO DE ORIENTAÇÃO A PESSOA COM NECESSIDADES ESPECIAIS

  • Carla Adriana Silva, E, carla@unidavi.edu.br

Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, UNIDAVI, Rio do Sul, Brasil

Palavras-chave: Deficiência, Inclusão, Orientação

A Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí – UNIDAVI possui registros de matrículas de alunos com deficiência desde 1997. Nos cursos de graduação o atendimento aos acadêmicos com deficiência iniciou em 2004, com a entrada no curso de Psicologia de um aluno com deficiência visual – cegueira – e respectivamente com a percepção e o gradativo aumento da demanda de alunos com outras deficiências. A partir da necessidade de atendimento aos alunos com deficiência dos cursos superiores da UNIDAVI, teve início o desenvolvimento do projeto de criação do Núcleo de Orientação a Pessoa com Necessidades Especiais – NOPNE. Este núcleo propõe, no âmbito universitário, a aceitação das diferenças e, principalmente, a quebra de barreiras arquitetônicas, comunicacionais, educacionais e atitudinais, desde a Educação Básica até a Pós-Graduação desta Instituição de Ensino superior (IES). Muitas pessoas com algum tipo de deficiência ainda sofrem com a discriminação e o pouco acesso em todos os segmentos da sociedade. A UNIDAVI vivencia as dificuldades e se estrutura para atender as necessidades deste público, promovendo assim a inclusão e a integração na academia. O NOPNE é um núcleo complementar, diretamente vinculado à Pró-Reitoria de Ensino. São objetivos do NOPNE: promover a acessibilidade; mediar as relações que envolvem o processo de ensino e aprendizagem que devem contribuir para a inclusão do aluno com deficiência na Universidade; propor, no âmbito universitário, a aceitação das diferenças e, principalmente, a quebra de barreiras arquitetônicas, comunicacionais, educacionais e atitudinais. O NOPNE é constituído por uma coordenadora nomeada pela reitoria; uma representante da Pró-Reitoria de Ensino (PROEN) ;um representante discente eleito por assembléia pelos alunos com deficiência cadastrados no NOPNE; um representante docente indicado pela PROEN; um representante da Pós-Graduação indicado pela Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão (PROPPEX); um representante do Núcleo de Informática indicado pela PROEN; um representante da Biblioteca indicado pela Bibliotecária e um representante dos funcionários indicado pelo Recursos Humanos (RH). Os serviços prestados pelo NOPNE compreendem: suporte; orientação e treinamento a docentes, discentes e funcionários; acolhimento a pessoas com deficiência; atendimento personalizado, previamente agendado; acesso à base de dados e internet na sala de apoio do NOPNE; gravação de textos falados; scaner de textos para alunos com deficiência visual – cegueira, consulta local de livros falados; e desenvolvimento de projetos de inclusão como o Serviço de Orientação ao Trabalho Eficiente (SORTE), um serviço que prevê aproximar pessoas com deficiência/egressos que desejam exercer atividades de estágio/emprego e empresas que queiram contar com o trabalho destes “talentos” já formados ou em formação.

NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES DE MILHO

  • Cristiano Nunes Nesi, MSc, cristiano.nesi@unoescxxe.edu.br
  • Cleber Bringhenti, Graduando, cleberbringhenti@yahoo.com.br

Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC, Joaçaba, Brasil

Palavras-chave: Milho , Experimentos, Repetições

Um dos problemas enfrentados no planejamento de um experimento é determinar o número de repetições dos tratamentos ensaiados. O número adequado de repetições aliado a outros fatores pode levar ao aumento da precisão, ou seja, melhoram a capacidade de um teste estatístico detectar diferenças menores entre as estimativas das médias dos tratamentos. Na prática, o número de repetições é definido considerando-se, principalmente, os custos do experimento, a estrutura e a mão-de-obra disponível para executá-lo. Nesse sentido, desejam-se experimentos com menor dimensão possível, eficientes em precisão e custos, mas com boa capacidade de inferência. O objetivo desse trabalho foi definir o número mínimo de repetições para experimentos de competição de cultivares de milho. Foi planejado um experimento de competição de cultivares, conduzido em uma propriedade rural no município de Xanxerê/SC. Foram avaliados quatro híbridos com população de 62000 plantas por hectare, com adubação e tratos culturais recomendados para a cultura. Cada unidade experimental era composta por três linhas de cinco metros, com espaçamento de 0,8m entre elas. Utilizou-se o delineamento experimental em blocos casualizados com 12 repetições. Na colheita foram avaliadas a produtividade de grãos (kg/parcela), a umidade dos grãos (%), o número de espigas e de plantas por parcela, além da altura de inserção da primeira espiga. Tomando-se por base o experimento com 12 repetições (blocos) como a população referência, foram simulados 4083 novos experimentos, combinando as repetições (blocos) do experimento referência. As estatísticas geradas para a variável rendimento de grãos em cada um dos experimentos simulados, em decorrência do modelo de análise de variância adotado foram: nível de significância (%) do teste F para testar efeito de híbridos; quadrado médio do resíduo (QMR); média geral das variáveis; coeficiente de variação (CV, %) do experimento. A análise de variância do experimento referência indicou efeito significativo para híbridos, com coeficiente de variação considerado baixo (C.V.<10%). Observando-se os valores médios, mínimo e máximo do nível mínimo de significância (NMS) obtidos para as repetições (2 a 12), verifica-se que a convergência é assumida somente a partir de 11 repetições. A proporção de experimentos com diferenças significativas detectadas com NMS abaixo de 5% aumentam com o número de repetições, indicando no mínimo 11 repetições para que esse valor não seja inferior a 95%. Admitindo-se que os experimentos em julgamento serão concordantes com o experimento referência (12 repetições) quando provarem diferenças para significância inferior a 5%, e também, que a decisão será aceita se acertam em pelo menos 95% das realizações, tem-se uma indicação mínima de 11 repetições para futuros experimentos. Experimentos com quatro repetições acertariam em apenas 20% das realizações. Para ensaios de competições de cultivares de milho, avaliando-se apenas a variável rendimento de grãos, há indicativo de no mínimo 11 repetições como um dos requisitos para se obter experimentos com boa precisão.

O 11 de setembro e suas implicações na Segurança Internacional: uma análise das exportações catarinenses a partir das normas do ISPC Code

  • Nakita Verônica Gheller, Graduando, nakitagheller@yahoo.com.br
  • Joana Stelzer, Dr(a), joana@univali.br

Universidade do Vale do Itajaí, UNIVALI, Itajaí, Brasil

Palavras-chave: 11 de Setembro, Fenômeno terrorista, ISPS Code

em Nova Iorque, e do Pentágono, em Washington, demonstrou ao planeta sua vulnerabilidade. O objetivo do presente trabalho é estudar o fenômeno terrorista, especialmente os ataques de 11 de setembro, apontando suas implicações na segurança internacional, e, principalmente nos
portos catarinenses, a partir das normas do International Ship and Port Facility Security (ISPS Code). O método utilizado para o desenvolvimento do presente estudo é o indutivo e os entendimentos são construídos pela pesquisa bibliográfica. O termo terrorismo tem
sua origem com a Revolução Francesa, no período de 1793 a 1794, denominado de Fase do Terror, em que as pessoas suspeitas de ligações com os girondinos (alta burguesia) e com a aristocracia contra-revolucionária foram massacradas ou executadas nas guilhotinas, depois de julgamento pelo Tribunal Revolucionário (baixa burguesia e ala radical). O fenômeno terrorista é caracterizado pela prática de atos de violência, com o cerne de criar terror,
insegurança, medo e incertezas em um inimigo sem rosto, porquanto não faz escolha de suas vítimas. Após os eventos de 11 de setembro, a Segurança Internacional sofreu uma série de modificações, considerando a adoção de medidas de segurança para intensificar a
proteção contra atentados terroristas, como a adoção do Código de Segurança Internacional para Navios e Instalações Portuárias (ISPS Code), exigência internacional imposta para o comércio marítimo.

O ATUAL ESTÁGIO DE DESENVOLVIMENTO DO GOVERNO ELETRÔNICO NOS MUNICÍPIOS DO ALTO VALE DO ITAJAÍ - SANTA CATARINA – PROJETO TRANSREG

  • Fábio Alexandrini, Dr(a), fabalex@unidavi.edu.br
  • Francisco Spaeth, MSc, espetinho@unidavi.edu.br
  • Jeancarlo Visentainer, MSc, jv@unidavi.edu.br
  • Daniel Gomes Soares, Graduando, danielgsoares@hotmail.com
  • Ícaro José Vendrami, Graduando, icarorsl@gmail.com

Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, UNIDAVI, Rio do Sul, Brasil

Palavras-chave: Governo eletrônico, Projeto TRANSREG, Alto Vale do Itajaí

Com a rápida evolução das tecnologias da informação e comunicação, hoje presentes em diversas áreas da sociedade, surge à necessidade do governo se comunicar com a sociedade através das novas tecnologias, desse modo surge o governo eletrônico. Investir em governo eletrônico é uma tendência observada em nações do mundo todo. O desenvolvimento de aplicações nessa área demanda tempo e recursos, sendo necessária a continuação dos projetos entre uma administração e outra, não levando em consideração disputas partidárias e ideológicas, visando somente à evolução dos processos democráticos e em um estágio mais avançado de governo eletrônico a participação efetiva da sociedade nos processos decisórios. O trabalho é um estudo da situação do governo eletrônico em Santa Catarina, escolhendo uma região para fazer a avaliação dos sites, saber a opinião da comunidade e propor um modelo que possa ser utilizado por essas. Para avaliar a qualidade dos sites e a opinião da comunidade foram utilizados os questionários do projeto TRANSREG - Virtuelles Rathaus (Prefeitura Virtual) e o avaliador DaSilva de acessibilidade, que faz análise do código HTML dos sites, usando as regras de acessibilidade do W3C. A pesquisa foi realizada na região do Alto Vale do Itajaí - SC composta por 28 municípios. Os resultados mostram um panorama de pouco desenvolvimento do governo eletrônico nas administrações municipais da região e um grande interesse da população em usar serviços do governo via Internet.A pesquisa levantou que 61% possuem site e 39% não possui, acima da média estadual. No entanto os sites das administrações municipais da região apresentam na sua maioria páginas com informações estáticas e com exceção de Rio do Sul nenhuma ofereceu link para serviços. Os sites analisados na região do Alto Vale seguem a tendência da maioria dos sites das administrações municipais de Santa Catarina, a maior parte páginas de informações estáticas. Com isso abre-se oportunidade para o desenvolvimento de aplicações e pesquisas na área governo eletrônico municipal. A muito que se fazer com relação a governo eletrônico municipal, nas iniciativas encontradas atualmente a uma visível diferença com relação as esfera federal e estadual. No entanto, a grande interesse da população em utilizar essas tecnologias, tendência que só tende a aumentar com uso freqüente das novas tecnologias da informação em diversos ramos da sociedade.

O caso Brechó Fashion

  • Ana Paula Lisboa Sohn, MSc, anasohn@hotmail.com

Universidade do Vale do Itajaí, UNIVALI, Itajaí, Brasil

Palavras-chave: empreendedorismo, universidade, comunidade

Na disciplina de Tópicos Especiais desde 2007 os acadêmicos da sétima fase do curso de Administração da Univali Biguaçu desenvolvem um projeto de empreendedorismo social. Que constitui-se na organização e realização do “Brechó Fashion”. Evento que tem como objetivos: aplicar os conhecimentos adquiridos durante o curso de Administração proporcionando crescimento profissional e pessoal aos acadêmicos; ajudar com recusos finanaceiros provindo dos resultados das vendas no brechó uma organização não governamental (ONG); promover a integração entre universidade e comunidade; dar poder de compra a uma parcela da população que se encontra na base da pirâmide. Como resultado o projeto Brechó Fashion além de alcançar os objetivos citados, desenvolve nos academicos atitudes empreendedoras como: superação, criatividade, iniciativa, energia, valor, compromisso e risco.

O COM PLEXO ERVATEIRO NA FORMAÇAO ECONOMICA DO PLANALTO NORTE E NORTE CATARINENSE

  • Catiúscia Custódio de Souza, Graduando, cati1986@gmail.com
  • Alcides Goularti Filho, Dr(a), agf@unesc.net

Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, Criciúma, Brasil

Palavras-chave: História econômica, Complexo ervateiro, Santa Catarina

A pesquisa que está sendo desenvolvida remete ao complexo ervateiro no planalto norte e norte catarinense. Nessa região no final do século XIX até as primeiras décadas do século XX se deu a extração da erva-mate, sua industrialização e comercialização em torno das pequenas atividades mercantis. Através dos desdobramentos da acumulação capitalista estamos a identificar as causas e efeitos da atividade extrativa do mate na economia catarinense como elemento de integração regional, através da implantação dos meios de transporte e comunicação, bem como a fixação de imigrantes na região. O desenvolvimento econômico do estado e a integração entre as colônias estavam limitados pelos meios de transporte e de comunicação e, principalmente, pela falta de uma atividade econômica forte e sustentável. A atividade ervateira que se desenvolvia no planalto norte e norte catarinense e a necessidade de escoamento do produto forçaram a implantação de meios de transporte (fluvial, portuário, ferroviário, rodoviário). Estas transformações possibilitaram a abertura de novos mercados, resultando no desenvolvimento urbano da região e contribuiu para fixação de imigrantes no planalto. A comercialização da erva-mate e também da madeira que abundava na região foram responsáveis pela criação da estrada Dona Francisca e pelo ramal ferroviário da EFSPRG indo de Porto União ao Porto de São Francisco do Sul. A erva-mate também foi responsável pela criação da Companhia Industrial de Joinvile que atuou no beneficiamento e comercialização de 1892 a 1902 influindo diretamente no desenvolvimento da cidade. A erva-mate teve efeitos não só de ordem econômica, mas também social e política no desenvolvimento do Estado. Dessas transformações buscamos através de fontes primárias esclarecer a dinâmica que o complexo ervateiro promoveu engendrado pelos detentores do capital na região, no período de 1880 a 1945. Estamos construindo séries históricas da produção, comercialização e transporte da erva-mate em Santa Catarina, destacando os motivos que levaram ao desmonte do complexo ervateiro após 1930, a partir da especialização regional pautada na erva-mate.O objetivo do projeto é estudar a formação das economias do planalto norte (Porto União, Canoinhas e Mafra) e norte catarinense (São Bento do Sul e Joinville) dentro da expansão do complexo ervateiro catarinense de 1880 a 1945.O método é o dialético na perspectiva da longa duração com base na heterodoxia econômica e na geografia crítica. As pesquisas de campo realizadas até o momento foram feitas nos seguintes arquivos e bibliotecas: Florianópolis: UFSC, Instituto Histórico Geográfico de Santa Catarina e Arquivo Público Estadual, Centro de Memória da Assembléia Legislativa do Estado de Santa Catarina. Esta pesquisa justifica-se pela necessidade de um estudo histórico-econômico sobre o complexo ervateiro para entendermos os atuais rumos que vêem tomando este importante segmento na economia catarinense à medida que vem também contribuir aos estudos sobre formações econômicas regionais em Santa Catarina. Estaremos concentrando nossas ações nas pesquisas que faremos nas cidades de Joinville e Curitiba. O financiamento para realização da pesquisa provém da Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) e do CNPq.

O desenvolvimento da percepção musical na educação especial

  • Maria Luiza Feres do Amaral, MSc, liza.amaral@hotmail.com
  • Edson Costa, G, eds.cta@terra.com.br
  • Ricardo Moura, G, cubamoura@yahoo.com.br
  • Mônica Zewe Uriarte, MSc, uriarte@univali.br

Universidade do Vale do Itajaí, UNIVALI, Itajaí, Brasil

Palavras-chave: Música, Educação Especial, Percepção

O presente trabalho foi realizado junto a OFEARTE – Oficina de Arte, espaço alternativo de aprendizagem destinado a alunos especiais, situado no município de Itajaí-SC. O objetivo principal do projeto foi à valorização da auto-estima de alunos com necessidades especiais, através de atividades de percepção sensorial, estreitando o seu conhecimento sobre música e possibilitando atividades integradoras e de execução musical. Esta proposta é parte integrante das intervenções realizadas por dois acadêmicos do Curso de Licenciatura em Música da UNIVALI – Universidade do Vale do Itajaí, na disciplina Estágio Supervisionado da Prática Pedagógica do quarto período. Participaram das aulas, em média, sete alunos com necessidades especiais diversas, como Síndrome de Down, deficiência auditiva, motora e mental. Os procedimentos metodológicos foram inspirados em trabalhos dos educadores musicais Orff e Wuyack, quanto aos princípios de atividade, criatividade, comunidade e totalidade, buscando desenvolver uma música elementar, formando uma unidade com a palavra e o movimento, visando à integração das expressões verbal, musical e corporal. O trabalho durante as aulas enfocou os ritmos da fala ampliados para os ritmos da música, sempre buscando o movimento espontâneo e natural. Estas atividades possibilitaram maiores reflexões sobre a utilização da música junto aos portadores de necessidades especiais, principalmente no que se refere ao desenvolvimento da atenção, memória, comunicação, habilidades motoras, amadurecimento emocional e socialização. Desta forma, foram abordadas concepções de desenvolvimento humano, conjugadas com teorias que fundamentam a prática da educação musical voltadas para o desenvolvimento das potencialidades musicais daqueles sujeitos. Durante as intervenções se pode observar que não houve nenhuma espécie de dificuldade significativa e como resposta, os alunos envolvidos trabalharam a música, movimento e linguagem de forma lúdica e dinâmica, realizando os exercícios propostos pelo professores/estagiários sempre de maneira espontânea e motivada.

O DIREITO PENAL COMO INSTRUMENTO DE PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE: A (IN)APLICABILIDADE DO PRINCÍPIO DA INSIGNIFICANCIA NOS CRIMES AMBIENTAIS.

  • Michele dos Santos Bortolotti, Graduando, proinpes@unerj.br
  • Gislene Aparecida Reis Ferraz, Graduando, gisleneferraz@unerj.br
  • Leonardo Papp, MSc, lpapp@unerj.br

Centro Universitário Católica de Santa Catarina, PUC, Jaraguá do Sul, Brasil

Palavras-chave: Crime Ambiental, Princípio da Insignificância, Constituição

Diante da atual realidade ambiental há uma urgente necessidade em difundir dentro do contexto jurídico, idéias reais sobre a punição aos agressores do Meio Ambiente, para se preservar a vida no planeta e o equilíbrio dos ecossistemas. Considerar-se-á as limitações do direito penal frente à degradação gritante do Meio Ambiente, obstante a (in)aplicabilidade do Princípio da Insignificância. A complacência no trato de questões ambientais constitui um incentivo aos infratores das normas ambientais a persistirem com suas condutas delituosas. Com a Constituição Federal de 1988, o Meio Ambiente ganhou um capítulo próprio, que garante um meio ambiente saudável como direito fundamental. Contudo, apenas o que a constituição prevê não é suficiente. O Direito brasileiro está longe de alcançar os objetivos que justificam a existência da esparsa legislação ambiental, especialmente na questão de compatibilizar o crescimento econômico com a proteção do Meio Ambiente. A essência dessa preocupação com o Meio Ambiente é o próprio ser humano. Antes do Meio Ambiente depender do homem para sua proteção, depende o homem do Meio Ambiente para sobreviver. A partir dessa premissa, ressalta-se a importância da tutela ambiental, que deve ser efetivada mediante o Direito Constitucional, Administrativo, e Civil. No entanto, muitas são as hipóteses em que as sanções administrativas ou civis não se mostram suficientes para a repressão das agressões contra o Meio Ambiente, o que torna essencial o Direito Penal, que só deve atuar quando os demais ramos do Direito se revelarem inoperantes. Importa saber qual a função a ser exercida pelo Direito Penal na proteção do Meio Ambiente, e se a aplicação do Princípio da Insignificância aos crimes ambientais é compatível com a função a ser desempenhada pelo Direito Penal no âmbito ambiental. Consiste o desenvolvimento da pesquisa em leitura e discussão de textos legais e doutrinários, especialmente em análise jurisprudencial, que foram introduzidos de forma disseminada. Há uma insegurança jurídica por ser o conceito de “insignificante” subjetivo e muito relativo, bem como pela dificuldade em se estabelecer critérios, qualitativo ou quantitativo, para avaliar o que tem ou não importância. Não basta a analise isolada da conduta do agressor, como medida para avaliar a extensão do dano produzido ao meio ambiente. Como considerar insignificante o crime contra o meio ambiente, uma vez que ele produz efeitos em longo prazo e que são, muitas vezes, irreversíveis. Demonstrar-se-á que a maior urgência não é declarar a existência de um direito, e sim, como torná-lo efetivo.

O ENSINO, A PESQUISA E A DISCIPLINA DE COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL

  • Flávio Joaquim Fronza, MSc, katiaf@unidavi.edu.br

Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, UNIDAVI, Rio do Sul, Brasil

Palavras-chave: Comunicação, Ensino, Empresa

Uma das maiores dificuldades das Universidades é a implementação da pesquisa. Apesar disso, algumas dessas instituições, enfrentado problemas de ordem financeira e falta de orientadores e incentivadores da pesquisa acadêmica, têm realizado um trabalho importante e significativo no campo da pesquisa na sala de aula. A Unidavi é uma das instituições que tem incentivado e realizado um excelente trabalho com a formação de grupos de pesquisadores. Esses grupos realizam estudos que visam a contribuição nas mais diversas áreas da sociedade. Além dos grupos de pesquisa e extensão, sabe-se o quanto é importante a pesquisa acadêmica nas disciplinas ministradas ao longo da graduação. Iniciar os acadêmicos a realizar micro-pesquisas, específicas das disciplinas do curso, é um incentivo à realização de projetos de pesquisa mais ousados, no futuro. Na disciplina de comunicação empresarial, ministrada pelo professor Flávio Joaquim Fronza, os acadêmicos são convidados à prática da pesquisa. Os acadêmicos realizam a pesquisa junto às empresas da região do Alto Vale do Itajaí, onde verificam de que forma a comunicação empresarial se processa nesses espaços e principalmente se a comunicação acontece de maneira efetiva. Duas turmas de Administração de Empresas, já participaram desse projeto. A primeira investigou como se processa a comunicação interna e externa através da correspondência técnica, ou seja, verificar que gêneros textuais circulam nas empresas pesquisadas e como a comunicação eletrônica acontece nesses espaços. Sabendo que a comunicação requer agilidade e objetividade, a maioria das empresas utiliza a correspondência eletrônica para a comunicação interna e externa. Saber como se processa essa forma de comunicação, quais as normas e cuidados as empresas observam ao enviar suas correspondências é importante para a pesquisa. E ainda, os acadêmicos têm a possibilidade de aprender mais sobre outros gêneros textuais escritos que são utilizados nas comunicações empresariais. A segunda turma realizou uma pesquisa que investigou se as empresas do Alto Vale do Itajaí e uma do Vale do Itajaí realizam trabalhos direcionados ao aperfeiçoamento da comunicação pessoal. A proposta da pesquisa era saber se essas empresas oferecem cursos internos ou externos para aperfeiçoar a comunicação de seus funcionários, tanto a comunicação interna, ou seja, entre os funcionários e externa, com os clientes e fornecedores. Através desse trabalho, os acadêmicos tiveram oportunidade de conhecer a estrutura e funcionamento de algumas empresas da região do Alto Vale do Itajaí, trazendo opiniões e sugestões dos empresários que incentivaram e demonstraram grande interesse no trabalho que proporcionou a ascensão dos acadêmicos à condição de acadêmicos pesquisadores.

O ESTUDO DO PERFIL E DA PERCEPÇÃO DOS JOVENS DAS MICROBACIAS CÓRREGO DO SOUZA E SALTO D’ÁGUA VERDE – CANOINHAS - SC

  • Maria Luiza Milani, Dr(a), mmalu@cni.unc.br
  • Bárbara M. Freitas de Souza, MSc, barbara@cni.unc.br
  • Denise Cardoso , MSc, denise@cni.unc.br
  • Marisa Aparecida Melloto Gallotti , MSc, gmarisa@cni.unc.br
  • Elton Alvarenga Júnior , E, elton@cni.unc.br

Universidade do Contestado, UNC, Caçador, Brasil

Palavras-chave: jovens, meio rural, indicadores

O Estudo do Perfil e da Percepção dos Jovens das Microbacias Córrego do Souza e Salto D’Água Verde – Canoinhas - SC é uma pesquisa resultante do convênio UnC/EPAGRI, pela proposta do Projeto Programa de Recuperação Ambiental e de Apoio ao Pequeno Produtor Rural (PRAPEM/Microbacias 2) - Termo de Referência Nº 16/2006. Entre os objetivos da pesquisa citam-se: elencar demandas que atingem jovens que vivem no meio rural das microbacias pesquisadas e, explicitar a percepção que esses jovens têm acerca da sua realidade social, seu modo de vida, expectativas e perspectivas de futuro. Desenvolveu-se metodologia participativa, com a realização de quatro oficinas, com média de 154 jovens das duas microbacias. Concluindo, os jovens da Microbacia Córrego do Souza estão na faixa etária dos 15 aos 17 anos, são solteiros e estão freqüentando o Ensino Médio. Os da Microbacia Salto D’Água Verde estão na faixa etária dos 13 aos 18 anos, são solteiros e estão terminando o Ensino Fundamental. Nas duas microbacias, durante a semana desenvolvem atividades combinadas de educação e auxílio nos afazeres da propriedade. Nos finais de semana, dedicam-se a atividades de lazer, esportivas e religiosas, encontro com amigos e namoro. Sua participação social está voltada aos grupos de jovens e de dança, times de futebol, associações de moradores e ADM. Os jovens desconhecem o tamanho das propriedades, apesar dos que conhecem terem apontado pequenas propriedades rurais, que variam de 01 a 10 alqueires em seu tamanho. São provenientes de famílias nucleares, compostas por 05 membros em média, com distribuição equânime entre os gêneros e renda mensal entre R$ 1.000,00 e R$ 2.000,00. Entre os membros das famílias predomina a faixa etária dos 41 aos 60 anos, com escolaridade situada no Ensino Fundamental Incompleto, tendo como ocupação preponderante “agricultor”. As decisões sobre questões familiares produtivas, financeiras, de educação e lazer são tomadas pelos pais. Pode-se perceber que os pesquisados são influenciados pelas ferramentas da tecnologia a exemplo da telefonia celular. Estar em contato imediato com o próximo, já se tornou uma necessidade deles, não pelos mesmos motivos que os jovens do meio urbano podem justificar, mas por entenderem que eles têm direito ao usufruto desse bem. Mas a rotina da produção agropecuária já os fez pensarem que o atual quadro das políticas públicas não favorece o modo de produção do meio rural. Percebe-se que os jovens pesquisados de ambos os sexos têm anseios, perspectivas, expectativas e desejos, inerentes a fase do desenvolvimento em que se encontram. É possível destacar que a vida urbana é referencial para quem vivem no meio rural planeje o seu futuro.

O HISTÓRICO DA CANELA SASSAFRÀS - Ocotea odorífera REMANESCENTES NOS MUNICÍPIOS DE LAURENTINO E RIO DO SUL, REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ

  • Robson Carlos Avi, Graduando, robsoncavi_@hotmail.com
  • Hannelore Nering, Dr(a), nehring@terra.com.br
  • Diego Pasqualini, E, diego.solos@gmail.com
  • Rolf Klug, E, rolfklug@gmail.com
  • Eder Favretto, Graduando, ederfavretto@yahoo.com.br
  • Sergio Campestrini, Graduando, campestrini77@ibest.com.br

Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, UNIDAVI, Rio do Sul, Brasil

Palavras-chave: Sassafrás, Registro, Remanescentes

A Mata Atlântica foi de grande importância tanto para a economia brasileira quanto para a economia catarinense. A indústria madeireira movimentou a economia do Alto Vale do Itajaí, a partir do momento em que os imigrantes aqui chegaram. Neste contexto de desenvolvimento econômico, não podemos nos esquivar de citar uma planta quase esquecida nos dias de hoje, a Ocotea odorífera, ou popularmente conhecida como canela sassafrás, encontrando-se hoje quase em extinção. A exploração desta espécie emerge em meio declínio do comércio de madeira propriamente dito com uma finalidade diferenciada. O pouco que restou de sua história mostra o quanto foi utilizada pelas dezenas de destilarias para obtenção de óleo de sassafrás. Todo este processo extrativista da flora gerou um grave problema para o ecossistema da Mata Atlântica, qual seja a devastação da floresta com maior diversificação de fauna e flora do mundo. Acredita-se que na região existam poucas remanescentes da espécie com potencial produtivo que garanta a perpetuação da mesma e das possíveis espécies de fauna que com esta co-evoluíram. Então, como monitorar estas matrizes restantes e propagá-las garantindo a variabilidade genética? Segundo o IBAMA, a canela sassafrás consta de sua lista de espécies em eminente risco de extinção. Pensando nesse aspecto, propomos um projeto que viabilize busca e localização com registro fotográfico e geográfico de remanescentes de Ocotea odorifera nos municípios de Laurentino e Rio do Sul, região do Alto Vale do Itajaí, proporcionando posterior coleta de sementes e produção de mudas com variabilidade genética. A canela sassafrás foi intensamente explorada em nossa região desde a década de quarenta, gerando muitas riquezas através do uso de sua madeira para fabricar móveis, para construções, mas principalmente para a indústria da extração do óleo essencial (safrol), ou óleo de sassafrás, que foi a mercadoria muito comercializada e exportada. É inegável que a exploração (descontrolada) da espécie em questão gerou riqueza e contribuiu para o desenvolvimento econômico da região. Em contrapartida essa exploração resultou na degradação dessa espécie, ou seja, um declínio populacional que quase resultou em sua extinção. A canela sassafrás por ser uma planta monóica, isto que dizer que possui flores monóclinas, pode se auto fecundar. Nos dias atuais existem poucos exemplares da espécie, com isso a troca de gametas com outras árvores da mesma espécie fica prejudicada, pois a distancia entre uma planta e outra às vezes varia de centenas de metros a quilômetros, dificultando a ação dos agentes polinizadores e minimizando a variabilidade genética, fato que leva a uma endogamia. Desta forma a espécie fica mais vulnerável a ataques de pragas naturais e outros fatores, como climáticos e edáficos.

O impacto do terrorismo no direito internacional: uma análise dos efeitos jurídico-econômicos nos portos catarinenses a partir do ISPS Code

  • Tarcísio Vilton Meneghetti, Graduando, tmeneghetti@univali.br
  • Joana Stelzer, Dr(a), joana@univali.br

Universidade do Vale do Itajaí, UNIVALI, Itajaí, Brasil

Palavras-chave: 11 de Setembro, Terrorismo, ISPS Code

Os fatídicos acontecimentos de 11 de Setembro de 2001 abalaram o mundo como poucas vezes havia sido sentido na história da humanidade. A certeza que todos continham da impenetrabilidade norte-americana foi sacudida pelo estrondo dos ataques terroristas ao World Trade Center (WCT). O presente trabalho motiva-se no intuito de analisar como esse acontecimento e seus efeitos podem ter repercutido na economia catarinense, através da implementação do International Ship and Port Facility Security (ISPS Code), legislação recentemente aprovada que visa adotar medidas de segurança aos portos internacionais, de forma que as navegações marítimas não possam ser restringidas da discussão. O presente trabalho move-se no intuito de analisar as medidas de segurança tomadas em acordos internacionais no tocante aos portos e transportes marítimos, e até que ponto essas modificações legislativas podem afetar o andamento dos próprios países. Consiste num trabalho que parte do 11 de Setembro, para então analisar suas causas, sua história, para, somente em seguida, relacionar este evento ao ISPS Code, e como os efeitos provocados podem ter influenciado nosso estado. O método utilizado na pesquisa foi o indutivo e quanto aos fins, tratou-se de análise exploratória e explicativa.

O uso de Modelos de Processos de Negócio como estrutura de integração para os cursos de engenharia e informática da Unisul

  • Ricardo Villarroel Dávals, G, ricardo.davalos@unisul.br
  • Ivete Rossato , G, ivete.rossato@unisul.br

Universidade do Sul de Santa Catarina, UNISUL, Tubarão, Brasil

Palavras-chave: Modelagem de Processos de Negócio, Sistemas ERP, Pequenas Empresas

em geral. Cada membro da equipe tem respeitado a área de atuação do colega e também se tem mostrado muito interessado em trocar experiências, assim como também em cooperar para que as discussões relativas aos pontos de vista levem para uma modelagem mais completa e orientada para a aplicação proposta. A modelagem realizada pelos alunos, por um lado têm beneficiado as empresas com a documentação “on line” e a partir destes analisam melhorias nos seus principais processos e efetuam estudos de implantação de softwares. Por outro lado, os alunos têm adquirido conhecimento e experiência da concepção de uma imagem integrada da empresa definida pelas ligações entre a cadeia de suprimentos e o gerenciamento econômico/financeiro, entre os processos de fabricação e comercialização, assim como os procedimentos para a implantação ou desenvolvimento de Sistemas Integrados de Gestão (ERP). O objetivo principal deste trabalho é apresentar algumas experiências relativas a orientação de três equipes constituídas por alunos dos cursos comentados anteriormente. Além disso, para verificar a motivação alcançada por estes alunos são comentadas as modelagens e análises realizadas, sendo que a principal contribuição destes trabalhos resultou em reunir informações necessárias para apoiar o projeto de pesquisa.

Apoio / Parcerias: Apoio financeiro: FAPESC; CNPq e UNISUL (Bolsas do Programa Unisul Iniciação Científica – PUIC 2006)

OCORRÊNCIA, CARACTERIZAÇÃO BIOQUÍMICA E PERFIL DE RESISTÊNCIA A ANTIMICROBIANOS DE SOROTIPOS DE Salmonella ISOLADOS DE ABATEDOUROS DE SUÍNOS E AVES EM VIDEIRA-SC

  • Kétlin Schneider, Graduando, Ketlin_sch@yahoo.com.br
  • Jane Mary Lafayette Neves Gelinski , Dr(a), jane@unoescvda.edu.br
  • Carolina Borges de Oliveira, Graduando, Carolinaborges01@yahoo.com.br

Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC, Joaçaba, Brasil

Palavras-chave: Salmonella, Sorotipo, Abatedouro

Introdução: as bactérias entéricas classificadas como Salmonella, família Enterobacteriaceae têm sido isoladas em todos os setores de abatedouro de suínos e aves incluindo ambiente, manipuladores, carcaças e equipamentos. Este patógeno constitui-se em um dos principais microrganismos associados a enfermidades causadas por alimentos contaminados durante o processamento da matéria prima ou por más condições de higienização do ambiente relacionado. Objetivo: realizar a caracterização bioquímica e sorológica de cepas de Salmonella isoladas de diferentes pontos em dois frigoríficos (suínos e aves) do município de Videira-SC. Relevância acadêmico-científica e social: com distribuição mundial e ocorrência de sorotipos regionais, as salmonelas são reconhecidamente causadoras de zoonoses. A determinação do perfil dos sorotipos prevalentes numa determinada região é um instrumento importante na elaboração de um programa de controle e segurança alimentar eficaz. Programas desse tipo, com base na sorotipagem e fagotipagem das cepas de Salmonella, visam auxiliar no controle da disseminação deste agente responsável por doenças no homem e nos animais. Metodologia: foram realizadas coletas por arrasto de swabs do ambiente de abatedouros de suínos (dezesseis amostragens) e de aves (duas amostragens) de diversos setores da área suja de cada abatedouro (mesa, bancas, utensílios) bem como utensílios utilizados pelos manipuladores. Pesquisa de Salmonella – segundo o BAM´S/APHA (2001); Identificação bioquímico-sorológica dos isolados suspeitos - colônias típicas em meios seletivos foram analisadas quanto às características bioquímicas (utilização de açúcares, produção de metabólitos) tanto por análise em meios de cultura quanto por análise através do kit de identificação bioquímica API 20E (bioMérieux). Sorologia- pesquisa de antígenos somáticos e flagelares (kit Probac do Brasil); Análise perfil resistência a antimicrobianos- uma bateria de antibióticos foram testados para verificar padrão de resistências das cepas de Salmonella isoladas pelo método de Kirby-bauer (1966) seguindo-se instruções do CLSI (Anvisa, 2007). Resultados: Salmonella esteve presente em 25% das amostragens realizadas no abatedouro de suínos e 50% no de aves. Um sorotipo predomina nos dois ambientes, Salmonela enterica subsp. arizonae; um isolado do ambiente de suínos não pode ser identificado. Resistência a antimicrobianos: As cepas isoladas de abatedouros de aves (2) apresentaram resistência a um menor número de antibióticos (max.4 dos 22 discos testados) que as isoladas do abatedouro de suínos. Conclusões: o patógeno Salmonella está nos ambientes de abatedouros de suínos e aves aqui estudados. O sorotipo predominante é o mesmo nos dois ambientes, provavelmente em função da proximidade física dos mesmos. Medidas de higiene operacional padrão devem ser efetivamente empregadas para controlar/eliminar a disseminação do patógeno. Perspectivas para continuidade do Estudo: o grupo de pesquisa em Ciência dos Alimentos da Unoesc pretende realizar estudo mais abrangente incluindo outros frigoríficos e a matéria prima derivada de suínos e aves visando traçar um perfil dos sorotipos predominantes na região e contribuir na elaboração de medidas preventivas e corretivas para controle do patógeno Salmonella.

OFICINA DE TEXTOS LER E ESCREVER PARA APRENDER

  • Gilberto Antonio Tariga, Graduando, betotariga@unochapeco.edu.br
  • Mary Neiva Surdi da Luz, MSc, neivadaluz@unochapeco.edu.br

Universidade Comunitária Regional de Chapecó, UNOCHAPECÓ, Chapecó, Brasil

Palavras-chave: leitura, produção escrita, crianças e adolescentes

Coordenadora

Acadêmico

Dentre os diversos sujeitos e espaços sociais possíveis de atuação e intervenção, este projeto escolheu crianças e jovens atendidos pelo projeto "Em busca de um amanhã mais feliz", da cidade de Planalto- RS, advindos de condições sócio-econômicas adversas que enfrentam dificuldades com violência, prostituição, envolvimento com drogas e também baixo nível de escolaridade. A Oficina de Texto: ler e escrever para aprender, proposta através deste projeto de extensão financiado com recursos do FAPEX da UNOCHAPECÓ tem como objeto de trabalho a articulação das unidades básicas do ensino de língua portuguesa: leitura, oralidade, produção de textos e análise lingüística, partindo do pressuposto que o domínio efetivo das práticas de linguagem é uma das ferramentas no exercício da cidadania. Tem como objetivo proporcionar às crianças e aos adolescentes atendidos pelo programa oficinas de leitura e produção de textos, instrumentalizando-os no uso de diferentes gêneros textuais e criando espaços de expressão oral, escrita e reflexão lingüística de modo garantir um progressivo domínio da língua, entendida como ferramenta de construção de saberes e exercício da cidadania. Para a realização dos encontros semanais, coordenador e bolsista trabalham com blocos temáticos de discussão, garantindo-se a flexibilidade do temas em função das necessidades que emergirem no grupo. Em um primeiro momento foi necessário traçar um perfil dos participantes, de modo a se diagnosticar quais eram as expectativas do grupo e suas potencialidades e dificuldades em relação às práticas de linguagem. Traçado esse diagnóstico, a metodologia enfatiza o trabalho de oficinas de linguagens. Dessa forma, as atividades desevolvidas relacionam constantemente prática/teoria/prática de modo que os envolvidos possam compartilhar suas experiências, enriquecendo-as com a troca dialógica. São desenvolvidas atividades de prática oral com o objetivo de estimular o falar em público, a expressão de idéias e experiências, por meio de debates, júris, jogral, sarau, contação de histórias etc. Em relação à leitura, são enfatizadas atividades que articulam a leitura de diferentes gêneros sobre um mesmo tema, com o objetivo de se abrir espaços aos diferentes gêneros de circulação: contos, crônicas, poemas, notícias, histórias em quadrinhos, textos publicitários, letras de músicas, filmes, desenhos animados, bulas, receitas, fotografias, imagens, obras de arte, textos científicos, classificados. Do mesmo modo, em relação à produção escrita dá-se ênfase ao exercício da escrita como manifestação criativa e crítica com o objetivo de se compreender e exercitar os usos sociais da escrita em nossa sociedade. O momento de refletir sobre os recursos lingüísticos são realizados durantes as atividades de prática de análise lingüística, com o objetivo de chamar atenção para o uso de recursos expressivos à disposição dos usuários da língua. Para dar visibilidade às produções são realizadas atividades de socialização como saraus, contação de histórias e apresentações ao público envolvido no programa (pais e comunidade em geral). Também são organizadas formas de divulgação e circulação das produções realizadas, como organização de livros artesanais e publicação de textos e matérias em jornais de circulação regional.

betotariga@hotmail.com
: Gilberto Antônio Tariga, Curso de Letras, neivadaluz@unochapeco.edu.br
: Mary Neiva Surdi da Luz, Curso de Letras,

OFICINA PARA OS COMPONENTES CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL

  • Janes Terezinha Cerezer Köhnlein, MSc, janesk@unoescsmo.edu.br

Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC, Joaçaba, Brasil

Palavras-chave: Ensino, Aprendizagem, Atividades

A Unoesc – Campus de São Miguel do Oeste, ofereceu, em parceria com a Secretaria Municipal de Educação do município de Pinhalzinho o curso de extensão Oficina para os componentes curriculares do ensino fundamental, considerando que na atualidade o processo educativo caracteriza-se como um momento de incertezas quanto as práticas pedagógicas que devam ser efetivadas no ensino. A abertura para novas propostas pedagógicas e organização das escolas cresceu na última década, assumindo papel mais intensivo nas políticas educacionais. Somos assediados por diferentes propostas de ensino, algumas mais comprometidas com a educação emancipatória, outras talvez com referenciais que comprometem o processo de ensinar e aprender. Os desafios da sociedade atual fazem com que a escola repense seus encaminhamentos teórico práticos, pensando o espaço da sala de aula como um espaço de reflexões e ações do educador e do educando. A Aprendizagem de forma significativa é o grande desafio da escola na atualidade, pois buscamos constantemente que a escola seja um espaço de construção do saber, por meio da investigação e da produção teórica prática dos elementos propostos em seus planejamentos. O chamado para organizar oficinas para os componentes curriculares do ensino fundamental permite que a universidade intensifique o desenvolvimento da educação para todos, reconhecendo no educando as necessidades de viver em sociedade, sem perder a sensibilidade pela vida, considerando os valores e gestos de solidariedade e aceitação das diferenças que povoam o planeta. Para que estas ações se concretizem, propomos uso de materiais alternativos vivenciados pelos professores na proposta desenvolvida. Permitindo que o educador perceba que há diferentes possibilidades de ensinar e aprender, por meio da sensibilização. O Curso de Extensão oferecido pela Unoesc – Campus de São Miguel do Oeste: Oficinas dos componentes curriculares do ensino fundamental, desenvolveu atividades que contribuiram para a capacitação docente, para que partilhem da mesma concepção transformadora e construtora de conhecimento difundida por esta Instituição. Assim, nos integramos aos educadores a fim de mediar o conhecimento produzido , através de suas práticas pedagógicas, e buscar a construção de uma unidade de educação que possa promover a transformação social buscando o desenvolvimento local/regional. O objetivo principal deste projeto era subsidiar os educadores, propondo encaminhamentos metodológicos por meio de oficinas, propondo ações pedagógicas para o trabalho na escola. Este projeto foi desenvolvido por meio de oficinas, utilizando recursos didático pedagógicos na elaboração da proposta de capacitação. Todo o trabalho foi desenvolvido com a participação de professores das diferentes áreas do conhecimento. Os encontros aconteceram de forma intensiva, na produção e organização de materiais.

Apoio / Parcerias: - Unoesc, - Secretaria Municipal de Educação de Pinhalzinho.

ORGANIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MUNICÍPIO: UM DESAFIO DA EDUCAÇÃO PERMANENTE

  • Fernando Luiz Pagliosa, MSc, pagliosa@uniplac.net
  • Aliete Perin Araújo, MSc, alietepe@uniplac.net
  • Geraldo Augusto Locks, MSc, geraldo@uniplac.net
  • Marina Patrício de Arruda, Dr(a), marininh@uniplac.net

Universidade do Planalto Catarinense, UNIPLAC, Lages, Brasil

Palavras-chave: Educação permanente, desenvolvimento profissional, profissionais da saúde

Este projeto foi construído a partir de entendimentos prévios entre a Prefeitura do Município de São Cristóvão do Sul e o Grupo de Educação Permanente do curso de Medicina da Uniplac no segundo semestre de 2006, tendo iniciado as atividades em Abril de 2007. O projeto propõe-se a organizar os serviços de saúde do município de São Cristóvão do Sul, um pequeno município da região Meio-Oeste do Estado de Santa Catarina, utilizando como estratégia a Educação Permanente em Saúde (EPS). Adotou-se a Educação Permanente como estratégia metodológica central para a (re)organização dos serviços de saúde deste município. Parte-se do entendimento de que organizar os serviços de saúde implica em adotar uma perspectiva qualitativa de renovação e transformação das práticas profissionais e de gestão e que a formação e o desenvolvimento das pessoas devem considerar os aspectos individuais, os valores e as idéias de cada um. A inclusão da sociedade neste processo constitui-se num instrumento de desenvolvimento da cidadania, capaz de favorecer a construção de um ambiente efetivo de mudança. O objetivo do projeto é assegurar aos profissionais da Saúde de São Cristóvão do Sul o discernimento para um trabalho pautado nas políticas do SUS e na Estratégia de Saúde da Família, promovendo o seu desenvolvimento profissional e pessoal, e garantir a participação da comunidade no diagnóstico da situação da saúde e no planejamento, acompanhamento e avaliação das ações de saúde do município, melhorando permanentemente a qualidade dos serviços prestados. Os profissionais da saúde do município foram divididos em quatro grupos multiprofissionais de aproximadamente 10 pessoas, que se reúnem uma vez por semana. Participam do projeto 40 pessoas, no total. Cada grupo conta com a presença de um mediador de Educação Permanente, acompanhado de um estudante dos cursos da saúde da UNIPLAC. Cabe ao mediador facilitar os debates, estimular a todos para que falem livremente e, ao final da reunião fazer um apanhado geral, buscando uma síntese provisória das discussões e pontuar, com a colaboração dos participantes, os pontos considerados mais relevantes. Pode surgir a necessidade de busca e aprofundamento de conhecimentos pelo grupo, indicando a realização de estudos adicionais, individuais ou em grupo, de oficinas, seminários, palestras e/ou outras atividades que possam permitir o enfrentamento dos problemas apontados. Cada mediador, com a colaboração do estudante bolsista, elabora um relatório da reunião do seu grupo. Semanalmente o grupo discute, a partir dos relatórios, o processo de EP, as dificuldades surgidas, os problemas e as soluções encontradas, procurando outras abordagens e soluções possíveis. Espera-se com esse trabalho poder estimular a busca de soluções dos problemas enfrentados no cotidiano dos profissionais da saúde do município para que estes possam, de forma criativa e democrática, e de forma permanente, desenvolver a capacidade de trabalhar em equipe. Por constituir-se em um processo, a Educação Permanente necessita ser acompanhada durante um longo período de tempo para que possa ser incorporada ao cotidiano dos trabalhadores da saúde do município, justificando-se a continuidade do projeto. Os custos são divididos entre o município e a Uniplac.

OS CAMINHOS DA “CURA”: Uma Etnografia dos Itinerários Terapêuticos e dos Sentidos Atribuídos a Saúde na Cidade de Rio do Sul/SC

  • Juliara Borges Segata, Graduando, juliara_borges87@hotmail.com
  • Jean Segata, MSc, jeansegata@gmail.com

Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, UNIDAVI, Rio do Sul, Brasil

Palavras-chave: Itinerários terapêuticos, Práticas alternativas de cura, Saúde

Práticas e itinerários terapêuticos constituídos por saberes tradicionais, espirituais, religiosos e de outras ordens, sendo elas diversas aos saberes biomédicos são bastante corriqueiros e até mesmo naturalizados no cotidiano de regiões não-metropolitanas, como é o caso do Alto Vale do Itajaí. Compreende-se aqui que essas outras práticas podem englobar desde as ditas garrafadas, os chás, os benzimentos, os descarregos, as orações e outras práticas religiosas, até o emergente uso de terapias de florais, pedras quentes, religiões Nova Era, ou ainda a procura por literatura de auto-ajuda. Ainda neste mesmo caminho, a procura por práticas médicas holísticas, especialmente advindas da medicina Oriental, como a acupuntura, e as massagens e terapias com óleos indo-chinesas, que mesmo reivindicadas e/ou reconhecidas no Conselho Federal de Medicina, ainda não desfrutam de boa aceitação por boa parte da comunidade biomédica, mais ortodoxa. Já a Psicologia, mesmo que não exclusivamente compreendida como uma Ciência da Saúde, dados os seus diversos campos de pesquisa e atuação, dispõe e constitui saberes e ferramentas de atuação profissional no campo da saúde; reconhecida no Brasil como ciência e profissão desde a década de 1970, o seu espaço de trabalho nos campos de atuação que antes eram de exclusividade médica é cada vez mais reconhecido e legitimado, tanto nas esferas públicas, como hospitais, postos de saúde e serviços de atendimento psicossociais, como os CAPs, como em esferas privadas, como as clínicas psicoterápicas, dados, é claro, as especificidades da atuação em cada uma dessas esferas e campos. Assim, nesta pesquisa, analiticamente, a Psicologia e a biomedicina constituem o contra-ponto às demais práticas terapêuticas já mencionadas, com o intuito central responder por quais espaços e práticas terapêuticas esses sujeitos passam antes, ou depois de procurarem os serviços de saúde biomédicos, especialmente a Psicologia e quais sentidos que eles atribuem a todas essas práticas. Destarte, é interessante notar que, como hipótese para o trabalho, tomava-se os serviços biomédicos como respostas finais às procuras das pessoas e, o que se tem percebido até o andamento da pesquisa é que as representações de saúde e cura e mesmo o olhar que as pessoas têm acerca dos serviços biomédicos são muito mais complexos e diversos do que se supunha: em grande parte do que se tem encontrado nos discursos das pessoas que até então fizeram parte da pesquisa é que os serviços biomédicos são apenas mais um entre muitos, os quais de difícil acesso, seja tratado em termos financeiros, seja tratado em termos de qualidade de atendimento. Esta última apontada como uma das principais motivações a não se procurar serviços biomédicos, que tendem, conforme o discurso dos pesquisados, a ser frio e pouco humano.

Os projetos integradores como desafio à interdisciplinaridade em cursos de graduação da Unisul

  • Maria da Glória Silva e Silva, G, gloria.silva@unisul.br
  • Dilsa Mondardo, G, dilsa.mondardo@unisul.br
  • Kristiane Rico Sanchez, G, kristiane.sanchez@unisul.br
  • Mauricio Romeu Antunes, G, mauricio.antunes@unisul.br
  • Rogério Santos Costa, G, rogerio.costa@unisul.br
  • Karla Grillo, G, karla.grillo@unisul.br

Universidade do Sul de Santa Catarina, UNISUL, Tubarão, Brasil

Palavras-chave: projetos , integração, disciplinas

Tomando como princípio a indissociabilidade das ações que a caracterizam como universidade, o ensino na UNISUL tem se pautado por premissas apresentadas no Projeto Pedagógico Institucional: conhecimento científico como trabalho coletivo para intervenção social; diálogo entre diferentes saberes; articulação entre teoria e prática; atividades interdisciplinares; e estímulo a ações empreendedoras. Tal contexto tem impulsionado cursos de graduação das áreas de conhecimento de Humanas e Sociais Aplicadas a buscar formas de gestão pedagógica consonantes com tais premissas. Para isso, vêm procurando integrar conhecimentos e práticas de ensino com pesquisa e extensão desenvolvidas em disciplinas de um mesmo semestre do curso (integração horizontal) ou de semestres diferentes (integração vertical), na forma de projetos integradores. O trabalho descreve a experiência inicial nesta atividade dos cursos de Administração, Ciências Contábeis, Direito e Relações Internacionais do Campus Regional Norte da UNISUL. A descrição se baseia no texto dos projetos pedagógicos dos cursos (PPCs) em implantação desde 2007 e em relatos produzidos para apresentação na forma de painel em atividade de formação continuada dos docentes dos cursos promovida pela Assistência Pedagógica em 2008. Os PPCs de 2007 formalizaram e fortaleceram práticas de integração de disciplinas existentes em cursos da universidade desde 2003. No curso de Administração, os Projetos Integradores devem ser desenvolvidos do 1º ao 5º semestre do curso, assim como no curso de Direito, que propõe as chamadas Práticas Jurídicas, na forma de “projetos integrados de ensino”. No curso de Relações Internacionais o Projeto Transdisciplinar é sucedido por estágios curriculares obrigatórios nos semestres finais do curso, que é compreendido, nestes PPCs, como atividade necessária e igualmente promotora da integração de saberes para investigação e intervenção na realidade. No curso de Ciências Contábeis, a integração de disciplinas de dá por meio do Processo Interdisciplinar, que é realizado em todos os semestres do curso, tendo sido o estágio obrigatório eliminado do currículo. Os projetos integradores são organizados em encontros de planejamento antes do início de cada semestre, quando os professores articuladores promovem a produção de um roteiro de trabalho pelos professores, que é discutido com os alunos desde as primeiras semanas de aula. Os trabalhos, realizados em grupos, constituem-se numa experiência desafiadora, que incentiva a interação entre professores e entre alunos e promove consciência da amplitude dos campos de atuação profissional, diferenciando a UNISUL de outras universidades.

OS SUJEITOS E AS VIOLÊNCIAS

  • Jean Segata, MSc, jeansegata@gmail.com

Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, UNIDAVI, Rio do Sul, Brasil

Palavras-chave: Sujeito, Violência doméstica, Alto Vale do Itajaí

Desde a aprovação da Lei 11.340, chamada de “Lei Maria da Penha”, as discussões em torno da chamada “violência doméstica” na cidade de Rio do Sul e no Alto Vale do Itajaí como um todo, tomaram dimensões que extrapolaram as Delegacias da Mulher e o Poder Judiciário, mobilizando setores da sociedade civil em palestras e encontros e a academia em discussões que tomam corpo especialmente nos cursos de Direito e Psicologia. Da mesma forma, tem-se visto programas em televisões e rádios locais cuja temática é tratada em tom de indignação e denúncia. Motivo principal de toda essa movimentação na região: o grande número de casos tipificados pela Lei Maria da Penha em menos de um ano desde sua entrada em vigor. Certamente que toda essa discussão tem a sua positividade, entretanto, não se pode esquecer das dimensões vivenciais desses sujeitos que agora são tipificados e mesmo, no limite, desrenponsabilizados/desagenciados frente a Lei. O discurso mobilizador de setores da sociedade e o discurso da Lei, via poderes policiais e jurídicos, não podem deixar de perceber quem são esses sujeitos que são atores dessas violências, onde e como vivem, que valores os cercam e por eles são construídos. Enfim, é na tentativa de humanizar mais esses discursos sobre as violências, conhecendo os contextos em que elas acontecem em nossa região, é que se encontra o andamento desta pesquisa. Não se pode transformar a violência doméstica, ou quaisquer de suas dimensões, em assunto puramente técnico e tipificador, precisamos conhecer essas relações para então podermos pensar em estratégias, quiçá, mais eficazes de tratarmos tal assunto. Trata-se aqui de um grupo de pesquisa, composto por professores e acadêmicos dos cursos de Direito e Psicologia da UNIDAVI, além da colaboração interinstitucional de um professor da UFSC. Neste grupo, através da análise de inquéritos, levantamento de dados numéricos na Delegacia da Mulher em Rio do Sul/SC e na Promotoria Pública da Comarca, além do grande montante de narrativas que se tem colhido junto aos sujeitos vítimas de violência, alguns mesmos enquanto ainda internados no hospital recuperando-se da “agressão”, tem se feito um interessante trabalho interdisciplinar que tem elucidado até então muitas das perguntas contidas na proposta da pesquisa, cujo foco maior é saber quem são os sujeitos que compõem as relações conflituosas e violentas na região do Alto Vale do Itajaí.

OTIMIZAÇÃO DOS PARÂMETROS DE CARBONITRETAÇÃO GASOSA DE FERRO FUNDIDO CINZENTO COQUILHADO

  • Gabrieli Borges Ugioni, Graduando, gabrieli_ugioni@hotmail.com
  • Cristina Peruchi Dário, Graduando, crisperuchi@hotmail.com
  • Elidio Angioletto, Dr(a), elidio@engeplus.com.br
  • Márcio Roberto Rocha, Dr(a), mdr@unesc.net
  • Marcio Antônio Fiori, Dr(a), mfi@unesc.net

Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, Criciúma, Brasil

Palavras-chave: Carbonitretação Gasosa, Ferro Fundido Cinzento, Coquilhamento

A fabricação de peças automotivas, como discos de freio, camisas, tuchos e comandos de válvulas, comumente utilizam-se de ferros fundidos cinzento como material base. Este uso é decorrente de algumas vantagens que os ferros fundidos apresentam, tais como: elevada capacidade de amortecimento de vibrações; boas características de deslizamento a seco devido à presença da grafita ; baixo custo de produção, e além disso produzem excelentes ligas com uma ampla variedade de resistência e dureza que, na maioria dos casos, são fáceis de serem usinadas. Em alguns casos, para aumentar a resistência ao desgaste, as peças sofrem coquilhamento, elementos de liga também podem ser adicionados para melhorar as propriedades de resistência ao desgaste, abrasão e corrosão. Além disso, quando maiores resistências mecânicas são necessárias, podem ser aplicados a estas peças tratamentos termoquímicos. Entre eles, pode-se destacar o de carbonitretação, alvo deste trabalho. Neste estudo foram avaliados os principais parâmetros da carbonitretação gasosa sobre ferros fundidos cinzentos coquilhados e suas influências sobre a resistência ao desgaste abrasivo dos corpos de prova. Para isto foi realizado um planejamento experimental fatorial completo, definindo-se como fatores de interesse o tempo (t), a temperatura de nitretação (T) e a concentração de metano na atmosfera de nitrogênio [M_N]. Os gases utilizados tiveram por finalidade aumentar o teor de carbono e nitrogênio na superfície das amostras tratadas, de modo a possibilitar a formação de carbonitretos. Como respostas foram avaliados os valores de espessura de camada, dureza e desgaste da superfície coquilhada e nitretada. A partir dos resultados pode-se obter um modelo matemático estatístico para a correlação dos fatores de interesse e respostas. Para o comportamento de desgaste abrasivo, chegou-se à seguinte expressão: Desgaste(%)=0,003533+0,002368.T.[M_N]. A espessura de camada não se mostrou estatisticamente significativa nas condições utilizadas no experimento. Observou-se por espectroscopia (espectrômetro espectrolablv01) por emissão óptica que o teor de carbono é dependente da temperatura de tratamento. Observou-se ainda que o fator tempo de tratamento teve pequena influencia sobre a variação do teor de carbono. Os valores de dureza variaram entre 320HV para amostras não nitretadas a 720HV para amostras nitretadas por 8 horas. Conforme esperado, a dureza resultante da interação entre profundidade e microestrutura da camada carbonitretada, tiveram uma relação exponencial de crescimento. Esse fenômeno está relacionado com o teor e comportamento de difusão do carbono, além do nitrogênio adicionado. Com o tratamento termoquímico, conseguiu-se, através da introdução de nitrogênio na superfície do ferro fundido cinzento, obter-se uma camada branca dura de nitreto de ferro Fe3N, de elevada resistência ao desgaste.

OTIMIZAÇÃO TOPOLÓGICA DE ESTRUTURAS TRIDIMENSIONAIS DE BARRAS E PÓRTICOS

  • Marcos Roberto Cardoso, Graduando, dem6mrc@joinville.udesc.br
  • Pablo Andrés Muñoz Rojas, Dr(a), pablo@joinville.udesc.br
  • Eduardo Lenz Cardoso, Dr(a), lenz@joinville.udesc.br

Universidade do Estado de Santa Catarina, UDESC, Florianópolis, Brasil

Palavras-chave: Otimização Topológica, Pórtico, Elementos Finitos

Uma das áreas mais complexas da engenharia mecânica é a relacionada a projetos estruturais. Essa é uma área que exige, conjuntamente, conhecimento aprimorado em mecânica dos sólidos e experiência prática, para poder projetar adequadamente estruturas que suportem o carregamento a elas imposto, sem que ocorram falhas no processo. O método dos elementos finitos, aplicado a projetos estruturais, é uma poderosa ferramenta que vem sendo agregada aos pré-requisitos de um bom projetista mecânico. Tendo em vista esse contexto, este projeto tem o objetivo de desenvolver um programa capaz de calcular e otimizar estruturas de barras e pórticos no espaço. Como etapa inicial, estudou-se a formulação de um elemento de pórtico, para posteriormente implementá-la em um programa de cálculo e otimização de barras (otimizax2), previamente desenvolvido no Laboratório de Mecânica Computacional do DEM. Como resultado dessa primeira etapa, foi desenvolvido um programa para cálculo de estruturas formadas por elementos de pórtico no espaço (pórtico_3D), o qual foi validado por comparação com o programa comercial ANSYS®. A última etapa consistiu em adaptar as rotinas desenvolvidas no programa pórtico_3D para implementá-las no programa otimizax2. Adicionalmente, foi necessário desenvolver e implementar novas rotinas de análise de sensibilidade, que mostraram considerável complexidade por envolver derivadas de produtos vetoriais, associados com a orientação dos cossenos diretores. Para tanto, fez-se uso de álgebra simbólica, exportando o resultado para um código FORTRAN. Para efetuar a otimização, acrescentou-se à estratégia de programação linear seqüencial (SLP), previamente existente no programa otimizax2, a possibilidade de utilizar o método das assintotas móveis (MMA), cuja implementação foi desenvolvida pelo professor Eduardo Lenz Cardoso. O resultado foi à obtenção de um programa (otimizax2-pórtico) capaz de calcular e otimizar estruturas de pórticos tridimensionais.

Apoio / Parcerias: Bolsa de IC - CNPq

PANORAMA DOS FATORES QUE INFLUENCIAM A AUTOMEDICAÇÃO EM COMUNIDADES DOS BAIRROS DO MUNICÍPIO DE LAGES

  • Marli Adelina de Souza, MSc, marlisouza@uniplac.net
  • Anelise Viapiana Masiero, Dr(a), anemasiero@uniplac.net
  • Eduardo de Souza Andrade, Graduando, e_sandrade@hotmail.com
  • Fernanda Cristina de Augustinho, Graduando, nandacris@uniplac.net
  • Jean Carlos Antunes dos Santos, Graduando, jeanalpestre@yahoo.com.br
  • Juliano Puccini Vieira, Graduando, julipuccini@yahoo.com.br
  • Mara Cristina Gomes Lode, Graduando, maracristina_08@hotmail.com
  • Maycon Tadei Flores, Graduando, maycon_flores@yahoo.com.br
  • Micheli Angelo Chigueira, Graduando, mishye_lon@hotmail.com
  • Rodrigo Cominsky, Graduando, cominsky@uniplac.net
  • Samuel Antonio Freitas, Graduando, saf@uniplac.net
  • Vanessa Bonfanti, Graduando, vaneb@uniplac.net
  • Vanessa Pillon Engroff , Graduando, vanessinha_pillon@yahoo.com.br

Universidade do Planalto Catarinense, UNIPLAC, Lages, Brasil

Palavras-chave: Automedicação, saúde pública, prescrição médica

O crescimento da automedicação no mundo tornou-se um problema de saúde pública, gerando sérios problemas para a população, tais como o mascaramento ou impedimento do diagnóstico correto de doenças graves, atraso no diagnóstico e terapêutica adequados, intoxicações, reações adversas, podendo levar o paciente à internação hospitalar ou à morte. No Brasil, existem poucas publicações sobre a prevalência e os fatores associados à automedicação. Em Santa Catarina, principalmente na Região Serrana, não existe publicações sobre este tema, assim permanecem desconhecidas informações relevantes sobre a ocorrência da automedicação, e ações para evitar esta prática, razão pela qual foi proposto este estudo. Aprovado como projeto de extensão de curta duração, editado em três módulos, onde participaram estudantes bolsistas do curso de medicina da UNIPLAC. Foi desenvolvido com o objetivo de determinar a prevalência da automedicação em bairros do Município de Lages, verificando se as comunidades estudadas apresentavam conhecimento das conseqüências desta prática, determinando os fatores socioeconômicos destas comunidades e fatores associados á automedicação. Para a realização deste estudo, foi utilizado como instrumento para a coleta de dados, um questionário fechado, aplicado por estudantes que participavam do cenário de aprendizagem prática de saúde da família (PSC), nos meses de outubro e novembro de 2007, em 10 bairros com uma população de 547 famílias. Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos (CEP) da UNIPLAC, onde entrevistados assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE). O teste utilizado para o cálculo das variáveis foi a estatística descritiva, observada através da distribuição de freqüências; utilizando o teste qui-quadrado para verificar diferenças de proporções, com intervalo de confiança de 95%, e nível de significância p ≤ 0,05. O perfil socioeconômico caracterizou-se por apresentar predominância do sexo feminino, com faixa etária entre os com mais de 60 anos e jovens entre 18 e 25 anos, casados, apresentavam ensino fundamental incompleto, onde 52% viviam com renda familiar de até 2 salários. Quanto ao acesso aos serviços de saúde, 69% não apresentavam plano de saúde privado. Dos entrevistados, 91% utilizaram algum tipo de medicamentos nos últimos 12 meses e raramente procuram atendimento médico. Já em relação à automedicação, 74% responderam que se automedicavam, valor a ser considerado pelos riscos inerentes ao tipo de medicamentos que os mesmos tomam, sem avaliação médica. A indicação de medicamentos por familiares foi o fator que mais estimulou automedicação, sendo adquiridos em farmácias comerciais sem a prescrição médica. Quanto à reutilização da receita, 76% já haviam reutilizado receitas antigas. Dos entrevistados, 74% apresentavam alguma doença, onde a depressão foi a mais relatada e 26% não apresentavam doenças. Em relação à associação de medicamentos, 48% utilizaram algum tipo de associação de medicamentos sem prescrição médica. Os presentes dados confirmam a importância do estudo da automedicação e apóiam a hipótese da ingênua e excessiva crença da sociedade atual no poder dos medicamentos. Tais resultados reforçam a necessidade de se informar a população sobre o uso adequado de medicamentos, além de medidas cabíveis que garantam a oferta de produtos necessários, eficazes, seguros.

PERFIL DE DEPENDENTES QUÍMICOS EM UMA COMUNIDADE TERAPÊUTICA: SUBSÍDIO PARA A INTERVENÇÃO NUTRICIONAL CONTEXTUALIZADA

  • Luana Baldissera, Graduando, luanab@unochapeco.edu.br
  • Carla Rosane Paz Arruda Teo, Dr(a), carlateo@unochapeco.edu.br

Universidade Comunitária Regional de Chapecó, UNOCHAPECÓ, Chapecó, Brasil

Palavras-chave: drogas, hábitos alimentares, alcoolismo

A

dependência química é um grave problema de saúde pública com conseqüências sociais amplas, afetando o consumo de alimentos e resultando em comprometimento nutricional pela baixa qualidade da dieta. O Curso de Nutrição desenvolve, desde o ano de 2006, atividades em uma comunidade terapêutica para homens dependentes químicos, em Chapecó, por meio do projeto Apoio Nutricional/Programa de Extensão Esporte e Emancipação, com apoio financeiro do Fundo de Apoio à Extensão da Unochapecó. Esta proposta de trabalho parte do pressuposto de que a intervenção nutricional é parte importante do tratamento e, para que seja efetiva, é fundamental conhecer o perfil dos sujeitos e da dependência. Devido à alta rotatividade, semanalmente são realizadas entrevistas com os novos internos, a fim de conhecê-los para promover a contextualização da intervenção. Este trabalho representa um recorte da etapa diagnóstica que subsidia as ações de extensão do projeto Apoio Nutricional, com o objetivo de traçar o perfil de dependentes químicos internados naquele momento na comunidade terapêutica e conhecer características de sua dependência que possam impactar em seu estado nutricional e na sua resposta à intervenção. Para a coleta dos dados foi aplicado um questionário semi-estruturado aos 20 internos em tratamento neste local no mês de junho de 2008. Observou-se que: a idade dos internos variou entre 23 e 66 anos, sendo prevalente a faixa de 41-50 anos (40,0%); o nível de escolaridade é baixo, sendo 20,0% dos internos analfabetos e 15,0% tendo completado o ensino fundamental; 45,0% dos internos relataram um tempo de adicção superior a 30 anos, enquanto 50,0% são adictos há mais de 10 anos; a idade do primeiro uso de drogas variou entre 10 e 22 anos, com prevalência para 14 anos (25,0%); a primeira droga consumida por 70,0% deles foi bebida alcoólica; a droga de uso principal atual é o álcool para 65,0% dos internos, tabaco para 15,0%, cocaína para 10,0% e crack para outros 10,0%; 70,0% dos internos relataram ter feito tratamentos anteriores; 90,0% dos entrevistados revelaram que a dependência alterou seu hábito alimentar e, destes, 70% reportaram como principal efeito a inapetência. Os dependentes químicos, neste recorte pontual, convergiram para o seguinte perfil: homens de meia idade, baixa escolaridade, adictos há pelo menos 10 anos, tendo iniciado o consumo de drogas próximo da adolescência e apresentando tentativas de tratamento anteriores, referindo ainda redução de apetite relacionada à dependência. O álcool, além de ser a droga de uso predominante atual, foi a primeira utilizada pela maior parte dos entrevistados e, possivelmente, a que potencializou o consumo de outras. Estas características foram fundamentais para o planejamento de uma intervenção nutricional contextualizada, que consistiu basicamente de atividades lúdicas e artesanais para a abordagem do tema alimentação, associadas a momentos de estímulo à espiritualidade e à humanização como suporte para a construção de vínculos de afetividade que também pudessem contribuir para o sucesso do tratamento. Este trabalho ainda corrobora a importância da articulação entre atividades de pesquisa e extensão, numa relação de retroalimentação positiva que possibilita aos sujeitos envolvidos uma reflexão sobre estas práticas.

PERMANÊNCIA E SUCESSO NO ENSINO SUPERIOR DA UNIDAVI

  • Kátia Regina Koerich Fronza, MSc, katiaf@unidavi.edu.br

Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, UNIDAVI, Rio do Sul, Brasil

Palavras-chave: Permanência, Sucesso, Ações

Um grande número de jovens tem procurado, cada vez mais cedo, o ensino superior. Entretanto, também cresce o número de ingressantes que, nos primeiros semestres ou durante o percurso, acabam por desistir, mostrando-se pouco motivados. Pesquisas mostram que são vários os motivos que levam à diminuição do índice de permanência: deficiências do ensino fundamental, escolha precoce do curso e questão econômica. Os estudantes priorizam, no ensino superior, relacionamento e infra-estrutura. Desta forma, é importante oferecer um ótimo atendimento para assegurar a fidelidade na rematrícula; criar linguagens para cada público e negociar o pagamento. Diferentemente de outra prestação de serviço ou produto, um curso de graduação leva, em média, de 4 a 5 anos para ser concluído, o que torna ainda maior a responsabilidade das instituições em atender as expectativas do acadêmico. Ainda conforme pesquisas, o prazo médio de 4 anos para conclusão do curso superior é, em muito, ultrapassado, destacando como principal motivo a decepção com o ensino superior, há uma grande expectativa e a mesma não é satisfeita num determinado período de convivência. Pesquisas ainda apontam que a primeira causa de desistência é o despreparo e a falta de base do ensino médio, do aluno ingressante. A precocidade na escolha e as dúvidas quanto ao curso também têm uma parcela significativa de contribuição para a evasão e, ao contrário do que se pode imaginar, a questão financeira é apenas a terceira causa. A UNIDAVI também sente o crescente número de alunos que desistem do ensino superior. Preocupada com os índices, a PROEN designou uma comissão que iniciou, em março/2008, um estudo com o objetivo principal de consolidar a permanência, com sucesso, do acadêmico na UNIDAVI, até a conclusão do curso. A partir destes estudos propõe alternativas de ações e/ou estratégias que ampliem os índices de permanência e sucesso, através da implantação de ações permanentes e continuadas que motivem o acadêmico à conclusão do curso. Algumas propostas se destacam: re-orientação ao jovem em processo de escolha da profissão e conhecimento prévio sobre as carreiras; projetos pedagógicos com currículos flexíveis; formação, reuniões e debates, reduzindo o peso da sala de aula; crédito educativo (próprio). Também estratégias como: acolhimento contínuo do ingressante; orientação, esclarecimento e instrumentalização para o mercado de trabalho; palestras específicas por área, ao longo do curso; contato permanente entre o ingressante, principalmente das duas primeiras fases, com coordenador do curso, através dos líderes e conversas individualizadas; intensificação dos encaminhamentos para o mercado de trabalho; instrumentalização dos acadêmicos para utilização das TICs; desenvolvimento de projetos de extensão permanentes (nivelamento e reforço de áreas básicas – matemática - comunicação e linguagens – hábitos de estudo); fortalecimento das monitorias; orientação profissional nas escolas; re-orientação profissional na universidade; criação de uma “Ouvidoria”; formação dos professores que trabalham nas fases iniciais; integração com a política do egresso; sorteios, com brindes relacionados ao curso, com apoio de colaboradores; podem colaborar. Espera-se, a partir do estudo e, posteriormente com a implantação das propostas, ampliar a permanência e o número de acadêmicos com sucesso no ensino superior da UNIDAVI.

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SITUACIONAL NO INTERNATO EM ATENÇÃO BÁSICA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

  • Kellin Danielski, G, kellin.danielski@terra.com.br

Universidade Regional de Blumenau, FURB, Blumenau, Brasil

Palavras-chave: Planejamento estratégico situacional., Saúde coletiva., Enfermagem.

O Internato em Atencão Básica Primária e Secundária se constitui no módulo da oitava fase do curso de graduação em Enfermagem da Universidade Regional de Blumenau – FURB. Seu currículo está organizado modularmente com eixos norteadores e projetos interdisciplinares em cada fase que auxiliam na integração da teoria com a prática profissional. Na oitava fase do ano de 2008/1, os alunos realizaram o estágio em Unidades Básicas de Saúde com Estratégia de Saúde da Família sob a supervisão de docentes da Universidade nos municípios de Blumenau e Timbó. Na primeira semana letiva foram realizadas oficinas introdutórias com temas relacionados à Saúde Coletiva como: Planejamento Estratégico, Territorialização, Sistemas de Informações em Saúde, Visita Domiciliar, Consulta de Enfermagem e Educação em Saúde. O projeto de atuação consistiu na territorialização para a realização do diagnóstico comunitário e posteriormente o Planejamento Estratégico Situacional - PES. O presente relato descreve essa experiência do módulo. Ao realizarem o reconhecimento da área de abrangência no primeiro mês de estágio os alunos se apropriaram dos objetos espaciais e passaram a ter conhecimento deles, de forma que conseguiram analisar a situação de saúde e definir o diagnóstico comunitário da população adscrita. Fizeram um levantamento dos problemas ou necessidades de saúde e realizaram diversas atividades, que estavam descritas em um guia do interno, que serviu como instrumento norteador para suas ações. Ao constatarem os problemas de saúde priorizaram três para pensarem estrategicamente e desenvolveram habilidades de senso crítico que os auxiliaram na tomada de decisões pelas ações que foram negociadas com a equipe e comunidade para constituir no planejamento estratégico de cada dupla ou trios de alunos. Foram programadas atividades práticas focadas no cuidado de enfermagem a todo o ciclo vital, na sistematização da assistência de enfermagem – SAE, na educação em serviço, na gestão do serviço de enfermagem e saúde, no conhecimento dos serviços de referência da Atenção secundária, na participação de ações coletivas na Unidade de Saúde e comunidade e participação nos Conselhos locais, regionais e municipais, que foram registradas em Diário de Campo. Os alunos implementaram as ações planejadas, reavaliaram suas estratégias e perceberam a dinâmica e a flexibilidade do PES. O módulo se propõe no fortalecimento das ações na Atenção Básica e na Promoção à Saúde com a realização do Projeto de Atuação e do PES. Em todos os momentos os alunos foram orientados a problematizar a realidade e articular junto à equipe de saúde as ações para a resolução dos problemas levantados. Ao final produziram um pôster com os resultados.

Planejamento, desenvolvimento e avaliação de uma disciplina do núcleo

  • Graziela Fátima Giacomazzo, MSc, gfg@unesc.net
  • Almerinda B. B. Batti Dias, MSc, bbd@unesc.net
  • Elisa Netto Zanette, MSc, enz@unesc.net
  • Cleusa Ribeiro dos Santos, MSc, csa@unesc.net
  • Patricia J. Fiuza, MSc, pjf@unesc.net

Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, Criciúma, Brasil

Palavras-chave: Educação a distância, Graduação, Organização didático-pedagógica

Busca-se, neste artigo, relatar o desenvolvimento e avaliação da disciplina de PIT (Produção e Interpretação Textual) integrante do projeto denominado “Disciplinas do Núcleo Comum dos cursos de graduação na modalidade de Educação a Distância” da Universidade do Extremo Sul Catarinense - Unesc. O projeto contempla disciplinas institucionais equivalentes às primeiras fases dos cursos de graduação. Integra-se a parceria interinstitucional das Universidades do Sistema ACAFE (Associação Catarinense de Fundações Educacionais) na implementação da Educação a Distância. Constituiu-se na integração entre três ou mais Universidades, num trabalho cooperativo e colaborativo em rede. Contemplou: (a) planejamento da oferta de quatro disciplinas do núcleo comum dos cursos de graduação na modalidade de EaD; (b) o processo de planejamento, organização e produção do material didático; (c) acompanhamento e avaliação do desenvolvimento do projeto. Em 2007, os professores autores das diferentes Instituições de Ensino Superior (IES) organizaram-se no planejamento da disciplina e na produção do material didático no contexto colaborativo presencial e virtual. As disciplinas foram ofertadas em forma de projeto piloto, na modalidade de EaD. Durante o processo de pilotagem, o material didático foi avaliado e, ao final do semestre, atualizado pelo grupo de autores. Os resultados apresentados referem-se ao estudo preliminar da oferta da disciplina de PIT, ocorrida no 2º semestre de 2007. A pesquisa caracterizou-se pela abordagem quanti-qualitativa. Os dados quantitativos incluem questões sobre conteúdo da disciplina; avaliação da aprendizagem; didática docente; domínio do conteúdo; material didático; relação professor-aluno; metodologia; auto-avaliação; avaliação do ambiente virtual. Os dados qualitativos foram organizados e analisados nas seguintes categorias: Recursos Tecnológicos; Internet; Didática do Professor; Modalidade de Educação; Material Didático. Participaram da pesquisa na Unesc, 19 turmas de 15 cursos de graduação, 10 docentes e 475 acadêmicos regularmente matriculados na disciplina de PIT, de um total de 22 turmas e 730 acadêmicos. A disciplina tem 4 créditos equivalente a 72 h/a (hora/aula). Contemplou em sua carga horária, 20% de atividades a distância e 80% de atividades presenciais em 18 turmas. Na Unesc, uma disciplina é considerada semipresencial se contempla em sua carga horária um índice maior de atividades presenciais em relação às atividades a distância. Os recursos tecnológicos utilizados no projeto foram: AVA - Ambiente Virtual de Aprendizagem da Unesc; Laboratório de Informática; material didático digital e impresso desenvolvido por professores de PIT das IES do Sistema ACAFE em parceria com as equipes de desenvolvimento de conteúdo digital para a EaD dos SEADs das IES. O conteúdo do material didático foi organizado em quatro unidades a partir da ementa da disciplina. Este projeto possibilitou à comunidade acadêmica das Instituições do Sistema ACAFE vivenciar a construção de conhecimento, além dos limites geográficos das mesmas, contribuindo com diferentes aprendizagens e ampliando os espaços de interação. Isso muda, significativamente, muitos (pré) conceitos relacionados à produção do conhecimento científico e propicia experiências na constituição de uma comunidade virtual de aprendizagem no Sistema ACAFE.

PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

  • Helena Justen de Fáveri, MSc, helenajf@unidavi.edu.br

Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí, UNIDAVI, Rio do Sul, Brasil

Palavras-chave: Planejamento, Organização, Acompanhamento

Apresenta-se a síntese de um projeto planejado pela Pró-Reitoria de Ensino, elaborado a partir de visita efetuada a outra Instituição Superior co-irmã, experimentado ao longo do ano de 2005, vivenciado em 2006 e implementado a partir de 2007. Saberes, planos e práticas de ensino são construções que tem uma historicidade moldada no cotidiano da prática exercida em sala de aula. Dificuldade docente observada pela Assessoria Pedagógica da Instituição, que desencadeou o projeto denominado Plano de Trabalho Pedagógico. Objetiva fundamentalmente a superação de dificuldades de aprendizagem, transferência de acadêmicos com a documentação em dia, cumprimento nos prazos, além de encerrar em si objetivos claramente definidos, conteúdos inovadores, procedimentos metodológicos e avaliativos claros, referências atualizadas, possibilitando o acompanhamento do desenvolvimento do PTP pelos discentes, além de, revelar profissionalismo docente. O Plano de Trabalho Pedagógico (PTP) foi concebido por uma equipe de Pedagogos como sendo um documento básico que engloba o programa e o plano de ensino, servindo para organizar e sistematizar as ações dos docentes e o acompanhamento técnico-burocrático e pedagógico por coordenadores de curso e assessoria pedagógica. Sua elaboração deve ser feita no site da UNIDAVI no auto-atendimento do professor e disponiblizado no guia do discente na modalidade on-line. Acompanhar e orientar as ações didático-pedagógicas no ensino superior requer dos sujeitos envolvidos a compreensão do Projeto Pedagógico Institucional (PPI) dos Projetos Políticos Pedagógicos dos cursos (PPP) para a construção e acompanhamento do Plano de Ensino dos professores. É um instrumento de trabalho elaborado semestralmente para cada uma das disciplinas. O professor deve expor o PTP aos alunos no início do semestre letivo. Ao final do semestre deverá ser impresso, assinado e anexado ao Diário de Classe. A perspectiva do projeto consistia em ter-se no início do semestre do ano de 2006 todos os planos publicados. Hoje se têm 100% dos planos publicados com até 60 dias antes do início das aulas e por ele é possível à aquisição das referências solicitadas para compor o acervo da biblioteca, e a indicação da quantidade de jogos necessários de etiquetas para as avaliações. Por se tratar de um projeto interno com o envolvimento de docentes voluntários, coordenadores de curso e assessores atuando dentro do seu horário de trabalho e o programa on-line desenvolvido no Núcleo de Informática próprio, não se efetuou uma planilha para o custeio financeiro, mas pode-se listar inúmeros benefícios além da organização dos PTPs, disponibilização ao discente antes do período de recesso escolar possibilitando ao acadêmico autodidata e organizado a seu envolvimento preliminar com a disciplina. O projeto está linkado a digitação de notas que só é possível o seu fechamento após o encerramento do PTP fase dois que compreende o registro diário dos conteúdos, também na modalidade on-line com acesso discente livre. Como se pode notar, estamos organizando as nossas aulas, valorizando ainda mais o trabalho docente, a troca de experiências ao planificar, o acompanhamento discente o que certamente contribuirá com o crescimento de todos.

POLÍTICAS ACADEMICAS DA PRÓ-REITORIA DE ENSINO DA UDESC

  • Sandra Makowiecky, Dr(a), sandra@udesc.br
  • Arivane Augusta Chiarelotto, MSc, arivane@udesc.br
  • Maria Aparecida Candido Rabelo, E, r4macr@udesc.br
  • Jadna Lucia Neves Heinzen , MSc, jadna@udesc.br

Universidade do Estado de Santa Catarina, UDESC, Florianópolis, Brasil

Palavras-chave: Políticas acadêmicas, reformas curriculares, cursos de graduação

Com a promulgação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9.394/96 (LDB), as universidades brasileiras são desafiadas a revisar os currículos dos cursos de graduação com vistas a uma maior flexibilidade na organização, visando atender à crescente heterogeneidade tanto da formação prévia como das expectativas e dos interesses dos alunos. Os cursos de graduação passam, assim, a ser conduzidos pelas Diretrizes Curriculares Nacionais, as quais constituem orientações para uma organização curricular que contemple uma sólida formação básica, preparando o futuro graduado para enfrentar os desafios das rápidas transformações da sociedade, do mercado de trabalho e das condições de exercício profissional. A Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC preocupada com estas questões empreendeu esforços na revisão dos projetos pedagógicos dos cursos de graduação na modalidade presencial (bacharelado, licenciatura e tecnólogos), a fim de absorver as normativas nacionais e reestruturar suas políticas de ensino. A Pró-Reitoria de Ensino (PROEN), liderando este processo, iniciou estudos e discussões em meados de 2004, a fim de subsidiar os Centros para as necessárias adequações dos projetos pedagógicos dos cursos de graduação. Neste sentido, foram definidas políticas acadêmicas para orientação das reformas curriculares dos 37 (trinta e sete) cursos em funcionamento na UDESC. As políticas implementadas por meio de Instruções Normativas e das Resoluções aprovadas pelos Conselhos Superiores dispõem sobre normas para processos de Autorização de Funcionamento e Criação e para Reformulação Curricular, com particular atenção para a carga horária dos cursos, considerados os cálculos do impacto docente, a alocação de carga horária destinada à disciplina de Estágio Curricular Supervisionado, os processos de verificação da aprendizagem, a regulamentação do crédito com 18 h/a e a delimitação dos respectivos períodos de integralização, em consonância com as Normativas do Conselho Nacional de Educação (CNE). Atendeu-se, também, aos marcos regulatórios do Conselho Estadual de Educação (CEE), em que foram encaminhados os processos para Reconhecimento de Cursos de Graduação e/ou Habilitação e para Avaliação e Renovação do Reconhecimento de 30 (trinta) cursos da UDESC. Os procedimentos legais instituídos possibilitaram a transparência dos processos e o acompanhamento das comunidades educativas na revisão dos cursos de Graduação desta universidade. Em continuidade, dar-se suporte aos onze Centros da UDESC, localizados no estado de Santa Catarina, para a conclusão da implantação das novas matrizes dos cursos e para a implementação das estratégias de avaliação institucional.

POSSIBILIDADE TERAPÊUTICA NO DESENVOLVIMENTO DE SEPSE COM ANTAGONISTA ESPECÍFICO DO PEPTÍDEO LIBERADOR DE GASTRINA

  • Bruna de Souza, Graduando, brufarmacia@gmail.com
  • Fabricia Petronilho, MSc, fabriciapetronilho@yahoo.com.br
  • Francieli Vuolo, Graduando, francielivuolo@hotmail.com
  • Francielle Mina, Graduando, frammina17@hotmail.com
  • Amanda Valnier Steckert, G, amandasteckert@yahoo.com.br
  • Daiane Pedroso, Graduando, daypedroso@bol.com.br
  • Larissa Constantino, G, larissa.constantino@gmail.com
  • Emílio Luiz Streck, Dr(a), est@unesc.net
  • Felipe Dal Pizzol, Dr(a), Pizzol.ez@terra.com.br

Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC, Criciúma, Brasil

Palavras-chave: Sepse, RC-3095, GRP

Histórico da proposta: A fisiopatologia da sepse é caracterizada por estímulo excessivo de mediadores pró-inflamatórios ou em reação a resposta sistêmica inflamatória, a uma variedade de estímulos infecciosos e não infecciosos. Um dos maiores avanços no entendimento do reconhecimento microbiano pelo sistema imune inato tem sido a identificação de receptores do tipo Toll (Toll-like receptors – TLRs) que agem como sensores de componentes moleculares associados à patógenos, reconhecendo-os e iniciando a defesa do hospedeiro. Estudiosos afirmam que TLR4 reconhece lipopolissacarídeo (LPS) e sinaliza vias que ativam NF-κB e AP-1, que coordenam a indução do aumento da expressão gênica de mediadores inflamatórios. Além disso, tem sido descrito que a sinalização de TLR4 esta implicada como crucial para a falência na migração de neutrófilos em sepse letal com alta mortalidade. O entendimento dos principais eventos pró e antiinflamatórios que induzem a danos teciduais é sem dúvida o primeiro passo na tentativa de melhorar o prognóstico da sepse e estabelecer a sua terapêutica adequada assim estudos mostram que macrófagos ativados secretam peptídeo liberador de gastrina-GRP, implicado na patogênese de condições inflamatórias sendo que o antagonista seletivo do receptor GRP, RC-3095 diminui a razão de mortalidade de animais sépticos por reduzir a disfunção orgânica e infiltração inflamatória, assim como a modulação da liberação de citocinas pro-inflamatórias em macrófagos ativados por LPS. Objetivo: Avaliar o efeito de RC-3095 na migração de células inflamatórias e disseminação bacteriana em modelo de sepse letal e sub-letal por ligação cecal e punção (CLP) verificando a expressão de mRNA do receptor do tipo TLR4, NFκB e AP-1 em cultura de macrófagos estimulados por LPS. Métodos e Resultados: Ratos Wistar (300 a 350 g) foram submetidos à sepse por CLP, sub-letal (SL-CLP) e letal (L-CLP) respectivamente e tratados com RC-3095 (3mg/kg sc) ou salina após a cirurgia, completando 4 grupos. Seis horas após, foi avaliada a migração de células na cavidade peritoneal e fluido broncoalveolar, bacteremia no sangue e exudato peritoneal. Em adição, foram determinados os efeitos de RC-3095 na expressão de mRNA de TLR4 por RT-PCR, e a translocação nuclear de NFκB e AP-1 em extratos nucleares com probes específicos através da técnica Shift assay em cultura de macrófagos ativados por LPS. Resultados foram expressos como média ± DP e p<0.05. Diferença entre grupos foi determinada por ANOVA seguido por teste de Newman-Keuls. Nossos achados mostram que RC-3095 melhora a resposta à sepse em modelo de L-CLP, reduz células inflamatórias em locais distantes do foco infeccioso, e atenua a disseminação bacteriana no exudato peritoneal e sangue sendo efetivo na inibição da translocação nuclear de NFκB e AP-1 e expressão de TLR4 em macrófagos. Conclusão: RC-3095 atua positivamente na resposta inflamatória em modelo de L-CLP mostrando uma relação funcional entre esta ação e a inibição de vias conhecidas por tal resposta. Perspectivas: Avaliar a expressão do receptor TLR4 no lavado broncoalveolar e pulmão de ratos sépticos por CLP e tratados com RC-3095.

Apoio / Parcerias: CNPq; CAPES e UNESC

Prática docente: uma experiência inovadora

  • Idorlene da Silva Hoepers, MSc, idorlene@univali.br

Universidade do Vale do Itajaí, UNIVALI, Itajaí, Brasil

Palavras-chave: Observação, Reflexão, Formação

Uma das características da Prática Docente: Projetos Integrados que merece destaque é a articulação direta com as outras disciplinas que compõem cada período. A cada observação os acadêmicos, organizados em pequenos grupos, se dirigem aos locais orientados por protocolos de observação, com indicadores devidamente planejados e organizados antecipadamente. Todas as observações são acompanhadas pelos professores das disciplinas. Após cada observação, em sala de aula, no grande grupo ocorre o processo de reflexão transitando entre o referencial teórico e a prática vivenciada in loco. Cada observação, reflexão e discussão em sala de aula dá origem a uma produção textual contemplando os aspectos específicos que comporão, ao final do semestre, um trabalho com o registro processual da trajetória empreendida no período, por aquele grupo de acadêmicos. Ao final do semestre, ocorre o seminário de socialização das experiências.

Conforme o contexto apresentado, conhecer os possíveis ambientes de atuação do pedagogo é de fundamental importância para a formação acadêmica, pois propicia entendimento e reflexões sobre a atual situação da educação, bem como sobre as condições históricas que influenciam e determinam o processo de constituição da identidade e profissionalidade docente. O processo de formação auxilia na aquisição de competências teóricas, práticas e metodológicas que permitirão ao pedagogo intervir nos vários contextos, frente aos desafios impostos na atual conjuntura do país.

PRÁTICAS DE GESTÃO DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO NA INDÚSTRIA

  • Cristiano Silveira Bitencourt, Graduando, pesquisa@univille.br
  • Evandro Bitencourt, MSc, adm@univille.br
  • Raul Landmann, Graduando, pesquisa@univille.br
  • Jerzy Wyrebski, MSc, j.wiredski@univille.net
  • Sheila M. Behrend, Graduando, extensaouniversitaria@univille.net
  • Marcelo Schwitzky, G, marcelo.schwitzky@univille.net

Universidade da Região de Joinville, UNIVILLE, Joinville

Palavras-chave: Indústria metal-mecânica, Gestão da produção, Lean Office

O Programa Institucional de Pesquisa em Gestão da Produção iniciou em março de 2008, com objetivo de desenvolver a pesquisa científica no campo da gestão da produção e criar competências essenciais para a gestão da produção industrial e áreas correlatas.O Programa está direcionado ao estudo da produtividade do setor metal-mecânico da indústria de Joinville, com intuito de diagnosticar a competitividade da indústria de Joinville através da análise de seus fatores determinantes. Joinville, com quase 500 mil habitantes, é a maior cidade catarinense, caracterizando-se como terceiro maior pólo industrial do sul do Brasil, em uma região que produz 10,36% do PIB global do Estado. Considera-se, portanto, que o setor tem importância estratégica para o desenvolvimento da região em todos os aspectos. O Programa é composto por sete projetos, cuja abordagem e alcance de seus objetivos viabilizará uma resposta abrangente para a problemática apresentada. Um destes projetos denomina-se “Práticas de Gestão dos Sistemas de Produção na Indústria Metal-Mecânica de Joinville”, cujo propósito é analisar as práticas de gestão dos sistemas de produção na indústria metal-mecânica de Joinville, mais especificamente às relacionadas ao planejamento e controle da produção e à gestão da qualidade e da produtividade, assim como também confrontá-las com as melhores práticas a nível nacional e internacional e propor estratégias para incorporar as práticas de gestão mais competitivas.A metodologia que está sendo utilizada consiste numa revisão bibliográfica e numa pesquisa exploratória junto às empresas do setor. A coleta de dados faz-se mediante entrevistas com profissionais das empresas pesquisadas, orientadas por roteiros previamente elaborados, com questões estruturadas e semi-estruturadas. Foram identificadas práticas contemporâneas altamente eficazes de gestão em uma empresa do setor metal-mecânico de Joinville, com 900 funcionários, que atua no mercado da construção civil há mais de 50 anos; e em seu segmento, possui em torno de 19% do mercado nacional. Exporta parte de sua produção, que representa 18% de seu faturamento, para a Europa, Índia, América do Norte, América do Sul e América Central. Esta empresa tem obtido significativo sucesso na aplicação prática de atividades de racionalização e incremento da produtividade em processos administrativos, com utilização de conceitos e ferramentas baseados no Sistema Toyota de Produção, caracterizados no ocidente sob o termo “Produção Enxuta” (Lean Manufacturing), e que, aplicados em ambientes administrativos, recebem a denominação Lean Office, cuja metodologia é relativamente recente e ainda não muito divulgada. Os resultados obtidos em três processos administrativos (fechamento da folha de pagamento, elaboração de relatórios gerenciais e compra de itens de baixo valor) demonstraram redução de 50 a 75% nos recursos e no tempo de ciclo, confirmando a eficácia da metodologia utilizada e demonstrando o grande potencial de melhoria que existe nos processos administrativos das empresas. As fontes de custeio financeiro do Projeto são oriundos do FAP (Fundo de Apoio à Pesquisa) e do Art. 170 (um aluno bolsista). As constatações e os resultados já verificados, embora ainda numa fase bem inicial do Projeto, permitem antever o enorme potencial de alcance dos objetivos propostos.

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM CONTROLE DE QUALIDADE DE ÁGUAS E EFLUENTES

  • Deyse Angelini, G, deyseangelini@gmail.com
  • Bruna Rodrigues, G, rodriguesbruna@yahoo.com.br
  • Cristiane Bonatto de Morais , E, ext@vda.edu.br
  • Estela de Oliveira Nunes , MSc, vinhoeagua@yahoo.com.br

Universidade do Oeste de Santa Catarina, UNOESC, Joaçaba, Brasil

Palavras-chave: Controle de qualidade, Água e efluentes, Desenvolvimento sustentável

Os problemas ambientais ultrapassam as fronteiras territoriais e devem ser tratados de forma global, justificando as exigências e barreiras à importação produtos resultantes de processos prejudiciais ao meio ambiente. Não apenas os países desenvolvidos vêm sendo afetados pelos problemas ambientais, mas principalmente os países em desenvolvimento. As considerações econômicas influenciam sobremaneira na definição da melhor tecnologia disponível, que até certo ponto é determinada por fatores relativamente independentes das necessidades de controle da poluição. O amplo desenvolvimento industrial aliado à expansão demográfica, que ocorreram de forma desordenada, trouxeram problemas em relação ao direcionamento dos efluentes de origem doméstica e industrial que, em sua maioria são lançados nos rios e/ou depositados em lugares inadequados, vindo a contaminar as águas de superfície e em alguns casos mais críticos contaminam lençóis freáticos. A população também está mais atenta e exigente em relação à qualidade da água que consome pois, mais de 4 bilhões de pessoas morrem anualmente vítimas de doenças de veiculação hídrica e que mais de 50% da população mundial tem problemas de acesso à água potável. A geração de efluentes é inevitável em qualquer processo industrial havendo a necessidade do monitoramento dos seus sistemas de tratamento e da qualidade do efluente final a ser lançado aos meios receptores. As exigências sanitárias e ambientais têm levado, cada vez mais, as instituições públicas e privadas a controlar a qualidade da água destinada aos processos industriais e ao consumo humano. Diante do exposto, a Unoesc – Videira implantou o Laboratório de Águas e Efluentes, que objetiva principalmente, a prestação de serviços à comunidade em geral, preocupando-se com o desenvolvimento regional, oferecendo serviços de qualidade (que vão desde a coleta de amostras, realização de análises, interpretação de resultados e orientação quanto aos procedimentos necessários em relação aos resultados obtidos) através de profissionais qualificados na área. O laboratório atua com reagentes certificados, protocolos testados e avaliados, baseados em bibliografia atualizada e oficializada de acordo com a USEPA e Standard Methods Water and Wastewater 21ª ed. e NCASI. Os serviços oferecidos incluem as análises bacteriológicas e físico-químicas de águas e efluentes, obedecendo aos principais parâmetros estabelecidos pelas normas vigentes, tais como a Portaria 518/2004 do Ministério da Saúde e Resolução 357/2005 do CONAMA. O laboratório atende atualmente mais de 80 empresas da região, prestando serviços em análises de água e efluentes. O laboratório atua também com parceria com o Ministério Público. Após 3 anos de operação no atendimento à região, foi possível observar a importância e a necessidade da oferta desse tipo de serviço. A demanda de análises é crescente e, na medida do possível, o laboratório está sempre buscando inovações através do constante aprimoramento da sua equipe laboratorial e da implementação novas metodologias, tendo como prioridade a confiabilidade dos resultados contribuindo com os interesses das indústrias e da sociedade em geral.

PREVALÊNCIA DE TRAUMA DENTO-ALVEOLAR NA DENTIÇÃO DECÍDUA EM POPULAÇÃO DE 0 A 5 ANOS DE IDADE ATENDIDA EM CRECHES MUNICIPAIS DE LAGES, SC

  • Anelise Viapiana Masiero, Dr(a), anemasiero@uniplac.net
  • Isabela França de Almeida Ramos, MSc, isabela@uniplac.net
  • Alexandre Sabatini Cavazzola, MSc, cavazzola@uniplac.net
  • Claudia de Abreu Busato, MSc, cabusato@uniplac.net
  • Betina Bürger, Graduando, betinabe@hotmail.com
  • Fernanda Taruhn Romani, Graduando, ftaruhbromani@hotmail.com

Universidade do Planalto Catarinense, UNIPLAC, Lages, Brasil

Palavras-chave: Trauma dental, prevalência, fratura de esmalte

A Região Serrana do estado de Santa Catarina, segundo a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente, continua detendo os piores índices de condições de vida do Estado: a concentração de terra, o analfabetismo, o desemprego, a baixa qualificação profissional, o déficit habitacional e os agravos a saúde são alguns dos problemas levantados. Quanto aos indicadores de saúde bucal destaca-se uma cobertura média de procedimentos coletivos na região equivalente a 53% da população de 5 a 14 anos. No entanto, não há registros na região de dados em relação ao trauma dento-alveolar. O traumatismo na dentição decídua constitui um problema freqüente, de alta incidência e difícil prevenção. Comum entre um e dois anos de idade, quando o desenvolvimento psicomotor promove a aprendizagem de andar e correr tornando as crianças susceptíveis às quedas, sua causa mais freqüente. Portanto a primeira experiência odontológica de uma criança pode estar na ocorrência de um trauma, situação que gera dor e ansiedade, adquirindo um caráter especial, tendo em vista o amadurecimento insuficiente da criança para cooperar com o tratamento odontológico. Dentro deste contexto, foi objetivo do presente estudo avaliar a prevalência de trauma na dentição decídua em população de 0 a 5 anos (0 a 60 meses) de idade atendidas em creches municipais de Lages, que se caracteriza como o maior município da região serrana de Santa Catarina. Para tal, após consentimento livre e esclarecido dos responsáveis, 147 crianças foram examinadas por examinadores previamente calibrados, sob luz natural, utilizando gazes e espátulas de madeira. Os dados foram anotados em ficha clínica específica. Do total de crianças examinadas, 50 crianças apresentaram algum tipo de trauma, sem diferença entre os gêneros. Quando avaliado o número de lesões, foram detectadas 53 lesões em tecido dentário ou nas estruturas de suporte, evidenciando que em alguns casos mais de um elemento dental foi envolvido. Dentre as lesões, destaca-se a ocorrência da fratura de esmalte (54,71%) seguida pela trinca de esmalte (26,41%). A avulsão foi encontrada em 7,54%% dos casos. As demais lesões em ordem decrescente de ocorrência foram escurecimento da coroa, luxação intrusiva, fraturas de esmalte e dentina e laceração. Nenhum tratamento foi realizado nas crianças que apresentaram algum tipo de lesão por trauma. Dentro das condições do presente estudo é possível concluir que a prevalência de traumatismo na dentição decídua está dentro dos parâmetros relatados na literatura e que há uma necessidade urgente de tratamentos curativos e programas preventivos para a população estudada. Projeto financiado pela Fundação de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica do Estado de Santa Catarina - FAPESC.

PRODUÇÃO DE ALIMENTOS SEGUROS NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

  • Stephanie Jackeline Modes, Graduando, stephanie.udesc@gmail.com
  • Liziane Schittler, MSc, liziane@udesc.br
  • Lucíola Bagatini, MSc, luciolabg@yahoo.com.br
  • Dulcinéia Cristina da Silva, Graduando, duda_engenharia@yahoo.com.br

Universidade do Estado de Santa Catarina, UDESC, Florianópolis, Brasil

Palavras-chave: Boas Práticas de Fabricação, qualidade de alimentos, programa

O programa de extensão titulado “Produção de Alimentos Seguros na Região Oeste do Estado de Santa Catarina-SC”, desenvolvido no curso de Engenharia de Alimentos, da área temática Produção e Tecnologia, iniciou-se em agosto de 2007, onde contemplava dois (2) projetos: “Avaliação das Boas Práticas de Fabricação em unidades fornecedoras de alimentação (restaurantes)” e “Avaliação das Boas Práticas de Fabricação em uma indústria de Chocolate”. Também foram ministrados cursos de capacitação para os manipuladores de alimentos envolvidos nos projetos. Este programa levou em consideração o conceito de qualidade dos alimentos sedo que uma das ferramentas mais utilizadas no processamento de alimentos, são as Boas Práticas de Fabricação (BPF), que são princípios e regras para o correto manuseio dos alimentos de forma a garantir a integridade e segurança dos consumidores. No Brasil, as BPF são regidas legalmente pelas Portarias 1428/93-MS, 326/97-SVS/MS e as Resoluções RDC 275/02-MS e RDC n° 216 de 15/09/04, sendo que a maioria das empresas não cumpre o que é estabelecido por estas. O programa teve como objetivo a produção de alimentos seguros na região Oeste do Estado de Santa Catarina. Executou-se o trabalho em duas etapas: primeiramente realizou-se o levantamento das BPF das unidades fornecedoras de alimentação e da indústria chocolates através da aplicação de check-list específico para o segmento, conforme Método descrito pela ANVISA, 2004. Realizou-se coleta de amostras de utensílios, equipamentos e mãos de manipuladores conforme método preconizado por Silva et.al 1997 e submeteu-se as amostras à análises de contagem total de microrganismo mesófilos e contagem de bolores e leveduras, conforme preconizado pelo Ministério da Agricultura, IN n°62 de 26/08/2003. Na segunda etapa apresentou-se os resultados obtidos na etapa anterior para os responsáveis pelas unidades fornecedoras de alimentação e da indústria Chocolates, bem como promoveu-se cursos de capacitação para os manipuladores destas unidades. Das unidades de alimentação avaliadas, apenas uma (1) foi enquadrada no Grupo 2, de 51 a 75% de atendimento a Legislação, e as demais unidades fornecedoras de alimentação (três) e a Indústria de Chocolates foram enquadradas no Grupo 3 de 0 a 50% de atendimento a Legislação. As principais desconformidades encontradas foram os itens: equipamentos, móveis e utensílios e edificação e instalações. Estes itens demonstram a falta de informação e de planejamento dos proprietários das unidades, pois estes hoje requerem recursos financeiros para readequar as instalações e/ou aquisição de novos equipamentos e utensílios. Os resultados das análises microbiológicas confirmaram os resultados encontrados no check-list onde as maiores contaminações foram em mãos e utensílios (bacias, talheres e outros).Os cursos de capacitação para os manipuladores das unidades fornecedoras de alimentação e indústria de Chocolates foram ministrados no final de vigência dos projetos. Atingiram-se 200 pessoas com este programa, sendo que dois (2) dos quatro (4) parceiros do projeto “Avaliação das Boas Práticas de Fabricação em unidades fornecedoras de Alimentação” aderiram à nova proposta de projeto tendo como objetivo a implantação das BPF. Demonstrou-se com este programa a necessidade de novos projetos que visem melhorar a qualidade na produção de alimentos.

Produção de biodiesel para embarcações de pescadores artesanais da Praia da Pinheira – SC através do reaproveitamento do óleo de cozinha utilizado nos estabelecimentos cmerciais da região

  • Elisa Helena Siegel Moecke, G, elisa.moecke@unisul.br
  • Rodrigo Lima Stoeterau , G, rodrigo.stoeterau@unisul.br
  • Ana Regina Aguiar Dutra , G, ana.dutra@unisul.br
  • Christiane Marques Severo , G, chrisevero@hotmail.com
  • Carlos Henrique Orssatto , G, carlos.orssatto@unisul.br
  • Décio Souza Cotrim , G, deciocotrim@yahoo.com.br
  • Maria da Graça Nascimento , G, graca@qmc.ufsc.br

Universidade do Sul de Santa Catarina, UNISUL, Tubarão, Brasil

Palavras-chave: Pesca artesanal, biodiesel, sustentabilidade

Dentro de uma perspectiva de desenvolvimento sustentável, buscando conciliar a dimensão econômica, social e ambiental, procuramos aliar os problemas enfrentados pela pesca artesanal e a disponibilidade de resíduos oleosos na região. A interação dos diferentes conhecimentos para encontrar soluções de problemas pontuais, tem nos levado a propor este projeto. E tem como objetivo a produção de biodiesel a partir do óleo saturado, proveniente de frituras dos estabelecimen